Seguidores

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

“A VIDA DOS ESPÍRITOS IMPUROS NO ALÉM. ”

“Enleados em forças de baixo padrão vibratório, não aprendem a beleza da vida superior e, enquanto mentalidades frágeis e enfermiças se dobram humilhadas, os gênios da impiedade lhes traçam diretrizes, enfileirando-as em comunidades extensas e dirigindo-as em bases severas escuras do ódio aviltante e silencioso. Organizam assim, verdadeiras cidades, em que se refugiam falanges compactas de almas que fogem, envergonhadas de si mesmas, antes quaisquer manifestações da divina luz” (André Luiz – Livro Libertação. Psicografia de Chico Xavier. Cap. II – A palestra do Instrutor).
Fuja enquanto é tempo e enquanto está em experiências na vida terrena, dos vícios, desejos e paixões, que se não forem descartados aqui no Planeta, vão acompanhá-lo no mundo espiritual, onde certamente você vai engrossar a falange dos espíritos impuros que pululam em faixas vibratórias sombrias e trevosas do além, não só sofrendo horrores no campo mental, como também proporcionando sofrimentos aos seus familiares, tanto os que estão do outro lado da vida, como os que ficam, mas que um dia terão que partir também, encontrando no além da vida, aqueles que nos são caros, mas que nada fizeram para se sentirem felizes, causando constrangimento e decepção em todos aqueles por quem temos afetividade.
Denominam-se espíritos impuros todos aqueles que partem para o outro lado da vida sem nenhum sentimento de renovação, sem nenhuma capacidade de reação diante do mal que praticaram contra os seus semelhantes, porque não chegaram ao remorso e ao arrependimento, que são pontos iniciais para se descartar o mal interno que nos incomoda, e por isso partem para o além, exatamente como viveram aqui no Planeta; viciados e viciosos, autoritários, prepotentes, perversos, cruéis, maldosos e sensuais; orgulhosos, mentirosos, egoístas e maledicentes; ciumentos, hipócritas e despeitados, formando verdadeiras falanges de espíritos inferiores, que não abandonaram a Terra e nem a companhia dos encarnados, principalmente aqueles que deixam “brechas”, no comportamento, e passam a fazer parcerias com eles, que de algum modo se locupletam com as viciações humanas, tão ao gosto de quando eram vivos.
São impuros também os espíritos que, no além, continuam praticando todo tipo de maldade e perversidade; são os lascivos, sensuais, mentirosos, egoístas, e até certo ponto possuem determinada liberdade para a prática do mal; embora ela não seja absoluta, e só possa alcançar as pessoas com quem tenham afinidades, e é esse trabalho sujo executado pelos espíritos inferiores ou impuros, que se aglomeram aos milhares, partilhando com as criaturas terrenas as condições sombrias de habitabilidade da Crosta Terrena, que em síntese, é uma faixa agregada à atmosfera espiritual da Terra, onde estão temporariamente os chamados “mortos”, que na realidade estão vivos, e apenas não envergam mais a indumentária física, mas continuam com todos predicados do espírito imortal, esse viajor incansável da eternidade.
Dentre os espíritos impuros, existem aqueles que são rebeldes por excelência, formando verdadeiras quadrilhas bem organizadas, com a finalidade de perturbar o homem terreno, que de alguma forma, e às vezes inconsciente, compartilha, dando condições de aproximação e imantação, por causa das viciações que muitas pessoas acalentam, como o vício do álcool, do fumo, das drogas, do jogo e da sensualidade excessiva; ou então as viciações morais como o ódio, rancor, ressentimento, raiva, maldade, crueldade, perversidade, ciúme, maledicência, mentira, despeito, autoritarismo e prepotência. O deboche, a traição, a indiferença, são também corrosivos mentais de alto teor destrutivo, e do agrado de entidades espirituais, bravias, coléricas, tristes, melancólicas e depressivas, e que estão sempre ao lado dos desavisados e incautos da vida terrena.
Quanto maior for a inteligência e a sabedoria do espírito, maior será sua força mental, e consequentemente maior será sua capacidade para entender a vida espiritual, e quanto maior a ignorância, maior será a possibilidade de se entregar aos vícios, desejos e paixões, devido à cegueira intelectual e moral, que de alguma forma tapa os ouvidos e os olhos, fazendo com que o espírito possa agir simplesmente pelo instinto. O espírito impuro estampa na sua “aura humana” o sintoma doentio da sua loucura, e de todo mal que representa para ele mesmo, porque escravizaram suas mentes, a todo tipo de crime, falcatruas, escândalos e pecados, criando dentro de si mesmo, uma segunda natureza, a natureza do mal, em que cometer pecados os deixa felizes, principalmente quando encontram parceiros para dividir a desdita ou infelicidade.
Do outro lado da vida, dentro das possibilidades de cada um ou grupo, os espíritos impuros constroem e organizam cidadelas sombrias, guetos, favelas, masmorras e prisões; como sendo construções fluídicas encetadas por mentes desequilibradas, e por isso mesmo, não possuem nenhum tipo de beleza, ou características sublimes, e sim são grosseiras, sem linha de acabamento, tortas e opacas; são frias e escuras, e administradas com violência e brutalidade. Essas cidadelas e comunidades tristes, ficam localizadas numa faixa vibratória, que os espíritos iluminados chamam de “Umbral”, muito próxima a esfera psíquica dos encarnados, e aí vivem milhares de espíritos, como se fosse um formigueiro imenso, alimentado por vícios, desejos e paixões, tanto dos desencarnados como dos encarnados, que mantém contato com esse plano.

