Seguidores

domingo, 17 de setembro de 2017

“QUEM SÃO OS ESPÍRITOS SOFREDORES?”

— Esta é a situação daquelas pessoas que não se definiram no mundo pelo bem divino, colocando-se numa posição neutra, o que já representa um mal em si.
Misturam-se com a multidão de seres e confundem-se com os quiumbas, arrastando-se por entre a turba de marginais do astral. Não assumiram uma posição clara e resoluta durante suas vidas; assim, do lado de lá do véu que separa as duas realidades, são arrastadas como num vendaval, sem encontrar forças para se subtraírem às influências daninhas dos espíritos delinquentes.
Seu sofrimento representa a angústia de quem sabe não estar bem, mas julga não possuir recursos próprios para se libertar. A imagem que observamos neste momento nos lembra uma águia, que, podendo singrar os céus, permanece com os pés enlameados, presa a perigoso pântano.
Estes seres desencarnam aos milhares pelo mundo afora, principalmente nos países onde a vida espiritual não é cogitada, nem ao menos pressentida. Os ensinamentos ministrados ao povo em suas religiões, quando é o caso, muitas vezes se atem ao aspecto materialista e imediatista. Permanecem completamente ignorantes de uma vida espiritual ou espiritualizada. Ao cruzarem o rio da vida, suas mentes automaticamente os conduzem a essa situação desoladora, de acordo com a lei das afinidades.
O pântano e as sensações que experimentam são apenas criações mentais, que foram se materializando em torno de si desde quando encarnados; agora, como habitantes dessas zonas purgatórias, ressentem-se intensamente de sua ação daninha.
Essa classe de espíritos compõe a imensa legião dos chamados encostos, que se aproximam dos encarnados para se sentirem aliviados. Advêm desse contingente os chamados sofredores-, muitas vezes percebidos pelos médiuns, que captam suas vibrações doentias e entram também num processo de adoecimento.
Os marginais os utilizem da mesma forma como eles próprios são manipulados por espíritos perversos, sem que o saibam. Por exemplo: imagine a hipótese de um elemento da malta de marginais ou quiumbas ser contratado por algum espírito mais especializado e inteligente, a fim de provocar um processo de enfermidade em alguém. Como procederá? O tal marginal levará cativo em suas vibrações alguns desses sofredores, e, havendo sintonia mental e emocional com o encarnado, ambos os espíritos se acoplam à aura do infeliz.
Nessa circunstância, o sofredor absorve certos fluidos animalizados, sentindo-se aparentemente mais revigorado, enquanto a vítima do processo obsessivo padece das dores e dos incômodos daquele ser, que aos poucos são transferidos para seus corpos etérico e físico.
A mente da criatura desequilibrada, que não se preparou para a vivência ou o conhecimento da espiritualidade, encontra-se nublada, embotada e, por conseguinte, incapaz de realizar observações com maior grau de lucidez.
Esse estado de dormência dos sentidos espirituais faz com que as entidades em sofrimento sejam os objetos prediletos de magos e feiticeiros, quando querem realizar uma transferência energética mórbida para o corpo humano.
Funcionam como depósito de morbo fluido, que ao longo do tempo se acumulou em seu perispírito. A mente adoecida cria continuamente clichês de sofrimento, além da matéria astral contaminada. Tais elementos ficam condensados na delicada tessitura de seus corpos espirituais patogênicos. Exalam uma espécie de matéria mental densa, pegajosa e de alto poder corrosivo. Por tudo isso, magos e feiticeiros frequentemente aproveitam essa turba de espíritos infelizes na consecução de seus planos destruidores.
— O que se pode fazer para libertar algum desses seres reduzidos a ferramentas de processos obsessivos?
