Seguidores

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

“UM DIA COM O DR. FRITZ: A MEDIUNIDADE DE CURA. VOCÊ JÁ PASSOU POR CIRURGIA ESPIRITUAL? SABE ONDE ENCONTRAR?

No ótimo livro intitulado “Cirurgias Espirituais: por um médium do Dr. Fritz”, Roberto Barbosa conta uma fantástica história sobre o desenvolvimento da sua mediunidade e a sua relação, que vem de vida passada, com o Espírito conhecido por “Dr. Fritz”, quem trabalhou inicialmente com o seu primo, Alexsandro, e mais tarde, no início de 2004, passou a operar por meio dele próprio.​
O trabalho de médium de cirurgiões espirituais já vinha sendo realizado por Roberto antes mesmo de 2004. Começou em Maranguape/CE e depois passou a ficar sediado na Casa da Caridade, em Fortaleza/CE, que passou a se chamar “Casa da Caridade Dr. Adolph Fritz”, no ano de 2009. Durante todo esse tempo, Roberto e seus colegas também fizeram viagens a outras cidades e estados para levar esse belíssimo trabalho às pessoas que necessitam da cura espiritual.
A mediunidade de cura é muito antiga, mais ou menos discutida e pouco estudada. Um bom livro sobre o tema é “Mediunidade de Cura”, de respostas do Espírito Ramatís, por meio do médium Hercílio Maes, a perguntas realizadas por encarnados.
Como Roberto lembra no seu livro antes referido, a maioria das doenças começa no Espírito e se manifesta no corpo material como que por repercussão. A causa pode ser um fato de vida passada, o que gera o chamado “carma”, efeito desvelado por um pensamento, comportamento ou ato do indivíduo.
Se ele bebia, fumava, usava outras drogas ou algo parecido, por exemplo, pode ser que venha a sofrer as consequências disso apenas na sua vida seguinte ou até mesmo mais à frente, dependendo das suas programações reencarnatórias e de seus pensamentos, comportamentos e atos no futuro.
A doença pode, então, ter sido causada na mesma encarnação ou em uma anterior, porém pode ser “desarmada” antes mesmo de se manifestar na matéria grosseira, se o indivíduo, por exemplo, praticar muito o bem e terminar merecendo se livrar daquele carma. A cirurgia espiritual surge, então, como um dos meios para “desarmar a bomba cármica” programada no períspirito da pessoa.
Normalmente, contudo, essas cirurgias acontecem em casos nos quais a doença já se manifestou materialmente e está levando alguém a sofrer. O livro de Roberto conta em detalhes casos espetaculares de curas feitas por Espíritos utilizando ele mesmo como médium ou outras pessoas.
Não há porque duvidar do que é contato no livro, pois a mediunidade de cura está registrada em vasta literatura, havendo, inclusive, vídeos na Internet que registram alguns tratamentos.
O médium João de Deus se tornou internacionalmente conhecido após aparecer, dentre outros, no programa da famosa americana Oprah Winfrey, cuja primeira parte pode ser encontrada aqui: https://www.youtube.com/watch?v=jvFCxdmTHOk&t=371s.
Há muitos anos, milhares de pessoas vêm sendo curadas em Abadiânia, no interior de Goiás, e isso acontece também em outros locais do Brasil e do mundo. Além da cura, um dos maiores “milagres” (na verdade, os acontecimentos são puramente naturais e serão explicados pela ciência terrena mais cedo ou mais tarde) da cirurgia espiritual é fortalecer a fé de muitos dos assistidos na espiritualidade, na existência de inteligências invisíveis, levando-os a buscar mudanças nos seus pensamentos, comportamentos e atos, procurando, por exemplo, mais autoconhecimento e evolução moral.
O trabalho de Roberto é semelhante ao de João de Deus e de muitos outros, mas, diferentemente deste, ele pediu ao Dr. Fritz que não trabalhasse com cortes no corpo material, uma vez que eles geram muita repercussão e riscos demais de questionamentos, segundo Roberto acertadamente lembra no livro.
Fazia algum tempo que este autor gostaria de saber mais sobre tal trabalho, pois, inclusive, foi pego de surpresa em uma viagem aos Estados Unidos em 2014, quando suas inquilinas americanas, que haviam locado um quarto do seu apartamento para ele em San Diego, na Califórnia, já conheciam as histórias sobre seu compatriota João de Deus antes do próprio autor.
