Seguidores

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

“POR QUE HÁ CENTROS ESPÍRITAS QUE TEM TRABALHOS DE CURA E OUTROS NÃO? ”

Na verdade, todo Centro Espírita possui um trabalho de cura muito bem montada através da FLUIDOTERAPIA, que são os passes e a água fluidificada e deveria ser o único.
O magnetismo tem poder de cura, o próprio Allan Kardec nos fala na Revista Espírita e nas obras da codificação. Antes de estudar fenômenos espíritas, ele estudou magnetismo por mais de 30 anos. O Espiritismo não faz milagres; unicamente descobriu algumas leis que regem os fluidos e as aplica em benefício da humanidade sofredora.
Os espíritos curadores se utilizam dos fluidos que os médiuns passistas irradiam para a produção das curas e manipulação dos remédios fluídicos.
Os que estão recebendo o passe deverão ligar seu pensamento ao alto, para ajudar a receptividade. De pensamento elevado, o magnetismo penetra mais facilmente. E de pensamento negativo, dificulta a penetração dos fluidos. Os doentes incuráveis (sabemos que nem todos receberão a cura) encontrarão profundo alívio no passe e na água magnetizada.
Por que muitas pessoas se curam na casa espírita?
Muitas pessoas se curam na casa espírita, fazendo promessa na igreja católica, passando óleo ungido dos templos protestantes (evangélicos), com florais de Bach, cromoterapia, etc., porque "é a fé que os cura" Elas estavam receptivas aos fluidos trazido pelos trabalhadores de Deus que se encontram em todos os lugares e casas religiosas. Eles não olham a forma que a pessoa escolheu para se curar e nem a religião, eles apenas se aproveitam da receptividade dessa pessoa para realizar a cura. Lógico que observam o mérito da pessoa, a chance daquela cura despertar na pessoa a busca da saúde do espírito e o planejamento dessa pessoa, antes de encarnar. Pois, há quem peça, por exemplo, uma doença como prova. Por isso, é preciso esclarecer, aos frequentadores da Casa Espírita, que a cura não acontece em todos os casos. Ás vezes, o bem do doente está em continuar sofrendo. Devemos explicar, segundo a visão espírita, porque ficamos doentes, porque uns conseguem curar-se e outros não, etc. Para que os que não alcançarem a cura, não saiam decepcionados achando que o Espiritismo é uma religião de charlatães. Os Centros Espíritas precisam, ao lado do passe, propiciar os meios para que frequentadores conheçam a doutrina e se exercitem num trabalho íntimo de evangelização, para a conquista da saúde definitiva, que é a cura das chagas da alma.
Fonte: Grupo de estudos Alan Kardec- Rudymara


“A MORTE NÃO EXISTE, É APENAS UMA TRANSIÇÃO EM SUA EXISTÊNCIA”

"Sobre a Terra, tudo é ilusão, tudo passa, tudo se transforma de um instante para outro. O   que  conta é o que guardamos dentro de  nós, tudo mais há de ficar com o corpo, que se desfará em pó.“ Chico Xavier

