Seguidores

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

“PORQUE HÁ TANTA DESIGUALDADE NO MUNDO? ’

Porque agimos de forma desigual. Toda ação tem uma reação. Então, cada um resgata apenas o que plantou. E o plantio pode ter ocorrido nessa ou em outra encarnação. Como disseram os espíritos à Kardec, a maioria dos espíritos que encarnam nesse planeta são rebeldes a lei divina, maldosos e ignorantes.
Há muitos tipos de dores e aflições e as causas podem ser:
- Porque abusamos da alimentação, da bebida alcoólica, do cigarro e outros tipos de drogas ilícitas. Daí aparecem doenças no órgão que lesamos, nessa e em outra encarnação.
- Por sentimentos negativos que nos levam a desencadear doenças no corpo físico como, úlcera no estomago, problemas de pele, alteração arterial, etc.
- Por agirmos baseados nos sentimentos inferiores como, revidar uma agressão que nos leva a perder o emprego, amigo, afastam parentes e até pode levar a agressão física que acarretam prisões e colheita pela lei de causa e efeito.
- Por abusarmos das leis humanas como: a lei de trânsito que causam tantos acidentes com lesões físicas irreversíveis e mortes; quando roubamos poderemos ir preso e reencarnar sem as mãos; etc.
- Por não acreditar que o fardo é proporcional as nossas forças, muitos querem fugir dos problemas pela falsa porta do suicídio. Pois, além de ter que dar continuação ao que interrompemos teremos que resgatar o suicídio. Se tomarmos veneno, poderemos, por exemplo, renascer com lábio leporino. Se dermos um tiro no ouvido, reencarnaremos com problema onde o projétil atingir como: surdez, anencefalia, etc.
- Muitos de nós pedimos para passarmos por alguma privação para resgatarmos débitos. Como o espírito que matou um homem a facadas na região do estomago e, quando estava se preparando para reencarnar, pediu para desencadear um câncer no estomago e que nenhum médico curasse.
- Há espíritos missionários que não devem nada a lei divina, mas pedem doenças e privações para não se desviar do caminho que escolheu trilhar.
- Há espírito que não deve nada a lei divina , mas encarna apenas para ajudar uma família, uma cidade, etc. Como o espírito Alcione do livro Renúncia, escrito pelo espírito Emmanuel.
- Há quem venha para despertar pessoas ao compromisso que planejaram no plano espiritual antes de encarnar e que, ao chegar aqui, se esqueceram. Richard Simonneti conta a história de um casal que se comprometeu a vir e trabalhar com crianças no orfanato. Mas, chegaram aqui e se iludiram com a falsas alegrias do mundo. Daí seu mentor veio como filho deles. Fez todos se apaixonarem por ele e desencarnou. Uma morte que chocou o casal, mas que os fez trabalhar num orfanato. A dor os colocou no rumo que haviam se desviado.
- Há sofrimento que faz com que observemos que nascemos para evoluir. Quando perdemos um ente querido, uma doença aparece em nossa vida, etc., nossos olhos que só enxergavam as coisas passageiras do mundo, passam a enxergar o lado espiritual. Muitos fundam uma instituição de caridade, outros se tornam voluntários ou colaboradores de um, etc.
- Quando uma criança nasce com problemas físicos, doenças de difícil tratamento e cura, etc., estas estão colhendo algo que fizeram no passado. Elas são espíritos velhos em corpos novos.
- Dinheiro, por exemplo, é prova de abnegação e caridade e pobreza é prova de paciência e resignação. De encarnação a encarnação podemos trocar de posição social, para aprendermos a lidar com cada uma delas.
- Os orgulhosos que acreditam que são superiores por ser da raça branca, por exemplo, poderão reencarnar na raça que eles discriminam, para sentirem na pele como é triste ser discriminado.
- O homem, por exemplo, que acredita ser superior a mulher e a humilha, discrimina, é violento, poderá encarnar num corpo feminino para aprender a respeitar o sexo oposto.
Enfim, são muitos os motivos das nossas aflições, esses são apenas alguns, mas todas elas são justas, porque quem fez a lei de causa e efeito é perfeito e justo: DEUS. Quem não quer sofrer no futuro precisa observar melhor as leis humanas e as de Deus. Enquanto a transgredirmos, sofreremos as consequências.


Fonte: Grupo de Estudos Allan Kardec- Por: Rudymara







“CHICO XAVIER NA PENITENCIARIA. ”

