Seguidores

terça-feira, 31 de outubro de 2017

“COM QUEM EU VOU CONVIVER NO PLANO ESPIRITUAL? ”

Muitas pessoas têm dúvidas do que irão fazer após desencarnar, como por exemplo: Qual será a minha rotina? Com quem vou conviver? O que posso fazer no plano espiritual?, etc. Mas a grande questão antes de sabermos disso tudo é: Para onde vou após desencarnar?
Tempo no mundo dos espíritos é diferente do tempo como o conhecemos. E a sua rotina também se diferencia da nossa, visto que eles têm uma noção mais ampla do período do qual dispõem para dar conta de suas obrigações. Na colônia Nosso Lar, por exemplo, André Luiz relata situações do cotidiano dos espíritos que lá habitam. Assim como no mundo físico, eles acordam após algum período de descanso que, para nós, seria o equivalente ao sono noturno. Ao despertar, fazem suas preces de agradecimento e reconhecimento ao criador para, em seguida, fazer a higiene pessoal e, quando ainda necessitam, fazer também o desjejum, ou seja, a primeira alimentação do dia. Somente após estas etapas de preparo é que eles se dirigiram aos seus locais, onde vão desempenhar as suas funções de trabalho ou estudo.
Não entre em pânico com o que você acabou de ler. Quanto mais evoluído o espírito for, menos necessitará de repouso, porém, outros espíritos ainda necessitam dormir à semelhança de quando ainda estavam encarnados. Talvez nunca lhe tinham falado, mas espíritos recém-chegados às colônias espirituais e aqueles que lá habitam por pouco tempo, bem como espíritos que têm mais dificuldade de se desapegarem dos hábitos terrenos, ainda mantêm determinados comportamentos típicos de encarnados, como se alimentarem, usarem o banheiro, fazerem a higiene pessoal – tudo feito exatamente como quando ainda estavam encarnados. Isto só é possível graças ao perispírito que está impregnado dessas informações. Como as colônias espirituais foram criadas com o objetivo de proporcionar a seus moradores a mesma sensação de habitar uma cidade terrena, tudo por lá é uma cópia perfeita de tudo que se vê por aqui.
Um detalhe importante: nem todos os espíritos são capazes de retirar do fluido cósmico universal a energia para alimentar seu perispírito. Então, eles contam com a ajuda dos moradores das colônias que os acolhem para o preparo de alimentos a base de sucos, sopas e frutas.
A organização de uma colônia respeita diretrizes muito semelhantes àquelas que já conhecemos por aqui. Assim, ao desencarnar e ser designado para cumprir determinada função, qualquer espírito terá uma ideia básica de como a “máquina pública” funciona por lá. Como ensina André Luiz, no livro Nosso Lar, toda colônia tem um governador, ou seja, uma espécie de prefeito ou administrador. Após assumir seu mandato, este espírito administrador reúne sua equipe de ajudantes, que em Nosso Lar é conhecida como ministros e se equivaleria, aqui, aos secretários do prefeito.
A partir daí, cada repartição tem um responsável encarregado de zelar pelo seu bom funcionamento. Todas as escolas, os hospitais, os departamentos dos ministérios têm seus diretores. Esses diretores têm seus auxiliares que, por sua vez, têm colegas de trabalho para o exercício de suas funções. Como informa André Luiz, assim que o espírito recém-desencarnado ou recém-chegado à colônia se sente disposto, é convidado a ocupar seu tempo, seja através do estudo ou prestação de serviços. Nas colônias, não há empresas e toda a demanda de produção de trabalho e serviços é comandada pela administração local desde a produção de alimentos fluídicos, vestes, viagens, remédios, etc.
Para os espíritos comprometidos com o bem, não há ócio e nem tempo a perder. Se você pensa que vai passar a eternidade à toa quando desencarnar, se engana, porque trabalho por lá é o que não falta. Os desencarnados têm obrigações, assim como qualquer encarnado. A única diferença para quem está por lá é que eles trabalham para seu aprimoramento moral, espiritual ou simplesmente pelo bem-estar, que o trabalho ou amparo ao próximo proporciona. Enquanto aqui as pessoas trabalham para acumular bens, no plano espiritual cada espírito dispõe apenas do necessário para o funcionamento normal. Na colônia Nosso Lar, por exemplo, existe até pagamento para aqueles que estão inseridos no trabalho local. É o bônus hora, uma espécie de moeda corrente na colônia, que visa incentivar uma troca merecida entre quem trabalha e quem desfruta do conforto da colônia. Segundo o espírito André Luiz, a adesão é grande. Um exemplo muito interessante é a questão do vestuário. Em algumas colônias existe um departamento para cuidar da produção de peças de roupas para aqueles espíritos que não conseguem plasmar as próprias vestes.
Falando dessa forma, parece que os espíritos só pensam em trabalhar e nada mais. Na verdade, não é bem assim. É recomendado que cada cidadão dedique seu tempo ao trabalho, ao estudo e ao lazer de forma que possa aproveitar bem a estadia no plano espiritual e programar suas reencarnações futuras. O espírito nunca retroage e, como conhecimento nunca é em demasia, nada custa a ele aprender cada vez mais. Às vezes, o próprio trabalho é uma escola e prepara o espírito para funções que ele poderá ter quando reencarnar. Por exemplo, um espírito que trabalha como auxiliar dos médicos do plano espiritual pode, ao reencarnar, escolher seguir carreira na medicina. E acontece também de forma contrária, como um espírito que trabalhou na área médica desempenhar funções parecidas no plano espiritual, desde que esteja capacitado.
As colônias se localizam muito próximas à crosta terrestre e, segundo ensinam os mentores espirituais, muitas coisas que fazemos aqui, inclusive muitos dos objetos que usamos, são adaptações do que já existe por lá. A nossa rotina também é muito parecida. Por exemplo, o lazer é sempre gozado em atividades que engrandeçam o espírito, como peças de teatro, concertos musicais, leituras, passeios pela colônia e em visitas a colônias vizinhas, etc.

