Seguidores

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

“DESENCARNE DE CRIANÇAS: ESCOLHA OU FATALIDADE? ”

Ninguém é vítima do destino, ninguém tem algo na vida sem merecer, nem mesmo um desencarne prematuro, ou seja, ainda na fase infantil.
Antes de reencarnamos para continuar nosso crescimento evolutivo escolhemos tudo, nosso corpo físico, o local do nascimento, nossa família terrena e inclusive os aprendizados, sofrimentos, dores e alegrias.
Nada na vida é por acaso, não existem coincidências, pois tudo é perfeitamente sincronizado, obedecendo um plano divino preestabelecido e nossas escolhas.
A criança pode estar em um corpo pequeno, parecendo frágil e inocente, porém, a vemos dessa maneira porque temos o hábito de enxergar a nós e aos semelhantes pela ótica terrena apenas, acreditando que essa é a única existência.
Essa vida em que estamos inseridos é apenas mais uma, que claro precisa ser bem aproveitada, porém, nossa alma é antiga, nossa essência já passou por muitos corpos, por muitas situações, por muitas famílias, por muitas “cascas” pequenas e diferentes.
Portanto, na condição de espíritos, escolhemos nossa família carnal que nos auxiliará na evolução conscencial e, consequentemente, os auxiliaremos. Tudo é uma troca, de aprendizado, de evolução, de libertação, de resgates passados.
Muitas vezes em decorrência de ações praticadas em vidas passadas, para seu crescimento espiritual e resgates, a alma, no corpo de uma criança, solicita passar por situações difíceis, doenças ou acidentes. Assim, o aprendizado é para ela e para família também.
Da mesma forma, quando a criança é portadora de uma doença grave, assim escolheu antes de vir para a Terra, este Planeta Escola. Por sua vez, a família também aceitou a vivência de tal situação e está preparada para recebê-la, mesmo que a mente consciente não veja desta forma.
Claro que no momento do desencarne a família sofre, pois como nossa visão é limitada, nos apegamos muito, esquecendo que somos todos espíritos livres, que nos unimos por laços cármicos e por afinidade.
Assim, todos os envolvidos, antes de vir pra Terra, também escolheram isso, portanto estão preparados de forma inconsciente para receber o fato, aparentemente trágico.
Muitas vezes, quando uma criança passa longos períodos doente, os pais buscam se espiritualizar, se autoconhecer para compreender a situação. Ali vemos que a missão da criança era também trazer espiritualidade para os genitores carnais e, quando tudo está organizado, é hora de partir, ou seja, voltar para casa, pois aqui estamos por um período transitório. Quando a alma cumpre sua missão nesta planeta, não há mais necessidade de aqui continuar, seguindo sua jornada evolutiva, podendo voltar novamente até que alcance a iluminação.
Outra situação que causa comoção e é muito divulgada na mídia, é o assassinato de uma criança, por desconhecidos ou familiares. Apesar de parecer trágico, é evidente que está foi uma escolha e antes de julgarmos temos que parar e refletir: O que será que aconteceu com essa família em vidas passadas? Agora esta alma está em um corpo infantil, mas no passado o que fez a seu ‘suposto algoz’?
Embora a criança pareça inocente, pode ter resgates de vidas anteriores e aceito tal desencarne para evolução de todos os envolvidos. E não existe vítima, nem vilão, nem culpado, apenas uniões para aprendizados, muitos aparentemente negativos, mas que nos possibilitam evoluir espiritualmente.
Não existem fatalidades, tudo são escolhas pré-determinadas por nós antes de virmos para este planeta escola. Aqui não é nosso lugar, então temos que ver tudo isso com mais naturalidade. A reencarnação da alma, as vidas sucessivas em corpos, locais, famílias diversas, não é algo com fundamento religioso, mas científico.
Seria muito injusto se existisse apenas uma vida, pois existem realidades diversas…pessoas muito pobres, outras ricas, pessoas felizes, outras com uma vida de aprendizado e aparente sofrimento.
E isso ocorre porque escolhemos, porque cada alma é única e precisa passar por determinadas situações.
Você que está lendo este texto pode pensar: Você diz isso porque não vivenciou por uma situação difícil como passei!!
Não estou querendo dizer que o desencarne, as situações negativas são fáceis de serem encaradas e aceitas, mas deveriam ser. Se olharmos com os olhos da alma, percebendo que vamos e voltamos centenas, milhares de vezes, trocamos de corpo, de família, de vida, de profissão, veremos que tudo é perfeito e sincronizado. Que a vida não é um parque de diversões, é o local onde temos que aprender, evoluir, crescer como almas e não homens terrenos apenas, e por mais difícil de aceitar, devido ao nosso nível evolutivo, aprendemos mais pela dor do que pelo amor, esta é a realidade.
Claro que com nosso livre arbítrio podemos modificar tudo, porém, existem situações que precisamos vivenciar e mais tarde, nesta vida ou após o desencarne, veremos como foi proveitoso e rico em crescimento para a alma. Por isso, as escolhas que fazemos antes de vir para a Terra são mais acertadas daquelas que fazemos aqui, cobertos pela limitação.
Antes de reencarnar, quando estamos no Astral, temos mais clareza para fazer escolhas, mas ao chegar aqui, a ilusão, o véu do esquecimento, nos cega e esquecemos quem somos. Como um iceberg que possui apenas 5% visível e 95% encoberto pela água, nós temos 5% de consciência e 95% de inconsciência.
Não existe fatalidades, nem destinos cruéis, porque o desencarne, não é o fim, mas o recomeço de uma nova fase. Ao deixar o corpo carnal, que é morada da alma, temos consciência de quem somos de verdade, pois saímos deste cenário de testes, de encenação. Voltamos para nossa casa e percebemos nossa grandeza como espíritos livres que sempre fazem escolhas, conscientes que a evolução da alma é a meta principal de nossa existência.
Luz da Serra.