Fonte: Correio Espírita. Por Djalma Santos 

“NOSSOS FILHOS SÃO ESPÍRITOS- COMO LIDAR COM ELES. ”

Diante dos desafios da criação, das preocupações que ocupam as nossas mentes, é comum desvirtuarmos das reais prioridades da criação filial em nome da segurança financeira. Filhos são espíritos, unidades inteligentes de Deus, com o objetivo de figurar pela eternidade nos prumos felicidade.
Para que os eventos provedores da felicidade ganhem força, é necessário o respaldo inicial, o alicerce do caráter reto, sob o peso das escolhas difíceis.
Muitos dizem, naturalmente sob as aflições do desconhecimento, que o passado delituoso de outras vidas é a resultante das diferenças de afinidade que conduzem a desdita do presente. Estes desconhecem o poder do amor, ignoram a força da indulgência. O antagonismo atual é vencido pelo exemplo, paciência e inúmeros atos de amor, o conhecido 70x7, segundo o Mestre Jesus. Os problemas do hoje possuem, certamente, os componentes do presente.
Nossos filhos não foram criados para os parcos anos da existência carnal, o objetivo é muito maior, é pavimentar lhes a estrada rumos aos cimos da felicidade, é conduzir-lhes nas vias do homem ou mulher de bem, é direcionar lhes ao caminho dos anjos. Entretanto, vislumbramos, ainda envolvido na manta ao nascer, o médico da mamãe, ou o engenheiro do papai. Como se a necessidade da vida fosse unicamente o alimentar de um grupo de células, além do fenômeno da procriação e perpetuação da espécie humana.
Nossos filhos são espíritos e, portanto, existem as características latentes, a “borra” do caráter passado que retorna sob a virtude trabalhada ou do vício a ser confirmado, legado moral acumulado e trazido através dos tempos. Os traços inconsequentes do antes, os quais devemos fomentar a reconstrução através dos esforços da educação. Educar é ação contínua, é ajudar sem atrapalhar. É auxiliar sem confundir, é perseverar, jamais desistir.
A formação profissional, obviamente importante, deve ser alcançada, porém distante está de ser a única, em se tratando do ser eterno. Necessário investir mais na formação do ser humano, no conjunto de virtudes que qualificam o espírito em sua integralidade.
O mundo clama pelo equilíbrio, não a encontraremos nas telas ou ferramentas do mundo virtual, hoje, infelizmente, encontramos as famílias reunidas em corpo somente, pois frequentemente as mentes estão longe, viajando na ação de jogos eletrônicos ou de mensagens instantâneas, desde as mais tenras idades. Como formar um caráter se nos momentos de comunhão familiar, permitimos a alienação que evita a convivência e o contato?
A Terra espera por paz, e não a encontraremos nos múltiplos cursos preparatórios, e sim, ensinando-lhes o respeito ao próximo, dando-lhe a perfeita noção de limite, para estar-se sempre quite com consciência.
A sociedade pede amor, virtude esta a ser desenvolvida no universo do espírito, através dos exercícios da caridade em todos os sentidos. Não tenhamos as aspirações de encaminhar-lhes a descoberta do valor da vida, da formação do cidadão de bem, unicamente pelas vias dos cursos profissionalizantes.
A educação moral é o maior investimento, custa-nos apenas o empenho diário, entretanto sua aquisição, jamais se perde, degrada, desvaloriza ou apequena-se. Ao contrário, avança indeterminadamente. Tal educação, nem sempre vem recoberta do doce da vida, por vezes se achega crispada de sentimento latentes em vendavais de paixões. O Cristo, além os inúmeros exemplos conhecidos de recuperação moral de almas, nos ensina que jamais devemos desistir de um ser humano, seja quem for, quem dirá dos que nos são fruto, do corpo e/ou do coração. Um espírito sempre absorve a dose, mesmo que homeopática, do amor, sob a disciplina do exemplo e do incansável esforço.
Um traço de nós acompanhará sempre os nossos pequeninos, que traço desejamos deixar-lhes? Quais tesouros do coração lhes damos como guia dos momentos difíceis? Dá-lhe os devidos valores para que saibam pesar a importância do dinheiro, da família, da sociedade, da profissão, do próximo e de Deus.
Assim, saberão portar-se diante das agruras do mundo e desafios humanos, entenderão o respectivo papel diante da eternidade, não limitando-se aos investimentos momentâneos, os valores com vencimento nas décadas, sob as fragilidades e limitações do corpo biológico. Terão a real noção da vida futura e a consciência do que são na essência: Espíritos.

