Seguidores

sábado, 14 de outubro de 2017

“PESSOAS MALIGNAS QUANDO MORREM SÃO SOCORRIDAS ESPIRITUALMENTE OU ABANDONADAS A PRÓPRIA SORTE?”

Os postos de socorro se encontram espalhados pelas regiões sombrias do Umbral. Este local de ajuda, semelhante a um complexo hospitalar, normalmente é vinculado a uma colônia de nível superior. Nele encontramos espíritos missionários vindos de regiões mais elevadas que trabalham na ajuda aos espíritos que vivem nas cidades e regiões do Umbral e que estão à procura de tratamento ou orientação.
Quando o espírito ajudado desperta para a necessidade de melhorar, crescer e evoluir é levado para uma colônia onde será tratado e passará seu tempo estudando e realizando tarefas úteis para seu próximo. Quando se sentem incomodados e mergulhados em sentimentos como o ódio, vingança, revolta acabam retornando espontaneamente para os lugares de onde saíram. Continuamos sempre com nosso livre arbítrio.
Os postos de socorro não são cidades, mas alguns deles possuem grande dimensão, se assemelhando a uma pequena cidade no meio do Umbral. Muitos ficam nas regiões periféricas do Umbral. Alguns se encontram dentro das cidades do Umbral. Vistos à distância são pontos de luz e de beleza no meio da paisagem triste, escura, fria, nebulosa que compõe as paisagens naturais do Umbral. Os postos de socorro são locais bonitos, iluminados, com grandes jardins, em meio a um cenário desolador e triste. Os postos de socorro são constantemente procurados por pessoas desesperadas e perdidas no Umbral querendo abrigo e ajuda.
Também é um local alvo de espíritos maldosos que desejam continuar mantendo o controle e o poder sobre as pessoas que moram nas regiões do Umbral. Com isto realizam constantes ataques às instalações dos postos. Todos os postos possuem sofisticados sistemas de segurança que monitoram as regiões ao redor do posto. Sensores detectam a presença de vibrações a um raio de 3 km do posto. Sistemas de defesa que emitem descargas elétricas são utilizados para afastar os atacantes. Os choques gerados pela força os fazem recuar, já que lhe fazem sentir dores insuportáveis.
Os espíritos que vivem no Umbral ainda estão ligados ao mundo material.
Muitos sequer compreendem que estão mortos e isto lhes gera grande agonia e sofrimento. Por acreditarem estar vivos continuam sentindo seus corpos e suas necessidades físicas. Sentem dor, sentem fome, sentem sede, sono etc. Muitos sofrem de doenças, ferimentos, mutilações ocorridas na morte ou em situações sinistras vividas no Umbral. A visão interna de um posto de socorro lembra um grande hospital. Os espíritos atendidos lembram monstros de um filme de terror. Se parecem realmente com mortos-vivos.
Sofrem movidos pelos sentimentos humanos que ainda cultivam:
O ódio, a vingança, egoísmo e outros sentimentos negativos. Vinculados à matéria, ainda sofrem como se possuíssem um corpo. E isto acaba se refletindo em sua aparência monstruosa, que só pode ser modificada a partir da sua conscientização sobre sua realidade. As enfermarias dos postos estão sempre repletos de espíritos necessitados de orientação, alimento, limpeza e cuidados. É como ver mortos-vivos agonizando por ajuda em seus leitos.
Equipes chamadas de Samaritanos realizam incursões no Umbral em busca de espíritos que procuram ajuda. Ao retornarem com dezenas de espíritos que mais parecem farrapos humanos são recebidos pelas equipes de socorro que iniciam o trabalho de acolhimento, alimentação, limpeza e orientação destes espíritos. Ao serem internados podem se recuperar para serem enviados para colônias no plano mais elevado, fora do Umbral. Também é comum que espíritos cheguem às muralhas dos postos à procura de ajuda e ali são socorridos.
Também existem postos de socorro na Terra:
São destinados a socorrer e orientar espíritos recém-desencarnados. Pessoas que acabam de morrer costumam ficar totalmente desorientadas. Muitas não sabem que estão mortas. É fácil imaginar o sentimento horrível e a loucura que uma pessoa nesta situação pode passar. Estes postos estão localizados no mundo invisível exatamente no mesmo local onde estão hospitais, cemitérios, sanatórios, presídios, igrejas, centros espíritas etc. São nestes locais onde se pode encontrar o espírito de pessoas que acabam de desencarnar ou que estão procurando algum tipo de ajuda.


