Seguidores

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

“A MULHER ADÚLTERA NO CAMINHO DA REPARAÇÃO. ”

Na passagem evangélica da Mulher Adúltera, a narrativa de João Evangelista resume-se até a absolvição dela. O espírito Amélia Rodrigues, em o livro Pelos Caminhos de Jesus, pela psicografia de Divaldo Franco, nos conta que naquela mesma noite a mulher procurou o Mestre para mais elucidações. Abriu seu coração relatando-Lhe suas fraquezas, o abandono do marido que se entregara às noitadas junto dos amigos e da tentação de que não fora capaz de suportar. Reconhecia que nada desculpava sua atitude, o que denotava arrependimento. Continuava sua exortação preocupada, pois não poderia contar com ninguém já que fora levada a execração pública. Nem com a ajuda de seu pai, tampouco de seu marido. Todos a abandonaram.
O Mestre lhe indicou a necessidade de uma mudança, pois em Jerusalém não haveria espaço para um recomeço, tendo em vista tudo o que aconteceu. Ela sentiu nas entrelinhas que deveria buscar novos ares, onde pudesse viver sem a sombra do erro cometido. Na despedida, Jesus a confortou: “Há sempre um lugar no rebanho do amor para ovelhas que retornam e desejam avançar. Onde quer que vás estarei contigo e a luz da verdade no archote do bem brilhará à frente, clareando o teu caminho”.
DIVULGADORA DA BOA NOVA
Dez anos transcorreram e vamos encontrar nossa personagem em Tiro, em casa humilde, onde recebia companheiros enfermos e abandonados. Um pouso de amor ela erguera. Não esquecera jamais a passagem com o Messias. Tornara-se uma divulgadora da Boa Nova alentando almas, enquanto limpava as chagas dos corpos doentes. Encontramos aí sua expiação. Através dos trabalhos redentores se redimia perante a Lei de Causa e Efeito. Mas faltava a reparação final: faltava-lhe apagar totalmente de sua consciência o ato praticado dez anos atrás àquele que ofendera com o adultério. Faltava compensar o ofendido.
Continua Amélia Rodrigues informando que durante uma tarde, trouxeram-lhe um homem desfalecido. Ela tratou de suas chagas, deu-lhe alimento revigorante que lhe aliviou as dores. Em seguida lhe ofereceu mensagem falando de Jesus. Emocionado, o homem confessa que conhecera o Doce Rabi em um fatídico dia em Jerusalém e desde então nutrira amargo sentimento pelo Mestre Jesus. Guardava terrível raiva, pois o Mestre salvara a esposa adúltera, porém, para com ele não guardara nenhuma palavra de consolo. Confessara então que o tempo o fez meditar como se equivocou em seu julgamento em Jerusalém. Buscava encontrar a companheira e a procurou em muitos lugares sem êxito, até que a doença lhe visitara o corpo, consumindo-lhe as energias. Embargada pelas emoções se recordara a mulher de todo o fato. Reconheceu o companheiro do passado e sem revelar-lhe quem era, disse-lhe: “Deus é amor, e, Jesus, por isso mesmo nunca está longe daqueles que O querem e buscam”.
A CURA DA ALMA
Encontramos nesta bela narrativa, queridos leitores, a afirmação de que o amor liberta definitivamente, cura todas as chagas de nossas almas, inclusive as feridas causadas pelos nossos irmãos de jornada. Mas, devemos seguir o exemplo da mulher adúltera e transpormos as barreiras do passado, buscarmos firmes através das lutas do cotidiano as oportunidades para o reajustamento definitivo. Ressaltamos também que o decurso de tempo é necessário neste processo, aliado ao esclarecimento através do Evangelho exemplificado pelo Mestre Jesus, aprofundado com os ensinamentos da Doutrina dos Espíritos. A necessidade de renovação íntima e moral, e também de que em toda infração cometida à Lei de Deus, nascem o arrependimento, expiação e reparação.
André Afonso Monteiro
Fonte: Correio Espirita
Bibliografia:
- Dias, Haroldo Dutra. João, capítulo 8, O Novo Testamento/ tradução de Haroldo Dutra Dias. – 1. ed. 2. imp. – Brasília: FEB, 2013.
- Rodrigues, Amélia (Espírito). Atire a primeira pedra. Luz no Mundo/ pelo Espírito Amélia Rodrigues; [psicografado por] Divaldo Pereira Franco. Salvador: LEAL, 1971.
- Rodrigues, Amélia (Espírito). Encontro de reparação. Pelos Caminhos de Jesus/ pelo Espírito Amélia Rodrigues; [psicografado por] Divaldo Pereira Franco. Salvador: LEAL, 1988.
