Seguidores

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

“DEIXAI OS MORTOS ENTERRAREM OS MORTOS”

O Cristo nos deu bastantes pistas sobre o mecanismo de interação física-espiritual. Nos ensinou a resolver as querelas com os adversários enquanto no caminho para que não nos coloquemos sob a ação obsessiva; Nos informou que a vida continua, apesar das vinculações do amor ou ódio, demonstrando que mágoas ou apegos são fortes empecilhos a vida terrena; E, finalmente, coroou a Sua passagem no plano terrestre provando que a morte é uma ilusão, que a vida espiritual é continuação e consequência imediata do período reencarnatório precedente.
O detalhamento ficaria para o Consolador, conforme o Cristo nos disse, “Mas o Consolador, que é o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito. (João, XIV: 15 a 17 e 26) ”. Através da obra Kardequiana, a relação entre os planos seria pormenorizada na moral, filosofia e ciência.
Kardec nos informa claramente da pluralidade das vidas, da continuidade da consciência após a morte, bem como, das consequências da Lei de Causa e Efeito. A tríade do estudo deste mês.
A reencarnação, através da bondade e justiça divina, nos faceia aos antigos opositores, companheiros de relações malfadadas, irmãos os quais os débitos amontoaram-se reciprocamente, onde nem tudo resolveu-se, um ou outro, talvez ambos, não tenham seguido a lição da reconciliação com o adversário, mencionada no primeiro parágrafo.
A não resolução de questões, por vezes mínimas, as quais martelam a mente encarnada ou desencarnada, são a principal causa das tormentas entre indivíduos de planos diferentes. Quando entendermos que o “depois” pode não acontecer, enquanto não assimilarmos que a morte do corpo é como o ladrão que bate à porta sem esperarmos, muitas lágrimas serão vertidas em sofrimento.
Durante atendimentos mediúnicos, alguns em nome do amor, podemos entender como o desequilíbrio culposo ou apegado remete criaturas às sensações tormentosas. Vários são os casos de maridos e esposas desencarnados a ladear os antigos cônjuges; Mães a transferir a angústia da saudade aos filhos de outro plano; Filhos, encarnados, a continuar a relação simbiótica, dependente, com os genitores no plano espiritual. Não à toa o Mestre nos diz para deixar os mortos enterrar os mortos.
Tenhamos a consciência que nossas ações, muitas vezes, promovem a angústia nos entes que se foram, pelo fato dos mesmos não estarem totalmente preparados para a nova realidade do espírito. Desejam interferir, muitas das vezes com o intuito de ajudar, mas acabam por, inconscientemente, aumentar o grau de dor.
O amor em desequilíbrio muito mais prejudica, fere e protela resoluções do que auxilia.
Devemos nos preparar para este cenário entendendo que também, um dia, estaremos do lado espiritual. Quando despertamos na verdadeira vida, como reagiremos? Quais serão nossas prioridades e apegos? As paixões do espírito estarão controladas? As querelas resolvidas? As culpas sanadas? Teremos a consciência do bom uso do tempo em favor da respectiva missão, evitando, assim, os desencarnes dolorosos do remorso e da não conformação com o encontro com a morte?
Quanto trabalho a fazer em tão pouco tempo...
Cuidar do espírito, preparar-nos para a entrada no plano etéreo, é a causa de estarmos todos neste corpo limitador da consciência. O mapa da boa preparação já foi esmiuçado pelo Cristo e Kardec.
Por outro lado, sabemos que antigos amores, amigos e companheiros nos acompanham do outro lado. O amor é irresistível e atravessa todas as barreiras de tempo e espaço, não podemos culpar-lhes por sensibilizarem-se com nossos erros e dificuldades, naturais na fase de aprendizes a qual nos encontramos. Mas é importante que a ação destes irmãos não cause prejuízos a si ou a outrem que por ventura se coloquem como obstáculos em nossas vidas.
Todo débito contraído merece ser ressarcido.
Por isso, oremos, oremos pelos que não mais nos acompanham a jornada, contudo, tenhamos a oração da tranquilidade, e não da angústia; A prece que visa o reencontro feliz, sem culpas ou remorsos, suscitando o futuro que reserva a continuidade de convivência a todas as criaturas que se amam, após os hiatos da vida carnal. É necessário estarmos conectados, porém, conforme a condição de cada um, para que a ação desequilibrada, de um ou outro, não afete ou interfira nas programações terrenas planejadas para a resolução de ajustes naturais da existência, resultando nas inconsequências e dilatando, ainda mais, os períodos de separação.
Deixai os mortos enterrarem os mortos.

