Seguidores

quarta-feira, 19 de julho de 2017

“O BEM E O MAL. PORQUE TODOS NÓS FAZEMOS MAIS O MAL DO QUE O BEM? ”

Esta sentença de Sócrates, mais tarde ratificada pelo apóstolo Paulo em carta dirigida aos romanos (Rm., 7:19) ao afirmar: Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço, fere a grave questão da predominância (ainda) do mal em nosso Orbe.
Em absoluta sintonia com esses dois Espíritos iluminados, está outra criatura, também de escol, Joanna de Ângelis, ao enunciar em palestra de Divaldo Pereira Franco: Enquanto o bem e a virtude andam na semiobscuridade com sandálias de veludo, o mal e o vício ganham título de cidadania nas praças públicas sob os “spotlights” da promoção.
Afirma Allan Kardec, na Introdução do livro O Evangelho segundo o Espiritismo, que a predominância do mal na Terra seria uma questão insolúvel sem o conhecimento da pluralidade dos mundos habitados e da destinação do planeta terreno, que comporta apenas uma fração mínima da Humanidade.
Somente o Espiritismo tem condição de lançar luzes nos panoramas descortinados por tal assunto, conforme comprovamos nas explanações contidas no livro citado, capítulos III a V. Ali passamos a compreender porque os meios de comunicação enfatizam tão prodigamente os escândalos, os crimes, toda sorte de coisas más, tristes e quejandos: é porque esse tipo de abordagem torna-se repasto de ampla ressonância nos Espíritos vinculados ao planeta, elevando o nível do ibope que as emissoras perseguem.
A Humanidade encarnada e desencarnada da Terra ainda se compraz no mal. É o estágio evolutivo atual, que leva os Espíritos do Senhor à seguinte assertiva: Os maus são intrigantes e audaciosos, os bons são tímidos. Quando estes o quiserem, preponderarão.[1]
Quando o homem moral substituir o homem carnal, a vida na Terra alcançará patamares morais elevadíssimos nunca dantes logrados. A preponderância até hoje do homem-matéria é que tem ensejado o advento de dores acerbas e lastimáveis desastres de ordem moral e material no mundo.
Explica ainda o mestre lionês[2]: O homem carnal, mais preso à vida corpórea do que à vida espiritual, tem, na Terra, penas e gozos materiais. Sua felicidade consiste na satisfação fugaz de todos os seus desejos. Sua alma, constantemente preocupada e angustiada pelas vicissitudes da vida, se conserva numa ansiedade e numa tortura perpétuas. (…)
O homem moral, que se colocou acima das necessidades factícias criadas pelas paixões, já neste mundo experimenta gozos que o homem material desconhece. A moderação de seus desejos lhe dá ao Espírito calma e serenidade. Ditoso pelo bem que faz, não há para ele decepções e as contrariedades lhe deslizam por sobre a alma, sem nenhuma impressão dolorosa deixarem.
Quando abandonar os padrões grosseiros da matéria, o homem experimentará, então, a felicidade reservada aos bons Espíritos, isto é, aqueles que conhecem todas as coisas e não sentem mais nem (…) ódio nem ciúme, nem inveja, nem ambição, nem qualquer das paixões que ocasionam a desgraça dos homens. O amor que os une lhes é fonte de suprema felicidade. Não experimentam as necessidades, nem os sofrimentos, nem as angústias da vida material. São felizes pelo bem que fazem.
Contudo, a felicidade dos Espíritos é proporcional à elevação de cada um. Somente os puros Espíritos gozam, é exato, da felicidade suprema, mas nem todos os outros são infelizes. Entre os maus e os perfeitos há uma infinidade de graus em que os gozos são relativos ao estado moral. Os que já estão bastante adiantados compreendem a ventura dos que os precederam e aspiram a alcançá-la. Mas, esta aspiração lhes constitui uma causa de emulação, não de ciúme. Sabem que deles depende consegui-la e para a conseguirem, trabalham, porém, com a calma da consciência tranquila e ditosos se consideram por não terem de sofrer o que sofrem os maus. [3]
Quando pensamos nas modificações que ainda precisam ser operadas para que a frase de Sócrates em epígrafe perca o seu conteúdo e sentido, nos perguntamos: Quando isso se dará? Quando a Humanidade viverá sob o pálio dos ensinamentos de Jesus?!
Para que chegue esse tempo de sublimes alvíssaras, é necessário começar já, hoje, agora, o difícil trabalho de lapidação das arestas do arraigado orgulho e da ancestral ignorância de tão triste memória, geradora de descalabros de vária ordem na História da Humanidade.
Os Benfeitores da Terra estão sempre conclamando-nos a perseverar no Bem, ainda que sob o acicate das mais duras adversidades…
É áspero, estreito e árduo o caminho evolutivo e Jesus alertou-nos sobre isso quando falou das aflições (Jo. 16:33) a que estaríamos sujeitos em nosso périplo terrestre. Mas, por outro lado, Ele afirmou que socorreria as ovelhas em apuros e salvas estariam as que até o fim perseverassem.
Bibliografia: 1 – KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 88. ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2006. q. 932.
Por Rogério Coelho

