Seguidores

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

“O MERCADO DE PROPINAS E A SUBJULGAÇÃO MORAL! NO BRASIL SÓ REENCARNARAM CORRUPTOS? ”

O Amor é essência de luz, a reencarnação é Lei Natural, mecanismo da “Justiça Divina” auxiliando-nos na compreensão de onde viemos, para onde vamos e os motivos pelos quais nos encontramos na Terra, chave que decifra os enigmas dos sofrimentos e possibilita-nos o entendimento correto dos ensinamentos evangélicos.
O “Princípio da Pré-existência do Espírito” ao fenômeno do nascimento e o “Princípio da Pluralidade das Existências”, conduz-nos a profundas reflexões e respeito ao “Código Penal da Vida futura”, explicando-nos o que nos aguarda no porvir em face da utilização correta ou incorreta do “Livre-arbítrio” nas caminhadas existenciais.
Ao analisarmos os comportamentos estruturados na elevação moral e ao confrontá-los com as condutas sedimentadas nas imperfeições morais, percebemos com nitidez a realidade da “Justiça Divina” como mecanismo de reabilitação moral da Humanidade, em outro cenário e linha do tempo, em  nossa rota evolutiva para a aquisição da Luz inextinguível.
O povo brasileiro, na atualidade, convive com muitas dificuldades políticas que influenciam a economia, em razão de inumeráveis fatores que contribuíram e desencadearam esse contexto social, porque somos herdeiros de nossos atos pretéritos e atuais, respondemos pelas consequências individuais e coletivas que desencadeamos e a “Lei do Progresso Intelectual e Moral” convida-nos ao exame das consequências que os desvios comportamentais acarretam para a sociedade.
Ao acompanharmos com atenção os acontecimentos no Brasil, particularmente os relacionados com a “corrupção sistêmica” que desencadeou esta gigantesca crise econômica-política-social, com o desemprego ultrapassando a cifra de mais de 14 milhões, a insegurança pública atingindo níveis alarmantes, as crescentes dificuldades de reversibilidade desses incisivos fatores, compreendemos claramente que colhemos aquilo que plantamos, em função de nossas escolhas.
Como somos Espíritos em evolução, já vivemos muitos séculos e viveremos mais outros milênios em nosso processo evolutivo, portanto, já podemos compreender com objetividade que, com o avanço do progresso intelectual, o amadurecimento  emocional e a elevação moral, acertaremos as contas com a “Contabilidade Divina”, através da severa “Lei de Causa e Efeito”, que nos convida a conhecermos o outro lado da moeda, ou seja, a posição simétrica no tempo e no espaço, ajudando-nos a aprofundar as reflexões sobre o funcionamento das “Leis Morais” que regem a vida.
Como ilustração, para entendermos e analisarmos a situação moral dos envolvidos no complexo jogo da “corrupção sistêmica”, que colocou o Brasil nesta condição econômica e ética difícil de ser administrada, visando o controle da inflação, o bem-estar social, a qualidade de vida e a erradicação da recessão, necessitamos do soerguimento moral da sociedade, através da conscientização da responsabilidade ao elegermos nossos representantes para a “Casa do Povo” onde ocupam cargos através dos quais, com suas decisões promovem o avanço ou o retrocesso da economia, portanto, definem ou não prosperidade material e moral para a Nação Brasileira.
Os representantes das “Sombras Organizadas” que detestam os compromissos morais com a honestidade e a dignidade, com a caridade e a Educação Ética, homiziam-se na psicosfera brasileira onde estruturaram seus “Postos de Comando” e prosseguem atentos na execução de suas planificações sombrias, porque lhes interessa o caos social, a permanência da miséria econômica, a manutenção da ignorância da Verdade, atuando através da “subjugação moral” em alguns políticos desonestos e empresários gananciosos.
Sobretudo laboram pela desmoralização da veneranda “Doutrina Espírita”  e do exercício da “Mediunidade com o Mestre Jesus”, enquanto exploram a inconformação, a insatisfação, a revolta e a rebeldia, mecanismos através dos quais intranquilizam a sociedade aturdida pela “corrupção sistêmica”, exacerbando em alguns políticos gananciosos e empresários desonestos os “estímulos” para a evasão de divisas decorrentes dos rombos fraudulentos promovidos nos cofres públicos, estratégia utilizada para desbalancear as contas públicas e retardar o quanto possível a prosperidade material e moral desta Nação.