Fonte: TV Mundo Maior

“SUA VIDA ESTÁ AMARRADA? NADA DÁ CERTO PARA VOCÊ. NÓS RESOLVEMOS O SEU PROBLEMA. TRAZEMOS SEU AMOR DE VOLTA EM TRÊS DIAS. ”

Frases como estas estão nos classificados dos vários jornais. Tem pessoas distribuindo panfletos nos faróis com estes dizeres. Mas será que isto é Espiritismo?
Diante de sofrida viúva, a médium transmitia informações do “mentor”:
– Sua vida está “amarrada”. Há gente que não gosta de você e a cerca de vibrações negativas. Isso agrava os problemas com sua filha, que se ressente de um sentimento de rejeição de sua parte, quando nasceu.
Inconscientemente, ela guarda certa revolta e a agride com suas atitudes, pretendendo castigá-la.
– Estranho… Eu queria ser mãe! Vibrei quando fiquei grávida!
– E tem mais: seu marido não se conforma em viver longe da família, principalmente da filha, por quem nutre carinho especial. Está agindo com o propósito de levá-la. Daí os problemas de saúde que vem enfrentando.
– Meu Deus! É assustador!
– Tenha calma. Com nossa ajuda, esse nó será desfeito!
Terminada a reunião, tensa e amedrontada, a viúva perguntou à médium que providência deveria tomar.
– Deixe tudo por conta de meu mentor. Ele é poderoso. Teremos apenas que tomar algumas providências, comprando os apetrechos necessários.
– Estou pronta. Que devo fazer?
– Vai custar-lhe dois mil reais…
Ouvi essa assombrosa história da própria consulente.
Há dias não conseguia dormir, dando “tratos à bola”, a imaginar como conseguir o dinheiro necessário.
Sua angústia maior: não tinha de onde tirar soma tão grande. Vive de humilde pensão deixada pelo marido.
Recomendei-lhe que esquecesse o assunto e fosse cuidar da vida. Nada de mal lhe aconteceria. Todas aquelas informações eram meros recursos para impressioná-la, extorquindo seu dinheiro.
Incrível do que são capazes aqueles que apostam na ingenuidade humana.
Basta fechar os olhos, dizer que o “guia” está ali, e pronto! Os “clientes” aceitam qualquer patacoada como a mais pura expressão da verdade.
Dizendo-se especializados em desfazer “amarrações”, esses mistificadores usam sempre a mesma técnica:
Primeiro assustam as vítimas com “revelações” escabrosas.
Depois, propõem-se a resolver tudo, mediante o pagamento de determinada importância.
Apavorados, os incautos consulentes fazem das tripas coração para atender às exigências.
Dirá você, meu caro leitor:
– Consultei, certa feita, um médium desse tipo. Fez revelações acertadas.
É possível que aconteça, quando se trata de alguém que possui sensibilidade psíquica.
Nesse caso, a consulta é ainda mais inconveniente.
O “guia” vai apenas confirmar o que está na sua cabeça.
Se estiver desconfiado de que a mulher anda flertando com o vizinho, logo virá a informação:
– Cuidado! Sua mulher anda flertando com o vizinho!
O médium apenas captou suas suspeitas, situando mera fantasia por realidade.
Qual o comportamento ideal, em relação ao assunto? – perguntará você.
E eu lhe respondo:
Jamais procure tais “serviços”.
Eles não têm absolutamente nada a ver com a Doutrina Espírita, nem com os verdadeiros mentores espirituais. Estes cuidam de assuntos mais importantes.
Não perdem tempo com intrigas e fofocas.
Portanto, antes de ir atrás dessas fantasiosas “desamarrações”, é preciso desamarrar a nossa cabeça, exercitando discernimento.
O presente é fruto de nosso passado.
O futuro será fruto de nosso presente.
Nada melhor, portanto, se você cogita de um porvir feliz, que trabalhar por ele, com o mais legítimo de todos os recursos:
A prática do Bem.