“Devemos aceitar a chegada da chamada morte, assim como o dia aceita a chegada da noite – tendo confiança que, em breve, de novo há de raiar o Sol !... “
"A morte é uma simples mudança de estado, a destruição de uma forma frágil que já não proporciona à vida as condições necessárias ao seu funcionamento e à sua evolução. Para além da campa, abre-se uma nova fase de existência. O Espírito, debaixo da sua forma fluídica, imponderável, prepara-se para novas reencarnações; acha no seu estado mental os frutos da existência que findou.
Por toda parte se encontra a vida. A Natureza inteira mostra-nos, no seu maravilhoso panorama, a renovação perpétua de todas as coisas. Em parte alguma há a morte, como, em geral, é considerada entre nós; em parte alguma há o aniquilamento; nenhum ente pode perecer no seu princípio de vida, na sua unidade consciente. O Universo transborda de vida física e psíquica. Por toda parte o imenso formigar dos seres, a elaboração de almas que, quando escapam às demoradas e obscuras preparações da matéria, é para prosseguirem, nas etapas da luz, a sua ascensão magnífica.
A vida do homem é como o Sol das regiões polares durante o estio. Desce devagar, baixa, vai enfraquecendo, parece desaparecer um instante por baixo do horizonte. É o fim, na aparência; mas, logo depois, torna a elevar-se, para novamente descrever a sua órbita imensa no céu.
A morte é apenas um eclipse momentâneo na grande revolução das nossas existências; mas, basta esse instante para revelar-nos o sentido grave e profundo da vida. A própria morte pode ter também a sua nobreza, a sua grandeza. Não devemos temê-la, mas, antes, nos esforçar por embelezá-la, preparando-se cada um constantemente para ela, pela pesquisa e conquista da beleza moral, a beleza do Espírito que molda o corpo e o orna com um reflexo augusto na hora das separações supremas. A maneira por que cada qual sabe morrer é já, por si mesma, uma indicação do que para cada um de nós será a vida do Espaço.
Há como uma luz fria e pura em redor da almofada de certos leitos de morte. Rostos, até aí insignificantes, parecem aureolados por claridades do Além. Um silêncio imponente faz-se em volta daqueles que deixaram a Terra. Os vivos, testemunhas da morte, sentem grandes e austeros pensamentos desprenderem-se do fundo banal das suas impressões habituais, dando alguma beleza à sua vida interior. O ódio e as más paixões não resistem a esse espetáculo. Ante o corpo de um inimigo, abranda toda a animosidade, esvai-se todo o desejo de vingança. Junto de um esquife, o perdão parece mais fácil, mais imperioso o dever.
Toda morte é um parto, um renascimento; é a manifestação de uma vida até aí latente em nós, vida invisível da Terra, que vai reunir-se à vida invisível do Espaço. Depois de certo tempo de perturbação, tornamos a encontrar-nos, além do túmulo, na plenitude das nossas faculdades e da nossa consciência, junto dos seres amados que compartilharam as horas tristes ou alegres da nossa existência terrestre. A tumba apenas encerra pó. Elevemos mais alto os nossos pensamentos e as nossas recordações, se quisermos achar de novo o rastro das almas que nos foram caras.
Não peçais às pedras do sepulcro o segredo da vida. Os ossos e as cinzas que lá jazem nada são, ficai sabendo. As almas que os animaram deixaram esses lugares, revivem em formas mais sutis, mais apuradas. Do seio do invisível, onde lhes chegam as vossas orações e as comovem, elas vos seguem com a vista, vos respondem e vos sorriem. A Revelação Espírita ensinar-vos-á a comunicar com elas, a unir os vossos sentimentos num mesmo amor, numa esperança inefável.
Muitas vezes, os seres que chorais e que ides procurar no cemitério estão ao vosso lado. Vêm velar por vós aqueles que foram o amparo da vossa juventude, que vos embalaram nos braços, os amigos, companheiros das vossas alegrias e das vossas dores, bem como todas as formas, todos os meigos fantasmas dos seres que encontrastes no vosso caminho, os quais participaram da vossa existência e levaram consigo alguma coisa de vós mesmos, da vossa alma e do vosso coração. Ao redor de vós flutua a multidão dos homens que se sumiram na morte, multidão confusa, que revive, vos chama e mostra o caminho que tendes de percorrer.
Ó morte, ó serena majestade! Tu, de quem fazem um espantalho, és para o pensador simplesmente um momento de descanso, a transição entre dois atos do destino, dos quais um acaba e o outro se prepara. Quando a minha pobre alma, errante há tantos séculos através dos mundos, depois de muitas lutas, vicissitudes e decepções, depois de muitas ilusões desfeitas e esperanças adiadas, for repousar de novo no teu seio, será com alegria que saudará a aurora da vida fluídica; será com ebriedade que se elevará do pó terrestre, através dos espaços insondáveis, em direção àqueles a quem estremeceu neste mundo e que a esperam.
Para a maior parte dos homens, a morte continua a ser o grande mistério, o sombrio problema que ninguém ousa olhar de frente. Para nós, ela é a hora bendita em que o corpo cansado volve à grande Natureza para deixar à Psique, sua prisioneira, livre passagem para a Pátria Eterna.
Essa pátria é a Imensidade radiosa, cheia de sóis e de esferas. Junto deles, como há de parecer raquítica a nossa pobre Terra” O Infinito envolve-a por todos os lados. O infinito na extensão e o infinito na duração, eis o que se nos depara, quer se trate da alma, quer se trate do Universo.
Assim como cada uma das nossas existências tem o seu termo e há de desaparecer, para dar lugar a outra vida, assim também cada um dos mundos semeados no Espaço tem de morrer, para dar lugar a outros mundos mais perfeitos.
Dia virá em que a vida humana se extinguirá no Globo esfriado. A Terra, vasta necrópole, rolará, soturna, na amplidão silenciosa.
Hão de elevar-se ruínas imponentes nos lugares onde existiram Roma, Paris, Constantinopla, cadáveres de capitais, últimos vestígios das raças extintas, livros gigantescos de pedra que nenhum olhar carnal voltará a ler. Mas, a Humanidade terá desaparecido da Terra somente para prosseguir, em esferas mais bem dotadas, a carreira de sua ascensão. A vaga do progresso terá impelido todas as almas terrestres para planetas mais bem preparados para a vida. É provável que civilizações prodigiosas floresçam a esse tempo em Saturno e Júpiter; ali se hão de expandir humanidades renascidas numa glória incomparável. Lá é o lugar futuro dos seres humanos, o seu novo campo de ação, os sítios abençoados onde lhes será dado continuarem a amar e trabalhar para o seu aperfeiçoamento.
No meio dos seus trabalhos, a triste lembrança da Terra virá talvez perseguir ainda esses Espíritos; mas, das alturas atingidas, a memória das dores sofridas, das provas suportadas, será apenas um estimulante para se elevarem a maiores alturas.
Em vão a evocação do passado, lhes fará surgir à vista os espectros de carne, os tristes despojos que jazem nas sepulturas terrestres. A voz da sabedoria dir-lhes-á: “Que importa as sombras que se foram! Nada perece. Todo ser se transforma e se esclarece sobre os degraus que conduzem de esfera em esfera, de sol em sol, até Deus”. Espírito imorredouro, lembra-te disto: “A morte não existe”.
Léon Denis - O Problema do Ser, do Destino e da Dor