Diante destes fatos, acirram-se as disputas pelos cargos públicos, por posições governamentais nos Ministérios e Superintendências, mediante o “mercado das trocas de favores”, onde cada qual dos envolvidos interessa-se apenas pelo seu bem-estar cultivando o egoísmo, pela continuidade da permanência nos esquemas políticos para mostrarem-se em evidência alimentando o orgulho, deixando em segundo plano os interesses pátrios para com a sociedade, que vivencia intensos problemas sociais.
A “corrupção sistêmica” na atualidade é destaque nos meios midiáticos, está estampada nas capas das revistas, nas manchetes dos jornais matutinos, demonstrando o tumulto em que se encontra o mercado financeiro, o desbalanceamento das contas públicas, as constantes fraudes no patrimônio público, o repúdio do povo ao exercício do poder partidário descomprometido com o bem-estar e a qualidade de vida da população, condutas que desencadearam esta profunda crise econômica no Brasil, convidando-nos ao “combate cultural e moral à corrupção” para diluirmos a impunidade e alterarmos o panorama social mergulhado no pessimismo e negativismo com relação ao retorno do crescimento econômico.
A Doutrina Espírita esclarece que a alma sofre na vida espiritual as consequências das imperfeições morais que não foram corrigidas durante a existência física, ou seja, vivencia estados de felicidade ou desventura, conforme o grau de pureza ou impureza alcançado, uma vez que toda mazela é causa de sofrimento, da mesma maneira que toda conquista moral adquirida é fonte de gozo, portanto, atenuante de sofrimentos.
O Espiritismo informa que, na dimensão espiritual, a soma das penalidades é proporcional ao somatório das imperfeições morais, assim como a soma dos gozos está relacionada à soma das qualidades morais conquistadas e que a alma será perfeitamente feliz quando extintas as mazelas.
A “Codificação Espírita” explica que, em virtude da “Lei do Progresso Intelectual e Moral”, vivenciada na esteira evolutiva, tanto nas reencarnações e nos interrregnos das múltiplas existências, a alma possui a possibilidade de conquistar as qualidades morais, bem como despojar-se das mazelas humanas, conforme o esforço  e a vontade empenhados, portanto, adquire  o mérito de suas obras à proporção em que atinge progressivamente a perfeição relativa.
A “auto iluminação” é a grande meta que todos sem  exceção devem cultivar, compreendendo  a necessidade da integração cósmica, a importância da auto edificação nos “Princípios Morais”, assim como os esforços que devem ser efetuados para a superação das imperfeições éticas, procurando conquistar os estados vibratórios morais, elevados e dignificantes, utilizando os diversificados caminhos disponibilizados pela “Sabedoria Divina”  no rosário reencarnatório para conseguir a iluminação interior, relacionados com os estágios evolutivos em que se encontram, utilizando o “mecanismo do amor”, que orienta a razão na rota evolutiva para ascender ao “vir-a-ser”.
Posicionadas na região psicosférica brasileira adjacente à Crosta terrestre, as “Organizações do Bem” interferem com os recursos espirituais elevados, que estão disponibilizados pela “Divina Luz” para atenuar as influenciações perturbadoras na sociedade, enquanto aguardam pacientemente pela população a assimilação das lições preciosas que a vida proporciona, mediante a constatação dos problemas gerados e dos esforços envidados para solucioná-los.
Como estamos vivenciando a “Grande Transição Planetária” e é responsabilidade dos reencarnados solucionarem os problemas criados por eles mesmos, alertamos para a imperiosa e inadiável necessidade da “Reforma Moral”, vereda confiável e segura para a superação da “corrupção sistêmica” que se alastrou como erva daninha no gramado da economia ética da brasilidade.
Continuemos rogando ao Cristo de Deus o amparo imprescindível para robustecermos a força de vontade no sentido de contribuirmos para a “reconstrução moral” de nossa amada Pátria.
(Página recebida, psicograficamente, por Renato Mautoni, na noite de 12 de maio de 2017,

