Seguidores

terça-feira, 27 de junho de 2017

“ALCOOLISMO: OBSESSÃO ESPIRITUAL SOBRE OS ALCOÓLATRAS. UM ENFOQUE ESPIRITUALISTA”

As drogas, de maneira simplificada, podem ser classificadas em três grandes grupos: drogas estimulantes, entorpecentes e alucinógenas.
O álcool acha-se incluído no grupo das drogas entorpecentes. Chamam-se entorpecentes drogas que retardam ou desaceleram a atividade do sistema nervoso central, são tranquilizantes, anestésicos ou soníferos.
Embora o álcool possa, inicialmente, dar uma sensação de bem estar, com o passar do tempo passa a alterar a química do organismo tornando-se indispensável ao indivíduo que física e psiquicamente torna-se dependente ou prisioneiro do álcool. Seu uso constante passa a gerar um estado de desânimo com perda do interesse pelo trabalho, pelo estudo e pela vida.
Estudos desenvolvidos pela pediatria demonstram que a principal causa da existência de jovens alcoolistas é a falta de núcleo familiar organizado e estável.
Muitas vezes o álcool surge como mecanismo de fuga dos jovens à solidão em que vive desde criança. A falta de amor em família provoca desajustes que frequentemente desaguam no alcoolismo. As frequentes separações dos pais, o abandono do lar por um deles, ou as energias de conflito graves entre os genitores é causa mais flagrante da busca do álcool pelo jovem.
O alcoolismo, além de grandes lesões nos órgãos do viciado, determina sérios problemas aos recém-nascidos quando a gestante é usuária da droga. O álcool pode causar lesões no feto que se desenvolve no útero materno, podendo chegar a causar a chamada “Síndrome do Alcoolismo Fetal”, com deficiência mental, atraso do desenvolvimento, defeitos cardíacos e inclusive microcefalia (cérebro pequeno).
O dependente do álcool, além de estar física e mentalmente prejudicado, traz inúmeros problemas para a sociedade, criando atritos, brigas e frequentemente se envolvendo com amizades que o levam a ambientes onde o crime espreita.
Sob o ponto de vista espírita um dos aspectos a ser considerado é a obsessão espiritual sobre os alcoólatras. O dependente do álcool é, em muitos casos, acompanhado por dois tipos de obsessores: os ectoparasitas, e os endoparasitas espirituais.
Chamam-se ectoparasitas aqueles espíritos que costumam frequentar bares ou locais de bebedeira se alimentando dos vapores etílicos que absorvem para seu corpo espiritual. Os endoparasitas espirituais são de mais grave conseqüência, pois se ligam ao corpo espiritual (perispírito) do beberrão, prendendo-se ao chakra esplênico do mesmo, onde vampirizam o fluido vital (energia vital ).
O alcoolista crônico costuma ser rodeado de larvas energéticas que se fixam ao seu perispírito. Fato este descrito por autores espirituais e também observados por videntes.
Quando o viciado ingere álcool, há uma expansão de sua consciência e as energias ou fluidos desequilibrados, que se encontravam retidos, saem para a superfície da sua aura, atraindo os perseguidores espirituais.
O alcoolismo é um triste flagelo da humanidade e, como tal, necessita de urgentes providências por parte de todos nós que estamos livres deste pesadelo.
Trabalhemos pelo próximo orientando-o. Desenvolvamos a amizade e o amor, que o álcool não será destruidor da saúde, da paz e da harmonia familiar.

DR. RICARDO DI BERNARDI

“DOENÇAS CÁRMICAS”