Fonte: Correio Espírita. Por: Pedro Valiati

“O ÚLTIMO PEDIDO DE JESUS AINDA NA CRUZ”

REVELAÇÃO DA ÚLTIMA FALA DE JESUS APÓS O “PAI PERDOA-LHES POR QUE NÃO SABEM O QUE FAZEM” – GRUPOS EXTENSOS DE ENTIDADES ANGÉLICAS CONFORTARAM JESUS NA HORA EXTREMA – O ANJO SOLITÁRIO QUE OUVIU O ÚLTIMO PEDIDO DE JESUS – JUDAS DESEJAVA TRAIR JESUS DE FATO AO SE MATAR? – JOANA D’ARC ÚLTIMA REENCARNAÇÃO DE JUDAS.
A importância da obra mediúnica de Chico Xavier é o seu aspecto revelador. A respeito da vida de Jesus, as informações param no Novo Testamento, porém, pela mediunidade abençoada do médium mineiro, temos notícias de fatos vividos pelo Mestre, além dos registros evangélicos — como é o caso do Anjo Solitário, narrado pelo espírito Humberto de Campos, no capítulo 34 do livro Estante da Vida.
AS ENTIDADES ANGÉLICAS
Narra o benfeitor espiritual que enquanto o Mestre agonizava na cruz, rasgava-se o céu em Jerusalém e entidades angélicas, em grupos extensos, desciam sobre o Calvário doloroso...
Na poeira escura do chão, a maldade e a ignorância expeliam trevas demasiadamente compactas para que alguém pudesse divisar as manifestações sublimes. Fios de claridade indefinível passaram a ligar o madeiro ao firmamento, embora a tempestade se anunciasse à distância...
O Cristo, de alma sedenta e opressa, contemplava a celeste paisagem, aureolado pela glória que lhe bafejava a fronte de herói, e os emissários do paraíso chegavam, em bandos, a entoarem cânticos de amor e reconhecimento que os tímpanos humanos jamais poderiam perceber.
Os anjos da ternura rodearam-lhe o peito ferido, como a lhe insuflarem energias novas. Os portadores da consolação ungiram-lhe os pés sangrentos com suave bálsamo. Os embaixadores da harmonia, sobraçando instrumentos delicados, formaram coroa viva, ao redor de sua atribulada cabeça, desferindo comovedoras melodias a se espalharem por bênçãos de perdão sobre a turba amotinada.
O ANJO QUE OUVIU O ÚLTIMO PEDIDO DE JESUS
Trabalhavam os mensageiros do Céu, em tomo do Sublime Condutor dos homens, aliviando-o e exaltando-o, como a lhe prepararem o banquete da ressurreição, quando um anjo aureolado de intraduzível esplendor apareceu, solitário, descendo do império magnificente da Altura.
Não trazia seguidores e, abeirando-se do Senhor, beijou-lhe os pés, entre respeitoso e enternecido. Não se deteve na ociosa contemplação da tarefa, que naturalmente cabia aos companheiros, mas procurou os olhos de Jesus, dentro de uma ansiedade que não se observara em nenhum dos outros.
Dir-se-ia que o novo representante do Pai Compassivo desejava conhecer a vontade do Mestre, antes de tudo. E, em êxtase, elevou-se do solo em que pousara, aos braços do madeiro afrontoso. Enlaçou o busto do Inesquecível Supliciado, com inexcedível carinho, e colou, por um instante, o ouvido atento em seus lábios que balbuciavam de leve.
Jesus pronunciou algo que os demais não escutaram distintamente.
O mensageiro solitário desprendeu-se, então, do lenho duro, revelando olhos serenos e úmidos, e de imediato, desceu do monte ensolarado para as sombras que começavam a invadir Jerusalém, procurando Judas, a fim de socorrê-lo e ampará-lo.
Se os homens não lhe viram a expressão de grandeza e misericórdia, os querubins em serviço também não lhe notaram a ausência. Mas suspenso no martírio, Jesus contemplava-o, confiante, acompanhando-lhe a excelsa missão, em silêncio.
Este era o anjo da Caridade.
Pelo visto, as derradeiras palavras de Jesus na cruz não foram "Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem", mas sim as palavras balbuciadas ao ouvido do Anjo Solitário para socorrer o amargurado espírito de Judas.
JUDAS QUERIA TRAIR JESUS DE FATO?
A prova de que Judas Iscariotes não queria simplesmente trair Jesus e levá-lo a morte está no fato de que ele, ao receber do Sinédrio as trinta moedas de prata como pagamento para entregar Jesus, não esperava receber o fel da amarga desilusão, ao ver o Cristo duramente torturado. Ao perceber a traição dos fariseus, pois não era isso que desejava para o seu Mestre, ele de imediato foi devolver as moedas recebidas para desfazer o acordo infeliz. Nesta oportunidade, porém, recebeu em troca a expressão de deboche dos príncipes dos sacerdotes: “Isso é contigo”. Nada mais restava fazer para salvar o Mestre dos Mestres. Infelizmente o plano sinistro estava consumado!