Autor: Rogério Coelho

“A MARCA DA BESTA DO APOCALIPSE É UM CHIP?”

Você certamente já ouviu falar na marca da Besta do Apocalipse. Milhões de pessoas acreditam que a marca da Besta é um chip que será instalado compulsoriamente na mão direita ou na testa de todas as pessoas. Há vídeos que tratam do assunto, no Youtube, com mais de um milhão de visualizações.
Esse chip realmente existe. Há projetos, desde a década de 90, de unir todos os documentos e outras informações relevantes, como o grupo sanguíneo, por exemplo, num chip subcutâneo. Hoje já existe essa tecnologia e ela já é usada por pessoas e por animais.
O chip é instalado em animais, como o gado, para consumo humano, para facilitar o rastreamento do animal, caso ele se perca, e para reunir informações sobre a sua origem e os cuidados com a sua criação – o que chamam de controle de qualidade.
Nos humanos, além de reunir documentos e outras informações, o chip contém os seus dados bancários e permite o rastreamento no caso de sequestro. A ideia é que com o tempo o chip substitua o monte de documentos que nós somos obrigados a fazer: RG; CPF; carteira de habilitação; certificado de reservista, para os homens; comprovante de residência; declaração do imposto de renda; e, principalmente, todos os dados bancários: o chip vai dispensar o uso dos cartões magnéticos.
Você vai ao mercado e ao passar pelo caixa o valor da sua compra será debitado automaticamente da usa conta. Isso dispensará completamente o uso do dinheiro físico. Não existirá mais dinheiro físico, só dinheiro virtual.
Esse sistema, como toda tecnologia, tem seus prós e contras. Os prós é que a vida se torna cada vez mais prática. Não precisaremos confeccionar documentos: receberemos um número ao nascer e esse número irá nos acompanhar durante toda a existência. Teremos mais segurança, pois a qualquer momento será possível identificar a nossa localização por satélite. Também será possível descobrir a localização e grande parte das atividades dos criminosos, facilitando a sua captura. Isso acabaria com o narcotráfico da maneira como ele funciona hoje, pois o narcotráfico lida com dinheiro vivo, já que não pode declarar esses valores. O mesmo aconteceria com o terrorismo.
Mas isso também oferece alguns pontos desfavoráveis: será possível todos nós sermos cada vez mais manipulados.
Você recebe o seu salário. Os organismos de controle, sejam eles governamentais ou financeiros, vão saber tudo sobre você: quanto você gasta, quando você gasta, o que você consome, com quem você consome, que lugares você frequenta, quanto tempo você permanece nesses lugares, enfim, não haverá mais segredos.
Hoje já é possível saber muito sobre você. O Facebook, por exemplo, mostra, na sua linha do tempo, as coisas que você mais costuma acessar. No final do Governo Dilma, por exemplo, só o que aparecia no Facebook eram notícias e comentários a respeito do Governo, seja contra ou a favor. As pessoas não deixaram de postar outras coisas. Mas como você deu atenção a isso algumas vezes, foi isso que o Facebook passou a mostrar para você. O mesmo acontece com as propagandas no Facebook e no Google. As propagandas que aparecem para você seguem o seu padrão de procura na internet. Se você pesquisar sobre carros, por exemplo, logo irão aparecer anúncios de carros nos sites que você abrir.
– Mas o que a Besta do Apocalipse tem a ver com isso?
Para milhões de pessoas, o chip é a marca da Besta mencionada no livro do Apocalipse, que é o último livro da Bíblia.