A palavra carma vem do sânscrito, antigo idioma hindu consagrado aos cultos nos templos iniciativos, e significa causa e efeito ao mesmo tempo. Expressa a lei segundo a qual toda causa gera um efeito equivalente em sentido contrário, abrangendo o próprio destino do homem. Este conceito está de acordo com o que ensina Allan Kardec no livro O Céu e o Inferno, página 88, item 9: "Toda falta cometida, todo mal realizado é uma dívida contraída que deverá ser paga; se não o for em uma existência, sê-lo-á
 na seguinte ou seguintes, porque todas as existências são solidárias entre si. Aquele que se quita numa existência não terá necessidade de pagar segunda vez".
A mesma conotação encontra-se no Evangelho, quando afirma: "Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado". (Jo 8, 34) Contrair dívida ou ser servo do pecado significa prender-se a faltas do passado, manter-se estagnado sem condições de retomar o caminho da evolução espiritual. Um dos recursos que a Natureza emprega para realizar a libertação das faltas cometidas de doenças ou outras modalidades de perturbações que podem ocorrer na mesma existência ou em existência futura.
Desse modo, se compreende que o carma não tem a finalidade de punir, mas de harmonizar espiritualmente o ser humano, com a lei da evolução, libertando-o da estagnação causada pelas faltas cometidas. Todos os pensamentos, emoções, sentimentos e atos praticados pela pessoa, durante sua existência atual, geram carmas específicos que se somam ao carma que traz de vidas passadas, e cujos efeitos expressam o saldo favorável ou desfavorável que incide na vida presente.
Nenhum acaso rege o destino das pessoas. É a lei do carma que a tudo coordena, ajusta e realiza, no nível perispiritual, registrando tanto as ações favoráveis como as desfavoráveis da vida de cada um. Se a dor ou o infortúnio, sem causa aparente, batem à porta, não são devidos ao castigo de Deus, nem à fatalidade de um destino cruel. São, na maioria das vezes, o resultado de ações inflexíveis, segundo as quais a colheita de cada um é obrigatória, em decorrência do que semeou nesta vida ou em vidas pregressas, visto ter o carma a finalidade de reajustar as criaturas à harmonia universal.
A Lei do Carma pode ser entendida como decorrente da Lei de Causa e Efeito, do retorno ou reciprocidade, segundo a qual toda ação praticada tem o seu retorno equivalente e em sentido contrário. Esta lei tem sua conotação no Evangelho quando afirma que "a cada um será dado segundo as suas obras"(Mt, 16, 27; Ap 22,12) Na Natureza, essa lei é clara, e ninguém espera colher milho se plantou feijão.
Segundo a Lei do Carma, se a pessoa não tem disciplina mental para controlar os seus atos e cometer faltas durante sua existência, terá que enfrentar suas consequências na própria vida ou em vida futura, pois as mesmas se manterão registradas no perispírito e se manifestarão como problemas de retorno nesta existência, ou como doenças ou perturbações cármicas em vida futura.
Se a pessoa cometeu alguma falta em relação ao seu próprio organismo, prejudicando-o de diferentes maneiras, como ocorre pelo uso de drogas, entregando-se aos vícios, à concupiscência e aos desregramentos pessoais, ou se prejudicou os seus semelhantes e, particularmente, os seus familiares, aos quais tem a responsabilidade de ajudar, ou se lesou, de alguma forma, a Natureza que a acolhe dadivosamente, deverá receber como retribuição, algumas vezes na própria vida ou, certamente, na vida futura, o sofrimento que lhe corresponde como forma de ressarcir a referida falta, à qual está ligada pelos vínculos da Lei de Causa e Efeito.
1 - Causas das Doenças Cármicas
As faltas cometidas no passado, que podem ser responsáveis pelas doenças cármicas, estão entre os vícios, como os causados pelo cigarro, pelas bebidas alcoólicas, pelas drogas, e mesmo pelo uso, sem controle, de medicamentos psicotrópicos, utilizados no tratamento de distúrbios mentais; a agressividade humana, como a violência, a maldade, o sequestro, o estupro, o roubo, o assalto, o terror, o homicídio, a exploração dos semelhantes nas suas diferentes modalidades; o suicídio premeditado, o sacrifício do organismo por privações inúteis e outras formas de agressão ao próprio corpo; o hábito de se entregar a pensamento negativos, como os impregnados por emoções de ódio, ciúme, inveja, raiva, tristeza, calúnia, insatisfação; os desvios da sexualidade e os estados de vida pautados na ociosidade, no mau emprego de posições de responsabilidades social ou administrativa, prejudicando os semelhantes e constituindo mau exemplo para a sociedade.
