Seguidores

sábado, 26 de agosto de 2017

“AQUI SE FAZ AQUI SE PAGA! PORQUE AS VEZEZ A EXPIAÇÃO CONTINUA NA TERRA?”

Dependendo da gravidade dos atos praticados e da condição espiritual de cada um, os Espíritos endividados sofrem após a morte pelos erros cometidos na existência terrestre e, após estágios em regiões de sofrimento no Mundo dos Espíritos, retornam à Terra para completar a expiação das mesmas faltas cometidas.
Quer dizer: sofrem lá e cá pelos mesmos motivos.
Daí não ser totalmente errado o ditado popular: “aqui se faz, aqui se paga”.
Mas já não seriam suficientes, para sua recuperação, as dores e sofrimentos no plano espiritual, após o desencarne?
O Mestre Kardec escreveu sobre isso na Revista Espírita:
Vejamos:
Pergunta (ao guia do médium). Por que a expiação e o arrependimento na vida espiritual não bastam para a reabilitação, sem que sejam necessários a eles acrescentar os sofrimentos corporais?
Resposta. Sofrer num mundo ou num outro, é sempre sofrer, e sofre-se tão longo tempo quanto a reabilitação não seja completa. Esta criança sofreu muito sobre a Terra; pois bem! isso não foi nada em comparação com o que ela sofreu no mundo dos Espíritos. Aqui tinha, em compensação, os cuidados e a afeição dos quais estava cercado. Há ainda esta diferença entre o sofrimento corporal e o sofrimento espiritual, que o primeiro é quase sempre voluntariamente aceito como complemento de expiação, ou como prova para avançar mais rapidamente, ao passo que o outro é imposto.
Mas há outros motivos para o sofrimento corporal: primeiro, é para que a reparação tenha lugar nas mesmas condições em que o mal foi feito; depois, para servir de exemplo aos encarnados. Vendo seus semelhantes sofrerem e disto sabendo a razão, são bem de outro modo impressionados do que saber que são infelizes como Espíritos; podem explicar melhor a causa de seus próprios sofrimentos; a justiça divina se mostra, de alguma sorte, palpável aos seus olhos. Enfim, o sofrimento corporal é uma ocasião, para os encarnados, de exercerem, entre eles, a caridade, uma prova para seus sentimentos de comiseração, e, frequentemente, um meio de reparar os erros anteriores; porque, crede-o bem, quando um infortunado se encontra sobre vosso caminho, não é o efeito do acaso. Para os pais do jovem François era uma grande prova ter um filho nessa triste posição; pois bem! eles cumpriram dignamente seu mandato, e disso serão tanto mais recompensados quanto agiram espontaneamente, pelo próprio impulso de seu coração. Se os Espíritos não sofressem na encarnação, é que não haveria senão Espíritos perfeitos sobre a Terra.
Dessa explicação oferecida pelo Mentor, podemos concluir:
Sofrimento após a morte:
- O sofrimento após o desencarne ocorre por conta dos erros cometidos em vida. Trata-se de uma consequência (Lei de Causa e Efeito) e uma forma de reabilitação do Espírito endividado por meio do corretivo da dor;
- Esse sofrimento após o desencarne favorece seu despertar, levando-o à percepção dos equívocos praticados. O Espírito toma conhecimento dos crimes que praticou e de suas consequências;
- Com o tempo, despertando sua consciência, arrepende-se. A partir desse ponto estará mais preparado para a reabilitação;
O sofrimento continua numa nova reencarnação para:
- Beneficiar o Espírito, retirando-o de zonas de sofrimento no Astral e situando-o entre pessoas que possam ajudá-lo a se recuperar;
- Situar o Espírito devedor junto àqueles a quem prejudicou (já reencarnados), possibilitando, por meio da convivência, a reconciliação com seus adversários;
- Oferecer, aos encarnados que o assistem, uma oportunidade de exercerem a caridade ao receberem com amor o Espírito devedor, muitas vezes, no seio da própria família.
Autor: Fernando Rossit

Referência: Revista Espírita, Allan Kardec, maio de 1867, “O Jovem Francois”.

"QUAL O MOTIVO DO AUMENTO DO NÚMERO DE VÍTIMAS DO SUICÍDIO INFANTIL?"


