Seguidores

domingo, 13 de agosto de 2017

“QUANDO OS FAMILIARES ADOECEM’."

A vida na Terra, caro leitor, não permite muitas reclamações. Uma queixa aqui outra acolá tudo bem. Mas viver reclamando das vicissitudes da existência é contraproducente, perda de tempo e energia.
O melhor é aproveitar os desafios existenciais e tentar resolvê-los.
Se forem, porém, insolúveis, daí resta-nos a resignação.
Já dizia mestre Wanderlei Luxemburgo: Problema sem solução é problema resolvido!
Toda esta introdução é para contar-lhes um fato.
Tenho uma tia que está há 27 anos deitada numa cama sem conseguir mexer qualquer membro. Não fala, não pede, não anda, não gesticula...
Esta tia tem 3 filhos e o marido que se revezam em seus cuidados.
Dão banho, papinha, trocam fralda, ministram remédio e tudo o mais que alguém enfermo necessita.
O pessoal antes reclamava, mas depois de alguns anos, já vencidos pelo cansaço resolveram aceitar a vida como ela é.
Bem, como eu disse, ela não faz nada, mas está vida, ou melhor dizendo, encarnada, coração pulsando e tudo mais.
Em casos assim, é importante lembrarmos que embora o corpo esteja baleado o Espírito está lúcido, vendo tudo o que se passa ao seu redor.
Já pensou que prisão, caro leitor? Nem direito a saidinha ela tem. Corrigindo: tem sim, quando nos momentos do sono de seu corpo físico. Mas observe a prisão que ela vive, 27 anos sem falar, andar, cantar, pular, dançar e, o pior: sem direito a reclamação.
Mas de retorno ao assunto Espírito e reforçando o que dissemos acima: embora o corpo esteja danificado, o seu Espírito sente, ama, emociona-se, pois as emoções residem no espírito.
Você questionará aonde quero chegar com esse papo.
Quero dizer aqui que não obstante as dificuldades e limitações físicas os meus primos a tratam normalmente. Conversam com ela, colocam-na a par das novidades da casa, se haverá reforma ou não, se brigaram com a namorada, se estão enfermos ou com saúde. Enfim, embora ela não se mexa e esteja prostrada em uma cama há quase três décadas, ela presta total atenção no que eles dizem. É óbvio: seu espírito está ativo, sentindo, amando, vivendo...
Cientes da realidade imortal não podemos deixar de tratar familiares doentes – aqui quem os tiver – como se não existissem.
É importante para seu caminhar evolutivo que recebam a atenção que merecem. Ele não responde? E daí? São dificuldades do corpo que serão sanadas com o tempo. Contudo a alma está bem viva e atenta.
Se você tem alguém em casa na situação provisória de invalidez física – invalidez aqui escrita para efeitos de entendimento sem cairmos em digressões filosóficas sobre o tema – não se limite aos cuidados básicos de alimentação e medicação. Vá além. Converse, beije, conte seus problemas, dê-lhe atenção.
Faça o ente querido fazer parte da família. Pode ser que agora ele não responda por conta da limitação física, mas tenha a certeza que no reencontro na Pátria Espiritual, quando liberto e recuperado do mal que o acometeu, o familiar certamente lhe agradecerá por você não tê-lo deixado alheio dos acontecimentos por conta de suas limitações físicas.
Afinal, muito pior do que a dificuldade do corpo é a cegueira que acomete quem não observa os largos horizontes do Espírito imortal.
Pensemos nisso!

Wellington Balbo

“AFEIÇÕES NO MUNDO ESPIRITUAL “

Contrariamente ao que muitos pensam, as afeições na terra são apenas uma pálida imagem dos laços belos e permanentes que se estabelecem entre seres que comungam das mesmas inclinações para o bem, em estado semelhante de evolução intelecto-moral. Estando libertos das paixões que os ligam em vida e que fazem os homens agruparem-se em clãs familiares de pendor egoísta, social, de raça… eles se atraem e agrupam em famílias mais alargadas do que na terra, unidos por sentimentos sinceros, tendo em vista o aperfeiçoamento coletivo e alegrando-se, com as conquistas de cada um dos seus entes queridos em cada regresso a casa, após mais uma vida na Terra, plena de lutas e provações experimentadas e ultrapassadas.
“Se uns encarnam e outros não, nem por isso deixam de estar unidos pelo pensamento. Os que se conservam livres velam pelos que se acham em cativeiro. Os mais adiantados se esforçam por fazer que os retardatários progridam. Após cada existência, todos têm avançado um passo na senda do aperfeiçoamento.”
ESE –IV capítulo - item 18
2. Espíritos simpáticos
Muitas vezes, uns precedem os outros na mesma reencarnação, com programações conjuntas e elevadas, lutando pelo bem comum e criando as famílias onde reina a afeição sincera. Estes espíritos simpáticos encontram-se aparentemente “por acaso” e experimentam atração espontânea e imediata, fruto de relações agradáveis vividas em outras eras. Que bela imagem nos transmite o Evangelho segundo o Espiritismo ao afirmar: "… é a atração de dois Espíritos, que se buscam reciprocamente por entre a multidão.“
Daí também ser frequente encontrarmos filhos que se assemelham aos pais, irmãos gémeos de carácter similar, nos seus comportamentos de cariz moral.
São espíritos afins que se juntaram, pelas leis da atração e gostam de estar juntos.
Embora nem todos os espíritos afins tenham necessariamente que se ter conhecido numa vida anterior, pois eles se atraem por inclinações semelhantes, isso frequentemente acontece: “A afeição que existe entre pessoas parentes são um índice da simpatia anterior que as aproximou….” ESE –IV capítulo - item 19
Quando regressam ao mundo espiritual, os espíritos se reconhecem e recordam todos os momentos que já viveram juntos. Se na Terra isso não sucede é porque isso lhes seria mais prejudicial que benéfico.
Há, pois, duas espécies de família:
as famílias unidas pelos laços espirituais e estáveis que se estimam,se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma.
E as famílias unidas pelos laços corporais, frágeis como a matéria, e que se, mais nada as liga do que as paixões terrenas, se extinguem com o tempo e, muitas vezes, se dissolvem moralmente, já na existência atual.
("O Evangelho Segundo o Espiritismo", cap. XIV, item 8).
"Purificadas as afeições, acima dos laços do sangue, o sagrado instituto da família se perpetua no Infinito, através dos laços imperecíveis do Espírito. "

Emmanuel