Foi então que Judas, depois de assistir as cenas do Calvário, levado por tremendo remorso, pois sua intenção não era eliminar Jesus, cometeu o suicídio. No entanto, o Mestre, após a sua morte e tocado de compaixão, foi ao encontro do espírito enlouquecido de Judas, permanecendo três dias ao seu lado até que ele adormecesse, segundo a revelação da poetisa desencarnada Maria Dolores, no livro Coração e Vida, psicografado por Chico Xavier. Só depois desse gesto de amor e de perdão é que Jesus apareceu materializado a Maria Madalena, segundo o Evangelho de João (Cap. 20: 11 a 18).
A HISTÓRIA E A REVELAÇÃO MEDIÚNICA
Através da mediunidade educada e disciplinada conforme os princípios do Espiritismo, podemos receber dos Espíritos revelações importantes que esclarecem os fatos históricos registrados muitas vezes de forma incompleta, como é o caso de muitas passagens do Novo Testamento, e que levam a interpretações equivocadas, o que é corrigido pela revelação de ordem mediúnica.
Como vemos, considerar Judas Iscariotes um traidor é um erro, até porque se ele de fato tivesse traído conscientemente a Jesus, por que em seguida teria ele entrado em remorso e arrependimento a ponto de tentar desfazer o acordo com os doutores da lei e, em seguida, cometer o suicídio? Como revelam os Espíritos Humberto de Campos (Irmão X) e Maria Dolores, na verdade Judas foi enganado pelos doutores da lei, mas como o amor cobre a multidão dos pecados, ele recebeu a misericórdia de Jesus, pois aquele que se arrepende está a um passo de iniciar a reparação, que a lei divina propicia através de futuras e abençoadas encarnações.
JOANA D’ARC ÚLTIMA REENCARNAÇÃO DE JUDAS
Judas Iscariotes, na entrevista concedida ao Espírito Humberto de Campos, revelou que sua última reencarnação na Terra foi a da conhecida heroína francesa Joana D'arc, queimada nas fogueiras Inquisitoriais do século XV. Essa mensagem reveladora foi publicada no livro Crônicas de além-túmulo, obra psicografada pelo médium Chico Xavier.
No livro Chico de Francisco, Adelino da Silveira apresenta diversos fatos ocorridos com o médium Chico Xavier e respostas a diversos questionamentos dados por ele pessoalmente. A respeito de Joana D’arc, foi perguntado a Chico por que ela fez a guerra e foi considerada santa?
Chico então respondeu assessorado pelo seu guia espiritual Emmanuel, que naquela época, os Espíritos encarregados da evolução do Planeta estavam selecionando os gens que viriam a servir na formação do corpo da plêiade de en­tidades nobres que reencarnariam para ampliar o desenvolvimento geral da Terra, através do chamado Ilu­minismo Francês. Era preciso cuidado para que os cor­pos pudessem suportar a dinâmica das inteligências que surgiriam. Se a França fosse invadida, perder-se-ia o trabalho de muitos séculos. Então Joana D'Arc foi convocada para que impedisse a invasão, a fim de que se preservassem as sementes genitais para a formação de instrumentalidade destinada aos gênios da cultura e do progresso que renasceriam na França, especialmente em se tratando da França do século XIX, que preparou, no mundo, a organização da era tecnológi­ca que estamos vivendo no século XX.
Concluímos por esses esclarecimentos que, se por ventura a França fosse invadida pelos ingleses e os casais franceses já selecionados para a reencarnação dos futuros gênios do iluminismo fossem dizimados nesse confronto bélico, e até a preparação de novos casais, ocorreria, no mínimo, o atraso de um século na formação de novos casais para a reencarnação dos referidos “gênios”. Ora, esse atraso redundaria no retardamento do nível cultural da França, nível esse que seria necessário para o surgimento da Doutrina Espírita. Por consequência, a sua codificação, que se deu em 1857, se deslocaria para 1957.
Fonte: Correio Espirita. Por: Gerson Simões Monteiro


