Seguidores

sábado, 28 de outubro de 2017

“PODEMOS SENTIR SAUDADE DO MUNDO ESPIRITUAL? ”

Você já sentiu uma saudade inexplicável? Aquele sentimento de sentir falta de algo ou de algum lugar sem saber o que é exatamente? Ou saudade de alguém, mesmo estando perto das pessoas que ama neste mundo físico? E desta saudade uma tristeza sem razão? É um vazio, uma saudade, uma solidão. É como se faltasse algo, mas que é de difícil exatidão do que se sente falta, é algo incompreensível.
Para o Espiritismo esta saudade do desconhecido é uma saudade inconsciente do mundo espiritual. A sensação de vazio vem do inconsciente por saber da perda que temos referente a liberdade do espírito, aos amigos que lá deixamos no plano espiritual, falta da felicidade relativa que tínhamos; e a tristeza vem porque estamos aprisionados em corpos físicos, pesados, expostos a influências negativas, necessitados de esforços físicos e morais. Estas sensações e sentimentos é motivo de grande angustia na maioria das vezes, porque não sendo um sentimento de alegria, traz assim tristeza, e incerteza, dos motivos pelo qual isso ocorre.  Esta saudade desconhecida é também chamada de: sentimento estrangeiro.
No livro O Evangelho Segundo o Espiritismo, no capítulo V – item 25, encontramos a mensagem do Espírito François de Genève, referente a este sentimento de saudade do mundo espiritual, vejamos o texto abaixo:
A melancolia:
Sabeis por que uma vaga tristeza se apodera por vezes dos vossos corações e vos faz achar a vida tão amarga? É o vosso espírito que aspira à felicidade e à liberdade e que, preso ao corpo que lhe serve de prisão, se extenua em vãos esforços para dele sair. Mas, vendo que são inúteis, cai no desencorajamento, e o corpo, suportando sua influência, a languidez, o abatimento e uma espécie de apatia se apoderam de vós, e vos achais infelizes.
Crede-me, resistir com energia a essas impressões que enfraquecem vossa vontade. Essas aspirações para uma vida melhor são inatas no espírito de todos os homens, mas não as procureis neste mundo; e, atualmente, quando Deus vos envia seus espíritos para vos instruírem sobre a felicidade que vos reserva, esperai pacientemente o anjo da libertação que deve vos ajudar a romper os laços que mantêm vosso espírito cativo. Lembrai-vos de que tendes a cumprir, durante vossa prova na Terra, uma missão de que não suspeitais, seja em vos devotando à vossa família, seja cumprindo os diversos deveres que Deus vos confiou. E se no curso dessa prova, e desempenhando vossa tarefa, vedes os cuidados, as inquietações, os desgostos precipitarem-se sobre vós, sede fortes e corajosos para os suportar. Afrontai-os francamente; eles são de curta duração e devem vos conduzir para perto dos amigos que chorais, que se regozijarão com a vossa chegada entre eles e vos estenderão os braços para vos conduzir a um lugar onde os desgostos da Terra não tem acesso.
(François de Genève, Bordéus).
         Esta mensagem nos esclarece que todos as provas e dificuldades que passamos aqui no mundo material, inclusive esta saudade do “desconhecido”, deve ser motivo para nos estimular cada vez mais com o amor ao próximo, com a pratica da caridade, com o desenvolvimento do bem, com finalidade de diminuirmos a necessidade das encarnações, sobretudo em mundos de provas e expiações, como ainda é a Terra.  Assim, o que devemos e podemos fazer para substituir este sentimento de tristeza, de saudade, de vazio, é trabalhar ativamente e constantemente no bem, é exercer a caridade, aprender cada vez mais os ensinos de Jesus e coloca-los em pratica, estudar para compreender, trabalhar para o nosso progresso, para a nossa evolução, sendo nós espíritos momentaneamente encarnados no planeta Terra que é apenas um dos inúmeros planetas, onde a evolução espiritual se processa. E que com os ensinos de Cristo Jesus podemos sensibilizar a nós mesmos, e canalizar esta tristeza e saudade, para os ideais de vivencia do amor pregado por Jesus.
 Fonte: Blog Jardim Espírita

jardim-espirita.blogspot.com/

“BULLYING E DESENCARNAÇÕES PREMATURAS”

