Seguidores

quarta-feira, 19 de julho de 2017

“O BEM E O MAL. PORQUE TODOS NÓS FAZEMOS MAIS O MAL DO QUE O BEM? ”

Esta sentença de Sócrates, mais tarde ratificada pelo apóstolo Paulo em carta dirigida aos romanos (Rm., 7:19) ao afirmar: Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço, fere a grave questão da predominância (ainda) do mal em nosso Orbe.
Em absoluta sintonia com esses dois Espíritos iluminados, está outra criatura, também de escol, Joanna de Ângelis, ao enunciar em palestra de Divaldo Pereira Franco: Enquanto o bem e a virtude andam na semiobscuridade com sandálias de veludo, o mal e o vício ganham título de cidadania nas praças públicas sob os “spotlights” da promoção.
Afirma Allan Kardec, na Introdução do livro O Evangelho segundo o Espiritismo, que a predominância do mal na Terra seria uma questão insolúvel sem o conhecimento da pluralidade dos mundos habitados e da destinação do planeta terreno, que comporta apenas uma fração mínima da Humanidade.
Somente o Espiritismo tem condição de lançar luzes nos panoramas descortinados por tal assunto, conforme comprovamos nas explanações contidas no livro citado, capítulos III a V. Ali passamos a compreender porque os meios de comunicação enfatizam tão prodigamente os escândalos, os crimes, toda sorte de coisas más, tristes e quejandos: é porque esse tipo de abordagem torna-se repasto de ampla ressonância nos Espíritos vinculados ao planeta, elevando o nível do ibope que as emissoras perseguem.
A Humanidade encarnada e desencarnada da Terra ainda se compraz no mal. É o estágio evolutivo atual, que leva os Espíritos do Senhor à seguinte assertiva: Os maus são intrigantes e audaciosos, os bons são tímidos. Quando estes o quiserem, preponderarão.[1]
Quando o homem moral substituir o homem carnal, a vida na Terra alcançará patamares morais elevadíssimos nunca dantes logrados. A preponderância até hoje do homem-matéria é que tem ensejado o advento de dores acerbas e lastimáveis desastres de ordem moral e material no mundo.
Explica ainda o mestre lionês[2]: O homem carnal, mais preso à vida corpórea do que à vida espiritual, tem, na Terra, penas e gozos materiais. Sua felicidade consiste na satisfação fugaz de todos os seus desejos. Sua alma, constantemente preocupada e angustiada pelas vicissitudes da vida, se conserva numa ansiedade e numa tortura perpétuas. (…)
O homem moral, que se colocou acima das necessidades factícias criadas pelas paixões, já neste mundo experimenta gozos que o homem material desconhece. A moderação de seus desejos lhe dá ao Espírito calma e serenidade. Ditoso pelo bem que faz, não há para ele decepções e as contrariedades lhe deslizam por sobre a alma, sem nenhuma impressão dolorosa deixarem.
Quando abandonar os padrões grosseiros da matéria, o homem experimentará, então, a felicidade reservada aos bons Espíritos, isto é, aqueles que conhecem todas as coisas e não sentem mais nem (…) ódio nem ciúme, nem inveja, nem ambição, nem qualquer das paixões que ocasionam a desgraça dos homens. O amor que os une lhes é fonte de suprema felicidade. Não experimentam as necessidades, nem os sofrimentos, nem as angústias da vida material. São felizes pelo bem que fazem.
Contudo, a felicidade dos Espíritos é proporcional à elevação de cada um. Somente os puros Espíritos gozam, é exato, da felicidade suprema, mas nem todos os outros são infelizes. Entre os maus e os perfeitos há uma infinidade de graus em que os gozos são relativos ao estado moral. Os que já estão bastante adiantados compreendem a ventura dos que os precederam e aspiram a alcançá-la. Mas, esta aspiração lhes constitui uma causa de emulação, não de ciúme. Sabem que deles depende consegui-la e para a conseguirem, trabalham, porém, com a calma da consciência tranquila e ditosos se consideram por não terem de sofrer o que sofrem os maus. [3]
Quando pensamos nas modificações que ainda precisam ser operadas para que a frase de Sócrates em epígrafe perca o seu conteúdo e sentido, nos perguntamos: Quando isso se dará? Quando a Humanidade viverá sob o pálio dos ensinamentos de Jesus?!
Para que chegue esse tempo de sublimes alvíssaras, é necessário começar já, hoje, agora, o difícil trabalho de lapidação das arestas do arraigado orgulho e da ancestral ignorância de tão triste memória, geradora de descalabros de vária ordem na História da Humanidade.
Os Benfeitores da Terra estão sempre conclamando-nos a perseverar no Bem, ainda que sob o acicate das mais duras adversidades…
É áspero, estreito e árduo o caminho evolutivo e Jesus alertou-nos sobre isso quando falou das aflições (Jo. 16:33) a que estaríamos sujeitos em nosso périplo terrestre. Mas, por outro lado, Ele afirmou que socorreria as ovelhas em apuros e salvas estariam as que até o fim perseverassem.
Bibliografia: 1 – KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. 88. ed. Rio [de Janeiro]: FEB, 2006. q. 932.
Por Rogério Coelho