Fonte: Correio Espirita. Por: Pedro Valiati

“DIA DE FINADOS NA VISÃO ESPIRITA”

O hábito de visitar os mortos, como se o cemitério fosse sala de visitas do Além, é cultivado desde as culturas mais remotas. Mostra a tendência em confundir o indivíduo com seu corpo. Há pessoas que, em desespero ante a morte de um ente querido, o "VISITAM" diariamente. Chegam a deitar-se no túmulo. Desejam estar perto do familiar. Católicos, budistas, protestantes, muçulmanos, espíritas - somos todos espiritualistas, acreditamos na existência e sobrevivência do Espírito. Obviamente, o ser etéreo não reside no cemitério. Muitos preferem dizer que perderam o familiar, algo que mostra falta de convicção na sobrevivência do Espírito. Quem admite que a vida continua jamais afirmará que perdeu alguém. Ele simplesmente partiu. Quando dizemos "perdi um ente querido", estamos registrando sérios prejuízos emocionais. Se afirmarmos que ele partiu, haverá apenas o imposto da saudade, abençoada saudade, a mostrar que há amor em nosso coração, o sentimento supremo que nos realiza como filhos de Deus. Em datas significativas, envolvendo aniversário de casamento, de morte, finados, Natal, Ano Novo, dia dos Pais, dia das Mães, sempre pensamos neles. 
COMO PODEMOS AJUDAR OS QUE PARTIRAM ANTES DE NÓS?
Envolvendo o ser querido em vibrações de carinho, evocando as lembranças felizes, nunca as infelizes; enviando clichês mentais otimistas; fazendo o bem em memória dele, porque nos vinculamos com os Espíritos através do pensamento. Além disso, orando por ele, realizando caridade em sua homenagem, tudo isso lhe chegará como sendo a nossa contribuição para a sua felicidade; a prece dá-lhe paz, diminui-lhe a dor e anima-o para o reencontro futuro que nos aguarda.
 Existe uma maneira muito singela, amorosa, fraterna que podemos habituar a fazer para que os espíritos familiares e amigos possam sentir lembrados e homenageados por nós, não só em finados, mas todos os dias: uma prece sincera em favor da harmonia, paz e de que estejam felizes ao lado da família espiritual deles.
Podemos também colocar em nossos lares e/ou local de seu antigo trabalho, um recadinho do coração, uma flor perto de um porta retrato com a foto do desencarnado. Assim sentirão lembrados, amados e fortalecidos por ver que estamos exaltando a vida e não a morte.
PODEMOS CHORAR?
Podemos chorar, é claro. Mas saibamos chorar. Que seja um choro de saudade e não de inconformação e revolta. O choro, a lamentação exagerada dos que ficaram causam sofrimento para quem partiu, porque eles precisam da nossa prece, da nossa ajuda para terem fé no futuro e confiança em Deus. Tal comportamento pode atrapalhar o reencontro com os que foram antes de nós. Porque se eles nos visitar ou se nós os visitarmos (através do sono) nosso desequilíbrio os perturbará. Se soubermos sofrer, ao chegar a nossa vez, nos reuniremos a eles, não há dúvida nenhuma.
ENTÃO OS ESPÍRITAS NÃO VISITAM O CEMITÉRIO? 
Nós espíritas não visitamos os cemitérios, porque homenageamos os “vivos desencarnados” todos os dias. Mas a posição da Doutrina Espírita, quanto as homenagens (dos não espíritas), prestadas aos "MORTOS" neste Dia de Finados, ao contrário do que geralmente se pensa, é favorável, DESDE QUE SINCERAS E NÃO APENAS CONVENCIONAIS.
Sabemos que tudo o que se faz no cemitério, não passa em muitos casos de demonstração de posses materiais. Seja para demonstrar para a sociedade uma atitude de respeito, às vezes desprovida até de sinceridade.
Portanto, todos são livres para fazer o que acham que devem, principalmente sendo de coração aberto e sincero, numa legitima demonstração de amor.
Precisamos ainda lembrar que muitos espíritos que se encontram no Mundo Espiritual não ligam a mínima para certos fatos que a nós encarnados enche de orgulho, pois, muitos deles, estão acima das nossas conveniências e ilusões terrenas.
Os Espíritos, respondendo a perguntas de Kardec a respeito (em O Livro dos Espíritos), mostraram que os laços de amor existentes entre os que partiram e os que ficaram na Terra justificam esses atos. E declaram que no Dia de Finados os cemitérios ficam repletos de Espíritos que se alegram com a lembrança dos parentes e amigos. Há espíritos que só são lembrados nesta data, por isso, gostam da homenagem; há espíritos que gostariam de serem lembrados no recinto do lar. Porque, se ele desencarnou recentemente e ainda não está perfeitamente adaptado às novas realidades, irá sentir-se pouco à vontade na contemplação de seus despojos carnais; Espíritos com maior entendimento, pedem que usemos o dinheiro das flores em alimento aos pobres. Portanto, usemos o bom senso em nossas homenagens. Com a certeza que ELES VIVEM. E se eles vivem, nós também viveremos. E é nessa certeza que devemos aproveitar integralmente o tempo que estivermos encarnados, nos esforçando para oferecer o melhor de nós em favor da edificação humana. Só assim, teremos um feliz retorno à pátria espiritual.
Fonte: - Portal do Espírito