Fonte: Fórum Espirita.

“AS CONVERSÕES NA HORA DA MORTE”

"Não há doze horas no dia? Se alguém andar de dia não tropeça, porque vê a luz deste mundo; mas se alguém andar de noite tropeça, porque nele não há luz." (João XI, 9-10.)
Um dos fatos significativos que se tem observado nas religiões dos homens, e com muita especialidade na Igreja Romana, é o da conversão do herege nas proximidades da morte.
Esses fatos são mesmo comuns, seja porque o refratário à crença, ao aproximar-se a hora fatal agarra-se a todas as tábuas que julga de salvação e declara-se convertido; seja porque, mesmo contra a vontade do delinquente, e quando se trata de personagem de renome, a Igreja o torna converso.
O fato é que escritores materialistas, livres-pensadores, que passaram a vida inteira negando os "santíssimos sacramentos" da Igreja, e até viveram em atitude hostil aos reverendíssimos prelados, na antevisão da morte aproximam-se, ou diz-se que se aproximaram da religião de Roma, e alguns, da religião Protestante.
Parece uma lei fatal, que em Psicologia poder-se-ia chamar de inversão de idéias, essa que desune os sábios e pensadores personalistas da Igreja, e, in-extremis, os une de novo, como logo após o batismo da pia.
O fenômeno, entretanto, é perfeitamente explicável.
O indivíduo que pertencia à Igreja por herança ou doação, que lhe fizeram seus antepassados, chegando a idade da razão, não se conforma com os artigos de fé que lhe foram impostos; considera-se, ou consideram-no excomungado, e na expansão do gênio, seja na Arte, na Ciência ou na Filosofia, alveja com certeiras setas os dogmas sacerdotais. E quando o estro declina e desaparece, como uma chama, por falta de combustível, torna ao seu primitivo ponto, inconsciente, como era antes como quanto dileto filho da Igreja!
Entretanto, convém não esquecer que nenhum sábio, filósofo, artista ou douto, quando em plena celebração de suas ideias geniais, tomou a sério o problema do ser e do destino, e mesmo em suas palavras escritas e verbais, quando alguém fazia referência à divindade, não se mantinha na altura de verdadeiro filho de Deus.
Esta proposição é digna de nota.
Cada um deles, salientando-se o mais possível em sua esfera de ação, criava religião pessoal que, forçosamente, teria de ser absorvida por outra do mesmo gênero, humana, que contasse com maior influência, maior número de indivíduos, como mantenedores materiais e morais de tal sistema.
O número é sempre vencedor, a força maior vence a menor; enquanto a ação perdura, perdura a reação, mas quando aquela declina, esta vence; e assim a religião do número tem vencido.
O poeta na expansão do seu estro, o músico e o pintor absorvidos pela melodia de sons e harmonia das cores, o filósofo abstraído com a ética dos indivíduos, o sábio fascinado pelas maravilhas da criação, o douto extasiado com as letras, encerrado nas bibliotecas, cada qual compenetrado das funções que lhe exalta a personalidade, esquecem-se dos deveres espirituais para consigo, para com seus semelhantes, para com Deus!
Então cada um cria o seu deus, a quem erigem altares, onde eles próprios são louvados como criadores em detrimento do Criador!
Quando chega o momento da desilusão, em que a musa se esvai, os ouvidos se cerram, a vista escurece, a razão adormece, a Ciência se torna bastarda e a sabedoria não corresponde às exigências da alma, desaparece o deus que criaram, abatem-se os altares, e eles, retrocedendo à crença hereditária, batem às portas das igrejas, que muito se honram em contar como os filhos, embora mortos, tão grandes personalidades!
Não é a alma, em busca da salvação, que à Igreja causa regozijo, mas a honra do nome do morto, que lhe satisfaz o orgulho!
A sensibilidade é como a infância: entrega-se inconscientemente, forçada pelas circunstâncias, como o recém-nascido ao batismo sectário.
Na véspera da morte física, como no começo da vida terrena, o homem, que não descortinou os horizontes da alma, da imortalidade, não inquiriu os arcanos celestes, as magnificências de Deus, é sempre o mesmo: infantil em seu nascimento, infantil em sua decrepitude.
"Se alguém andar de dia não tropeça, porque vê a luz do mundo; mas se alguém andar de noite, tropeça porque nele não há luz."
Não é a Arte, a Poesia, a Ciência, a Filosofia, a eloquência, a sabedoria terrena que dão a luz espiritual; não são os títulos honoríficos, auríferos e doutorais que abrem os olhos da alma; não é a água, o sal, o óleo e meia dúzia de palavras em língua morta, mas sim o estudo imparcial da religião, estudo isento de preconceito e de personalismo; é o estudo humilde com o propósito de conhecer a verdade para abraçá-la, é a submissão aos desígnios de Deus, causa eficiente de tudo quanto existe.
A lei fatal do arbítrio, do estudo, do trabalho, do livre-exame e sobretudo da vivência cristã obriga a grandes e pequenos, sábios e ignorantes.
Não há doze horas no dia? Pois, estuda, trabalha, examina e pesquisa enquanto te favorece a razão, para que quando te faltarem as forças e a morte de ti se aproximar, não te atemorize nem te trague nas trevas!