Por questões que somente a Espiritualidade pode explicar, Roberto e equipe vieram realizar seu trabalho de cirurgia espiritual em Sobral/CE, mas o autor, apesar da curiosidade que tinha, por estar envolvido com outras atividades, não pensou inicialmente em ir conhecê-lo, nem em ser tratado.
Então, na semana das cirurgias espirituais, uma amiga comentou que sua colega teria pego uma das pré-senhas para ser assistida, mas, por alguma razão, não iria poder comparecer, tendo entregue a pré-senha a ela, que gostaria de dar ao autor.
Tendo em vista esse acontecimento e intuído de que deveria fazer a cirurgia espiritual, este autor recebeu a pré-senha e lá foi ao Centro Espírita Jesus de Nazaré (Cejen), em Sobral/CE, no domingo, dia 23 de julho de 2017, unicamente com a intenção de ser curado de alguns problemas físicos e espirituais.
Por mais razões que somente a Espiritualidade explica, numa sucessão de fatos, o autor foi convidado a ajudar a levar os assistidos que saíam da sala de cirurgia à “farmácia” improvisada na qual eles receberiam instruções e alguns medicamentos para continuação do tratamento nos dias seguintes.
Ao aceitar o convite, logo em seguida, houve novo pedido para que trabalhasse dentro da própria sala de cirurgia, mesmo apesar de ter ali pessoas muito mais preparadas para tanto. Aliás, o autor, vestindo uma bermuda, sequer estava trajado adequadamente para aquela atividade.
Talvez, o objetivo fosse exatamente nos situar numa posição que tornasse mais fácil entender o trabalho no seu todo e divulgá-lo, como se faz agora. A atividade do autor consistia em repor o material na bandeja dos médicos espirituais enquanto estivessem “incorporados” nos médiuns trabalhando, ou seja, “realimentar” rapidamente a(s) bandeja(s) com algodão, álcool e esparadrapos em tamanhos diversos.
O trabalho foi realizado em duas salas. Havia três médiuns se revezando, com Espíritos médicos neles “incorporados”, mas com outros que os auxiliavam e que até “incorporavam” nos mesmos médiuns em caso de uma necessidade, talvez por um Espírito ser mais especialista do que outro a respeito de determinadas doenças.
Em dado momento, diante de um caso aparentemente complicado nos pés de um homem, o médium ficou com os olhos fechados por uns instantes, e, ao abrir os olhos, começou a falar com timbre de voz e jeito de se expressar completamente distintos, ficando claro que dois Espíritos teriam “trocado de lugar”.
O autor ficou lotado na sala 2, onde Roberto começou trabalhando com o Dr. Fritz. Antes de iniciar, como é típico no meio espírita, foi feita uma prece para canalizar boas vibrações e pedir ajuda aos bons Espíritos para que cuidassem daquele importante trabalho.
Todos da sala estavam de mãos dadas, em corrente. O autor estava com a mão direita dada com uma pessoa de quem não se recorda mais exatamente, e a mão esquerda havia sido dada ao próprio Roberto, que iria receber o Dr. Fritz. Não havia porque ficar tão nervoso e emocionado, pois, afinal, vinha estudando sobre Ciência Espírita e sabia que era mais um dia de trabalho para aqueles encarnados e desencarnados, pessoas cheias de amor e que fariam tudo dar certo, mas as nossas fraquezas humanas falam mais alto.
Ao concluir a prece, Roberto deu uma leve tremida, muito típica da incorporação, e disse a todos, com uma voz bastante diferente da sua: “Vamos trabalhar? ” Era o Dr. Fritz, com todo seu foco e disciplina.
Ao longo de horas, foi possível ver pessoas se emocionando e chorando muito sem causa aparente, outras que chegavam sentindo dor e saíam não sentindo mais nada, diálogos entre os Espíritos e os pacientes sobre algo que um Espírito protetor ou familiar do paciente estava dizendo, e aí mais choro... Foi uma manhã dessas que somente fortalecem a fé e emocionam qualquer um que participe de um trabalho desse tipo. Ao final de mais de 3 horas de trabalho, cerca de 200 pessoas foram atendidas.
Para muitos que estão desenganados com certas doenças, vale a pena tentar uma cirurgia espiritual, continuando com o tratamento médico. Na pior das hipóteses, a pessoa gastará algum tempo, mas, muito provavelmente, obterá melhora ou cura do seu quadro, despertando ou fortalecendo a sua fé, que pode ser um resultado ainda melhor do que a própria cura, como dito.