“ESTUPRO COLETIVO NA VISÃO ESPÍRITA”

Violência sexual contra a mulher ganha destaque após caso de estupro coletivo.
O nome é forte: estupro coletivo. Parece que só de ser lido ou falado, agride aos ouvidos. Imaginar tamanha crueldade já parece desumano. Mas a violência contra uma jovem de apenas 16 anos, no morro São José Operário, no Complexo da Praça Seca, na Zona Oeste do Rio, no final de maio, trouxe à tona a discussão.
Estima-se que no Brasil, 50 mil mulheres sejam violentadas sexualmente todos os anos. Isso nos dá uma média de 136 casos por dia. No estado do Rio, acredita-se que uma mulher é estuprada a cada duas horas. Por medo, vergonha, frustração, a maioria das vítimas não leva os casos de abuso às autoridades responsáveis. E vivem no silêncio da agonia, revivendo o momento da agressão sofrida, sem perspectiva de melhora.
Em um vídeo na internet, datado de maio de 2015, Divaldo Pereira Franco, orador espírita mundialmente conhecido, fala sobre a questão da violência sexual: “é um dos atos mais vergonhosos, mais perversos ao lado da pedofilia. É um crime hediondo porque a pessoa estuprada, masculino ou feminina, vai ficar com a alma dilacerada, não o corpo! Vai ter um conflito sexual terrível. Vai detestar o sexo de quem lhe perturbou. Vai ter conflitos por toda a vida. Há aqueles que matam o corpo. E aqueles que matam o entusiasmo de viver são muito mais covardes!”
A Doutrina Espírita nos ensina que o acaso não existe, e que Deus é “soberanamente justo e bom”. Mas não irei entrar aqui no mérito das infinitas possibilidades do grupo envolvido neste crime, vítima e algozes, já estarem neste percurso, que inclui entre outras coisas, distúrbios sexuais, há longas datas e até séculos. E eu me refiro como grupo a todos os envolvidos nesta história, encarnados e desencarnados, pois sabemos que é certa a atuação dos irmãos ainda equivocados do plano espiritual.
No vídeo, um dos jovens canta um trecho de um funk, que faz referência ao estupro. Reforçando para nós o cuidado e atenção com os nossos filhos, no que eles fazem, veem e ouvem. Pois músicas com tal conteúdo destrutivo, com certeza, não vão incentivar ou aproximar companhias de espíritos abnegados e entusiastas da causa do bem. Muito pelo contrário! Sabemos que locais, assuntos e principalmente, nossa frequência de pensamento ditam com quem iremos sintonizar.
Mas a atuação de espíritos equivocados não isenta a responsabilidade dos atuantes encarnados. Todos nós responderemos pelos atos que fizermos, sejam eles bons ou ruins. Lembremos mais uma vez das doces e sábias palavras de Jesus, neste caso, registradas em Mateus 18: 7-9 : “ai do mundo, por causa dos escândalos; porque é mister que venham escândalos, mas ai daquele  por quem o escândalo vier! Portanto, se a tua mão ou o teu pé te escandalizar, corta-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida coxo, ou aleijado, do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres lançado no fogo eterno. E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno.”
Isso quer ressaltar que independentemente do que aconteceu conosco nessas ou em outras vidas, não se torna para nós um motivo de “desculpa” para cometer falha ou erro. Todos temos o livre arbítrio, e como espíritas sabemos que podemos contar com a ajuda direta dos amigos espirituais, através da oração, sempre que tivermos passando por momentos de profunda tentação. É nosso dever lutar contra as nossas más inclinações! Cabe a nós buscarmos a melhoria necessária para pôr em prática as corrigendas que temos que fazer em nós mesmos, para alcançarmos passos mais firmes rumo ao caminho que nos leva a evolução espiritual.