“TRANSFORMAÇÃO INTERIOR E O MUNDO DE REGENERAÇÃO”

“A fim de que o mundo se transforme é necessário que haja a modificação do ser humano para melhor, por ser a célula mater da sociedade. Enquanto mantiver a enfermidade espiritual resultante do atraso evolutivo, nenhuma força externa conseguirá alterar a
marcha moral do planeta, desde que os seus habitantes recusem-se à transformação interior.
Os momentos que vivemos são de esforço auto iluminativo, graças às revelações que descem à Terra com maior frequência e às informações seguras em torno do processo de mudança, oferecendo a visão do futuro que a todos nos espera.
As lições do Mestre de Nazaré, desde há dois mil anos, convocam-nos ao procedimento moral correto, à convivência pacífica e ao cumprimento dos deveres de solidariedade e apoio aos que se encontram na retaguarda da ignorância, ou sofrendo os necessários fenômenos de recuperação pela dor, mediante os testemunhos,
através das experiências aflitivas...
Cada um deve preparar-se para acompanhar a marcha do progresso, integrando a legião dos construtores do novo período da Humanidade. Anunciado por Jesus esse período de transição, tanto como referendado pelo Apocalipse, narrado por João evangelista e os profetas que se manifestaram a esse respeito ao longo da História, chega o momento de cumprir-se os divinos desígnios que reservam para a Terra generosa o destino regenerador, sem as marcas do sofrimento na sua feição pungitiva e desesperadora.
As forças do mal, porém, teimam em manter o quadro atual de desolação, ao lado dos abusos de toda ordem, porque pretendem continuar explorando psiquicamente os incautos que se lhes vinculam através dos hábitos doentios em que se comprazem na ilusão material.
A morte inevitável, porém, a todos arrebata, e quando despertam no além-túmulo, estorcegam na realidade, lamentando os equívocos e necessitando de oportunidade para reparação.
Esse não mais se dará no planeta Terra, que deixará de ser de provas, mas em outro de natureza inferior, onde se deverá expungir a maldade e a falência moral em situação muito mais aflitiva e mais amarga."
Autor: Manoel Philomeno de Miranda (espírito), psicografia de Divaldo Franco.

Livro: Amanhecer de uma Nova Era

“O QUE ACONTECE NO MUNDO ESPIRITUAL QUANDO NOS REUNIMOS EM ORAÇÃO. ”

Curas Coletivas… Vivência Espiritual, Festival de Luz ou Curas Coletivas, são momentos em que nos reunimos em grupo para vivenciarmos e principalmente ancorarmos ao nosso agregado espiritual, energias de alto padrão, específicas para cada ocasião em que são ancoradas.
As energias canalizadas nas vivências em grupos pelas elevadas frequências que alcançam, ajudam a acelerar o nosso processo evolutivo de maneira estrondosa.
Neste tipo de atividade, não importa que não estejamos no mesmo local físico, pois ainda que cada um esteja em localidades diferentes, mas sintonizados no mesmo propósito, o dito popular “a união faz a força”, é uma máxima, pois a egregora de Luz gerada a partir de nossas intenções, formam verdadeiras usinas de energias, que são elevadas ao cosmo gerando uma grande explosão de luzes multicoloridas como um sinal, que imediatamente aciona as mais elevadas Hierarquias Espirituais, Planetárias e Cósmicas que se deslocam imediatamente até nós, na maioria das vezes, antes do momento dia e horário marcado, toda a estruturação espiritual que será necessária para cada pessoa já é acionada a partir do momento em que ela confirma a participação. Sendo que o ápice se dá no momento em que foi marcada.
E essa fusão com os Mestres de Luz que sustentam o trabalho, pode ocasionar modificações determinantes em nosso padrão energético e em toda a nossa estrutura espiritual, já que forma-se uma enorme congregação espiritual, onde nossos Mentores Pessoais, se juntam com as altas Hierarquias de Luz e aos Mentores Pessoais de cada participante, para juntos e fortalecidos pela nossa autorização e intenção positiva, intercederem por todo o grupo a um nível muito profundo, levando as energias de cura e libertação aos nossos registros acáshicos, liberando cargas muitas vezes acumuladas em séculos, clarificando o nosso ser das energias densas como raiva, medo e culpa, o que facilita e muito, todo o processo de reforma íntima, libertação e cura.
Forma-se literalmente um mutirão dos servidores do Cristo de ambos os lados, físico e espiritual e a energia gerada é magnificada no mínimo mil vezes em cada um a fim de ser distribuída para todo o Planeta, envolvendo hospitais, lares, presídios, locais de conflitos, para o equilíbrio da própria Natureza da Terra, enfim, onde quer seja necessário.
Por isso, muito importante que estejamos cada vez mais unidos, que estejamos a cada momento mais desapegados dos apelos do ego, das velhas picuinhas, melindres por coisas insignificantes e que muitas vezes damos um tremendo valor, dos joguinhos de disputa de poder ou atenção, as vezes velados, mas que ainda encontramos em todos os seguimentos, o que somente gera a separação e nos enfraquece.
A nossa união, facilita e muito, a ação dos Seres de Luz na nossa vida. Unidos, os ajudamos a nos ajudar.
 “Juntos Somos Fortes, Juntos Somos Mais, Juntos Somos Um! Exército de Luz, avante! ”
Fonte: Amigos Espíritas on-line