Os índices de melhora (78%) e de cura (42% a 43%) têm sido muito altos, segundo o próprio Dr. Fritz explica e está registrado no livro.
Eles caem em se tratamento de cirurgia espiritual à distância, aquela na qual há intermediação de alguém em lugar do paciente ou na qual os Espíritos visitam (visita espiritual) o paciente em casa, não havendo contato com um médium. No primeiro caso, os índices têm sido de 34% de melhora e 14% de cura total. No segundo caso, os índices têm sido 28% de melhora e 2% a 3% de cura total.
A fé, essa essencial faculdade, esse sentimento inato do homem, é importante em trabalhos de cura espiritual. Se o paciente tem fé, está com o Espírito receptivo, o trabalho tende a fazer mais efeito, porém o próprio Dr. Fritz destaca, e Roberto transcreve fala dele no livro, que o trabalho é médico, científico, de modo que tende a levar à cura havendo ou não fé.
É fundamental na vida ter fé e entender sua relevância, mas os indivíduos não devem se enganar a ponto de acreditar que somente a fé, por si, resolverá sempre os seus problemas, pois há leis da Natureza a serem respeitadas e técnicas específicas para solução de problemas materiais e espirituais.
A fé deve ser ativa, disciplinada, esforçada, e precisa se utilizar dos conhecimentos mais avançados, para que possa ter seus efeitos maximizados.
Outra questão que chama a atenção é o fato de a reforma moral não ser fator imprescindível para a cura, segundo afirma o próprio Dr. Fritz:
“Como médico, minha meta é curar as pessoas. Não me importa se vão se tornar melhores ou não. O meu trabalho não é esse, o meu trabalho é agir como médico, o que é 100% científico, consequência de técnicas e métodos espirituais de atendimento ao perispírito doente e não passa por questões de fé. Claro que, quando meu paciente tem fé, o meu trabalho rende mais. Quando o paciente passa por uma transformação moral isso quer dizer que a semente que foi plantada nele, através do meu processo fluídico em comunhão com o médium, está sendo cuidada e isso é muito bom, tanto para o paciente como para o resultado do meu trabalho” (Cirurgias Espirituais, p. 87).
A explicação acima só confirma o que viemos defendendo nos textos anteriores: a transformação moral é o objeto principal das nossas vidas encarnadas e desencarnadas, mas não se pode esquecer que problemas espirituais, como obsessões e muitos outros, têm causas e tratamentos variados, devendo-se usar, como coloca o Dr. Fritz, todas as melhores técnicas e métodos para a cura, o que requer muita pesquisa, estudos e experiência. A reforma moral determinará se a doença irá retornar ou não, mas o tratamento, frequentemente, independe dela.
Os tratamentos com ervas e outros elementos da natureza, tão comuns na Umbanda e sobre os quais recai preconceito em boa parte do movimento espírita, são defendidos pelo Dr. Fritz e utilizados nas equipes que trabalham com ele. Segundo palavras dele mesmo transcritas no livro “Cirurgia Espiritual”, na página 99:
“O corpo humano é um verdadeiro laboratório e os chás, ervas e emplastros que são receitados nas cirurgias espirituais são compostos químicos tratados na espiritualidade que interagem com a química própria de cada paciente. Certa vez curei uma paciente que estava com um problema no fígado com um colírio, um chá para prisão de ventre e uma massagem nas costas”.
Aqueles que possuem o conhecimento espiritual não podem se furtar de utilizar todos os recursos existentes para a cura das pessoas. Os espiritualistas em geral devem estar atentos para o fato de que os tratamentos precisam ser holísticos, assim como a educação já o deve ser desde o ventre da mãe.
Torçamos para que a Federação Espírita Brasileira (FEB) divulgue esse conhecimento e incentive a adoção de tratamentos e processos educacionais mais holísticos, que permitam a cura e o desenvolvimento do ser em toda a sua magnitude possível neste momento evolutivo.
Que Deus continue abençoando os Espíritos curadores e seus médiuns para que mais e mais pessoas sejam curadas e para que a certeza da vida após morte e da importância do progresso espiritual fique marcada cada vez em mais corações.
Fórum Espirita- por Marcos Villas-Boas