O escândalo que se deu com a divulgação da história desta jovem, que foi obrigada a mudar de casa e entrar no serviço de proteção à testemunha, trouxe à tona também o machismo que ainda impera em nossa sociedade. Alguns chegaram a destilar equivocadas opiniões que insinuavam que a vítima era na verdade a grande responsável pela própria agressão. Neste aspecto, sobre a suposta superioridade masculina sobre a feminina, os Espíritos são diretos.
No capítulo IX, da Lei da Igualdade, de O Livro dos Espíritos, na lição 817, Allan Kardec pergunta: “são iguais perante Deus o homem e a mulher e têm os mesmos direitos?”. E a resposta é: “não outorgou Deus a ambos a inteligência do bem e do mal e a faculdade de progredir?”. Na pergunta seguinte, Kardec enfatiza: “donde provém a inferioridade moral da mulher em certos países?”. E a reposta é clara: “do predomínio injusto e cruel que sobre ela assumiu o homem. É resultado das instituições sociais e do abuso da força sobre a fraqueza. Entre homens moralmente pouco adiantados, a força faz o direito.”
Mas a Doutrina Espírita também nos ensina a olharmos de forma neutra toda e qualquer situação analítica. Pelas lentes do amor, nós sabemos também que o estuprador é uma pessoa doente do corpo e da alma. No livro “ Mundo Maior”, André Luiz nos fala sobre as “enfermidades do instinto sexual”: “inútil é supor que a morte física ofereça solução pacífica aos espíritos em extremo desequilíbrio, que entregam o corpo aos desregramentos passionais. A loucura, em que se debatem, não procede de simples modificações do cérebro: dimana da desassociação dos centros perispiríticos, o que exige longos períodos de reparação.
Assim, face às torturas genésicas a que se vê relegada, gera aflitivas contas cármicas a lhe vergastarem a alma no espaço e a lhe retardarem o progresso no tempo. Desse modo, por semelhantes rupturas dos sistemas psicossomáticos, harmonizados em permutas de cargas magnéticas afins, no terreno da sexualidade física ou exclusivamente psíquica, é que múltiplos sofrimentos são contraídos por nós todos, no decurso dos séculos, porquanto, se forjamos inquietações e problemas nos outros, com o instinto sexual, é justo que venhamos a solucioná-los em ocasião adequada”.
O caso do estupro coletivo trouxe para a sociedade a discussão em torno dos distúrbios sexuais. A nós espíritas, não cabe julgamentos, e sim, amparo.  Não devemos engrossar as fileiras daqueles que apontam e que tiram conclusões. Mas devemos sim, estender as mãos a todos aqueles que sofrem, mesmo aos que ainda não entendam a zona de sofrimento em que se encontram.
Por isso, se você, irmão, que lê esse artigo, sofre de qualquer tipo de distúrbio sexual, procure ajuda. Vá a especialistas, converse com pessoas mais experientes e que pensem diferente, busque na prece e na leitura edificante a força para resistir às tentações. Não deixe que os instintos e as más inclinações o dominem. E você, irmã ou irmão, que sofreu qualquer tipo de abuso sexual, independentemente de quando tenha acontecido, também busque ajuda. E denuncie às autoridades competentes, pois isso é um freio ao agressor, para que ele não faça novas crueldades. Quanto àqueles que nesta encarnação não sofrem deste tipo de distúrbio sexual, que possamos orar por todos que ainda vivem nesse processo.
E como disse Divaldo, no vídeo já citado a cima: “chegará um momento, não muito distante, em que a sociedade verá esses crimes (estupro, pedofilia, pena de morte, aborto e suicídio) como páginas terríveis da nossa história no passado”.