Fonte: Página Espírita

“SABEMOS DECODIFICAR O AVISO DO NOSSO SER INTERIOR? ”

Primeiramente, é interessante pararmos para pensar se sabemos que o nosso ser interno nos manda “sinais de fumaça” a cada situação em que nos sentimos perdidos.
É engraçado falar isso, porque se formos analisar rapidamente, diríamos que não. Quando estamos vivenciando os momentos difíceis, nada parece fazer muito sentido, parece que estamos muito sós e que não sabemos como agir. Mas, por incrível que pareça, isso não é verdade.
O tempo todo estamos mandando para nós mesmos avisos sobre o comportamento que temos, sobre as experiências que vivenciamos, mas nos fazemos de surdos diante deles.
Ora, se não temos todas as respostas para as nossas perguntas como o nosso Ser interior poderia nos orientar sobre elas? Fácil: se acreditamos que estamos preparados para as experiências que vivenciaremos, podemos não ter todas as respostas, mas temos condições de consegui-las. E o nosso Ser interno sabe disso!
Como, então, conseguiremos decodificar os avisos? Estando atentos às nossas reações diante das coisas. Essas reações, normalmente, vêm na forma de emoções e sentimentos.
Queria compartilhar uma experiência com vocês para que compreendam o que eu estou falando: estava eu conversando com uma amiga e ela me fez umas críticas sobre uma postura que eu adoto como mãe. Tenho que admitir que eu fiquei muito chateada. Tudo o que foi falado me parecia muito injusto, porque eu sempre dei o meu “melhor” para compreender e auxiliar os meus filhos, mesmo quando eu me sinto completamente perdida.
Continuando, por eu já compreender que sou eu quem construo a minha felicidade ou o meu sofrimento, percebia claramente, em meu íntimo, ambos batalhando para ver quem tomaria conta do meu estado emocional. Infelizmente, por um tempo considerável, eu permiti que o sofrimento prevalecesse, alimentando-o ante a “injustiça” cometida.
Quantas vezes vocês não sentem a mesma coisa? Quantas vezes vocês raciocinam que manter aquela atitude está lhes trazendo sofrimento, mas, nenhum pensamento razoável faz com que vocês abram mão de continuar sofrendo?
Acho que foi isso que eu fiz. Eu queria que a pessoa entendesse que aquelas palavras foram fortes e que eu não gostei do que ouvi porque acredito que dou o meu melhor.
Depois de um tempo, quando os ânimos esfriaram em mim, parei para pensar e percebi que, talvez, eu não estivesse tão certa como eu achava; percebi que, talvez, o cerne daquela questão não estava em eu dar o meu melhor, mas simplesmente estar trilhando um caminho equivocado; percebi que, talvez, eu pudesse ouvir aquele “conselho” e agradecer por alguém se importar comigo, a ponto de me falar as suas verdades; percebi que, talvez, eu poderia modificar alguns parâmetros que tenho.
Sabem, eu aprendi com a espiritualidade amiga que quando a gente se perturba com algo é porque esse algo não está bem trabalhado em nós, é porque nem a gente está seguro de nossas próprias “convicções”...
Se assim é e se somos nós que criamos o ambiente em que vivemos, podemos escutar os nossos avisos e criar os melhores sentimentos e emoções a cada circunstância de nossas vidas, sejam elas boas ou não.
Levei um tempo para me recompor daquela experiência, mas percebi que o que me deixou muito triste não foi o que me disseram, mas sim de eu estar insegura em relação aquele assunto e não estar preparada para ter que mudar aquele ponto.
Será que as reações que cada um de vocês está tendo com o próximo não é um reflexo de suas próprias convicções em ruínas? Será que não é o nosso Ser interior pedindo para que a gente busque empreender mudanças que estão mais do que na hora de serem abraçadas e a gente não quer ouvi-lo? Será que, diante de nossa surdez, ainda precisaremos do outro para nos dar esses toques?
Se estivermos atentos aos avisos de nosso Ser interior, compreenderemos que os nossos sentimentos e emoções chegam sem conseguirmos impedi-los, mas que não somos escravos deles. Assim, poderemos escolher se desejamos segui-los ou desconstrui-los um a um através de uma conscientização de nosso Ser.
Se reagirem negativamente a uma circunstância, alertem-se. Se reagirem positivamente a ela, alegrem-se.
Que possamos nos dar a oportunidade de nos vermos como os engenheiros de nossa própria vida, ficando tudo muito mais leve a cada “degrau” construído e a cada “andar” ultrapassado.

Adriana Machado