Mas as pessoas que acreditam que a marca da Besta é o chip estão se baseando nessa passagem do Apocalipse:
“A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome.” Apocalipse 13:16-17
Num primeiro momento, lendo apenas essa passagem do Apocalipse, podemos ter a impressão de que realmente o chip tem todas as características da marca da Besta: Quando o chip for implantado (se realmente ele for implantado como uma coisa generalizada) ninguém poderá fazer qualquer transação comercial sem ter o chip. Ou seja, ninguém poderá comprar ou vender se não tiver o chip – quem não tiver o chip estará excluído da sociedade formal, pois não poderá ter emprego nem comprar nem vender nada – não poderá fazer nada que envolva dinheiro: a solução seria voltar ao escambo, o antigo sistema de trocas de produtos.
Mas vamos analisar melhor essa passagem do Apocalipse para ver se realmente essa teoria de que o chip é a marca da Besta tem fundamento ou não.
Em Apocalipse 7:1-3 nós encontramos o seguinte:
“Depois disto, vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, conservando seguros os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma.
Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo, e clamou em grande voz aos quatro anjos, aqueles aos quais fora dado fazer dano à terra e ao mar, dizendo: Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus.”
Nós encontramos nesta passagem duas vezes a palavra “selo”: o selo do Deus vivo e depois “até selarmos na fronte os servos do nosso Deus”.
Nós sabemos que todo o Novo Testamento foi escrito originalmente em grego. “Selo” é a tradução da palavra grega sphragis (σφραγίς), que se refere exatamente a um selo, um anel de sinete, a impressão de um selo. Antigamente a assinatura era executada por meio de um selo – uma espécie de pequeno carimbo, às vezes usado como um anel, que era impresso em argila ou cera quente para registrar a sua marca.
No capítulo 13, em que fala sobre a marca da besta, a palavra “marca” é a tradução da palavra grega xaragma (χάραγμα). Embora sejam palavras diferentes, o sentido das duas palavras, no texto, é exatamente o mesmo: xaragma quer dizer gravura, selo, sinal, uma marca de identificação.
Isso era comum no tempo em que o Apocalipse foi escrito. E a Bíblia fala, aqui mesmo, no Apocalipse, do selo de Deus, ou seja, da marca de Deus.
Para nós não ficarmos só no Apocalipse, nós vemos que na carta de Paulo aos Efésios, também é mencionado o selo de Deus:
“(…) em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa.” Efésios 1:13
Aqui na carta aos Efésios o selo de Deus é o Espírito Santo – o selo ou a marca de Deus é uma coisa absolutamente espiritual, não tem nada de material.
Mas a Bíblia está cheia de referências a marcas. Preste atenção nessa passagem de Ezequiel:
“(…) e lhe disse: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela.
Aos outros disse, ouvindo eu: Passai pela cidade após ele; e, sem que os vossos olhos poupem e sem que vos compadeçais, matai; matai a velhos, a moços e a virgens, a crianças e a mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; começai pelo meu santuário.” Ezequiel 9:4-6
Veja a imagem de Deus que se tinha no Antigo Testamento – por isso que a Bíblia não pode ser levada ao pé da letra. Aqui nós vemos Deus mandando matar todo mundo, até as crianças. E ainda diz: – Não vos compadeçais! – era para matar sem pena! Só não seria morto, aqui, quem tivesse a marca na testa (ou na “fronte”).
Essas marcas eram comuns na Antiguidade. Os soldados eram marcados, os escravos eram marcados e muitos seguidores de religiões pagãs eram marcados. Hoje nós marcamos o gado e os cavalos como um sinal de propriedade.