Autor: Rogério Coelho

“A MARCA DA BESTA DO APOCALIPSE É UM CHIP?”

Você certamente já ouviu falar na marca da Besta do Apocalipse. Milhões de pessoas acreditam que a marca da Besta é um chip que será instalado compulsoriamente na mão direita ou na testa de todas as pessoas. Há vídeos que tratam do assunto, no Youtube, com mais de um milhão de visualizações.
Esse chip realmente existe. Há projetos, desde a década de 90, de unir todos os documentos e outras informações relevantes, como o grupo sanguíneo, por exemplo, num chip subcutâneo. Hoje já existe essa tecnologia e ela já é usada por pessoas e por animais.
O chip é instalado em animais, como o gado, para consumo humano, para facilitar o rastreamento do animal, caso ele se perca, e para reunir informações sobre a sua origem e os cuidados com a sua criação – o que chamam de controle de qualidade.
Nos humanos, além de reunir documentos e outras informações, o chip contém os seus dados bancários e permite o rastreamento no caso de sequestro. A ideia é que com o tempo o chip substitua o monte de documentos que nós somos obrigados a fazer: RG; CPF; carteira de habilitação; certificado de reservista, para os homens; comprovante de residência; declaração do imposto de renda; e, principalmente, todos os dados bancários: o chip vai dispensar o uso dos cartões magnéticos.
Você vai ao mercado e ao passar pelo caixa o valor da sua compra será debitado automaticamente da usa conta. Isso dispensará completamente o uso do dinheiro físico. Não existirá mais dinheiro físico, só dinheiro virtual.
Esse sistema, como toda tecnologia, tem seus prós e contras. Os prós é que a vida se torna cada vez mais prática. Não precisaremos confeccionar documentos: receberemos um número ao nascer e esse número irá nos acompanhar durante toda a existência. Teremos mais segurança, pois a qualquer momento será possível identificar a nossa localização por satélite. Também será possível descobrir a localização e grande parte das atividades dos criminosos, facilitando a sua captura. Isso acabaria com o narcotráfico da maneira como ele funciona hoje, pois o narcotráfico lida com dinheiro vivo, já que não pode declarar esses valores. O mesmo aconteceria com o terrorismo.
Mas isso também oferece alguns pontos desfavoráveis: será possível todos nós sermos cada vez mais manipulados.
Você recebe o seu salário. Os organismos de controle, sejam eles governamentais ou financeiros, vão saber tudo sobre você: quanto você gasta, quando você gasta, o que você consome, com quem você consome, que lugares você frequenta, quanto tempo você permanece nesses lugares, enfim, não haverá mais segredos.
Hoje já é possível saber muito sobre você. O Facebook, por exemplo, mostra, na sua linha do tempo, as coisas que você mais costuma acessar. No final do Governo Dilma, por exemplo, só o que aparecia no Facebook eram notícias e comentários a respeito do Governo, seja contra ou a favor. As pessoas não deixaram de postar outras coisas. Mas como você deu atenção a isso algumas vezes, foi isso que o Facebook passou a mostrar para você. O mesmo acontece com as propagandas no Facebook e no Google. As propagandas que aparecem para você seguem o seu padrão de procura na internet. Se você pesquisar sobre carros, por exemplo, logo irão aparecer anúncios de carros nos sites que você abrir.
– Mas o que a Besta do Apocalipse tem a ver com isso?
Para milhões de pessoas, o chip é a marca da Besta mencionada no livro do Apocalipse, que é o último livro da Bíblia.
Mas as pessoas que acreditam que a marca da Besta é o chip estão se baseando nessa passagem do Apocalipse:
“A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome.” Apocalipse 13:16-17