Fonte: Correio Espírita. Por: Melissa Santos

“A MORTE NÃO EXISTE, É APENAS UMA TRANSIÇÃO EM SUA EXISTÊNCIA”

"Sobre a Terra, tudo é ilusão, tudo passa, tudo se transforma de um instante para outro. O   que  conta é o que guardamos dentro de  nós, tudo mais há de ficar com o corpo, que se desfará em pó.“ Chico Xavier
“Devemos aceitar a chegada da chamada morte, assim como o dia aceita a chegada da noite – tendo confiança que, em breve, de novo há de raiar o Sol !... “
"A morte é uma simples mudança de estado, a destruição de uma forma frágil que já não proporciona à vida as condições necessárias ao seu funcionamento e à sua evolução. Para além da campa, abre-se uma nova fase de existência. O Espírito, debaixo da sua forma fluídica, imponderável, prepara-se para novas reencarnações; acha no seu estado mental os frutos da existência que findou.
Por toda parte se encontra a vida. A Natureza inteira mostra-nos, no seu maravilhoso panorama, a renovação perpétua de todas as coisas. Em parte alguma há a morte, como, em geral, é considerada entre nós; em parte alguma há o aniquilamento; nenhum ente pode perecer no seu princípio de vida, na sua unidade consciente. O Universo transborda de vida física e psíquica. Por toda parte o imenso formigar dos seres, a elaboração de almas que, quando escapam às demoradas e obscuras preparações da matéria, é para prosseguirem, nas etapas da luz, a sua ascensão magnífica.
A vida do homem é como o Sol das regiões polares durante o estio. Desce devagar, baixa, vai enfraquecendo, parece desaparecer um instante por baixo do horizonte. É o fim, na aparência; mas, logo depois, torna a elevar-se, para novamente descrever a sua órbita imensa no céu.
A morte é apenas um eclipse momentâneo na grande revolução das nossas existências; mas, basta esse instante para revelar-nos o sentido grave e profundo da vida. A própria morte pode ter também a sua nobreza, a sua grandeza. Não devemos temê-la, mas, antes, nos esforçar por embelezá-la, preparando-se cada um constantemente para ela, pela pesquisa e conquista da beleza moral, a beleza do Espírito que molda o corpo e o orna com um reflexo augusto na hora das separações supremas. A maneira por que cada qual sabe morrer é já, por si mesma, uma indicação do que para cada um de nós será a vida do Espaço.
Há como uma luz fria e pura em redor da almofada de certos leitos de morte. Rostos, até aí insignificantes, parecem aureolados por claridades do Além. Um silêncio imponente faz-se em volta daqueles que deixaram a Terra. Os vivos, testemunhas da morte, sentem grandes e austeros pensamentos desprenderem-se do fundo banal das suas impressões habituais, dando alguma beleza à sua vida interior. O ódio e as más paixões não resistem a esse espetáculo. Ante o corpo de um inimigo, abranda toda a animosidade, esvai-se todo o desejo de vingança. Junto de um esquife, o perdão parece mais fácil, mais imperioso o dever.
Toda morte é um parto, um renascimento; é a manifestação de uma vida até aí latente em nós, vida invisível da Terra, que vai reunir-se à vida invisível do Espaço. Depois de certo tempo de perturbação, tornamos a encontrar-nos, além do túmulo, na plenitude das nossas faculdades e da nossa consciência, junto dos seres amados que compartilharam as horas tristes ou alegres da nossa existência terrestre. A tumba apenas encerra pó. Elevemos mais alto os nossos pensamentos e as nossas recordações, se quisermos achar de novo o rastro das almas que nos foram caras.
Não peçais às pedras do sepulcro o segredo da vida. Os ossos e as cinzas que lá jazem nada são, ficai sabendo. As almas que os animaram deixaram esses lugares, revivem em formas mais sutis, mais apuradas. Do seio do invisível, onde lhes chegam as vossas orações e as comovem, elas vos seguem com a vista, vos respondem e vos sorriem. A Revelação Espírita ensinar-vos-á a comunicar com elas, a unir os vossos sentimentos num mesmo amor, numa esperança inefável.