Fonte: ESPIRIT BOOK

“MACUMBA...FEITIÇO...PEGA?

Já é de grande conhecimento que a palavra “macumba” refere-se a um instrumento musical oriundo da África, portanto, quem toca a macumba, é macumbeiro, como o músico que toca piano, é o pianista.
Vulgarmente trazido para o que vamos tratar neste texto, a palavra “macumba” tem sido ligada, pelo senso comum, à prática de trabalhos espirituais e feitiços. Feitiços esses, normalmente e erroneamente relacionados à praticantes de religiões africanas ou de matriz africana.
Mas afinal, a chamada "macumba", pega? A resposta vai depender da nossa sintonia.
Todo feitiço exige uma força mental que vibra como ondas elétricas, através de nossos pensamentos, seja ele em forma de prece, seja ele em forma de maldição. Entretanto, assim como um telefone, que só se consegue comunicação se atendermos a chamada, o feitiço só funciona se estivermos suscetível a ele.
De que maneira isto ocorre? Com a falta de oração e a invigilância de pensamentos ou atos. Estas duas atitudes são facilitam a nossa vulnerabilidade.
Sentimentos de baixa vibração como a mágoa, rancor, inveja, mentira, ira, desânimo, entre outros, tão negativos quanto, são alimentos para absorção de qualquer tipo de energia negativa. Estes sentimentos potencializam-se a medida que se atraem, por similaridade vibratória, espíritos de igual energia que utilizarão da nossa condição de encarnados para atingir seus objetivos, seja ele, prejudicar a parentes, amigos, e, com certeza, independente do foco, prejudicarão quem tiver servido de instrumento.
A partir dessa deficiência, todo e qualquer tipo de feitiço pode atingir o seu objetivo. Eles podem ser feitos de diversas maneiras; com o uso de forças energéticas animais, minerais e/ou vegetais, mas sempre pela força do pensamento. O que move tudo, na verdade, é o pensamento.
Existem maldições que sequer são expressas em palavras e tem poderes imensuráveis de destruição. Mas novamente destacamos: vai depender do fortalecimento e vigia do receptor o resultado de tal ato.  Repetimos: tudo é sintonia, é pensamento.
Desmistificamos aqui a crença de que “macumba” é coisa de "macumbeiro" (Umbandista, Candomblecista, dentre outras religiões com influência Africana). Na verdade, a energia negativa é atitude de pessoas que necessitam de muita ajuda e conscientização mental, moral e espiritual.
O Candomblé cultua seus Orixás e respeita a ancestralidade, e, quando levado isso em conta e a sério, orienta seus adeptos sempre pelo caminho do bem. A Umbanda trazida em uma sessão Espírita, através  do médium Zélio Fernandino de Morais, pelo Espírito do Caboclo das Sete Encruzilhadas, atua justamente para a quebra desses feitiços de forma totalmente gratuita, praticada com o incentivo do fortalecimento da fé raciocinada, a prática da caridade, conscientizando-nos de que tudo o que que plantamos, colhemos. E o amor dessas religiões que as assemelham, acabam tornando-se poderosas ferramentas de reversão desses tais “feitiços”, trabalhando arduamente, cada uma a seu modo mas com um mesmo objetivo: conscientização espiritual, moral e a caridade na sua mais sublime essência.
Trazemos neste artigo uma realidade: Tudo o que você pensa e vibra influencia a sua vida. Seja de forma positiva ou negativa.
Entretanto, temos o que chamamos de Justiça Divina. Para tudo o que fazemos, teremos um retorno, seja para o bem, seja para o mal. Não necessariamente na “mesma moeda”, mas certamente, na medida equivalente ao necessário para o teu aprimoramento evolutivo.
Existe um outro tipo não tão raro de feitiço, mas um dos mais perigosos: o auto feitiço, o qual a própria pessoa afogada no seu ego, orgulho e vaidade, se coloca em posição de vítima por julgar ser digna dos piores sentimentos de inveja e cobiça de terceiros. Ela aceita para si uma maldição que sequer foi feita e aproveita-se deste subterfúgio pra justificar seus insucessos. O individuo então se afoga na própria negatividade e traz para si, cada vez mais energias semelhantes, tornando o caso ainda mais complexo.
Esse seguramente é o pior feitiço, pois ele só se dissipa quando a própria pessoa se conscientiza da necessidade de melhoria íntima e põe em prática.
Para evitar todo e qualquer tipo de feitiço, se cerque de bons pensamentos, inicie o quanto antes a reforma íntima, mantenha uma rotina prazerosa de prece, ocupe sua cabeça trabalhando em favor do bem. A humildade no seu mais puro teor é mais forte do que qualquer feitiço que for direcionado até você e fará movimento de boomerang atingindo em forma de ensinamento, o remetente que necessita de lapidações e aprendizado.
E quando encontrar uma macumba por aí, não tenha medo, dance ao som que este lindo instrumento emite através do dom divino que o macumbeiro tem.