Cairbar Schutel

“O QUE DIZ O ESPIRITISMO SOBRE A SEXTA FEIRA 13?”

DUAS VEZES POR ANO, SURGE OS COMENTÁRIOS, BRINCADEIRAS, SIMPATIAS E OUTRAS, RELATIVAS A FAMIGERADA SEXTA-FEIRA 13.
MAS DE ONDE SURGIU ESSAS SUPERSTIÇÕES? QUAL O INICIO?
HÁ DUAS HIPÓTESES MAIS ACEITÁVEIS SOBRE O SIGNIFICADO E O INICIO DA TEMIDA SEXTA-FEIRA 13.
1ª - NO CRISTIANISMO É RELATADO UM EVENTO DE MÁ SORTE EM 13 DE OUTUBRO DE 1307, SEXTA-FEIRA, QUANDO A ORDEM DOS TEMPLÁRIOS (EXERCITO CRIADO NO TEMPO DAS CRUZADAS, RESPONSÁVEL POR GUARDAR O TEMPLO DE SALOMÃO NA CIDADE DE JERUSALÉM E OS PEREGRINOS QUE VISITAVAM A CIDADE SANTA) FOI DECLARADA ILEGAL PELO REI FILIPE IV DE FRANÇA. OS SEUS MEMBROS FORAM PRESOS SIMULTANEAMENTE EM TODO O PAÍS E ALGUNS TORTURADOS E, MAIS TARDE, EXECUTADOS POR HERESIA.
2ª - OUTRA POSSIBILIDADE PARA ESTA CRENÇA ESTÁ NO FATO DE QUE JESUS CRISTO PROVAVELMENTE FOI MORTO NUMA SEXTA-FEIRA 13, UMA VEZ QUE A PÁSCOA JUDAICA É CELEBRADA NO DIA 14 DO MÊS DE NISSAN (NO MESMO PERÍODO DE MARÇO--ABRIL) , NO CALENDÁRIO HEBRAICO. FOI JUSTAMENTE NAS COMEMORAÇÕES DAS PÁSCOA JUDAICA QUE JESUS FOI PRESO, JULGADO E CRUCIFICADO.
EXISTEM VÁRIAS OUTRAS TEORIAS SOBRE O ASSUNTO, MAS AS DUAS MAIS FAMOSAS SÃO ESSAS E TALVEZ UMA DELAS REALMENTE SEJA O MOTIVO PARA EXISTIR A SUPERSTIÇÃO.
MAS O QUE O ESPIRITISMO PENSA A ESSE RESPEITO?
NÓS ESPÍRITAS, NÃO ACREDITAMOS EM SUPERSTIÇÕES E CRENDICES, NÃO ACREDITAMOS NO ACASO, OU QUE UM GATO PRETO, UMA DATA OU ATÉ MESMO UM TALISMÃ POSSAM MODIFICAR OU ATRAPALHAR O ANDAMENTO E O RUMO DAS NOSSAS VIDAS.
REPUTAR A ESSAS COISAS LEGITIMIDADE DE DECIDIR OU MODIFICAR NOSSAS VIDAS, É PASSAR NOSSA RESPONSABILIDADE A TERCEIROS, ESQUECENDO-NOS DA LEI DE EFEITO E CAUSA OU LEI DE AÇÃO E REAÇÃO.
SOMOS RESPONSÁVEIS POR TUDO QUE NÓS ACONTECE, POIS TEMOS O LIVRE-ARBÍTRIO E O PODER DE TOMAR DECISÕES A TODOS OS INSTANTES, O QUE AUTOMATICAMENTE NOS DEIXA EXPOSTOS AS CONSEQÜÊNCIAS DESSAS DECISÕES, OU SEJA, CAUSA E EFEITO, QUE É COMUMENTE TRADUZIDO NO ESPIRITISMO PELA EXPRESSÃO  “ A SEMEADURA É LIVRE, MAS A COLHEITA É OBRIGATÓRIA.”
