Seguidores

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

“AS SIMPATIAS E SUPERSTIÇÕES DE FINAL DE ANO NA VISÃO ESPÍRITA”

Na Doutrina Espírita não há rituais, nem simpatias, nem imagens, nem amuletos, nem talismãs, nem cor de vestimenta especifica...
Nós espíritas acreditamos que estas coisas não trazem poder para as pessoas, essa expectativa de poder mágico que é depositado nestas superstições não existe senão segundo O Livro dos Espíritos na questão 552: na imaginação de pessoas supersticiosas, ignorantes das verdadeiras leis da natureza.
Estas simpatias e superstições levam as pessoas a buscarem segurança, melhoramento de vida em coisas materiais, assim é um objetivo material do que moral. Não é comer um determinado tipo de comida, ou vestir uma roupa de determinada cor, ou pular ondas, não é carregar amuletos... que vai mudar aspectos da vida de um indivíduo.
No O Livro dos Médiuns, de Allan Kardec, na segunda parte, cap. XXV, item 282-17ª, encontramos a seguinte questão:
Pergunta: Certos objetos, como medalhas e talismãs, tem a propriedade de atrais ou repelir os espíritos, como pretendem algumas pessoas?
Resposta: Pergunta inútil, pois sabeis que a matéria não exerce nenhuma ação sobre os espíritos. Ficais certos de que jamais um espírito bom aconselha semelhantes absurdos. A virtude dos talismãs, de qualquer natureza, só existe na imaginação das criaturas supersticiosas.
Então, o que vai mudar a sua vida é a sua atitude de querer muda-la. E não formulas, ou ritos, ou simpatias de final de ano, réveillon.
O que temos que desenvolver em nós é a capacidade que carregamos de decisão , de superação do que queremos de melhorar em nossa vida. Temos que firmar a nossa fé na razão, acreditar em nós mesmos, na ação dos bons espíritos, na harmonia universal, e acima de tudo em Deus, e não em formulas materiais, em superstições, pois, como por exemplo: você não vai se tornar uma pessoa com paz interior se você vestir uma roupa branca no réveillon. A paz é uma conquista árdua que vamos construindo em nosso espírito, porque para ofertar a paz temos que desenvolve-la em nosso interior, pelo simples fato que não podemos dar o que não possuímos. Ou simpatias para ganhar dinheiro, se não trabalharmos com dedicação não haverá dinheiro para nosso sustento material. E assim com as demais simpatias e superstições.
O que precisamos para nossa vida é de mudança de atitude. É praticar diariamente os ensinos que Mestre Jesus nos trouxe, é saber servir sem esperar nada em troca, é sentir amor. O azar não existe, o que existe é o merecimento perante as leis universais de um esforço de boa conduta para a vida.
Para finalizar é preciso deixar claro que nós espíritas não somos contra quem realiza simpatias, rituais, ou usa amuletos... O conteúdo da postagem é para explicar o tema a luz do Espiritismo.

Blog Jardim Espírita-: Fonte-Mensagem Espiritas

"A PREPARAÇÃO DOS ESPÍRITOS VINDOS DE ALCÍONE PARA REENCARNAR NA TERRA"

