Seguidores

terça-feira, 8 de agosto de 2017

“EXISTE A HORA CERTA PARA MORRER”?

Não sou dos espíritas que consideram O Livro dos Espíritos como Verdade única e absoluta. Nossas verdades são relativas ao nosso grau de entendimento. Mas, nesta questão 853 a resposta é tão enfática que, mesmo analisada em conjunto ou por comparação a outras questões do mesmo e de outros livros da codificação, não deixa muita margem a dúvidas:
853. Algumas pessoas só escapam de um perigo mortal para cair em outro. Parece que não podiam escapar da morte. Não há nisso fatalidade?
“Fatal, no verdadeiro sentido da palavra, só o instante da morte o é. Chegado esse momento, de uma forma ou doutra, a ele não podeis furtar-vos.”
a) — Assim, qualquer que seja o perigo que nos ameace, se a hora da morte ainda não chegou, não morreremos?
“Não; não perecerás e tens disso milhares de exemplos. Quando, porém, soe a hora da tua partida, nada poderá impedir que partas. Deus sabe de antemão de que gênero será a morte do homem e muitas vezes seu Espírito também o sabe, por lhe ter sido isso revelado, quando escolheu tal ou qual existência.”
Esse posicionamento é reforçado na questão 738, ao afirmar que “venha por um flagelo a morte, ou por uma causa comum, ninguém deixa por isso de morrer, desde que haja soado a hora da partida.”
Ao reencarnarmos, temos, devido a fatores genéticos e energéticos, uma expectativa de vida. Podemos alterar esta expectativa para mais ou para menos, conforme os cuidados com o corpo físico e com as energias e emoções. André Luiz, um exemplo clássico, foi considerado, até certo ponto, suicida, pois encurtou a sua passagem pela matéria pelo descuido. Os principais eventos de nossa existência estão, de certo modo, previstos pelas características de nossas vidas:
258. Quando na erraticidade, antes de começar nova existência corporal, tem o Espírito consciência e previsão do que lhe sucederá no curso da vida terrena?
“Ele próprio escolhe o gênero de provas por que há de passar e nisso consiste o seu livre-arbítrio.”
Quanto a acidentes, tragédias, homicídios, não posso acreditar em acaso puro e simples. Tudo e todos estão interligados. Temos que considerar que a soma de tudo o que pensamos, falamos e fizemos até hoje, em todas as nossas reencarnações e nos intervalos entre elas, forma o que nós somos hoje. Cada um de nós tem um campo energético único de atração ou repulsão que atrai ou repele pensamentos, imagens, palavras, intenções e ações. A lei de atração e repulsão, que Allan Kardec, utilizando-se de um vocabulário científico de meados do século XIX, chamava de Lei de assimilação e repulsão dos fluidos, age invariavelmente. Nós exteriorizamos, invariável e continuamente o reflexo de nós mesmos, nos contatos de pensamento a pensamento, sem necessidade de palavras para as atrações ou repulsões essenciais.
É claro que temos que considerar os atentados contra o livre-arbítrio, como o aborto, mas, mesmo aí, a hipótese de ele se concretizar já existia antes da concepção. Reencarnamos com um conjunto de possibilidades a desenvolver. As condições em que reencarnamos – tempo, lugar, meio, pessoas – somadas às nossas características, já deixa quase estabelecido o que pode ou não pode acontecer.
Onde há livre-arbítrio não há certeza. Ninguém nasce pra ser assassino ou assassinado, mas a tendência que o espírito tem de tirar a vida alheia, somada ao meio e às influências que há de sofrer, faz dele um assassino em potencial; do mesmo modo que há grande probabilidade de alguém com histórico semelhante ao do assassino, mas em estágio de arrependimento e regeneração, ser assassinado. Em seu subconsciente há a culpa, e o sentimento de culpa atrai para si irresistivelmente o alvo da culpa que nutre. Isso sem contar a influência direta dos espíritos, que, conforme nos indicam as questões 459 e 461,   é muito maior do que costumamos imaginar. “Influem a tal ponto, que, de ordinário, são eles que vos dirigem”. Influenciamos e somos influenciados continuamente, e muitos dos pensamentos e ideias que passam por nossas cabeças são sugeridos pelos espíritos, “dando a impressão de que alguém nos fala”.
Tratei, no meu site, há pouco mais de um ano, da tragédia de Santa Maria, em que muitos jovens morreram em decorrência de um acidente.
Para mim é evidente, dadas as características que envolveram o fato, que se trata de um resgate coletivo. Nem precisamos imaginar que haja um planejamento para que isso aconteça. Sabemos que os semelhantes se atraem e que isso se dá, antes de mais nada, pelo pensamento. As condições que uniam estes espíritos os reuniram automaticamente, assim como dentre milhões de espermatozoides, um é atraído para o óvulo. O que determina a seleção do espermatozoide é a natureza do espírito, um determinado espermatozoide, o mais adequado, sintoniza com ele.
Entre os jovens vitimados provavelmente havia espíritos que não pertenciam ao mesmo “carma”, que foram vitimados pela fatalidade de outros; mas, ainda assim, algo em seu passado, algum traço de sua natureza os impeliu para este episódio.
Não posso acreditar em acaso. Não creio que tudo que se relacione à morte esteja escrito, pois há o livre-arbítrio, mas há forças muito maiores que a nossa pequena consciência. A maior parte de nossos pensamentos, palavras e ações são comandadas pelo nosso subconsciente. Agimos com consciência plena uma mínima parte de nossas vidas. Tente concentrar-se numa palavra qualquer deste texto por um minuto. Um minuto apenas…
Você não consegue, porque não tem o domínio dos seus pensamentos. É o seu subconsciente que faz quase tudo por você. O controle sobre as nossas vidas pela nossa consciência é muito menor do que queremos aceitar. Não somos apenas o que aparentamos ser; temos outros níveis de consciência sobre os quais o nosso controle é muito menor ou nulo. Uma evidência disso são os sonhos em que, mesmo com algum grau de lucidez, agimos de forma bem diferente do que agiríamos em estado de vigília.

Morel Felipe Wilkon