A juíza Mônica Cézar Moreno Senhorello determinou internação provisória de aluno que atirou contra colegas em escola de Goiânia. O crime aconteceu na manhã de 20 de outubro de 2017, no Conjunto Riviera. Além das mortes de João Vitor Gomes e João Pedro Calembo, ambos de 13 anos, outros quatros alunos, da mesma sala, foram baleados e estão internados. O adolescente assassino deve ficar internado por 45 dias. Acredita-se que o menor tenha planejado o crime e que efetuou os disparos porque era alvo de bullying no colégio.
Outro caso chocante com outro desfecho foi o da jovem Britney Mazzoncini, de 16 anos, de Glasgow, na Escócia que decidiu tirar a própria vida após sofrer bullying de perfis falsos no Facebook. Mazzoncini, tinha depressão, que foi piorada pelos traumas que os agressores deixaram. Antes de se suicidar, ela deixou mensagens na rede social reclamando das ofensas dizendo que "as palavras podem machucar as pessoas, e elas precisam perceber isso antes que seja tarde demais".
Outra tragédia foi a chacina de Realengo, na cidade do Rio de Janeiro, em que meninos e meninas ficaram irmanados num trágico destino. Suas vidas foram prematuramente ceifadas num episódio que mais parecia um filme de terror. Jornais, redes de TV, revistas, rádios e Internet noticiaram o crime horroroso ocorrido na Escola Municipal Tasso da Silveira. Foi um episódio para cujas causas não há como permanecermos estáticos na busca de entendimento.
O assassino Wellington Menezes de Oliveira, embora com a mente arruinada e razão obliterada, fez sua opção de atirar contra jovens estudantes. Na fita gravada, Wellington alegou ter sofrido bullying, anos antes, na mesma escola; porém, poderia ter superado o trauma de antanho. Ainda que admitamos sua provável subjugação por mentes perversas do além, a responsabilidade da decisão recai integralmente sobre ele.
O bullying, que tem sido discutido por especialistas das áreas do direito, da psicologia, da medicina, da sociologia, da pedagogia e outras. O tema começou a ser pesquisado há cerca de alguns anos na Europa, quando descobriram que essa forma de violência estava por trás de muitas tentativas de homicídio e suicídio de adolescentes.
O que, à primeira vista, pode parecer uma simples brincadeira inofensiva, pode afetar emocional e fisicamente o alvo da chacota. Crianças e adolescentes que sofrem humilhações racistas, difamatórias ou separatistas podem ter queda do rendimento escolar, somatizar o sofrimento em doenças psicossomáticas e sofrer de algum tipo de trauma que influencie traços da personalidade.
Não há dúvida que atualmente há muitos espíritos primários reencarnados na Terra. Por isso os pais devem ter cuidado redobrado com a disciplina dos próprios filhos, reforçando na intimidade doméstica os exemplos de moralidade. Pais, avós e professores formam os grupos encarregados da educação. Não se pode permitir que esses espíritos espiritualmente infantilizados reencarnados sejam entregues simplesmente às mãos de funcionários despreparados, ou sob a estranha tutela da televisão, das redes sociais da Internet e de violentos jogos eletrônicos.
Urge estabelecer limites aos nossos filhos. Desde os primeiros anos, devemos ensiná-los a fugir do abismo da liberdade, controlando lhe as atitudes e concentrando-lhe as posições mentais, pois que essa é a ocasião mais propícia à edificação das bases de uma vida.
Sabemos haver filhos rebeldes e “incorrigíveis”, impermeáveis a todos os processos educativos. Nesses casos (filhos incorrigíveis) os pais, amando e norteando os passos dos filhos sem desânimos e descontinuidades da atenção e do sacrifício, devem esperar a manifestação da Providência Divina para o entalhe moral dos filhos incorrigíveis, que deverá chegar através de dores e de provas acerbas, de modo a semear-lhes, com êxito, o campo da compreensão, do sentimento e do respeito ao próximo.
Oremos pelos pais do homicida e pelos pais de suas vítimas cujas vidas prematuramente ceifadas deixam rastro de uma dor demasiadamente intensa.
Fonte: Rede Amigo Espírita – Por: Jorge Hessen