SUPERSTIÇÃO É UM SENTIMENTO RELIGIOSO BASEADO NO TEMOR E NA IGNORÂNCIA, O QUE INDUZ AO CONHECIMENTO DE FALSOS DEVERES, AO RECEIO DE COISAS FANTÁSTICAS, OU SEJA, JUSTAMENTE AO CONTRARIO DO ESPIRITISMO QUE NÃO ACEITA DOGMAS, É BASIADO NA FÉ RACIOCINADA ONDE TUDO HÁ UM PORQUÊ E UM MOTIVO JUSTO E RACIONAL PARA ACONTECER.
A DOUTRINA ESPÍRITA NÃO ADOTA EM SUAS REUNIÕES OU EM SUAS PRÁTICAS:
- PARAMENTOS OU QUAISQUER VESTES ESPECIAIS;
- VINHO OU QUALQUER BEBIDA ALCOÓLICA;
- INCENSO, MIRRA, FUMO, OU SUBSTÂNCIAS OUTRAS QUE PRODUZAM FUMAÇA;
- ALTARES, IMAGENS, ANDORES, VELAS E QUAISQUER OBJETOS MATERIAIS COMO AUXILIARES DE ATRAÇÃO DO PÚBLICO;
- HINOS OU CANTOS EM LÍNGUAS MORTAS OU EXÓTICAS;
- DANÇAS, PROCISSÕES OU ATOS ANÁLOGOS;
- ATENDER A INTERESSES MATERIAIS, RASTEIROS OU MUNDANOS;
- PAGAMENTO POR TODA E QUALQUER ATIVIDADE EXERCIDA PELO PRÓXIMO;
- TALISMÃS, AMULETOS, ORAÇÕES MIRACULOSAS, BENTINHOS, ESCAPULÁRIOS OU QUALQUER OBJETO;
- ADMINISTRAÇÃO DE SACRAMENTOS, CONCESSÃO DE INDULGÊNCIAS, DISTRIBUIÇÃO DE TÍTULOS NOBILIÁRQUICOS;
- CONFECCIONAR HORÓSCOPO, EXERCER A CARTOMANCIA, QUIROMANCIA E OUTRAS MANCIAS;
- RITUAIS E ENCENAÇÕES EXTRAVAGANTES DE MODO A IMPRESSIONAR O PÚBLICO;
- FAZER PROMESSAS E DESPACHOS, RISCAR CRUZES E PONTOS, PRATICAR, ENFIM, A LONGA SÉRIE DE ATOS MATERIAIS ORIUNDOS DAS VELHAS E PRIMITIVAS CONCEPÇÕES RELIGIOSAS.
ASSEVERA KARDEC:
"ASSIM, O ESPIRITISMO NÃO ACEITA TODOS OS FATOS CONSIDERADOS MARAVILHOSOS, OU SOBRENATURAIS. LONGE DISSO, DEMONSTRA A IMPOSSIBILIDADE DE GRANDE NÚMERO DELES E O RIDÍCULO DE CERTAS CRENÇAS, QUE CONSTITUEM A SUPERSTIÇÃO PROPRIAMENTE DITA". (LIVRO DOS MÉDIUNS CAP. II DA PRIMEIRA PARTE, ITEM 13. )
RESUMINDO, COMO ESPÍRITAS-CRISTÃOS NÃO DEVEMOS NOS APEGAR A ESSE TIPO DE COISA , COMO SEXTA FEIRA 13 OU QUALQUER OUTRO TIPO DE SUPERSTIÇÃO, E SEGUIR NOSSAS REENCANAÇÕES DE FORMA CONSCIENTE E RESPONSÁVEL BUSCANDO FAZER O MELHOR, SEGUINDO AS LEIS DIVINAS, RUMANDO A NOSSA EVOLUÇÃO .