As faltas cometidas no passado, responsáveis por sofrimentos que ocorrem na vida atual, podem ter sido cometidas pela própria pessoa ou pelos seus familiares, visto existirem laços espirituais muito estreitos entre os mesmos. Esses laços devem ser mantidos sempre que possível, pela afeição que deve unir as pessoas, visto ser a família a escola primeira, para a vivência do amor fraterno entre os seres humanos.
Todas as pessoas têm vínculos muito profundos com os seus familiares, vínculos que transcendem a existência atual, de sorte que a dor que as açoita pode decorrer não apenas de fatores oriundos de si mesmas, também, de seus entes queridos, como lembra a mensagem sobre o cego de nascença cujo mal poderia ter sido causado por si mesmo ou pelos seus familiares. (Jo 9, 1-3)
Além dos vínculos familiares, as pessoas tem relacionamentos coletivos. Elas podem ter ajudado ou prejudicado outras criaturas, razão pela qual, além do carma individual, existe o carma familiar e o carma coletivo. O carma coletivo explica como, na ocorrência de acidentes, catástrofes, muitas pessoas podem estar envolvidas no mesmo sofrimento, sem ser por acaso. Não é só a má sementeira que produz maus frutos. Certos comportamentos aparentemente inofensivos podem ser danosos à própria alma, como o não aproveitamento das oportunidades que lhe foram proporcionadas durante a existência terrena, geram, igualmente, má colheita no futuro.
Do mesmo modo, a inatividade, a inércia, a ociosidade, a preguiça física e mental, são igualmente nocivas à alma, que não pode manter-se estagnada em face das leis às quais está vinculada. Toda pessoa em condições de saúde compatíveis com a realização de alguma modalidade de trabalho, deve esforçar-se para ser útil a si mesma e ao próximo.
2 - Manifestações das Doenças Cármicas
Respeitadas as leis da hereditariedade, o espírito atua no ser humano como modelo organizador biológico, desde a formação da célula-ovo, transmitindo para o corpo físico as impressões registradas no perispírito, oriundas das ações cometidas pela própria alma em vida pregressa. Assim, certas malformações e males congênitos e a predisposição para um grande número de doenças e transtornos que ocorrem durante a vida, são causados pela atuação do espírito, que projeta no organismo, desde o momento de sua formação, o conteúdo do bem ou do mal que estiver registrado nas malhas do seu perispírito.
As doenças cármicas podem acometer as pessoas em todas as idades, e seu reconhecimento não é feito pelos recursos para diagnósticos comumente utilizados na Medicina, os quais se apresentam repetidamente negativos. A compreensão das mesmas está relacionada a fatores que têm suas causas em faltas cometidas no passado, vinculadas à própria alma. Entre as perturbações que se enquadram como doenças cármicas, podem ser lembradas algumas limitações orgânicas e psíquicas, certas formas de paralisias, patologias congênitas sem possibilidades de reequilíbrio, certos casos de esquizofrenia, algumas modalidades de câncer, de doenças degenerativas, tendência para os vícios, para a agressividade, alguns casos de acidentes individuais ou coletivos, certas neuroses, síndromes do medo, de angústias, de ansiedade incontidas, certos tipos de enxaqueca, de insônia, de depressão, de pânico.
Joanna de Ângelis, no livro Plenitude, página 33, 6° parágrafo, comentando certas formas de transtornos psíquicos, oriundos de causas ocorridas no passado, que podem passar despercebidos aos semelhantes, afirma: "Transitam, ainda, na Terra, portadores de expiações que não trazem aparência exterior. São os seres que estertoram em conflitos cruéis, instáveis e insatisfeitos, infelizes e arredios, carregando dramas íntimos que os estiolam, afligindo-os sem cessar. Podem apresentar aparência agradável e conquistar simpatia, sem que se liberem dos estados interiores mortificantes".
É a própria consciência das criaturas que conhece as causas do seu sofrimento cármico. São seres que se comportam como almas penadas que sofrem em silêncio, embora haja outros que se lastimam continuamente, sem encontrar alívio para suas angústias e padecimentos. Enquadram-se ainda, como manifestações cármicas, entre outras, certas injúrias, desigualdades sociais e econômicas, as dificuldades para realizações pessoais nos estudos, nas artes e em alguns empreendimentos da vida.

Fonte: Dr. Roberto Brólio- A Casa do Espiritismo