Num primeiro momento, lendo apenas essa passagem do Apocalipse, podemos ter a impressão de que realmente o chip tem todas as características da marca da Besta: Quando o chip for implantado (se realmente ele for implantado como uma coisa generalizada) ninguém poderá fazer qualquer transação comercial sem ter o chip. Ou seja, ninguém poderá comprar ou vender se não tiver o chip – quem não tiver o chip estará excluído da sociedade formal, pois não poderá ter emprego nem comprar nem vender nada – não poderá fazer nada que envolva dinheiro: a solução seria voltar ao escambo, o antigo sistema de trocas de produtos.
Mas vamos analisar melhor essa passagem do Apocalipse para ver se realmente essa teoria de que o chip é a marca da Besta tem fundamento ou não.
Em Apocalipse 7:1-3 nós encontramos o seguinte:
“Depois disto, vi quatro anjos em pé nos quatro cantos da terra, conservando seguros os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem sobre árvore alguma.
Vi outro anjo que subia do nascente do sol, tendo o selo do Deus vivo, e clamou em grande voz aos quatro anjos, aqueles aos quais fora dado fazer dano à terra e ao mar, dizendo: Não danifiqueis nem a terra, nem o mar, nem as árvores, até selarmos na fronte os servos do nosso Deus.”
Nós encontramos nesta passagem duas vezes a palavra “selo”: o selo do Deus vivo e depois “até selarmos na fronte os servos do nosso Deus”.
Nós sabemos que todo o Novo Testamento foi escrito originalmente em grego. “Selo” é a tradução da palavra grega sphragis (σφραγίς), que se refere exatamente a um selo, um anel de sinete, a impressão de um selo. Antigamente a assinatura era executada por meio de um selo – uma espécie de pequeno carimbo, às vezes usado como um anel, que era impresso em argila ou cera quente para registrar a sua marca.
No capítulo 13, em que fala sobre a marca da besta, a palavra “marca” é a tradução da palavra grega xaragma (χάραγμα). Embora sejam palavras diferentes, o sentido das duas palavras, no texto, é exatamente o mesmo: xaragma quer dizer gravura, selo, sinal, uma marca de identificação.
Isso era comum no tempo em que o Apocalipse foi escrito. E a Bíblia fala, aqui mesmo, no Apocalipse, do selo de Deus, ou seja, da marca de Deus.
Para nós não ficarmos só no Apocalipse, nós vemos que na carta de Paulo aos Efésios, também é mencionado o selo de Deus:
“(…) em quem também vós, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, tendo nele também crido, fostes selados com o Santo Espírito da promessa.” Efésios 1:13
Aqui na carta aos Efésios o selo de Deus é o Espírito Santo – o selo ou a marca de Deus é uma coisa absolutamente espiritual, não tem nada de material.
Mas a Bíblia está cheia de referências a marcas. Preste atenção nessa passagem de Ezequiel:
“(…) e lhe disse: Passa pelo meio da cidade, pelo meio de Jerusalém, e marca com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela.
Aos outros disse, ouvindo eu: Passai pela cidade após ele; e, sem que os vossos olhos poupem e sem que vos compadeçais, matai; matai a velhos, a moços e a virgens, a crianças e a mulheres, até exterminá-los; mas a todo homem que tiver o sinal não vos chegueis; começai pelo meu santuário.” Ezequiel 9:4-6
Veja a imagem de Deus que se tinha no Antigo Testamento – por isso que a Bíblia não pode ser levada ao pé da letra. Aqui nós vemos Deus mandando matar todo mundo, até as crianças. E ainda diz: – Não vos compadeçais! – era para matar sem pena! Só não seria morto, aqui, quem tivesse a marca na testa (ou na “fronte”).
Essas marcas eram comuns na Antiguidade. Os soldados eram marcados, os escravos eram marcados e muitos seguidores de religiões pagãs eram marcados. Hoje nós marcamos o gado e os cavalos como um sinal de propriedade.
Em 3 Macabeus, um livro considerado apócrifo pelos católicos e protestantes, mas aceito pela Igreja Ortodoxa, nós vemos que os judeus foram perseguidos pelo rei egípcio Ptolomeu IV. Os judeus que se submetiam ao cadastramento imposto pelo rei eram marcados com o desenho de uma folha de trevo. Esse desenho identificava esses judeus como submissos ao deus Dionísio (3 Macabeus 2:29).
