Seguidores

sexta-feira, 22 de dezembro de 2017

“SERÁ QUE HÁ ESPÍRITOS DE CRIANÇAS NOS DOMÍNIOS DO ALÉM TUMBA? ”

Um objeto de estudo instigante, cuja explicação devemos ao Espiritismo, diz respeito à situação da “criança” no além após a sua morte. Será que há “crianças” no além? E o “bebê” , como será a sua forma perispiritual quando desencarna? ,,Será que o seu períspirito retoma a forma “adulta” ou por quanto tempo permanece “bebê” e ou “criança” no Além-túmulo? Há tantas interrogações sobre o que ocorre com as “crianças” recém-desencarnadas.  Como “ela” se adapta no Mundo dos Espíritos? Sim, são inúmeras dúvidas.
Cremos que “crianças” no além  são imediatamente recolhidas por familiares ou mentores, que lhes darão ampla assistência. Se são Espíritos com ótima bagagem moral retomam a personalidade anterior. Se são de mediana evolução, acreditamos que conservam a condição infantil, que será superada com o decorrer do tempo, como sucede com as “crianças” na Terra. Podem, também, retornar à reencarnação.
Porém, pasme! Segundo um famoso escritor espírita “não há uma única manifestação mediúnica de criança nas obras de Allan Kardec”. Portanto, afirma que não existem “Espíritos “crianças”, pois o período de infância, adolescência, maturidade e envelhecimento, é uma condição do corpo físico, que obedece a esse processo orgânico de maturação, próprio dos nativos do planeta Terra.
Será? É urgente contar ao notório e equivocado confrade,  que o Codificador publicou comunicação do Espírito de uma criança na Revista Espírita de 1859. E ainda registrou a manifestação do Espírito do menino Marcel, conforme publicado na obra “O Céu e o Inferno” cap. 8, Parte II. Aliás, antes de Kardec, encontramos personagens históricos que mencionam os espíritos de “crianças” no além. A exemplo de  Swedenborg que descreve “crianças” sendo bem recebidas no além nas instituições onde adolescem e são cuidadas por jovens mulheres. Há distintos precursores do Espiritismo que fazem alusões às “crianças” no além, a saber:  Louis Alphonse Cahagnet, na França e Andrew Jackson Davis, nos EUA.
André Luiz apresenta no cap.X do livro “Entre a Terra e o Céu” acurados painéis de crianças desencarnadas. Cairbar Schutel apresenta as “crianças” no além tumba no seu livro “A Vida no Outro Mundo”, Frederico Figner (Irmão Jacob) faz menções a “crianças” no além, conforme agenda  no livro “Voltei”. Informações confirmadas por Yvonne Pereira em “Cânticos do Coração, Vol II”e George Vale owen, na obra “A vida Além do véu” , dentre outros.
Na questão 381 de O Livro dos Espíritos o Codificador questiona aos Espíritos se na morte da criança, o ser readquire, imediatamente, o seu antecedente vigor? Os Benfeitores aclaram o tema afirmando que o Espírito não readquire a anterior lucidez, senão quando se tenha completamente separado do envoltório físico. E nas questões 197, 198, 199, 346 e 347, da mesma obra básica é informado que o Espírito da “criança” não é infantil, e, sim, reencarnação de Espírito que teve outras existências na Terra ou em outros orbes. Especificamente na questão “199-a” Os Espíritos inquiridos por Kardec  sobre o destino espiritual da criança que morre bebezinho, anotaram que o Espírito “recomeça outra existência”.
No entanto, antes do reinício de nova existência física, tais Espíritos são recolhidos em Instituições apropriadas. Há apresentações psicográficas citando Escolas, parques, colônias e instituições diversas consagradas ao acolhimento e amparo às “crianças” desencarnadas. E ademais ao reencarnar o Espírito entorpece a consciência e somente finalizará o processo reencarnatório a partir dos sete anos aproximadamente, quando se remata a reencarnação. Por isso, se a criança desencarnar no meio do processo reencarnatório , ou seja,  entre os 3 anos e 4 anos o Espírito  possivelmente possa retomar imediatamente a forma adulta precedente.
Também  devemos considerar o seguinte: Se a “criança” desencarnada  possui grande experiência no campo intelecto e moral, readquire rapidamente os valores parciais da memória, logo após a desencarnação, conseguindo, por isso, ordenar conceitos e anotações de acordo com a maturação intelectual alcançada com seus empenhos.
O mesmo não sucede com “criança” desencarnada que ainda não possui condição moral elevada. Em tal estágio, o desenvolvimento no além-túmulo é idêntico ao que se processa no plano físico, quando o Espírito é constrangido a aprender pausadamente as lições da vida e avançar gradualmente, segundo as injunções do tempo.
Morre o corpo infantil (em qualquer faixa etária), e sobrevive o Espírito imortal e eterno, com toda uma bagagem de aquisições intelectuais e morais, advindas das múltiplas experiências reencarnatórias, e que integram a sua individualidade. 
Recordemos que a almas ainda prisioneiras no automatismo inconsciente, acham-se relativamente longe do autogoverno. Em face disso, permanecem transportados pela Natureza, à maneira de bebês no colo materno. É por esse motivo que não se pode prescindir de períodos de recuperação, para quem desencarna na fase infantil. Porquanto precisarão continuar aprendendo, estudando e recebendo esclarecimentos espirituais adaptados à sua idade e compreensão e serão separadas por faixas de idade e entendimento (tal como ocorre aqui na Terra).