Alcione é a estrela central da constelação de Plêiades.
No livro Amanhecer de Uma Nova Era, o espírito Manoel Philomeno de Miranda, por meio da psicografia de Divaldo Franco, nos faz conhecer no capítulo 16 um trabalho muito especial e de grande magnitude, que está sendo realizado aqui no planeta Terra.  Manoel Philomeno de Miranda, guiado por Bezerra de Menezes, nos esclarece que:
Existem nobres Comunidades que se encontram espalhadas na Terra, servindo de laboratórios  especiais para a preparação da reencarnação de espíritos vindo de Alcione. Manoel Philomeno de Miranda conta-nos a sua visita a uma dessas sedes, chamada de Santuário da Esperança, localizada em uma linda praia; sendo o Santuário da Esperança uma bela e colossal construção fluídica, quase uma cidade espiritual, que apresentava expressiva movimentação de entidades laboriosas, correspondendo a uma cidade terrestre de médio porte. Edifícios de grandes dimensões, porém, não muito altos, multiplica-se, encantando com as suas formas originais toda a paisagem urbana, adornada de jardins com árvores que desconhecemos, enquanto que veículos diferentes dos nossos, flutuam acima do solo em movimentação equilibrada, sem  exageros de velocidade. Aves canoras de belíssima plumagem, são vistas vez que outra, cortando o ar embelezando a natureza, em si mesma rica de imagens coloridas.
Esses santuários vem sendo construídos em muitos países da Terra, desde o fim do século passado, quando começaram a hospedar nossos generosos amigos benfeitores vindos de Alcione. Essas edificações exteriorizam uma luminosidade especial, por causa das atividades  superiores que são realizados nestes locais; e uma projeção de especial claridade envolve toda a construção para impedir qualquer tipo de invasão por seres inferiores.
É de algumas dessas edificações que se tem partido os construtores da Era Nova. E outros espíritos missionários do passado, virão diretamente para a Terra, deixando os seus redutos de iluminação onde ora se encontram, para o mergulho direto no mundo celular.  
O processo de transição apresenta-se, há um bom tempo com fases específicas: as ocorrências sísmicas, que são de todos os períodos, agora, porém, estão mais aceleradas, os sofrimentos morais que vem de doenças geradas pelas próprias criaturas humanas, em razão de terem optado pelos roteiros mais difíceis, as enfermidades dilaceradoras que encontram campo de expansão naqueles que se encontram receptivos, as dores coletivas resultantes dos interesses subalternos dos déspotas, dos ambiciosos, dos que se fazem carrascos da humanidade, assessorados por outros semelhantes que os mantêm na condição infeliz. E outros processos igualmente afligentes, convidando todas as criaturas a reflexão em torno das mudanças que se estão operando e que prosseguirão com mais severidade.
Jesus providenciou o retorno dos Seus mensageiros que marcaram as suas épocas com as características de amor e sabedoria, de modo que impulsionaram o progresso da humanidade até este momento culminante, agora necessários para o grande enfrentamento com as heranças enfermiças que permanecem na psicosfera do planeta, em razão da condição primaria de alguns dos seus habitantes. Simultaneamente, torna-se indispensável a presença de missionários de outra dimensão que, ao lado desses conseguirão vencer as urdiduras e programações dos desastres morais, modificando a estrutura moral da Terra, que irá elevar-se a situação mais própria a mundo de regeneração.
À medida que os espíritos progridem, as funções do corpo intermediário são absorvidas lentamente pelo ser imortal, em face da desnecessidade de construir corpos com os sinais do processo evolutivo, corrompidos, degenerados, limitados... Atingindo uma faixa mais elevada, o ser espiritual proporciona o renascimento através de automatismo, tendo como modelo a forma saudável e bela, cada vez mais sutil e nobre até alcançar o estado de plenitude, o reino dos céus interior...
Esses espíritos vindos do outro orbe, necessitam de algumas adaptações perispiritual para ficar compatíveis com a vibração do planeta Terra, assim como também a adaptação à psicosfera do novo domicílio temporário. Pois, do orbe de onde veem o estágio vibratório é diferente do nosso. Deste modo, os que vem de fora do nosso sistema passam por uma fase de adaptação perispiritual necessária ao êxito do ministério que irão desempenhar, submetendo-se a experimentos especiais, de modo que a sua adaptação ao novo corpo, que deverão modelar, seja menos penosa. Isto porque, no orbe em que viviam as dores e enfermidades físicas não existem mais, na condição de procedimentos depuradores, tornando-lhe indispensável condensar, sintetizar  no perispírito energias próprias para poder habitar o planeta Terra.
Nesses laboratórios os espíritos do outro orbe ficam sob forte jato de energia luminosa em concentração profunda. Neste estado, concentrados nos objetivos que os traziam à Terra, desdobram as características de expansibilidade perispiritual, neles quase que absorvidas pelo espírito, a fim de poderem plasmar as necessidades típicas do veículo carnal de que se revestiriam quando no ministérios reencarnatorio. Esta operação delicada de remodelagem perispiritual faculta ao espírito o retorno psíquico ao período em que as reencarnações eram-lhe penosas, e, portanto imprimiam nos tecidos delicados da sua estrutura as necessidades evolutivas.
Enquanto o processo de recuperação perispiritual nos moldes terrenos é realizado, ocorre que, aparelhos delicados acoplados à cabeça, transmite acontecimentos planetários do nosso orbe, para ele se acostumar com as ocorrências do cotidiano, com o objetivo de facilitar-lhes o trânsito com os demais membros da grande família humana.
Essas construções haviam sido programadas e executadas por engenheiros de Alcione que, antes da chegada dos que se deveriam reencarnar, criaram os pousos onde ficariam preparando-se, para depois poderem transitar na psicosfera terrestre, comunicando-se mediunicamente e participando dos labores espirituais.
Esses espíritos missionários do orbe de Alcione estarão reencarnado nas mais diversas áreas do conhecimento, assim como nos mais variados segmentos da sociedade.


Amanhecer de Uma Nova Era. Psicografia de Divaldo Franco. Pelo Espírito Manoel Philomeno de Miranda-Fonte: Blog Jardim Espirita

"COMO ENCONTRAR A PAZ EM SUA VIDA?"