“O PLANETA MARTE É HABITADO. LÁ EXISTEM CIDADES MARAVILHOSAS. ”

MARTE TEM UMA ÁREA HABITÁVEL MAIOR DO QUE A TERRA – OS CANAIS DE MARTE REVELADOS POR PESQUISADORES E PELO ESPÍRITO HUMBERTO DE CAMPOS – AFIRMA O ASTROFÍSICO MÁRIO LIVIO: ET’s SÃO MAIS AVANÇADOS DO QUE NÓS – OS MARCIANOS SEMPRE ORAM EM BENEFÍCIO DA HUMANIDADE TERRESTRE
É possível ter vida em grandes áreas de Marte. Ao menos é o que cientistas australianos afirmam, após uma longa pesquisa sobre quanto do planeta poderia ser habitável. Os resultados mostram ainda que é possível haver vida em muito mais áreas de Marte do que na Terra.
Ora, na Terra, somente 1% do volume do planeta é habitável, se considerarmos todo o espaço desde o núcleo do planeta. Mas, após comparar modelos de temperatura e pressão da Terra com os de Marte, os pesquisadores da Australian National University concluíram que 3% do planeta vermelho é habitável, embora grande parte disso seja no subsolo.
“O que nós tentamos fazer, simplesmente, foi tomar o máximo de informação possível, juntá-la e então comparar uma visão macro da região, perguntando se ela pode ou não receber vida”, afirmou o astrobiologista Charley Lineweaver.
Considerando que a temperatura na superfície de Marte é, em média, de -63 graus Celsius, a baixa pressão do ambiente impede que exista água no estado líquido sobre o solo. Contudo, de acordo com a pesquisa, as condições do subsolo são ideais, pois o peso da terra acrescenta a pressão necessária.
OS CANAIS DE MARTE SEGUNDO DOIS ASTRONÕMOS
Em determinado trecho da matéria "O silêncio dos ET's", o jornal O GLOBO de março de 2010, publicou no caderno Ciências matéria assinada pela jornalista Roberta Jansen, o seguinte comentário a respeito da existência de canais em Marte:
“A ideia da existência de ET's inteligentes começou a ganhar força e a povoar o imaginário da população em geral e de escritores de ficção científica em particular a partir de observações feitas pelo astrônomo Giovanni Schiaparelli, em 1877, de um telescópio recém-construído. Schiaparelli notou que a superfície do planeta vermelho era marcada por linhas e sulcos intrincados, que chamou de canais.
(COLOCAR IMAGEM DE GIOVANNI SCHIAPRAELLI)
Ainda no século XIX, o astrônomo americano Percival Lowell retomou a ideia dos canais marcianos – ele chegou a criar um centro para estudá-los – popularizando-a. Tais canais, sustentava Lowell, só poderiam ter sido construídos por uma inteligência superior. A coisa chegou a tal ponto que ele chegou a localizar a região onde seria a capital de Marte, numa confluência de canais”.
Percival Lowell foi um grande promotor dos canais de Marte, trabalhando em um observatório privado construído em uma montanha próxima a Flagstaff, Califórnia, e equipado com um telescópio refrator de 24 polegadas, capaz de aumentar Marte cerca de 600 vezes, ele mapeou Marte de 1896 a 1916. Apesar da grande abertura do telescópio, as imagens do planeta eram difusas.
Através de cuidadosas observações, ele chegou à conclusão que as áreas escuras não eram corpos de água. Por outro lado, concluiu que os canais formavam uma rede de irrigação que levava água das calotas polares para os habitantes de Marte e que as mudanças nas áreas escuras refletiam variações sazonais devido ao cultivo de plantações.
(COLOCAR IMAGEM DE PERCIVAL LOWELL)
REVELAÇÃO MEDIÚNICA CONFIRMA OS CANAIS DE MARTE
A respeito da existência de canais condutores de água, vejamos o que diz o Espírito Humberto de Campos na mensagem sobre Marte, psicografada por Chico Xavier: “Na atmosfera ao longe, vagavam nuvens imensas, levemente azuladas, o que nos reclamara a atenção, explicando-nos o mentor da caravana fraterna que se tratava de espessas aglomerações de vapor d'água, criadas por máquinas poderosas da ciência marciana, a fim de que sejam supridas as deficiências do líquido nas regiões mais pobres e afastadas do largo sistema de canais, que ali coloca os grandes oceanos polares em contínua comunicação, uns com os outros”.
Ora, se lá existe água, e sabendo que ela é o elemento primordial para que haja vida como a nossa aqui na Terra, é lógico admitir-se, sem medo de errar, a existência de seres inteligentes habitando o planeta Marte, naturalmente em outra dimensão física. Interessante que o astrônomo Percival Lowell chegou à conclusão que esses canais serviam para levar a água dos polos para todo o planeta para ser utilizado por seus habitantes.