Em 3 Macabeus, um livro considerado apócrifo pelos católicos e protestantes, mas aceito pela Igreja Ortodoxa, nós vemos que os judeus foram perseguidos pelo rei egípcio Ptolomeu IV. Os judeus que se submetiam ao cadastramento imposto pelo rei eram marcados com o desenho de uma folha de trevo. Esse desenho identificava esses judeus como submissos ao deus Dionísio (3 Macabeus 2:29).
No tempo de Moisés, quando foi estabelecida a lei mosaica (que era tida como Lei de Deus), Deus ordena ao povo israelita:
“Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontais entre os vossos olhos.” Deuteronômio 11:18
Na mão e entre os olhos, ou seja, na fronte. A ideia era que os israelitas tivessem a Lei de Deus sempre em suas mentes e em suas ações. Esse é o sentido.
A marca na mão e na fronte, então, não é nenhuma novidade do Apocalipse. Essas marcas fazem parte do contexto bíblico. O autor do Apocalipse está justamente se utilizando desse contexto para falar do que ele chama de “Besta”.
Mas a passagem do Apocalipse que fala da marca da Besta diz que quem não tiver a marca não poderá comprar ou vender.
No capítulo 9 do Evangelho de João, quando Jesus curou o cego de nascença, é dito que os fariseus expulsariam da sinagoga qualquer um que confessasse que Jesus era o Cristo, ou seja, o messias esperado pelos judeus. A expulsão da sinagoga era uma coisa muito temida pelos judeus.
– Por que a expulsão da sinagoga era tão temida?
Porque, entre outras coisas, quem fosse expulso da sinagoga era excluído da sociedade, e não podia comprar ou vender nada. Isso era comum no tempo em que o Apocalipse foi escrito. O autor do Apocalipse não está fazendo previsões com quase dois milênios de antecedência. Não! Ele está se utilizando de usos e costumes comuns na sua época.
O Apocalipse não é um livro profético. A linguagem obscura do Apocalipse se presta a incontáveis interpretações diferentes. Algumas totalmente absurdas, outras, como a passagem que fala da marca da Besta, podem levar ao engano as pessoas que não são dadas ao estudo.
Mesmo sabendo disso, algumas pessoas podem se questionar a respeito do chip que será implantado nas pessoas. Não sabemos se será implantado em todo mundo. Possivelmente, sim.
Não podemos negar que é um avanço tecnológico que vem facilitar a vida. Não podemos negar, também, que seremos cada vez mais controlados pelos detentores do capital internacional.
A tecnologia, na verdade, vem imitando a capacidade mental do ser humano – ou melhor, a mente humana está se manifestando através da tecnologia. Nas profundezas da nossa mente não há segredos para nós. No plano astral (que ainda é muito distante do plano mental), espíritos mentalmente desenvolvidos podem ler pensamentos e tomar conhecimento de fatos à distância. São capacidades que todos nós temos, mas que não conseguimos desenvolver plenamente por causa da densidade do plano material em que vivemos.
A tecnologia vem implantando, aos poucos, inovações que são características comuns a todos nós.
Particularmente, acredito que o implante do chip será uma realidade em breve. Vai começar por pessoas consideradas importantes, e aos poucos algumas classes irão adotar essa tecnologia. Com o tempo, se essa prática se generalizar, haverá o surgimento de pequenas comunidades alternativas que viverão fora do sistema.
Isso não é profecia – É para onde os fatos apontam nesse momento – evidentemente, na minha visão.

Morel Felipe Wilkon