Fonte: Baú Espírita

“OS EFEITOS DA NECRÓPSIA (AUTÓPSIA) NOS ESPÍRITOS”

O Mentor permaneceu na Enfermaria, pelo período em que tinha curso a necropsia para a identificação da causa mortis e outros comportamentos legais. Observamos que os Espíritos, mesmos distanciados dos corpos que se faziam examinados, retratavam as ocorrências que os afetavam, provocando sensações cruciantes. O motorista, por ser incurso em maior responsabilidade, manteve-se em sono agitado por todo o tempo. Devido às fortes vinculações com a matéria, experimentava as dores que lhe advinham da autópsia de que o corpo era objeto. Embora contido por enfermeiros diligentes sofreu cortes e serração, profundos golpes nos tecidos e costuras…
‘Recordemos que se encontrava sob amparo, não ficando, todavia, isento à responsabilidade pelos erros que a juventude extravagante lhe facultara.
‘Em autópsia, muitos Espíritos que se deixaram dominar pelos apetites grosseiros e se ficam apenas no corpo, quando não fazem jus a assistência especializada, enlouquecem de dor, demorando-se sob os efeitos lentos do processo a que foram submetidos os seus despojos.
‘Desse modo, cada um dos jovens, apesar de todos haverem desencarnado juntos, no mesmo momento, experimentava sensações de acordo com os títulos que conduziam, de beneficência e amor, de extravagância e truculência.
‘Correspondendo à hora do reconhecimento e translado dos corpos pelos familiares para as providências da inumação cadavérica, acompanhamos o despertar de quase todos, sob os duros apelos dos pais e irmãos, partindo, semi-hebetados, para os atender…
 ‘As nossas providências de socorro não geram clima de privilégio, nem protecionismo injustificável. Cada um respira a psicosfera que gera no campo mental. Todos somos as aspirações que cultivamos, os labores que produzimos.
A cruz, porém, é intransferível, de cada qual. Podemos ajudar a diminuir-lhe o peso, não a transferi-la de ombros.
‘A agitação era geral. Podíamos observar que rápidas flechadas de forte teor vibratório os alcançavam, fazendo-os estremecer, estorcegar.
‘O motorista subitamente apresentou uma facies de loucura, ergue-se, trêmulo, respondendo algo com palavras desconexas e como que envolto pelo fio de densa energia que o alcançava, pareceu sugado, desaparecendo…
‘- Foi atender – elucidou Dr. Bezerra – aos que o chamam sob chuvas de blasfêmias e acusações impróprias.
‘A família soube, pela Polícia, que ele havia ingerido alta dose de drogas, o que parecia responder pelo acidente, provocando, a informação, mágoa e revolta nos pais.
‘Em continuação, mais dois se evadiram do local de amparo obedecendo ao impositivo evangélico: “Onde estiver o tesouro, aí estará o coração”. 
‘Fábio e outro amigo, porque não se encontrassem muito comprometidos com os vícios e viessem de uma estrutura familiar mais digna, foram poupados à presença do cadáver e às cenas fortes que se desenrolaram antes e durante a inumação dos corpos.
‘Não se furtariam, é certo, ao mecanismo de recuperação, apesar da ajuda da antiga mãezinha, que o reembalava nos braços, na condição de avó.
‘Desperta-se, cada dia, com os recursos morais com que se repousa, à noite.
‘Além do corpo, cada Espírito acorda conforme o amanhecer que preparou para si mesmo.

Fonte: Missionários da Luz. André Luiz-Chico Xavier.