- Kardec, Allan, 1804-1869. Código penal da vida futura. O Céu e o Inferno, ou, A Justiça Divina Segundo o Espiritismo/ Allan Kardec; tradução de Albertina Escuderio Sêco. – 2. ed. – Rio de Janeiro: CELD, 2011.
- www.feparana.com.br. Site federação Espírita do Paraná. Artigo a Mulher Equivocada.


“AS DORES DA ALMA, AS DOENÇAS E O CARMA”

O Espiritismo tem as respostas para essas e outras questões envolvendo nossa saúde, e que dizem respeito à maneira que escolhemos para viver nossa existência terrena.
Todos nós já nos questionamos, em algum momento de nossas vidas, o porquê de um determinado sofrimento, de uma dor ou mesmo, de uma doença. Por que precisamos do sofrimento? Não haveria uma outra forma menos dolorosa de aprendizado de vida?
Igualmente intrigante é a relação existente entre o sofrimento e o carma. Esse é um termo bastante utilizado pelas pessoas e, quase na mesma proporção, mal compreendido. O Espiritismo tem respostas para todas essas questões.
Alguns autores dedicaram alguns capítulos de seus livros para o esclarecimento dessas dúvidas. São questões complexas, mas que podem ser assimiladas com uma certa facilidade.
Os autores que nos auxiliam nesse entendimento são a mentora espiritual Joanna de Ângelis, que no livro Plenitude, psicografado por Divaldo Pereira Franco, nos apresenta a visão que a Doutrina Espírita tem do sofrimento, incluindo o sofrimento cármico e os aspectos provacionais e expiatórios.
O outro autor, Dr. Roberto Brólio, médico formado em 1951 pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, é um profissional que atua na área de saúde e se envolve em pesquisa e estudo profundo dos ensinamentos espíritas.
Inicialmente, de acordo com a mentora espiritual, a Doutrina Espírita nos diz que “o homem é a síntese das suas próprias experiências, autor do seu destino, que ele elabora mediante os impositivos do determinismo e do livre-arbítrio”.
Ela acrescenta que a vida são os acontecimentos de cada instante a se encadearem incessantemente. Uma ação provoca uma reação correspondente, geradora de novas ações, e assim sucessivamente.
O indivíduo é o resultado de suas atividades anteriores. No caso de ter praticado atos prejudiciais a si mesmo ou a outras pessoas, de ter tido uma experiência danosa, os efeitos nem sempre irão se apresentar imediatamente. Muitas vezes eles se manifestarão após uma ou algumas reencarnações.
Cedo ou tarde, os resultados surgirão em busca de reparação. Para as experiências construtivas, do bem, acontece o mesmo. Elas irão se refletir no comportamento do indivíduo, posteriormente.
Até aqui como pudemos apreender, são as ações que determinam as reações, ou o retorno. Essa é uma verdade, uma lei natural que governa as relações espirituais, mas que no campo da física é conhecida como Lei de Ação e Reação ou, terceira Lei de Newton. A Lei de Ação e Reação declara que “toda força impulsionada numa dada direção, origina outra força de igual intensidade, mas de sentido contrário”.
Ao pensar e agir, o ser humano está liberando forças. O pensamento é uma forma de energia, um fluxo energético que flui da alma através do cérebro. Se a orientação dada pela alma aos pensamentos e atitudes forem positivas, teremos um retorno positivo; se forem negativas, o efeito ou retorno será compatível com a força gerada, de igual intensidade.
Retomando as explicações de Joanna de Ângelis, temos os dois aspectos que podem se apresentar como sofrimentos humanos de natureza cármica: a provação e a expiação. Os dois aspectos têm como objetivos educar e reeducar visando o crescimento íntimo das criaturas, na busca da plenitude.
A “provação é a experiência requerida” ou proposta pelos guias espirituais. Isso ocorre antes do renascimento, da reencarnação. O guias espirituais examinam as fichas de evolução, avaliam as probabilidades de vitória e os recursos ao alcance do espírito que irá reencarnar.
Os recursos são apresentados como tendências, aptidões, limites e possibilidades, dores suportáveis e alegrias que possibilitem um resultado educativo. A mentora Joanna de Ângelis mostra a diferença entre essa experiência de vida, que se manifesta de maneira suave, porém educativa, e as expiações que são impostas, irrecusáveis.
As “expiações constituem a medicação eficaz”, a cirurgia corretiva para o mal que se agravou. Esse recurso se aplica à criatura reincidente que, já tendo passado pela etapa educativa da provação, agravou sua situação por rebeldia ou por alucinação proposital.