“DESASTRES E RESGATES COLETIVOS: SINAL DOS TEMPOS OU DE FUTURO PROMISSOR?

Quando olhamos para o mundo à nossa volta, parece-nos que se multiplicam as catástrofes, os desastres, os cataclismos, a atenção fica mais desperta, e os questionamentos são vários, e envolvem até a Justiça (ou para alguns, a injustiça). Divina.
O Espiritismo, enquanto doutrina libertadora, progressista e evolutiva, e por isso mesmo considerada consoladora, objetiva auxiliar-nos a entender o porquê dos acontecimentos de nosso dia-a-dia, inclusive dos mais trágicos. Assim, via entendimento da Lei Natural e da Justiça Divina, obtém-se a consequente aplicação desses princípios no cotidiano, favorecendo sua vivência, promovendo a coerência entre o crer e o agir.
Frente a situações como essas, alguns questionamentos são usuais, como, por exemplo: Por que acontece esse tipo de coisas? Qual a finalidade desses acidentes que causam a morte conjunta de várias pessoas? Como a Justiça Divina pode ser percebida nessas situações? Por que algumas pessoas escapam?
Naturalmente, as respostas exigem reflexão aprofundada com base em princípios fundamentais do Espiritismo, como a multiplicidade das encarnações e a anterioridade do Espírito. Esses pontos somam-se ao fato de que nós, enquanto Espíritos em processo evolutivo, temos um passado de descumprimento da lei divina que precisa ter seu rumo corrigido não apenas para equacionar nossos problemas de consciência, mas também para nos harmonizar com nossos semelhantes, afetados pelas nossas ações de desvirtuamento da Lei.
Ao entendermos o que a Doutrina Espírita tem a dizer sobre o assunto, começamos a perceber a profundidade da reflexão que deve ser adotada por cada um de nós em nosso dia-a-dia e o papel a ser assumido de observadores da Sociedade, em substituição à postura usual de críticos e questionadores.
Começamos, assim, a conhecer o caminho para aplicação dinâmica e prática em nosso dia-a-dia da Doutrina que abraçamos, pela análise do mundo e sua transformação, percebendo a profundidade de conceitos como fatalidade, resgate coletivo, regeneração do planeta, além de favorecer o entendimento de ensinamentos de Jesus relacionados àquilo que alguns chamam de sinais dos tempos.
Fatalidade como causa?
Fatalidade, destino, azar são palavras sempre lembradas em situações como essa. Mas que conceitos estão por trás dessas palavras? Em "O Livro dos Espíritos", as questões de 851 a 867 tratam de fatalidade, e, entre outras informações, destaca-se o fato de que "a fatalidade só existe no tocante à escolha feita pelo Espírito, ao se encarnar, de sofrer esta ou aquela prova; ao escolhê-la ele traça para si mesmo uma espécie de destino, que é a própria consequência da posição em que se encontra" (LE 851).
Mais à frente (LE 853), está dito que "fatal, no verdadeiro sentido da palavra, só o instante da morte. Chegado esse momento, de uma forma ou de outra, a ele não podeis furtar-vos". A questão seguinte (LE 853a) melhor explica esse ponto, frisando que quando é chegado o momento de retorno para o Plano Espiritual, nada "te livrará" e frequentemente o Espírito também sabe o gênero de morte por que partirás daqui, "pois isso lhe foi revelado quando fez a escolha desta ou daquela existência". Não esquecer, jamais, que "somente os acontecimentos importantes e capazes de influir na tua evolução moral são previstos por Deus, porque são úteis à tua purificação e à tua instrução" (LE 859a).
Como vemos, a fatalidade só existe como algo temporário frente à nossa condição de imortais com a finalidade de realinhamento de rumo. No entanto, essa situação não é engessada. Graças à Lei de Ação e Reação e ao Livre-Arbítrio, o homem pode evitar acontecimentos que deveriam realizar-se, como também permitir outros que não estavam previstos (LE 860).
Fatalidade, destino, azar são palavras que não combinam com a Doutrina Espírita, da mesma forma que a sorte daqueles que escapam desse tipo de situação – e em acidentes como esse do dia 17 de julho de 2007, sempre há os relatos daqueles que desejavam pegar o avião e não conseguiram; daqueles que estavam à porta do prédio atingido pela aeronave e não sofreram nada além do susto; e tantos outros.