Por: RICHARD SIMONETTI

“QUEM VOCÊ FOI NA VIDA PASSADA? ”

O que eu fui na vida passada?
Quase todo mundo que acredita em reencarnação tem essa curiosidade de saber o que foi na vida passada. Na verdade, vida nós temos só uma. Nós somos seres imortais. Temos uma vida e experimentamos muitas existências.
Tudo o que nós já vivemos, tudo o que nós já sentimos, pensamos, falamos e fizemos está arquivado dentro de nós. Jesus se referiu a isso ao dizer que “até os fios de cabelo de vossas cabeças estão todos contados”. Mas evidentemente o nosso cérebro físico não tem acesso a esses dados. O cérebro físico pertence a essa existência terrena, não pode acessar dados de existências anteriores.
Há casos em que nós temos pequenas lembranças de outras existências. Nós lembramos de cenas, de situações, sentimos determinadas emoções que sabemos que não são da existência atual – e quem sente isso sabe que isso não é fantasia, é lembrança real.
Há casos também, mais raros, de pessoas, principalmente crianças, que lembram nitidamente de fatos da sua existência imediatamente anterior a essa. Alguns desses casos são relatados no livro 20 casos sugestivos de reencarnação, do Dr. Ian Stevenson – um pesquisador canadense, não-religioso, que dedicou a sua vida a pesquisar sobre a reencarnação. Nesses casos relatados por ele há inclusive sinais de nascença, nessas crianças, relacionados a fatos vivenciados por elas na existência anterior.
Existem vários fatores que são capazes de despertar lembranças de uma existência anterior. Algum lugar que visitamos, algum trauma que experimentamos, uma doença, um sonho – eu tive contato com alguns acontecimentos passados quando desdobrado, na chamada projeção consciente.
E existem métodos artificiais, provocados, para reativar a memória de outras existências. A regressão, a hipnose, a terapia de vidas passadas são talvez as mais conhecidas.
Particularmente eu não aconselho esses métodos. Não tenho nada contra. Mas, se o terapeuta não for suficientemente capacitado para conduzir o processo com segurança, os resultados podem ser bem diferentes daquilo que se espera. Temos que ter em mente que somos ainda muito imperfeitos, muito falhos, que já cometemos muitos erros e que já sofremos muito. Se nós lembrarmos de fatos desagradáveis que nos marcaram no passado e formos capazes de revivê-los, dando novo significado a eles, ótimo – mas se apenas lembrarmos, reavivando-os em nós, isso pode ser prejudicial.
Lembremos que nós reencarnamos próximo de pessoas com quem nós temos reajustes a fazer. Se recuperássemos a memória de experiências anteriores com essas pessoas talvez não saberíamos lidar muito bem com isso.
Na verdade, se nós nos dedicamos a estudar as coisas do espírito, se nós adotamos a prática de servir ao próximo, e se nós reservamos algum tempo para analisar a nós mesmos, ao autoconhecimento, a perscrutar a própria consciência, nós descobrimos quem somos.
O que nós somos hoje é o resultado do que nós fomos em outras existências. Nós nos construímos todos os dias. Os nossos pensamentos íntimos, os nossos desejos mais secretos, os medos que nós não contamos pra ninguém, isso é o que nós conseguimos fazer com nós mesmos até agora. Se não está bom, temos que tratar de neutralizar essas características através do trabalho – não interessa toda a soma de experiências que nos fez assim.
Observe o tipo de pessoas que lhe atrai, o tipo de ambiente que você procura, as suas falhas de caráter – seja honesto nessa análise e você terá uma boa noção do que você fez em outras existências.
As suas tendências, os seus gostos, as suas capacidades, tudo isso fala de você. Não importa o que você foi e o que você fez – não importa O QUE, mas COMO. Como você ficou, como isso agiu em você – e para isso basta observar a si mesmo.

MOREL FELIPE WILKON