— No âmbito umbandista, são conhecidas e utilizadas certas ervas, que, simplificando, são dotadas de altíssimo poder absorvente. Bem utilizados, esses recursos da natureza sugam o fluido mórbido tanto do chamado encosto ou sofredor, quanto do encarnado, que é a vítima.
É claro que somente o expediente fitoterápico, mesmo empregado com propriedade, não será suficiente. É necessário proceder ao esclarecimento do ser subjugado, quando se trata do sofredor, o que se alcança através da conversa com o espírito, incorporado num médium. Essa etapa pode ser cumprida num trabalho de mesa, no centro espírita, ou de terreiro, na tenda de umbanda bem orientada.
A eficácia da limpeza energética com os elementáis é inquestionável. Quando é realizado esse tipo de limpeza nas auras dos seres envolvidos em assimilação energética de fundo mórbido, o desencarnado é imediatamente liberado da carga tóxica e então estará apto para a conversa fraterna, que muitos espíritas chamam de doutrinação.
Como esses espíritos em sofrimento não possuem, quase em sua totalidade, o conhecimento da vida espiritual, precisam de um tempo para meditar, fazer algumas reflexões; a seguir, devem ser conduzidos, em breve espaço de tempo, à reencarnação.
Durante a próxima vida, em novo corpo físico, entrarão em contato natural com o sofrimento e a marginalidade, mas se verão também envoltos em algum conhecimento espiritual elementar. Reclamarão um tipo de alimento espiritual básico, sem complexidade nem sofisticação, para que possam começar a ter noções de algo além do mundo material.
Precisamente por essa razão é que vemos no mundo a atuação cada vez mais intensa das chamadas igrejas pentecostais e neopentecostais, bem como do movimento católico carismático, os quais abordam a questão espiritual de maneira bem distinta daquela que o espiritismo apresenta.
Esses nossos irmãos, com sua fé radical e grande poder de persuasão, têm prestado imenso benefício, pois retiram esses espíritos, já reencarnados, de dependências químicas e antros de perdição, como dizem. Conduzem-nos à vivência de algum princípio moral, que desperte neles conceitos elementares, a fim de elevá-los em relação à vida puramente material.
Mas será válida a forma como trabalham com esse público? Em suas pregações, valem-se de imagens como o inferno, a perdição eterna e o diabo, arrebatando fiéis para suas igrejas através do medo.
— Que outra linguagem tais irmãos entenderiam?
Emergem de uma situação no plano astral na qual conviveram com imenso sofrimento; eram fantoches nas mãos de espíritos marginais. Sobretudo, seu despreparo espiritual é tamanho que não compreenderiam jamais a linguagem detalhada e explícita da doutrina espírita. Reencarnam, então, em meio à marginalidade, conforme dita a própria sintonia de seus espíritos, integrando gangues ou agindo sozinhos, de conformidade com as impressões e lembranças firmemente gravadas na memória espiritual.
Habituaram-se de tal maneira às imagens mentais de sofrimento e dor do plano onde estagiaram que, uma vez na Terra, só estão aptos a dar ouvido aos apelos das pregações fortes e recheadas de elementos familiares a seu universo. O inferno do qual querem escapar, ou o diabo, por quem alimentam tanto pavor, são os obsessores e magos negros que deles se serviam antes da reencarnação atual. Decorrem desse fato o conteúdo de medo e as imagens mentais fortes que muitos ministros pentecostais e carismáticos empregam.
"Tudo tem uma finalidade útil. Muitos dos atuais pregadores que se dedicam a trabalhar nos guetos, nas favelas e nos lugares de peso vibratório são espíritos de guardiões, que já desempenhavam esse papel nas regiões do mundo oculto, antes de reencarnar. Especializaram-se no resgate dessas almas; ao reencarnarem, em seu ministério, contam com a linguagem mais adequada a coibir os abusos que esses espíritos trazem como marca de sua conduta. Somente esse tipo de linguagem e vocabulário poderá ser capaz de conter seus instintos primitivos."