jorgehessen@gmail.com

“A SEPARAÇÃO RESOLVE?" CONFLITOS ENTRE CASAIS SE RESOLVE COM O DIVÓRCIO?

Os dias atuais têm testemunhado muitas separações conjugais. Nós perguntamos, e gostaríamos que você respondesse, com toda a sinceridade: a separação resolve?
Embalados pelo suave encantamento do namoro e noivado, os casais entram na barca da paixão e se deixam levar pelo grande oceano do casamento.
Sentindo ainda as emoções dos primeiros tempos, tudo é alegria e contentamento...
A música, o perfume, as flores, os passeios, a comida predileta, tudo é compartilhado com carinho e cada um faz tudo para agradar ao outro.
Na balança das ações, somente o prato das virtudes é utilizado.
Todavia, o tempo passa... surgem os ventos, os maremotos, a neblina... E as dificuldades começam...
O casal esquece de estender a ponte do diálogo que, certamente, iria propiciar soluções para os problemas ou encontrar maneiras de os contornar com sabedoria.
Surgem os conflitos... e na balança das ações começa a pesar mais o prato das imperfeições...
Perguntamo-nos: Como pôde aquela alma tão querida de outrora se transformar em uma pessoa cheia de defeitos? E o outro, seguramente, faz-se os mesmos questionamentos a nosso respeito.
Cada um se isola num canto da barca buscando resolver o próprio problema. O que antes era compartilhado com carinho e doçura, agora é tratado de forma egoísta e, muitas vezes, injusta.
É bem certo que o suave encantamento do início não é mais o mesmo, todavia, ele ainda está lá, basta que o busquemos.
Iremos descobrir que, com o passar do tempo, os sentimentos amadureceram, se transformaram em amizade, em companheirismo, em afeto verdadeiro...
Vale a pena que repensemos a nossa situação relativamente ao casamento. Vale a pena lembrar que, os que estamos em família, não estamos juntos por conta do acaso.
Se o esposo ou esposa não é bem o que desejamos, lembremos que é o melhor que Deus pôde nos oferecer para que cresçamos juntos.
Se a barca do nosso casamento está navegando por mares difíceis e as neblinas densas dos problemas o ameaçam, pensemos nos frutos dessa união: os filhos, que se somaram a nós.
Busquemos colocar na balança todos os momentos de alegria compartilhada...
As pequenas coisas que nos faziam rir antes...
As tantas vezes que o outro nos acarinhou os cabelos nos momentos amargos...
Os chás feitos com ternura nos dias de enfermidades...
As preces dirigidas a Deus, em nosso favor...
Os cabelos brancos, adquiridos juntos... os quilinhos a mais... os vincos na face... os filhos amados...
Tudo isso deve ser pesado antes de decidir-se pela separação, causadora, em muitos casos, de maiores dissabores e tormentos.
Nesses tempos de dificuldades, quando as pessoas buscam a separação por motivos fúteis, lembre-se de que talvez os dois juntos superem os obstáculos com mais facilidade, se somarem ao invés de dividir.
E se o fato já estiver consumado, não se desespere, busque amar e compreender, rogando a Deus que o abençoe, abençoando igualmente os demais familiares, que são também, antes de tudo, filhos de Deus.
Redação do Momento Espírita.

.