Estão incluídos nesse caso os suicidas premeditados, os homicidas frios, adúlteros contumazes, os exploradores de vida, vendedores de prazeres viciosos tais como as drogas alucinógenas, o sexo, o álcool, os jogos de azar, a chantagem, e muitos artigos da crueldade humana catalogados nos estatutos divinos.
As expiações podem ser atenuadas, porém não sanadas. Enquanto as provações são uma forma de sofrimento reparador que promove; com a experiência expiatória ocorre apenas uma restauração do equilíbrio perdido.
Toda aprendizagem propõe esforço para ser assimilada, e toda ascensão exige persistência, força e valor moral. Cada ser vive com a consciência que estrutura. Os códigos impressos em profundidade na consciência recolhem as ressonâncias como experiências reparadoras ou aqueles que propiciam a libertação.
Sobre a “Lei do Carma e as doenças cármicas”, temos a abordagem apresentada pelo Dr. Roberto Brólio, no livro Doenças da Alma (FE Editora). Segundo ele, a Lei do Carma pode ser entendida como decorrente da Lei e Causa e Efeito, do retorno ou reciprocidade.
Ele nos diz que toda ação praticada tem o seu retorno equivalente e em sentido contrário. Quando uma pessoa não tem disciplina mental para controlar os seus atos, cometendo falhas durante sua existência, como conseqüência terá de enfrentar o retorno, nesta ou em vida futura.
A palavra “carma vem do sânscrito”, antigo idioma hindu consagrado aos cultos nos templos iniciáticos, e significa causa e efeito ao mesmo tempo. O carma não tem a finalidade de punir, mas de harmonizar espiritualmente o ser humano, com a “Lei da Evolução”, libertando-se da estagnação causada pelas faltas cometidas.
Todas as faltas cometidas pela pessoa ficam registradas no perispírito, e se manifestarão como problema de retorno – doenças ou perturbações cármicas.
Todos os pensamentos, emoções, sentimentos e atos praticados pela pessoa durante sua existência atual geram carmas específicos. Esses somam-se ao carma que traz de vidas passadas, e seus efeitos expressam o saldo favorável ou desfavorável na vida presente.
A “Lei do Carma” coordena, ajusta e realiza, no nível perispiritual, registrando tantos as ações favoráveis como as desfavoráveis, afirma o médico. As doenças cármicas podem ser o resultado de algum dano causado pela própria pessoa ao seu organismo.
São muitas as maneiras que o ser humano encontra para prejudicar o próprio organismo: o uso de drogas, bebidas alcoólicas, cigarro, uso sem controle de medicamentos psicotrópicos, utilizados no tratamento de distúrbios mentais; conduta agressiva, uso de violência, maldade, exploração dos semelhantes em suas diferentes modalidades, hábito de se entregar a pensamentos negativos; ódio, raiva, ciúme, inveja, tristeza, maledicência, melancolia, insatisfação; desvio da sexualidade, estados de vida pautados na ociosidade, corrupção, leviandade; irresponsabilidade no desempenho de posições administrativas ou sociais, prejudicando os semelhantes e constituindo um mau exemplo para a sociedade.
Todas essas ações causam danos à alma e também certos comportamentos aparentemente inofensivos como, por exemplo, o não aproveitamento das oportunidades proporcionadas durante a existência terrena, gerando má colheita no futuro. O esforço para ser útil a si mesmo e ao próximo devem ser compatíveis com as condições de saúde e com a realização de alguma modalidade de trabalho.
Com relação às manifestações das doenças cármicas, o Dr. Brólio nos diz que, respeitadas as leis da hereditariedade, o Espírito atua no ser humano como modelo organizador biológico, desde a formação da célula-ovo, transmitindo para o corpo físico as impressões registradas no perispírito.
Portanto, é o próprio espírito que projeta no organismo em formação as impregnações cármicas, assumindo a responsabilidade por seus atos. Também é ele que atua sobre as células, realizando modificações a partir de ações que trazem a cura das doenças.
As malformações e males congênitos, bem como predisposição para um grande número de doenças e transtornos que ocorrem durante a vida, estão inclusas como impressões que foram arquivadas no perispírito. As doenças cármicas podem acometer as pessoas em todas as idades.
As perturbações que se enquadram como doenças cármicas são: algumas limitações orgânicas e psíquicas, certas formas de paralisia, patologias congênitas sem possibilidades de reequilíbrio, certos casos de esquizofrenia, algumas modalidades de câncer, de doenças degenerativas, a tendência para os vícios, para a agressividade, alguns casos de acidentes individuais ou coletivos, certas neuroses, síndromes do medo, de angústias, de ansiedade incontida, de insônia, de depressão, de pânico.