Noventa anos, dos quais 50 dedicados ao espiritismo, mais de 250 livros publicados e 70 países visitados para participar de palestras e conferências. Discípulo de Chico Xavier, o médium baiano Divaldo Pereira Franco é considerado a principal liderança espírita da atualidade.
Reconhecido pelo trabalho com jovens carentes – já adotou 689 crianças e fundou, em 1952, a Mansão do Caminho, espaço de 83 mil m² em Salvador que já acolheu 35 mil jovens em situação de vulnerabilidade – ele é tomado por muitos como uma celebridade religiosa. Mesmo com a fama, demonstra humildade por onde passa e diz que só prega uma coisa: amor e tolerância.
Em visita a Porto Alegre no último fim de semana para participar do 9º Congresso Espírita do Rio Grande do Sul, na PUCRS, onde devotos formaram fila e choraram de emoção, Divaldo conversou com o GaúchaZH sobre espiritualidade, felicidade e crise de valores.
Assista aqui a entrevista ou leia o conteúdo a seguir:
— Apesar do avanço tecnológico, o homem moderno não encontrou a paz que procurava. Ao possuir coisas, defrontou-se com o vazio interior. Esse vazio somente é preenchido, como diria Platão, através do autoconhecimento. No momento em que nos identificamos, sabemos qual é a finalidade da vida — refletiu.
Confira os principais trechos da entrevista:
O Brasil vive hoje um momento difícil. Há uma crise político-econômica, a violência aumenta e enfrentamos momentos de intolerância. Que leitura o senhor faz desse cenário?
Toda a vez em que a civilização atinge um ápice de progresso, há uma curva de afirmação de valores. E naturalmente, uma decadência. (Isso ocorre) Desde a antiga Babilônia até a Europa moderna, que atingiu um alto nível na civilização e, no entanto, não pode evitar duas guerras. É um fenômeno natural e histórico no processo da evolução. Apesar disso, nunca houve na humanidade tanto amor, tanta bondade e tanto sacrifício. A crise nos afeta muito. Mas é necessário descobrir os valores que estão ocultos e que os exaltemos. A crise é uma preparação de mudança – de natureza social ou tecnológica. É para a adaptação.
Como sair dessa crise e redescobrir nossos valores?
Quando cada um de nós realizar uma mudança de valores. Em vez de nos preocuparmos tanto com os valores externos, com a posição social ou em atingir topo, (deveríamos) nos preocupar com a harmonia interna. Com essa modificação, haverá um contágio de sentimentos.
O senhor já fez milhares de conferências em quase 70 países. Quais os anseios e dificuldades que o senhor nota em comum em pessoas de diferentes lugares?
O grande desafio da criatura humana é a própria criatura humana. O indivíduo muda somente de nome e de endereço. Os conflitos psicológicos, as ânsias e as necessidades emocionais são as mesmas, porque falta às pessoas aquele conhecimento profundo de si para dar à sua vida um objetivo e uma natureza existenciais. Apesar das conquistas tecnológicas, o homem moderno não encontrou aquela paz que procurava. Ao possuir coisas, defrontou-se com o vazio interior. Esse vazio somente é preenchido, como diria Platão, através da observação daquela proposta de Sócrates: o autoconhecimento. No momento em que nos identificamos, sabemos qual é a finalidade da vida.
O senhor é conhecido por dedicar a vida a crianças em situação de vulnerabilidade social. Qual é o maior prejuízo para uma criança furtada de condições dignas de alimentação, educação, higiene, afeto e cuidado?
Surgem as patologias sociológicas do abandono. A sociedade passa a ser detestada. E a criança que não recebeu vai cobrar. Torna-se um vândalo e invariavelmente, sai marginalizado e vai para os departamentos do crime e da droga. Nesses momentos, ele se torna um indivíduo pernicioso à comunidade. Somos responsáveis pela violência. O que negamos aos necessitados, eles vêm tomar pela força. É a lei do universo. Faltando a cooperação, surge a violência.
Como resgatá-los?
Dando-lhes oportunidade. Amando-os. Fazendo com que despertem para a vida. Com esse sentimento, eles se tornam elementos úteis da sociedade e passam a ser membros de um novo corpo – o corpo da era nova.
O senhor adotou muitas crianças. É um pai para muitos…
Compreendi que não bastava dar comida, roupa e escola. Era necessário dar segurança e carinho. Todos nós somos carentes. Aquele que foi rejeitado ou que padeceu em função da orfandade tem sede de amor muito grande. E como eu tinha sede de amor também, procurei dar-me. Dar qualquer um faz, mas para dar-se é necessário renunciar ao ego para tornar feliz o outro.