AS CIDADES E AVENIDAS
A respeito da existência de canais condutores de água, vejamos ainda o que diz Humberto de Campos, na mensagem sobre Marte, psicografada por Chico Xavier:
“Marte tem cidades fantásticas pela sua beleza inaudita: avenidas extensas e amplas, sendo as construções análogas às da Terra; a vegetação, de tonalidade vermelha, é muito mais exuberante do que a terrena; Marte é “um irmão mais velho e mais experimentado na vida; seus habitantes sempre oram ao Senhor do Universo, em benefício da humanidade terrena”; habitantes têm arcabouço físico algo diferente do terrestre; alimentação: através das forças atmosféricas”.
OS SERES HUMANOS DE MARTE
As revelações feitas pelo Espírito Maria João de Deus, através do médium Francisco Cândido Xavier, no livro Cartas de Uma Morta, lançado em 1935, ao descrever uma excursão ao planeta Marte, fala da existência de seres humanos, como poderemos constatar nos seguintes trechos do seu relato:
“Vi-me à frente de um lago maravilhoso, junto de uma cidade, formada de edificações profundamente análogas às da Terra. (...) Vi homens mais ou menos semelhantes aos nossos irmãos terrícolas, mas os seus organismos possuíam diferenças apreciáveis. Além dos braços, tinham ao longo das espáduas ligeiras protuberâncias à guisa de asas, que lhes prodigalizavam interessantes faculdades volitivas. (...) O ar é muitíssimo mais leve: conhecem os enigmas profundos da eletricidade, que usam com maestria; as edificações são análogas às da Terra; a vida em Marte é mais aérea – poderosas máquinas; embora existam oceanos, há pouca água; sistemas de canalização; poucas montanhas.
Assegurou-me, ainda, o desvelado mentor espiritual, que a humanidade de Marte evoluiu mais rapidamente que a Terra e que desde os pródromos da formação dos seus núcleos sociais, nunca precisou destruir para viver, longe das concepções dos homens terrenos cuja vida não prossegue sem a morte e cujos estômagos estão sempre cheios de vísceras e de vitualhas de outros seres da criação”.
Além dessa revelação de Maria João de Deus, o Espírito Humberto de Campos, também realizando uma excursão ao planeta Marte, observou que as formas de vida nele existentes são bem superiores às da Terra. A Sociedade Marciana está moral e cientificamente alguns séculos mais adiantada que a do nosso planeta, porque lá não existem guerras nem conflitos. Observa-se, através desse relato, a perfeita concordância com os comentários do Espírito Maria João de Deus, inclusive sobre a superioridade dos habitantes de Marte.
ET’s SÃO MAIS AVANÇADOS DO QUE NÓS
Afirma o astrofísico Mario Livio, do instituto responsável pelo Telescópio Hubble, que se os ET's existem, o mais provável é que sejam mais avançados do que nós por, talvez, um bilhão de anos (vale lembrar que nós somos uma civilização tecnológica por cerca de 100 anos apenas e a probabilidade de outra civilização estar no mesmo estágio é extremamente remota). Eles podem, inclusive, estar impedindo que nós os descubramos. Além do mais, a possibilidade de recebermos um sinal que consigamos entender também é muito baixa. Entretanto, nunca saberemos as respostas se não fizermos a experiência.
CONCLUSÃO
Buscando argumentos racionais que justifiquem a doutrina da pluralidade dos mundos habitados, não se pode olvidar a vastidão do universo, com os seus incontáveis planetas, sistemas solares, galáxias etc. Com o avanço da astronomia e da astrofísica evidencia-se um universo infinito, e afirmar que só a Terra teria o "privilégio" de possuir uma humanidade seria condenar essa humanidade a ser exceção dentro das leis naturais ou divinas.
Do ensino dado pelos espíritos resulta que muito diferentes umas das outras são as condições dos mundos, quanto ao grau de adiantamento ou de inferioridade dos seus habitantes. Entre eles há os que são inferiores à Terra, física e moralmente; outros, da mesma categoria que o nosso; e outros que lhe são mais ou menos superiores em todos os aspectos. Nos mundos inferiores, a existência é toda material, reinam soberanas as paixões, sendo quase nula a vida moral. À medida que esta se desenvolve, diminui a influência da matéria, de tal maneira que, nos mundos mais adiantados, a vida é, por assim dizer, toda espiritual.

Gerson Simões Monteiro-: Correio Espírita-