Ainda como manifestações cármicas, revela-nos o Dr. Brólio, enquadram-se certas injúrias, desigualdades sociais e econômicas, as dificuldades para realizações pessoais no estudo, nas artes e em alguns empreendimentos da vida. Assegura o médico que o carma indica o caminho para a libertação, para seu progresso espiritual. A própria consciência das criaturas conhece as causas do seu sofrimento cármico.
Em muitos casos, o comportamento das pessoas é semelhante à de almas penadas que sofrem em silêncio, embora existam aquelas que lastimam o tempo todo, sem achar qualquer alívio para suas angústias e dores.
A dor, o sofrimento e as dificuldades têm um significado: a busca de reaproximação com o Pai. A aceitação é um passo muito importante, e também o entendimento de sua transitoriedade. Ao serem sanados os problemas, as portas para uma nova vida se abrirão. As doenças e transtornos cármicos não podem, de forma alguma, ser vistos como uma condenação. Com a correção dos eventos do passado, o ser humano restaura o equilíbrio espiritual perante as leis do universo.
Para compreendermos melhor como as doenças e transtornos se desenvolvem, o Dr. Brólio esclarece, primeiramente precisamos compreender que o ser humano é formado de “corpo e alma”. O corpo tem uma estrutura energética, e evolui por meio do processo das reencarnações. A constituição orgânica do corpo físico é visível, palpável, ponderável, mensurável, podendo ser examinado minuciosamente até o interior das células.
A alma e sua estrutura energética, de natureza divina, apresenta a mesma forma e dimensão do corpo humano. Está ligada ao corpo humano. Está ligada ao corpo físico através do perispírito ou corpo espiritual. O perispírito interpenetra toda a estrutura orgânica, chegando até as células. Após esse raciocínio, o Dr. Brólio apresenta as doenças da alma e seu desenvolvimento.
Ele afirma que as doenças da alma têm um agente mórbido, o pensamento impregnado de emoções negativas. Esse agente chega até o interior das células, através do perispírito. Como já foi dito, a alma projeta sobre o corpo físico as vibrações boas ou más, arquivadas no perispírito, de acordo com a Lei de Reciprocidade ou Causa e Efeito.
Os pensamentos impregnados de emoções negativas podem atuar de diferentes maneiras, prejudicando os seres humanos. Quando movidos pelas emoções de ódio, inveja, ciúme, violência, crueldade, causam males às pessoas que as recebem e, de igual modo, a quem emitiu a emoção.
Como “os pensamentos são dotados de ideoplasticidade”, formam uma “névoa que envolve o campo mental” das pessoas que os emitem e das pessoas que os recebem. A constância dos pensamentos negativos atua causando um verdadeiro desequilíbrio à estrutura psíquica, muitas vezes possibilitando um comportamento estranho, anormal, desajustado.
Alguns desses comportamentos apresentam reações que inicialmente se manifestam por diferentes formas de insatisfação do ego, como a ansiedade, insegurança, angústia, frustração, aflição, raiva. Posteriormente, são atraídos pela fascinação aos vícios, distúrbio da sexualidade, volúpia, comportamentos anti-sociais como o roubo, o estupro e o sequestro, entre outros.
Existem formas atenuantes dessa modalidade de comportamento, assevera o Dr. Brólio; são aquelas em que as pessoas se comprazem em passar horas em bares, tomando bebidas alcoólicas, fumando, ocupando-se em conversas ou em entretenimentos fúteis, em jogos de baralhos e outros, perdendo precioso tempo em comentários sobre os seus semelhantes ou sobre fatos desagradáveis.
Há também outras formas de insatisfação do ego presentes nas pessoas que, inconscientemente, apelam para reações negativas que trazem um certo prazer ou satisfação íntima.
Essa modalidade de comportamento apresenta-se como masoquismo, e as pessoas que sofrem de algum tipo de masoquismo frequentemente vivem procurando doenças para justificar seus problemas. Queixam-se de sintomas de males orgânicos ou psíquicos e também de doenças imaginárias.
Todas as modalidades de ações causadoras de distúrbios, levantadas pelo Dr. Roberto Brólio, merecem ser destacadas. Ficamos, porém, com uma importante ponderação para finalizar o assunto. Ele ressalta que são muitas as modalidades de ações causadoras de distúrbios, mas muitos casos passam despercebidos ou não recebem a devida importância por parte dos profissionais de saúde.
Dr. Roberto Brólio – Médico-
Fonte: Mensagem Espirita