no Instituto Espírita Léon Denis, em Juiz de Fora, Minas Gerais.)

“POR QUÊ UM ESPÍRITO PODE FICAR VAGANDO PERDIDO? QUANDO ISSO OCORRE, COMO RESOLVER? ”

Estado de Perturbação. Um espírito não esclarecido, chega do outro lado praticamente sem consciência do que está acontecendo, não acredita já estar morto, continua a agir como se ainda estivesse vivo, assiste todo o funeral e acha que esta sonhando, fica ao redor do caixão com seu corpo ou entre os familiares. Depois do enterro, volta para casa e tenta se comunicar, como ninguém responde às suas perguntas fica desorientado, não aceita auxílio de outros espíritos que vieram para ajudar; como sempre lhe disseram que “os bons”, vão direto para o céu, e como uma pessoa nunca se julga má, ele fica esperando que os anjos venham buscá-lo.
Como os anjos não aparecem, alguns ficam anos ou séculos na sua casa, no local da morte ou junto com os seus bens, tesouros ou pertences.
Presos a Matéria Pessoas que viveram aqui só voltados aos prazeres materiais, sem se preocupar com o seu futuro espiritual, geralmente demoram-se na crosta terrestre, buscando ainda os mesmos tipos de prazer que costumavam cultivar quando encarnados, acomodam-se junto aos encarnados que apreciam os mesmos vícios, induzindo as pessoas a prática, para usufruir dos fluídos.
Ex: bebidas, cigarros, etc. Aprendem a se alimentar da energia dos vivos, se “encosta” como dizem, numa pessoa que lhe ofereça condições, e muitas vezes, mesmo sem saber que está prejudicando, suga a sua energia.
Deixando-a, cada dia mais debilitada, começam a surgir às doenças.
Região de Sombra e Dor Quando o espírito comete delitos graves aqui na Terra (assassinatos, crimes) ele é atraído para regiões de sombra e dor, o chamado umbral, onde pelo sofrimento chegará um dia ao arrependimento e o desejo de reparar o mal praticado, e então será socorrido por espíritos bons que irão retirá-lo de lá e serão conduzidos a postos de atendimento espiritual conhecido como colônias.
Falta de preparo para morte tudo isso acontece porque as religiões não preparam as pessoas para essa passagem. Somente ensinam que o pecador, batizado, convertido ou morrendo sob confissão, extrema unção, encomendação do corpo ou tendo um funeral com os rituais religiosos, vai direto para o céu.
As pessoas nasceram e são livres para fazerem o que quiserem inclusive o mal, aí entram as religiões cuja missão é conduzir o homem à prática do bem e da justiça e consequentemente prepará-lo para voltar melhor do que quando veio.
Por não admitir o renascimento a maioria das igrejas não tem outra saída, a não ser ensinar que o morto deve aguardar de braços cruzados dentro do caixão até o momento em que as trombetas vão soar e todos ressuscitarão, para o julgamento coletivo do juízo final.
Como nada prende um espírito, ele sai por aí para fazer o que quiser.
Esse é o motivo que incontáveis irmãos se encontram nessa situação há muito tempo.
É obrigação dos vivos auxiliarem com suas orações e atos aqueles que já se foram principalmente convencê-los do arrependimento.
Daí a necessidade de se doutrinar e evangelizar esses espíritos para que no menor tempo possível lhes seja dado conhecer a Verdade que os libertará das falsas doutrinas e das falsas promessas.

Bibliografia: Livro Céu e Inferno

“COMO FAZER PARA SE LIBERTAR DAS INFLUÊNCIAS OBSESSIVAS?”

 Sabendo que as causas da Obsessão encontram-se no próprio encarnado, depende dele, libertar-se da obsessão. O obsessor não é uma criatura demoníaca. É um ser humano, como nós. Alguém que está no erro. É uma criatura ignorante, credora de esclarecimento e amor.
O que fazer?
Primeiro orar. Ninguém é tão pobre que não possa pedir o socorro de Deus. Procurar transformar a paisagem mental. Procurar fazer leituras agradáveis, edificantes. Se esforçar no exercício da concentração. Conhecer a si mesmo, é algo fundamental. Mas sobretudo mudar de comportamento moral. Mudar de atitude perante a vida. Trabalhar no bem.
Isso porque, a mudança de comportamento moral, além de ajudar na sintonia com os espíritos bons, vai sensibilizar os Obsessores. Eles vão se dar conta que o encarnado está progredindo, e vai chegar o momento que eles não terão mais como influenciá-lo. Vão ficar sozinhos. Ademais, os exemplos da pessoa, contaminarão os espíritos obsessores.
O maior contágio não é da maldade, é do bem.
Sem deixar de falar na procura a uma Casa Espírita. Lá o paciente deve ser orientado a participar das atividades doutrinárias: Assistir palestras, estudar o espiritismo, se necessário passar pelo atendimento fraterno, tomar passe, e participar de alguma obra social, algum trabalho de serviço ao próximo.
Não levar o paciente às Reuniões Mediúnicas. As Reuniões Mediúnicas de Desobsessão devem ser compostas por pessoas sadias emocionalmente, que se conhecem entre si, mantendo amizade e simpatia recíproca – a fim de favorecer a atmosfera psíquica -, e que conheçam o fenômeno mediúnico, e a doutrina espírita em geral.
O obsidiado, não precisa e nem deve estar presente na Reunião de Desobsessão. Ele pode atrapalhar o grupo, e sair de lá impressionado, perturbado, em uma situação emocional pior.
A Reunião Mediúnica constitui-se em um trabalho de alto nível. É um verdadeiro serviço de caridade.
Nessa atividade, o Espírito Perturbado, é encaminhado pelos Mentores Espirituais Responsáveis a fim de comunicar-se através de um médium, e receber a palavra terapêutica e orientadora do doutrinador. A entidade vai fazer sua catarse, vai desabafar, vai dizer do quanto sofre, das suas dores, recebendo consolo, e um direcionamento compatível com as suas necessidades. É uma ajuda preciosa que se faz no despertamento da entidade espiritual, com também ao obsidiado.
Esse labor, lembra as atividades cristãs primitivas, quando os discípulos de Jesus entravam em contato com os Espíritos em reuniões semelhantes.
Mas, mesmo quando o Espírito é orientado e muda de conduta, se o Obsidiado permanece em uma atitude mental e moral negativa, ele vai atrair outros Espíritos Obsessores. Eis porque, Jesus, considerado O Senhor dos Espíritos, graças a sua autoridade moral, e a sua influência incomparável diante de obsessores e obsedados, não libertava os Obsedados sem lhes advertir sobre a necessidade de renovação moral. “Vai e não peques mais” – dizia o Mestre.
Ensinou-nos Jesus, que a melhor e maior terapêutica para a libertação das Obsessões é a do Amor. E Allan Kardec, atualizando o pensamento de Jesus, falou a mesma coisa quando estabeleceu a Caridade como sendo o mais nobre sentimento, através do qual a pessoa logra a auto superação, a sublimação dos sentimentos, à renúncia das ambições pessoais.
“A cura da obsessão é uma auto cura” (Herculano Pires)