Retirado do livro Legião - Um olhar sobre o reino das sombras de Ângelo Inácio e Robson Pinheiro

“AÇÃO DO HOMEM SOBRE OS ESPÍRITOS INFELIZES”

A nossa indiferença para com as manifestações espíritas não nos privaria
somente do conhecimento do futuro de além-túmulo, pois nos desviaria
também da possibilidade de agir sobre os Espíritos infelizes, de amenizar lhes a sorte, tornando-lhes mais fácil a reparação de suas faltas.
Os Espíritos atrasados, tendo mais afinidade com os homens do que com os Espíritos puros, em virtude de sua constituição fluídica ainda grosseira, são, por isso mesmo, mais acessíveis à nossa influência. Entrando em comunicação com eles, podemos preencher uma generosa missão, instrui-los, moralizá-los e, ao mesmo tempo, melhorarmos, (1) sanearmos o meio fluídico em que todos vivemos.
Os Espíritos sofredores ouvem o nosso apelo e as nossas evocações. Os
nossos pensamentos, simpáticos, envolvendo-os como uma corrente elétrica e atraindo-os a nós, permitem que conversemos com eles por meio dos médiuns.
O mesmo dá-se com as almas que deixam este mundo. As nossas evocações despertam a atenção dos Espíritos e facultam-lhe o desapego corpóreo; as nossas preces ardentes são como um jato luminoso que os esclarece e vivifica.
É-lhes agradável perceber que não estão abandonados a si próprios na
Imensidade, que há ainda na Terra seres que se interessam pela sua sorte e
desejam a sua felicidade. E, quando mesmo esta não possa ser alcançada por preces, contudo elas não deixam de ser salutares, arrancando-os ao
desespero, dando-lhes as forças fluídicas necessárias para lutarem contra as
influências perniciosas e ajudando-os a subirem mais alto.
Não devemos, entretanto, esquecer que as relações com os Espíritos
inferiores exigem uma certa segurança de vistas, de tato e de energia; daí os
bons efeitos que se podem esperar. É preciso uma verdadeira superioridade
moral para dominar tais Espíritos, para reprimir os seus desmandos e dirigi-los ao caminho reto; e essa superioridade não se adquire senão por uma vida isenta de paixões materiais, pois, em tal caso, os fluídos depurados do evocador atuam eficazmente sobre os fluídos dos Espíritos atrasados.
Além disso, é necessário um conhecimento prático do mundo invisível para nos podermos guiar com segurança no meio das contradições e dos erros que pululam nas comunicações dos Espíritos levianos.
Em consequência da sua natureza imperfeita, eles só possuem conhecimentos muito restritos; veem e julgam as coisas diferentemente; muitos conservam as opiniões e os preconceitos da vida terrena.
O critério e a clarividência tornam-se, portanto, indispensáveis a quem se dirigir nesse dédalo.
O estudo dos fenômenos espíritas e as relações com o mundo Invisível
apresentam muitas dificuldades e, mesmo, perigos ao homem Ignorante e
frívolo, que pouco se tenha preocupado com o lado moral da questão.
Aquele que, descuidando-se de estudar a ciência e a filosofia dos Espíritos, penetra bruscamente no domínio do Invisível, entregando-se, sem reserva, às suas manifestações, desde logo se acha em contato com milhares de seres cujos atos e palavras ele não tem meio algum de aferir. Sua ignorância entregá-lo-á desarmado à Influência deles, pois a sua vontade vacilante, Indecisa, não poderá resistir às sugestões de que se fez alvo.
Fraco, apaixonado, sua imperfeição faz com que atraia Espíritos Iguais a si, que o assediam sem o menor escrúpulo de enganar. Nada sabendo sobre as leis morais, insulado no seio de um mundo onde a alucinação e a realidade confundem-se, terá tudo a temer: a mentira, a Ironia, a obsessão.
A princípio, foi considerável a parte que os Espíritos inferiores tomaram nas
manifestações, e isso tinha sua razão de ser. Em um meio material como o
nosso, só as manifestações ruidosas, os fenômenos de ordem física poderiam impressionar os homens e arrancá-los à Indiferença por tudo que não diga respeito aos seus interesses imediatos.
É isso que justifica o predomínio das mesas giratórias, das pancadas, das pedradas, etc.
Esses fenômenos vulgares, produzidos por Espíritos submetidos à Influência da matéria, eram apropriados às exigências da causa e ao estado mental daqueles de quem se queria despertar a atenção.
Não se os deverá atribuir aos Espíritos superiores, pois estes só se manifestaram ulteriormente e por processos menos grosseiros, sobretudo com o auxílio de médiuns escreventes, auditivos e sonambúlicos.
Depois dos fatos materiais, que se dirigiam aos sentidos, os Espíritos têm
falado à inteligência, aos sentimentos e à razão. Esse aperfeiçoamento gradual dos meios de comunicação mostra-nos os grandes recursos de que dispõem os poderes invisíveis, as combinações profundas e variadas que sabem pôr em jogo para estimular o homem no caminho do progresso e no conhecimento dos seus destinos.

Do Livro - Depois da Morte de Léon Denis