Muitas vezes, os seres que chorais e que ides procurar no cemitério estão ao vosso lado. Vêm velar por vós aqueles que foram o amparo da vossa juventude, que vos embalaram nos braços, os amigos, companheiros das vossas alegrias e das vossas dores, bem como todas as formas, todos os meigos fantasmas dos seres que encontrastes no vosso caminho, os quais participaram da vossa existência e levaram consigo alguma coisa de vós mesmos, da vossa alma e do vosso coração. Ao redor de vós flutua a multidão dos homens que se sumiram na morte, multidão confusa, que revive, vos chama e mostra o caminho que tendes de percorrer.
Ó morte, ó serena majestade! Tu, de quem fazem um espantalho, és para o pensador simplesmente um momento de descanso, a transição entre dois atos do destino, dos quais um acaba e o outro se prepara. Quando a minha pobre alma, errante há tantos séculos através dos mundos, depois de muitas lutas, vicissitudes e decepções, depois de muitas ilusões desfeitas e esperanças adiadas, for repousar de novo no teu seio, será com alegria que saudará a aurora da vida fluídica; será com ebriedade que se elevará do pó terrestre, através dos espaços insondáveis, em direção àqueles a quem estremeceu neste mundo e que a esperam.
Para a maior parte dos homens, a morte continua a ser o grande mistério, o sombrio problema que ninguém ousa olhar de frente. Para nós, ela é a hora bendita em que o corpo cansado volve à grande Natureza para deixar à Psique, sua prisioneira, livre passagem para a Pátria Eterna.
Essa pátria é a Imensidade radiosa, cheia de sóis e de esferas. Junto deles, como há de parecer raquítica a nossa pobre Terra” O Infinito envolve-a por todos os lados. O infinito na extensão e o infinito na duração, eis o que se nos depara, quer se trate da alma, quer se trate do Universo.
Assim como cada uma das nossas existências tem o seu termo e há de desaparecer, para dar lugar a outra vida, assim também cada um dos mundos semeados no Espaço tem de morrer, para dar lugar a outros mundos mais perfeitos.
Dia virá em que a vida humana se extinguirá no Globo esfriado. A Terra, vasta necrópole, rolará, soturna, na amplidão silenciosa.
Hão de elevar-se ruínas imponentes nos lugares onde existiram Roma, Paris, Constantinopla, cadáveres de capitais, últimos vestígios das raças extintas, livros gigantescos de pedra que nenhum olhar carnal voltará a ler. Mas, a Humanidade terá desaparecido da Terra somente para prosseguir, em esferas mais bem dotadas, a carreira de sua ascensão. A vaga do progresso terá impelido todas as almas terrestres para planetas mais bem preparados para a vida. É provável que civilizações prodigiosas floresçam a esse tempo em Saturno e Júpiter; ali se hão de expandir humanidades renascidas numa glória incomparável. Lá é o lugar futuro dos seres humanos, o seu novo campo de ação, os sítios abençoados onde lhes será dado continuarem a amar e trabalhar para o seu aperfeiçoamento.
No meio dos seus trabalhos, a triste lembrança da Terra virá talvez perseguir ainda esses Espíritos; mas, das alturas atingidas, a memória das dores sofridas, das provas suportadas, será apenas um estimulante para se elevarem a maiores alturas.
Em vão a evocação do passado, lhes fará surgir à vista os espectros de carne, os tristes despojos que jazem nas sepulturas terrestres. A voz da sabedoria dir-lhes-á: “Que importa as sombras que se foram! Nada perece. Todo ser se transforma e se esclarece sobre os degraus que conduzem de esfera em esfera, de sol em sol, até Deus”. Espírito imorredouro, lembra-te disto: “A morte não existe”.
Léon Denis - O Problema do Ser, do Destino e da Dor