Autor desconhecido

"O QUE ACONTECE QUANDO UM HOMEM INSATISFEITO, UM MENINO DE RUA E UM CÃO ABANDONADO SE ENCONTRAM?"

E eu só reclamava da vida…reclamava da noite porque eu não dormia, reclamava do dia porque eu sofria, reclamava do frio que me gelava a alma, reclamava do calor que me atirava ao desânimo.
Para tudo e para todos eu tinha uma resposta, para a minha derrota eu sempre tinha um culpado,
para o meu desamor sempre tinha um “alguém”, para tudo uma reclamação,
eu era o próprio azedume de quem me criticasse, que apontasse o erro que eu não enxergava,
para tudo tinha que haver um culpado,eu era a vítima do sistema, das pessoas, do mundo,
eu sempre fui traído, enganado, sofrido…Carregava aquela cruz pesada de ódio,
e eu só reclamava da vida, seja de noite, seja de dia.
Até quem dia, um menino, desses meninos de rua, me pediu uma ajuda, e eu já estava pronto para ofendê-lo, quando ele pegou na minha mão e arrastou-me, se é que um menino tão pequeno teria essa força.
No canto da rua ele me mostrou um cachorro muito sujo, que estava com a pata como que quebrada e cheio de feridas.
O menino puxou a minha mão e fez chegar perto do cachorro.
Ele olhava pra mim e depois para o cachorro, e falou numa voz que eu não consigo esquecer:
– Moço, sara ele pra mim! é o meu melhor amigo.
Não sei porque e nem quero saber, mas eu não aguentei e chorei…Chorei como criança, como quem abre uma torneira, como se uma porta que estava fechada há muito tempo dentro de mime e abrisse escancaradamente…
O menino não entendeu o meu choro e perguntou:
– Ele vai morrer moço?  è  grave assim…Despertei do meu choro e agarrei aquele cachorro com muito cuidado.
Levei-o até a minha casa, poucos quarteirões dali, e tratei daquele cachorro como se fosse um filho,
e o menino, que vivia pelas ruas, foi ficando, e cuidou de mim, curou minhas feridas, antes mesmo de eu curar as feridas do cachorro.
Hoje, não reclamo mais de nada, tudo para mim tem um sentido, tudo é perfeito, até o que dá errado.
Faz 16 anos que o menino de rua pegou na minha mão, mudou a minha vida, transformou esse ser.
Mostrou-me o caminho do amor, amor que restaura, cura, seca feridas, renova, traz esperança, e esperança é o nome do amor.
E esse menino, que hoje me chama de pai, destranca portas e janelas da minha alma todos os dias,
quando segura na minha mão e me agradece por cada coisa tão pequena, os banhos, as roupas, a comida, a escola, a adoção, coisas que muita gente tem e não dá nenhum valor, ele me recompensa com carinho e dedicação.
Hoje é a sua formatura, e eu nem sei o que dizer, sou grato a Deus por ele entrar na minha vida,
por quebrantar meu coração, e não largar mais a minha mão.
Hoje eu bendigo a vida.
Valorize a sua vida, preencha-a com o amor.
Eu acredito em você

Por Paulo Roberto Gaefke