Então, para a Doutrina Espírita, como se explicam casos como esse? A resposta está no resgate coletivo, conceito que envolve a correção de rumo de um grupo de Espíritos que em alguma outra encarnação cometeu atos semelhantes – e muitas vezes em conjunto – de descumprimento da lei divina e que, portanto, para individualmente terem a consciência tranquilizada, precisam sanar o débito. Toda a problemática, nesse caso, está no trabalho dos mentores na reunião desses Espíritos de modo a que juntos possam se reajustar frente à Lei Divina.
Impulsionar o progresso: a meta
O resgate de nossas ações contrárias à Lei Divina, ao Bem e ao Amor pode ocorrer de várias formas, inclusive coletivamente. O objetivo, segundo LE 737, é "fazê-lo avançar mais depressa" e as calamidades "são frequentemente necessárias para fazerem com que as coisas cheguem mais prontamente a uma ordem melhor, realizando-se em alguns anos o que necessitaria de muitos séculos". Além disso (LE 740), "são provas que proporcionam ao homem a ocasião de exercitar a inteligência, de mostrar sua paciência e sua resignação ante a vontade de Deus, ao mesmo tempo em que lhe permitem desenvolver os sentimentos de abnegação, de desinteresse próprio e de amor ao próximo".
E assim, entendemos o sentimento de solidariedade que essas calamidades despertam, auxiliando todos a desenvolver o amor. O importante para os mais diretamente envolvidos, para que tenham o progresso devido, como está dito em "O Evangelho Segundo o Espiritismo", capítulo 14, item 9, é "não falir pela murmuração", pois "as grandes provas são quase sempre um indício de um fim de sofrimento e de aperfeiçoamento do Espírito, desde que sejam aceitas por amor a Deus".
Nesta frase selecionada no "O Evangelho Segundo o Espiritismo" está uma informação de cabal importância: indício de aperfeiçoamento do espírito. E qual seria o objetivo prático de tudo isso e como esses fatos atuam em nosso progresso, com que finalidade?
A resposta está na Lei do Progresso, que determina ao homem o progresso incessante, sem retrocesso, no campo intelectual e moral; cada um há seu tempo, seguindo seu ritmo próprio, sendo que "se um povo não avança bastante rápido, Deus lhe provoca, de tempo em tempos, um abalo físico ou moral que o transforma" (LE 783).
Como vemos, o progresso se faz, sempre, e quando estamos atravancando-o, Deus, em sua infinita bondade e justiça, lança mão de instrumentos que nos impulsionem à frente. O objetivo é nos levar a cumprir a escala evolutiva, saindo de nossa condição de Espíritos imperfeitos moralmente para a de espíritos regenerados, até atingirmos a condição de Espíritos puros.
Essa transposição de imperfeito moralmente para regenerado marca a atual fase de transição que vivenciamos, plena de flagelos destruidores, de calamidades, de acidentes com grande número de mortos.
Nos evangelhos segundo Mateus, Marcos e João, há várias referências aos sinais precursores de uma transformação no estado moral do Planeta, caracterizada pelo anúncio de calamidades diversas que atingirão a humanidade e dizimarão grande número de pessoas, para que, na sequência, ocorra o reinado do bem, sejam instituídas a paz e a fraternidade universal, confirmando a predição de que após os dias de aflição virão os dias de alegria.
O que é anunciado nessas passagens evangélicas não é o fim do mundo de forma absoluta e real, mas o fim deste mundo que conhecemos, em que o mal aparentemente se sobrepõem ao bem, e, como afirma Allan Kardec em "A Gênese", capítulo 17, item 58, "o fim do velho mundo, do mundo governado pela incredulidade, pela cupidez e por todas as más paixões a que o Cristo alude".
Para que esse novo mundo se instale (GE capítulo 18), é fundamental que a população seja preparada para habitá-lo. Para tanto, teremos, todos nós, de equacionar alguns problemas de nosso passado, construindo nosso progresso moral. Não há transformação sem crise, e catástrofes e cataclismos são crises que agitam a humanidade, despertando-a para a solidariedade, a fraternidade, o bem.
Temos, então, de ver a humanidade como "um ser coletivo no qual se operam as mesmas revoluções morais que em cada ser individual" (GE, capítulo 18 item 12).
Nesse contexto, a fraternidade será a pedra angular da nova ordem social, com o progresso moral, secundado pelo progresso da inteligência assegurando a felicidade dos homens sobre a Terra.
Para que possamos habitar esse novo mundo, não temos de nos renovar integralmente. Segundo Kardec (GE capítulo 18 item 33), "basta uma modificação nas disposições morais", e, para isso, temos de equacionar débitos do passado e nos conscientizarmos de nossa condição de espíritos imortais perfectíveis, em fase de desenvolvimento de nossas potencialidades.