Fonte: ESPIRIT BOOK
www.espiritbook.com.br/

“ATIVIDADE NOTURNA DO ESPIRITO. O QUE O NOSSO ESPIRITO FAZ ENQUANTO DORMIMOS? ”

Durante o sono o Espírito desprende-se do corpo; devido aos laços fluídicos estarem mais tênues. A noite é um longo período em que está livre para agir noutro plano de existência. Porém, variam os graus de desprendimento e lucidez. Nem todos se afastam do seu corpo, mas permanecem no ambiente doméstico; temem fazê-lo, sentir-se-iam constrangidos num meio estranho (aparentemente).
Outros movimentam-se no plano espiritual, mas suas atividades e compressões dependem do nível de elevação. O princípio que rege a permanência fora do corpo é o da afinidade moral, expressa, conforme a explanação anterior, por meio da afinidade vibratória ou sintonia.
O espírito será atraído para regiões e companhias que estejam harmonizadas e sintonizadas com ele através das ações, pensamentos, instruções, desejos e intenções, ou seja, impulsos predominantes. Podendo assim, subir mais ou se degradar mais.
O lúbrico terá entrevistas eróticas de todos os tipos, o avarento tratará de negócios grandiosos (materiais) e rendosos usando a astúcia. A esposa queixosa encontrará conselhos contra o seu marido, e assim por diante. Amigos se encontram para conversas edificantes, inimigos entram em luta, aprendizes farão cursos, cooperadores trabalharão nos campos prediletos, e, assim, caminhamos.
Para esta maravilhosa doutrina, conforme tais considerações, o sonho é a recordação de uma parte da atividade que o espírito desempenhou durante a libertação permitida pelo sono. Segundo Carlos Toledo Rizzini, interpretação freudiana encara o sonho como apontando para o passado, revelando um aspecto da personalidade.
Para o Espiritismo, o sonho também satisfaz impulsos e é uma expressão do estilo de vida, com uma grande diferença: a de não se processar só no plano mental, mas ser uma experiência genuína do espírito que se passa num mundo real e com situações concretas. Como vimos, o espírito, livre temporariamente dos laços orgânicos, empreende atividades noturnas que poderão se caracterizar apenas por satisfação de baixos impulsos, como também, trabalhar e aprender muito. Nesta experiência fora do corpo, na oportunidade do desprendimento através do sono, o ser, poderá ver com clareza a finalidade de sua existência atual, lembrar-se do passado, entrevê o futuro, todavia a amplitude ou não dessas possibilidades é relativa ao grau de evolução do espírito.
Verifiquemos três questões do Livro dos Espíritos, no capítulo VIII, perguntas: 400, 401 e 403.
P-400 “O Espírito encarnado permanece de bom prazer no seu corpo material? - É como se perguntasse a um presidiário, se gostaria de sair do presídio. O espírito aspira sempre à sua libertação e tanto mais deseja ver-se livre do seu invólucro, quanto mais grosseiro é este.
P-401 “Durante o sono a alma repousa como o corpo? - Não, o espírito jamais está inativo. Durante o sono, afrouxam-se os laços entre corpo e espírito e, ele se lança pelo espaço e entra em relação com os outros espíritos sintonizados por ele.
P-403 “Como podemos julgar a liberdade do espírito, durante o sono? - Pelos sonhos.
O sono liberta parcialmente a alma do corpo, quando adormecido o espírito se acha no estado em que fica logo a morte do seu corpo.
O sonho é a lembrança do que o espírito viu durante o sono. Podemos notar, que nem sempre sonhamos. Mas, o que isso quer dizer? Que nem sempre nos lembramos do que vimos, ou de tudo o que havemos visto, enquanto dormimos. É que não temos ainda a alma no pleno desenvolvimento de suas faculdades. Muitas vezes somente nos fica a lembrança da perturbação que o nosso Espírito experimentou.
Graças ao sono os Espíritos encarnados estão sempre em relação com o mundo dos Espíritos. As manifestações, que se traduzem muitas vezes por visões e até mesmo, “assombrações” mais comuns se dão durante o sono, por meio dos sonhos. Elas podem ser: uma visão atual das coisas, futuras, presentes ou ausentes; uma visão do passado e, em alguns casos excepcionais, um pressentimento do futuro. Também muitas vezes são quadros alegóricos que os Espíritos nos põem sob as vistas, para dar-nos úteis avisos e salutares conselhos, se se trata de Espíritos bons, e para induzir-nos ao erro, à maledicência, às paixões, se são Espíritos imperfeitos.
O sonho é uma expressão da vida real da personalidade. O espírito procura atender a desejos e intenções inconscientes e conscientes durante esse tempo de liberdade temporária. Conforme o grau, tipo de sintonia e harmonia gerada pela afinidade moral com outros Espíritos, direciona-se automaticamente para a parte do mundo espiritual que melhor satisfaça essa sintonia e suas metas e objetivos, ainda que não lícitos; e aí conta com amigos, sócios, inimigos, desafetos, parentes, “mestres” etc.
Contamos ainda com mais dois tipos de sonhos. O primeiro é o premonitório, quando se toma algumas informações ou conselhos sobre algum acontecimento futuro. O segundo é o pesadelo, ou seja, o sonho ansioso, em que entra o terror. É também uma experiência real, porém, penosa; o sonhador vê-se pressionado por inimigos ou por animais monstruosos, tem de atravessar zonas tenebrosas, sofrer castigos, que de fato são vivências provocadas por agentes do mal ou por desafetos desta ou de outras vidas.
Aluney Elferr Albuquerque Silva

Fonte: Portal do Espirito
https://espirito.org.br/