Fonte: Blog. Letra Espirita. Por:  Jackelline Furuti

“O QUE É CARMA? PUNIÇÃO OU REEQUILIBRIO? ”

Nós sabemos o que seja carma? Por que, parece, que carma virou explicação para todo problema, toda situação triste ou infeliz na vida das pessoas. Mas quem é esse tal de carma? De onde ele vem?
Inicialmente, é importante entender, que não devemos nos prender demais ao conceito de carma. Essa é uma posição da filosofia oriental que tem aproximações com a Lei de Causa e Efeito apresentada pelo Espiritismo, mas há distinções em relação ao entendimento disso na prática.
Quando se usa o termo carma, há uma conotação de fatalidade, enquanto que a Doutrina enfatiza a possibilidade de minimizar ou até eliminar as ocorrências de sofrimento, mediante uma ação positiva no bem.
Carma, meus irmãos, ao invés de ser um castigo como muitos pensam, é sinônimo de reequilíbrio. E a vida material é a maravilhosa e insubstituível escola que possibilita que aprendamos e tomemos consciência das nossas atitudes erradas nesta e em vidas pretéritas.
Mas como é que o carma aparece? Do nada? Em um passe de mágica? Não! O Princípio do Livre Arbítrio dá ao homem o direito de escolher seus caminhos, de ser o autor de sua história, o construtor do seu destino. Entretanto, o Princípio de Causa e Efeito, Plantação e Colheita, torna o homem refém de seus atos, das suas escolhas.
Nós construímos nosso carma, no exercício do nosso livre arbítrio, na escolha de nossas opções. E optar, não é o que sempre estamos fazendo? Ajudo ou prejudico? Cuido da minha saúde ou me vicio em drogas? Sou amigo ou inimigo? Prego a paz ou fico criando intrigas? Elogio ou critico? Trabalho ou fico ocioso? Construo ou quebro? São as nossas escolhas! Nossas decisões!
Nós, meus queridos irmãos, somos os únicos responsáveis pela escolha do nosso caminho. O problema, é que, após a escolha, temos que trilhar pelo caminho escolhido! Útil, não é necessariamente aquele que quando está na erraticidade, solicita reencarnar como um deficiente, para purgar atitudes equivocadas. Muito mais importante é aquele que procura, quando está encarnado, adquirir condições para, na próxima vez, reencarnar perfeito, para auxiliar, construtivamente, os seus irmãos.
A expiação, muitas vezes, por conta de uma visão distorcida, soa como castigo divino. Mas, nós, espíritas, sabemos e devemos demonstrar pelo exemplo, que as deformidades físicas não estão punindo, mas eliminando as deformidades perispirituais, que causamos anteriormente. Podemos atenuar, ou mesmo eliminar, as situações cármicas? Sim, por atos de amor. Cabe a nós demonstrarmos “que o amor cobre uma multidão de pecados”. As pessoas quando enfrentam uma situação difícil, seja ela física, financeira ou psicológica e que não sabem, não conseguem, nem desejam modificá-la, enfrentando-a, costumam dizer: – Não posso mudar. É meu carma. Eu sou assim! É a anestesia da consciência! É o famoso complexo de Gabriela! Sabem aquela música? Eu nasci assim, eu cresci assim, eu vivi assim... E com isso, tenta esquecer que a sua obrigação é mudar! É progredir!