Como forma de acelerar esse processo de modificação da disposição moral, a presente fase é marcada pela multiplicidade das causas de destruição, até como forma de estimular em nós o desenvolvimento de nossas potencialidades no bem, pois "o mal de hoje há de ser o bem de amanhã. Somente a educação do Espírito poderá libertá-lo do mal, dando-lhe condições de alçar os mais altos vôos no plano infinito da vida. O importante em tudo isso é mantermos a serenidade, olharmos para a frente, divisarmos o futuro, pois "a marcha do Espírito é sempre crescente e ascendente. É preciso descobrir quanto bem se é capaz de fazer agora para que o próprio crescimento não se detenha" (Portásio).
Em todo ser humano, como ressalta o Espírito Clelie Duplantier, em "Obras Póstumas", "há três caracteres: o do indivíduo ou do ente em si mesmo, o do membro da família e o do cidadão. Sob cada uma dessas três fases, pode ele ser criminoso ou virtuoso; isto é, pode ser virtuoso como pai de família e criminoso como cidadão, e vice-versa".
Além disso, pode-se admitir como regra geral que todos os que se ligam numa existência por empenhos comuns, já viveram juntos, trabalhando para o mesmo fim e se encontrarão no futuro, até expiarem o passado ou cumprirem a missão que aceitaram.
O papel de cada um
Essas calamidades – se olharmos para elas sob o ponto de vista espiritual, fundamentando nossa reflexão nos princípios da Doutrina Espírita – têm, portanto, objetivos saneadores que, conforme Joanna de Ângelis, removem as pesadas cargas psíquicas existentes na atmosfera e significam a realização da justiça integral, pois a Justiça Divina, para nosso re-equilíbrio, recorre a métodos purificadores e liberativos, de que não nos podemos furtar.
Assim, tocados pelas dores gerais, ajudemo-nos e oremos, formando a corrente da fraternidade e estaremos construindo a coletividade harmônica, sempre lembrando a advertência de Hammed: "a função da dor é ampliar horizontes para realmente vislumbrarmos os concretos caminhos amorosos do equilíbrio. Como o golpe ao objeto pode ser modificado, repensa e muda também tuas ações, diminuindo intensidades e freqüências e recriando novos roteiros em sua existência". Desse modo, estaremos utilizando nossos problemas como ferramenta evolutiva, não nos perdendo em murmurações, mas utilizando nosso livre-arbítrio como patrimônio.
O progresso de todos os seres da criação é o objetivo de tudo que acontece. Tenhamos a consciência desperta e procuremos entender o mundo à nossa volta, cientes de que a solidariedade é o verdadeiro laço social, não só para o presente, mas, como está em "Obras Póstumas", "estende-se ao passado e ao futuro, pois que os mesmos indivíduos se encontram e se encontrarão para juntos seguirem as vias do progresso, prestando mútuo concurso. Eis o que faz compreender o Espiritismo pela eqüitativa lei da reencarnação e da continuidade das relações entre os mesmos seres".
E mais: Graças ao Espiritismo, compreende-se hoje a justiça das provações desde que as consideremos uma amortização de débitos do passado. As faltas coletivas devem ser expiadas coletivamente pelos que juntos as praticaram, e os mentores estão sempre trabalhando, ajudando a todos nós, reunindo-nos em grupos de forma a favorecer a correção de rumo, amparando-nos e nos fortalecendo para darmos conta daquilo a que nos propomos, além de nos equilibrarem para podermos auxiliar o outro com nossos pensamentos positivos, nossos melhores sentimentos e vibrações.
Fontes: CEI.  Centro Espírita Ismael.
ÂNGELIS, Joanna de. Após a tempestade, texto Calamidades, psicografia de Divaldo Pereira Franco. Alvorada
HAMMED. Renovando Atitudes, texto Crenças e carmas, psicografia de Francisco do Espírito Santo Neto. Boa Nova
KARDEC, Allan. Obras Póstumas, Primeira Parte, Questões e Problemas - Expiações coletivas. Lake
KARDEC, Allan. A Gênese, capítulos 17 e 18. Lake
KARDEC, Allan. O Evangelho Segundo do Espiritismo, capítulo 14, item 9. Lake
KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos – questões 100 a 113; 737 a 741; 776 a 802; 851 a 867. Lake
PORTÁSIO, Manuel. Fora da Educação não há salvação, capítulos: Educação pela dor; Educação para o bem e Educação e renovação. DPL

www.ceismael.com.br; por Katia Penteado, São Paulo, 18/07/2007.