Fonte: Página Espírita

“ASSOMBRAÇÃO. ALMAS DO OUTRO MUNDO OU ALMAS PENADAS”

Os gregos acreditavam que, depois da morte, a alma, sendo imortal, não desaparecia com o corpo e ia para uma região chamada Hades (o mundo dos mortos que ficava sob a terra e era governada pelos deuses Plutão ou Hades e Prosérpina). Para que a alma chegasse ao Hades, porém, havia que ser morta e enterrada segundo rituais. Caso uma pessoa morresse, mas não fosse enterrada, a sua alma não ia para o Hades e ficaria vagando pela terra perturbando a vida dos mortais. Era também por isso que as famílias greco-romanas antigas faziam o culto dos mortos ou culto dos ancestrais, cujo objetivo era prover a alma do morto de alimento para que, faminta, ela não viesse cobrar dos vivos a atenção que lhe seria devida.
Esta ideia atravessou os séculos e chegou aos nossos dias como alma penada, assombração ou alma do outro mundo. Assim, na cultura popular brasileira, acreditava-se que muitas almas estavam condenadas a vagar pela Terra cumprindo um fado que durava certo número de anos, normalmente sete. Outras ficavam apegadas a certos lugares, como a casa onde viveram. Tais lugares eram chamados de assombrados, pois em grego, apareciam na forma de sombra. Havia também lugares especiais habitados pelas almas como: cemitérios, lugares ermos, velhos castelos e teatros, onde atores fantasmas continuavam a encenar suas peças e assim por diante. Essa crença gerou um grande número de relatos que servem até hoje de matéria para filmes e livros.
Nos anos cinquenta, eu morava em um bairro chamado Rocha Miranda. Perto da minha rua, (a Rua 29) havia a Rua 30 em cuja parte mais alta havia os restos de uma fazenda antiga que o povo dizia ter pertencido ao Coronel Vira-Mundo. Ninguém passava à noite, principalmente, à meia-noite ou hora grande, nas imediações da fazenda, pois vindo de seus escombros ouviam-se gemidos lamentosos, uivos terríveis, gritos de dor. Outros afirmavam que aparecia o próprio Vira-Mundo, que vinha na bica de água ali existente lavar seu cavalo de fogo.
Na Rua 30, havia um fantasma conhecido como a Mulher que Crescia. Quem a havia visto contava que ela andava altas horas da noite por aquela rua. Vista de longe, parecia uma mulher comum, vestida de branco e de cabelos compridos, mas à medida que ela se aproximava do passante, ia crescendo... crescendo ...crescendo tanto que ficava mais alta do que um poste e depois, literalmente, se derramava sobre o pobre coitado que tivesse a infelicidade de vê-la: aterrorizado, saía em desabalada carreira ou mesmo desmaiava, só acordando pela manhã do dia seguinte.
