Seguidores

terça-feira, 5 de setembro de 2017

“OS SEGREDOS OCULTOS DO ESPIRITISMO”

 1 - Porque é que os espíritas discordam quando não-espíritas afirmam que o espiritismo é uma religião? Pois se fala de Deus, portanto é uma religião, não é?
        Porque o espiritismo não nasceu sob uma premissa religiosa. Essa é uma questão importante. Allan Kardec, quando iniciou seu trabalho de pesquisar as manifestações mediúnicas (que na época não tinham sequer essa terminologia), ele o fez sob um direcionamento puramente cientifico, seguindo os mesmos métodos de toda pesquisa científica comumente feitas no âmbito da matéria. Por assim dizer: O efeito estava lá. Ele apenas procurou estudar as causas, e dar-lhes explicação. Fatalmente, pela própria comprovação da existência do mundo dos espíritos e da possível comunicação com eles, chegar até um Deus criador seria uma consequência natural.
Por isso é que o espiritismo é por ele mesmo definido como uma doutrina filosófica com consequências religiosas, e não simplesmente uma religião.
     2 - As religiões de origem africana como a umbanda e o candomblé são comumente classificadas de espiritismo. Alguns espíritas negam isso veementemente, outros negam sem tanta veemência, e outros sequer negam... Porque isso acontece?
         Porque o espiritismo, apesar de ser do ponto de vista objetivo, algo diferente das religiões africanas, dá crédito para os fenômenos mediúnicos nelas observados. É importante ressaltar que dar crédito é uma coisa, concordar com o uso que se faça é outra.
        As religiões africanas nasceram à partir do uso prático (sem fazer aqui juízo de valor moral) das comunicações, atendendo aos mais diversos interesses das pessoas que participavam, e por isso mesmo com objetivos que nem sempre condizem com o que prega o espiritismo.
        Chamar um espírita de "macumbeiro", "feiticeiro" e outras coisas é, além do preconceito e da falta de respeito em si, uma inverdade.      
     3 - Um espírita diz que não faz proselitismo, ou ao menos afirma que a doutrina não incentiva isso. Posso concluir, então, que a fé do espírita é mais fraca do que a fé dos demais religiosos?
         Não. O espírita não faz proselitismo porque não crê na existência do inferno de penas eternas, nem do diabo, embora acredite na existência do mal. Para o espírita, um evangélico, um católico, um muçulmano, um umbandista podem ser "salvos", desde que siga na prática as lições de Jesus. Ser salvo, para o espírita, está ligado à melhoria espiritual que cada pessoa atinge progressivamente, através de suas encarnações, e não a "livrar-se do inferno eterno e ir direto para o céu gozar de uma felicidade também eterna". Para o espírita, o alcance da felicidade acontece de forma progressiva, onde cada pessoa colhe aquilo que planta de bom e de ruim, na mesma medida.
     4 - Muitas pessoas que eu vejo falarem sobre sua vida passada, falam que foram reis, rainhas, personalidades famosas... Isso não é um convite para que não se leve a reencarnação a sério?
          É, quando muito, um convite para que não se leve a sério a pessoa que está afirmando ter sido esse alguém importante, e só.
Uma mistificação sobre determinado tema não deve ser enxergada como um motivo para tirar crédito do tema em si.
     5 - Tem como eu saber quem eu fui na minha vida passada?
          No espiritismo, não há espaço para nada que não tenha uma utilidade real. Saber detalhes de uma vida passada não é útil para ninguém, somente satisfaz a curiosidade. É mais importante sabermos como fomos, e não quem fomos. E para isso, basta olharmos para quem somos hoje: Os nossos defeitos e fraquezas nos revelam, e é contra esses defeitos que cada pessoa tem que lutar.   É a chamada    reforma íntima.
         Bom, pra finalizar espero que este artigo tenha sido útil para os que leram. Que assim seja!
Fontes: REDE AMIGO ESPÍRITA
Romeu Leonilo Wagner, Belém, Pará.

“PODEMOS MORRER ANTES DO TEMPO PREVISTO? ANTES DA HORA? ”

Podemos afirmar que o tamanho de nossa existência aqui na Terra vai depender do nosso comportamento no corpo físico. Ao recebermos a permissão de Deus para cumprir nova encarnação, fazemos um "contrato" com Ele. Entretanto, sabemos que é larga a porta que leva às coisas mundanas e nós mesmos encurtamos nossa vida, fazendo uso de coisas impuras, como o cigarro, o álcool, drogas, etc. Desse modo, morremos antes do tempo, retornando mais cedo para o Mundo Espiritual e precisamos recomeçar tudo, novamente, para resgatar as novas faltas.
Assim nos explica Rubens Santini:
"Temos aquela falsa imagem de que tudo tem o seu dia, até para morrer.
Só que na realidade ocorre justamente o contrário. A grande maioria dos seres humanos não cumpre o que foi “contratado” no Plano Espiritual, antes de nossa reencarnação no plano físico. E acabamos voltando antes do prazo previsto de encerrar a nossa existência.
Para a nossa Evolução, o nosso Espírito recebe o corpo físico para se desenvolver neste planeta. Temos que ser responsáveis por ele, conservá-lo e tratá-lo com respeito para honrar os compromissos assumidos.
Exemplificando, vamos comparar o nosso corpo físico a um automóvel e o motorista ao nosso Espírito. Recebemos o carro com o tanque cheio de combustível para fazer uma longa viagem. Se não cuidarmos com zelo e responsabilidade deste veículo, fazendo as revisões periódicas, não excedendo na velocidade para não forçar o seu motor, evitar as colisões por nossa negligência no volante, ou seja, por tratarmos mal do veículo, este poderá ficar desregulado e começar a consumir muito combustível e poderá ocorrer que não conseguiremos concluir esta viagem.
Com a analogia para o nosso corpo físico, podemos destruí-lo de fora para dentro com o álcool, o cigarro, todo tipo de drogas, excessos alimentares, ausência de exercícios físicos, falta de higiene e repouso físico inadequado. Com tudo isto pode abreviar a nossa vida física.
Também podemos lesar o nosso organismo de dentro para fora cultivando pensamentos negativos, sentimentos desequilibrados, pessimismo, rancor, ódio, agressividade, irritação constante. Tudo isto pode afetar o nosso sistema imunológico, favorecendo a termos um infarto, tumores, câncer,...
Essas anomalias causadas ao nosso corpo físico, por negligência nossa, será considerado pelo Plano Espiritual uma espécie de suicídio e repercutirá no nosso Perispírito (Corpo Espiritual). Nossa adaptação ao retorno à pátria espiritual ficará comprometida e poderá, também, comprometer nossas futuras reencarnações, ocasionado assim um atraso em nossa Evolução Espiritual".
FONTES: Rede Amigo Espírito-por:  Romeu Leonilo Wagner
a) "AS CORES DO TEMPO", por Rubens Santini; e

b) Romeu Wagner, Belém, Pará.