Dentro desta verdade divina, não existe o perdão de Deus, pois recebemos segundo o que obrarmos, ou seja, segundo o que fizermos. Deus não nos criou para nos punir! Deus é amor... e o Carma não é punição Divina: é consequência retificadora. Considerando que a Lei de Causa e Efeito, é uma Lei Divina, e que as Leis Divinas foram escritas por Deus, conclui-se que: “Na natureza não há prêmios ou castigos. Há consequências”!
A falsa noção de carma inflexível nos conduz a dois grandes erros. Um é que o Espiritismo, prega ou endossa a necessidade da dor; isto não é verdade. A dor só seria uma necessidade, se o Espiritismo pregasse que todos deveríamos ser um grupo de masoquistas! O que a Doutrina dos Espíritos demonstra com clareza, é a utilidade da dor, quando persistimos no egoísmo, no orgulho, na vaidade e demais defeitos lesivos à comunhão de solidariedade com os semelhantes. A dor não é uma criação divina. A dor é criação de quem sofre!
O outro erro é a crença de que a Doutrina Espírita, aconselha o conformismo diante da “má sorte”; isto também não é correto; o que ela ensina é a resignação, atitude bastante diferente, adequada para nos fazer aceitar sem desespero aquilo que não podemos mudar.
Compreendamos, o carma como espécie de conta corrente das ações que praticamos no Banco deste mundo, onde há séculos caminhamos endividados, cadastrados no SPC da vida, pela constante emissão de cheques sem os necessários fundos de bondade, caridade, amor, etc... resgatemos nosso débito, limpemos o nosso nome no SPC, emitindo cheques com a devida provisão de fundos e isso é possível, através da prestação de serviços de caridade ao próximo, e estejamos convencidos de que, dessa forma, tanto economizaremos lágrimas, como conquistaremos um bom saldo de felicidade
“Aquele que muito amou foi perdoado, não aquele que muito sofreu.” O amor é que cobriu, isto é, resgatou a multidão de pecados, não a punição ou o castigo.
Transformar ações, amando, é alterar nosso carma para melhor, atraindo pessoas e situações harmoniosas para junto da gente. É, em última instância, a nossa indispensável e indelegável reforma íntima!
Nós decidimos, nós plantamos e nós colhemos!
Nossa vida é simplesmente o reflexo das nossas ações. Se queremos mais amor no mundo, criemos mais amor no nosso coração.
Se queremos mais tolerância das pessoas, sejamos mais tolerantes.
Se queremos mais alegria no mundo, sejamos mais alegres.
Nossa vida não é uma sucessão de coincidências, de acasos, nossa vida é a simples consequência de nós mesmos!!!

Fonte: Letra Espírita.  Por Agnaldo Cardoso
letraespirita.blogspot.com/