O senhor recebeu o título de embaixador da paz no mundo em 2005 por uma universidade de Genebra, na Suíça. De lá para cá, o que mudou?
A sociedade passou a perceber muito os valores da vida. A ecologia desenvolveu valores adormecidos. O sentimento de amor ampliou-se muito, particularmente aos animais. Não só evitando a exterminação em massa de vidas que caminhavam para o extermínio, mas também o acompanhamento deles para a solidão. Mudaram os sentimentos, que antes eram ególatras e voltados para dentro. Ao amarmos o animal, facilmente iremos amar a criatura humana.
O senhor dedicou a vida ao espiritismo. Que mensagem o senhor traz da sua caminhada e do espiritismo, até para que não é espírita ou não tem religião?
Que vale a pena amar. O amor desabrocha através do respeito pela vida e se consolida pela amizade. Posteriormente, pela aglutinação de sentimentos. Através desses sentimentos, tornamos o mundo melhor e o ser humano se torna parte do universo. Ele (o ser humano) o é (é parte do universo), mas não sabe. É como no caso do holograma: cada pedaço tem o todo e o todo tem os pedaços. Nós carregamos o mundo dentro de nós. Quando nos dermos conta de que somos cédulas utilíssimas dessa realidade universal, mudaremos interiormente e voltaremos, com sentimento de amor, em alta escala de progresso. E a vida será melhor.
O senhor já declarou que é melhor não ter religião e ser digno do que ter religião e não ter dignidade. Por quê?
Muitas vezes a religião é um rótulo. É como um produto que está designado por um nome mas, por dentro, tem outro significado. A função da religião é apresentar a pedagogia da boa conduta. Por isso, toda religião que não leva ao fanatismo é boa. Mas, invariavelmente, o indivíduo tem a religião como ato social e não se impregna de todos os postulados. Ou em outras vezes, não tem religião e tem sentimento de nobreza. Se olharmos os grandes construtores da sociedade, veremos que não eram religiosos. Sua religião era a prática do bem, o desejo de fomentar o progresso e de promover o indivíduo ao status de cidadania.
Em 2014, o senhor publicou o livro “Seja Feliz Hoje”. Como ser feliz hoje?
Ao realizar o estado de paz interior. Confundimos a felicidade com o prazer. O prazer é fugidio, resultado da vida sensorial. A felicidade é o aprofundamento de valores. Podemos ser felizes na doença, na pobreza, na situação deplorável. Mas logo vem a ânsia do prazer. A verdadeira felicidade é dar-se para que a vida seja útil. Quando ela se torna útil a alguém, torna também ao indivíduo. É a proposta de Jesus Cristo: ele veio para servir, e não se serviu de nós para evoluir. A lição dele está no espiritismo, que nos oferece, na caridade, o meio de exaltação do self. Buscamos sempre o prazer e esquecemos da felicidade. Muitas vezes temos as respostas físicas, mas não temos a paz interior para a plenitude.
Há quem diga que hoje existe uma obsessão pela felicidade e que é por isso que as pessoas se frustram. Como o senhor avalia isso?
A felicidade é pelo ter. Corremos atrás de coisas e esquecemos dos valores individuais. Muitas vezes renuncio a determinado prazer para encontrar a paz. Somente quando nos preenchemos de valores éticos é que as coisas perdem o significado. Elas têm o valor que nós atribuímos. No momento em que a dor nos surpreende, esses valores desaparecem. Mas quando temos certeza de que a dor é um apelo do universo para que nos tornemos melhores, a felicidade aparece.
A felicidade envolve renúncia?
Sim. Sem a renúncia, não há felicidade. A renúncia é prova de amor, não exigir que o outro seja como nós queremos, mas ser feliz com aquilo que o indivíduo tiver. Qual a sua mensagem para os espíritas e para quem não é também? Que procure tudo para fazer o bem do outro. Quando mudamos, o mundo se transforma. Esperamos que os valores venham das autoridades governamentais. Mas eles são cidadãos. Se foram felizes, serão excelentes autoridades. Mas se tiverem caráter dúbio, acostumados ao suborno das paixões, eles mudam somente de postura e pioram aquelas tendências. Vale a pena amar, mas no sentido de tornar o outro feliz. Quando tornamos o outro feliz, ficamos felizes.
A mudança é difícil?
Não. É questão de adaptação. Vivemos um mundo de hábitos. Se algo me apraz, eu repito. Se me desagrado, cancelo. Se coloco uma meta produtiva que me planifica, eu me adapto e isso se torna uma realidade.
GAÚCHAZH

Fonte: Chico de Minas Xavier