Em uma entrevista concedida em Uberaba, na data de 11/03/1979, a um grupo de jovens integrantes da Juventude Espírita Abel Gomes, do Rio de Janeiro, em fraternal clima de bate-papo, Chico Xavier respondeu a diversas questões propostas.
Ao longo da entrevista, o médium narrou fatos interessantes ocorridos durante uma visita que fez à Penitenciária de São Paulo. Esclarecendo sobre a importância do livro espírita e, com aquele seu modo simples de falar, sua humildade para colocar os fatos e situações, ele comentou:
— Sabe que na Penitenciária de São Paulo, o livro está entrando muito? Já fui lá duas vezes, antes de ficar doente. A Diretoria da Casa pediu àqueles que quisessem ouvir a prece e a palestra, se inscrevessem — 542 se inscreveram. Eu estive com esses 542 companheiros. Foi um encontro tão agradável que tive vontade de passar férias na cadeia.... Não para ficar descansando, mas para conversar toda noite com os que pudessem conversar, mesmo na cela — porque lá têm espíritos brilhantes, maravilhosos...
P. — Na cela, há espíritos maravilhosos?
R. — Ali dentro da Penitenciária.
P — Na condição de preso, não é?
R — De presos. Desses 542, um me disse:
— “Pois é, Chico Xavier, nós somos tratados por números. Muitos são os presos e os cárceres, então têm que colocar número, n.° 3, n.° 14, isso dá muito desgosto. ” Então eu disse assim: — Meu filho, quem é de nós hoje que não é tratado por número? É número de telefone, de carro, de casa, do CEP, não sei de que, do CIC, nós ainda estamos com mais números que você. Só que agora estamos na cela ambulante e vocês estão na fixa. Eles riram muito.
Há muita gente boa presa, nós temos que compreender a situação deles...
Carinho aos reeducando
P. — Chico, os espíritos brilhantes que estão lá dentro, têm a tarefa de ajudar a recuperar os outros que estão nessa situação, é por isso que estão lá dentro? Ou cometeram erros e estragaram a reencarnação?
R. — Absolutamente, e a gente tem que compreender a situação deles, porque eles todos estão com o coração na flor dos olhos, mas, pedindo entendimento.
Terminada a reunião, na hora de sair da sala, eu disse ao Diretor: Preciso ir embora, mas, antes eu quero beijar e abraçar a todos. Ele falou para mim: — “Deus me livre. Não, senhor. Você não vai abraçar, nem beijar ninguém. ” Então eu disse a ele: — Não senhor doutor, eu não viria aqui fazer prece, para depois me distanciar dos nossos irmãos. Não está certo. Haverá tempo, o senhor disse que só precisará do salão daqui a uma hora e tanto... sendo assim... eu lhe peço licença para abraçar. — “Chico, nesse salão, no outro dia, mataram um guarda de 23 anos. Afiaram a colher até virar punhal. Mataram e não se soube quem matou. Aqui tem criminosos com sentenças de 200 a 300 anos, eles podem te matar...”
— Pouco importa, vim aqui para o encontro e o senhor não me permite abraçar?
— Então você vai fazer o seguinte: você vai abraçar através da mesa. — (Deus me livre). — Tem que recuar esse povo que veio com você (umas 40 pessoas). Ficam só duas senhoras tomando nota porque seus encontros serão rápidos e nós vamos colocar 18 baionetas armadas em cima. Se houver qualquer coisa você morre também. ” Eu fiquei na frente e comecei a abraçar os 542. Eu abraçava e beijava; muitos que falavam comigo, um segredinho, podia falar assim... meio minuto. Dos 542, só um, de uns 40 anos, chegou perto de mim e ficou impassível como uma estátua. O Diretor estava ali perto de mim e eu pedi às duas senhoras que dessem a cada um, uma rosa. Quando aquele chegou e ficou parado eu disse a ele: — O senhor permite que eu o abrace? — “Perfeitamente”, respondeu-me. Então eu o abracei, mas ele estava ereto.
— O Sr. deixa que eu o beije? — “Pode beijar. ” Eu beijei de um lado, de outro, beijei quatro vezes, aí duas lágrimas rolaram dos olhos dele. Então ele disse: — “Muito obrigado. ” E foi embora. Foi o único que ficou ereto, mas chorou... Mas todos receberam o abraço.

Fonte: Espiritismo Na Rede

“MORRER NÃO DÓI”

É um equívoco afirmar, sobretudo o cristão, que não existe morte.
Imortal é o espírito. O corpo que ele usa, em cada existência, morre e permanece na Terra enquanto a alma retorna ao mundo espiritual. Com o tempo, os elementos corpóreos se reintegram em outros seres em sua volta, porque é da lei da Física que nada se perca, nada se acabe, tudo se transforme.
"Nascer, morrer, renascer ainda, e progredir incessantemente, tal é a lei" - assim resume Allan Kardec a evolução do homem, no caminho de sua felicidade verdadeira e definitiva, o Reino dos Céus preconizado pelo Cristo.
A não ser para o suicida, que optou pelo desenlace antes do tempo, arrancando, abruptamente, do corpo a própria alma, antes de se completar seu novo ciclo, morrer não dói.
A morte é um sono, disse o Nazareno, tão amigo da vida como da morte, na expressão de Huberto Rohden, um dos grandes pensadores cristãos deste século. Com a lógica de sua filosofia, Rohden pergunta:
"Se for boa tua vida, como será má tua morte ? Não sabes que a morte é o corolário da vida ? Por que hesitaria a fruta madura em desprender-se da haste ? Por que desprenderia com dor o que amadureceu às direitas ?"
Em O Livro dos Espíritos se aprende que o corpo, quase sempre, sofre mais durante a vida do que no momento da morte. A alma nenhuma parte toma nisso. Os sofrimentos, que às vezes se experimentam no instante da morte, são, até mesmo, "um gozo para o Espírito", que vê chegar o fim do seu exílio.
A separação nunca é instantânea. A alma se desprende gradualmente. O Espírito se solta pouco a pouco dos laços que o prendiam. Os laços se desatam, não se quebram.
Não raro, na agonia, a alma já deixou o corpo, que nada mais tem do que vida orgânica. O homem não possui mais consciência de si mesmo e, não obstante, ainda lhe resta um sopro de vida.
Espíritos que partiram antes de nós se comunicam, todos os dias, na rotina dos trabalhos das casas espíritas, comprovando a imortalidade e confirmando a impressão que tiveram na passagem entre dois mundos distintos.
Dormiram, para despertar aos poucos, no seu elemento natural que é o mundo espiritual.
Atravessaram um período de perturbação para, no outro lado da vida, se encontrar consigo mesmo e com a plenitude da Infinita Bondade e da Justiça Divina.

Jávier Gódinho