Nas fontes que examinamos não encontramos informações de Espíritos de “crianças” nas regiões “umbralinas”. Ainda bem!
Temos muito que aprender com os Espíritos.
Fonte: Rede Amigo Espirita- Jorge Hessen

Jorgehessen@gmail.com

"O VERDADEIRO SENTIDO DO NATAL"

  • O Natal é o momento culminante das bodas da humanidade com Jesus,
    não é uma data na história, porque Renan asseverou que Jesus foi tão grande na história que não nasceu dentro do calendário,
    ele dividiu a história entre antes e depois dele....
    O Natal significa uma evocação deste momento sublime em que o Rei Solar desceu a convivência com as criaturas humanas miseráveis, sem se tornar miserável...
    Quando ele conviveu conosco os pecadores sem se tornar um igual pecador...
    Quando ele nos ensinou a amar a luz e dizer que a pobreza era o maior dom, mas não a pobreza da miséria que leva o individuo ao desespero, aquela pobreza de ambições, a pobreza do ego, a pobreza do ódio, a pobreza das vaidades,
    isto é o Natal....
    Lamentavelmente celebramos o natal sem se lembrar do aniversariante, então gostaria de dizer, o Natal de Jesus é momento que ele nasce ou renasce em nossos corações....
    Celebre a data, que se tornou famosa principalmente pelo marketing muito bem elaborado pelas potencias dominadoras do mundo na área dos negócios, mas celebre o natal de Jesus, amando, perdoando alguém que ofendeu você, desculpando aquele que não entende, sendo melhor mãe, melhor pai, melhor amigo, melhor irmão, e na noite evocativa não esqueça de dizer ao seus filhos o quando você os ama, mesmo que aparentemente eles não mereçam, dizer ao parceiro o quando ele é importante na sua vida e tornar-se você importante em outras vidas, quem conhece a Jesus nunca mais é o mesmo, quando ele se junta a nossa alma, nos exteriorizamos o brilho estelar, que magnetiza outras pessoas, que vem a claridade do amor refletida em nós, sem maiores preâmbulos, sem muitas indagações....
    Jesus portanto é a benção dos céus que desce a terra numa ponte, para levarmos a terra em direção dos céus em nome do amor....

    Feliz Natal.

    Divaldo Franco

“ALZHEIMER” – DELONGADO E GRADUAL PROCESSO DE DESENCARNAÇÃO”

Antigamente a doença de Alzheimer que era vulgarmente conhecida como “caduquice” e tratada como um estado de demência progressiva. Caracterizada pela perda contínua das aptidões do indivíduo, como extermínio da memória, dificuldade na linguagem e no pensamento ela afeta, progressivamente, as funções corticais do doente, ocorrendo atrofia do cérebro e, por isso mesmo, as funções cognitivas e motoras são deterioradas irreversivelmente.
Embora ainda não tenha cura, o uso de medicamentos como Rivastigmina, Galantamina ou Donepezila, junto com terapia ocupacional (estímulos), podem auxiliar no controle dos sintomas e retardar a sua progressão, melhorando a qualidade de vida do paciente.
A “Alzheimer” é mais comum em idosos. No estágio inicial (leve), podem surgir sintomas como: dificuldade para lembrar dos acontecimentos mais recentes , contudo a lembrança de situações antigas permanece normal, dificuldade para achar o caminho de casa , não saber o dia da semana, repetir as mesmas perguntas. Na fase moderada o doente apresenta incapacidade de fazer a higiene pessoal, anda sujo, tem dificuldade para ler e escrever, alterações do sono, troca o dia pela noite.
Na etapa avançada o doente não consegue memorizar nenhuma informação atual e nem antiga, não reconhece os familiares, os amigos e locais conhecidos, nem as coisas do ambiente (agnosia), perdem a coordenação para os mais simples movimentos úteis, como vestir uma roupa (apraxia).
Allan Kardec não fez referência à tal enfermidade, todavia, cremos que o Espírito do enfermo permanece em estado parcial de “desdobramento”, pela impossibilidade de utilizar-se do cérebro que está em definhamento. São pessoas comprometidas com graves crimes morais de existências passadas. Certamente a rigidez de caráter (intolerância), a culpa, os processos obsessivos de subjugação, a depressão, o ódio e a mágoa realimentados a longo prazo, podem ser matrizes admissíveis para a ocorrência do mal de Alzheimer.
Naturalmente, o desempenho da família em moléstias desse tipo é de elevada importância, tanto para a melhoria da qualidade de vida do paciente, quanto do ponto de vista das demandas espirituais, pois seguramente o grupo familiar está coligado às “contas do destino criadas pelo mesmo” com o doente, por isso o imperativo da reparação.
O tratamento espiritual é de essencial importância , inclusive para a família, pois os parentes sofrem muito com o gradual alheamento do ser querido, que passa por um processo lento, espesso, dolorido de perda de intercâmbio cognitivo com os familiares e amigos. É como um delongado e gradual “processo de desencarnação”.
As presumíveis causas espirituais, como processos obsessivos e atitudes de intransigência moral, entre outras conforme mencionamos acima, recomendam a necessidade de ininterrupta diligência de esclarecimento espiritual, com leitura diária de páginas evangélico-doutrinárias e frequência, se possível semanal, à casa espírita para tratamento com passes e águas fluidificadas.
Nessas penosas conjunturas os familiares e ou cuidadores têm a chance de desenvolver suas potencialidades espirituais como a resignação, a tolerância, a aceitação, a vigilância irrestrita ao enfermo, a renúncia, a submissão, o amor, que inequivocamente são tesouros morais adquiridos pelos que se dedicarem aos portadores da doença de Alzheimer.
Fonte- Rede Amigo Espírita- Jorge Hessen

Jorgehessen@gmail.com