Na Rua Américo da Rocha, em Honório Gurgel, havia um "meladeiro" misterioso que passava vendendo melado depois da meia-noite. Assustadas, as pessoas não abriam a janela para vê-lo, limitavam-se, fazendo o sinal da cruz ao ouvir-lhe a voz triste e lamentosa anunciando o seu produto até ao final da rua. Um dia, uma jovem que morava na Zona Sul estava na casa de uma prima que ia se casar e o ouviu passar; sem se importar, chamou-o e comprou uma garrafa de melado. O homem estranho não quis receber dinheiro algum e seguiu seu caminho. Depois, quando ela abriu o pacote onde estaria o melado encontrou uma canela de defunto.
Havia também as almas penadas que erravam pela Terra porque estavam no purgatório precisando de missas que não lhes eram feitas. Assim, essas almas apareciam para as pessoas pedindo a elas que lhes rezassem missas. Nessas histórias a assombração, se atendida por uma pessoa corajosa, revelava a esta a existência de tesouros escondidos com os quais ela poderia pagar as missas, geralmente sete, ficando com o restante.
Um desses relatos conta a história de um estudante muito corajoso que foi passear pelo interior do estado de Minas Gerais. Ao anoitecer, chegou a uma cidadezinha e desejou passar a noite ali, mas não havia hotéis na cidade e, como ele insistisse, um morador, lhe disse que havia, nas proximidades, uma fazenda abandonada em cujo casarão ele poderia dormir, desde que não tivesse medo porque o lugar era encantado (assombrado). O rapaz não teve medo e lá se foi para o lugar. Ali chegando, encontrou um velho cômodo que lhe pareceu bom para dormir e se deitou.
Altas horas da noite, ouviu uma voz que vinha do teto e dizia, apavorante: "Eu caio... Eu caio... Eu caio...". O rapaz não teve medo e falou: "Quer cair, pode cair." Nesse momento, caiu a perna de um esqueleto. A voz continuava dizendo a mesma coisa e o rapaz mandava cair. E caiam partes de um esqueleto. Quando o esqueleto ficou completo, disse ao jovem que o acompanhasse. O jovem seguiu com o fantasma que lhe apontou um lugar do lado de fora e lhe disse que cavasse ali: o rapaz cavou e encontrou uma panela cheia de moedas de ouro. O esqueleto, então, falou: "Pega este dinheiro reza sete missas para mim e fica com o resto para você." O rapaz fez isso e nunca mais apareceu coisa alguma na fazenda assombrada.
Essas histórias são folclóricas, resultado da imaginação popular e de materiais muito antigos que chegaram adaptados aos nossos dias e à nossa realidade. Entretanto, elas apontam para uma crença arraigada na alma popular: a vida continua e as pessoas chamadas mortas não estão desaparecidas para sempre e podem se manifestar aos vivos. Muitas dessas histórias podem ser explicadas pela Doutrina Espírita. Há, inclusive, um livro clássico de Camilo Flamarion As Casas Mal-Assombradas dedicado a este assunto e baseado em fatos reais documentados.
Ficamos por aqui, mas acredito que os interessados em pesquisa sobre este assunto poderiam mesmo escrever um livro que poderia se intitular: Fantasmas e assombrações segundo o Espiritismo. Matéria é o que não falta.

José Carlos Leal- CORREIO ESPÍRITA