No tempo de Moisés, quando foi estabelecida a lei mosaica (que era tida como Lei de Deus), Deus ordena ao povo israelita:
“Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma, e atai-as por sinal na vossa mão, para que estejam por frontais entre os vossos olhos.” Deuteronômio 11:18
Na mão e entre os olhos, ou seja, na fronte. A ideia era que os israelitas tivessem a Lei de Deus sempre em suas mentes e em suas ações. Esse é o sentido.
A marca na mão e na fronte, então, não é nenhuma novidade do Apocalipse. Essas marcas fazem parte do contexto bíblico. O autor do Apocalipse está justamente se utilizando desse contexto para falar do que ele chama de “Besta”.
Mas a passagem do Apocalipse que fala da marca da Besta diz que quem não tiver a marca não poderá comprar ou vender.
No capítulo 9 do Evangelho de João, quando Jesus curou o cego de nascença, é dito que os fariseus expulsariam da sinagoga qualquer um que confessasse que Jesus era o Cristo, ou seja, o messias esperado pelos judeus. A expulsão da sinagoga era uma coisa muito temida pelos judeus.
– Por que a expulsão da sinagoga era tão temida?
Porque, entre outras coisas, quem fosse expulso da sinagoga era excluído da sociedade, e não podia comprar ou vender nada. Isso era comum no tempo em que o Apocalipse foi escrito. O autor do Apocalipse não está fazendo previsões com quase dois milênios de antecedência. Não! Ele está se utilizando de usos e costumes comuns na sua época.
O Apocalipse não é um livro profético. A linguagem obscura do Apocalipse se presta a incontáveis interpretações diferentes. Algumas totalmente absurdas, outras, como a passagem que fala da marca da Besta, podem levar ao engano as pessoas que não são dadas ao estudo.
Mesmo sabendo disso, algumas pessoas podem se questionar a respeito do chip que será implantado nas pessoas. Não sabemos se será implantado em todo mundo. Possivelmente, sim.
Não podemos negar que é um avanço tecnológico que vem facilitar a vida. Não podemos negar, também, que seremos cada vez mais controlados pelos detentores do capital internacional.
A tecnologia, na verdade, vem imitando a capacidade mental do ser humano – ou melhor, a mente humana está se manifestando através da tecnologia. Nas profundezas da nossa mente não há segredos para nós. No plano astral (que ainda é muito distante do plano mental), espíritos mentalmente desenvolvidos podem ler pensamentos e tomar conhecimento de fatos à distância. São capacidades que todos nós temos, mas que não conseguimos desenvolver plenamente por causa da densidade do plano material em que vivemos.
A tecnologia vem implantando, aos poucos, inovações que são características comuns a todos nós.
Particularmente, acredito que o implante do chip será uma realidade em breve. Vai começar por pessoas consideradas importantes, e aos poucos algumas classes irão adotar essa tecnologia. Com o tempo, se essa prática se generalizar, haverá o surgimento de pequenas comunidades alternativas que viverão fora do sistema.
Isso não é profecia – É para onde os fatos apontam nesse momento – evidentemente, na minha visão.

Morel Felipe Wilkon

terça-feira, 18 de julho de 2017

"CARTAS PSICOGRAFADAS CONFORTAM MÃE QUE PERDEU O FILHO EM ACIDENTE DA TAM EM 2007"

Elisabete perdeu o filho Vinícius no acidente da TAM. Ele era piloto da companhia, mas morreu a bordo como passageiro do voo 3054

Em um ano, além da tragédia da TAM, que lhe tirou o filho mais velho, Elisabete também perdeu a mãe. "A vida não nos diz assim: 'Tá, agora chega, parou de sofrer'. Não é apertar um botão. Seis meses depois que meu filho partiu, a minha mãe partiu. Eu era necessariamente obrigada a conseguir lidar com aquilo que estava dentro de mim, que eram muitas perdas. Foi muito, muito difícil",
desabafa.
A psicoterapeuta parou de trabalhar, entrou em depressão e passou meses à base de antidepressivos. "O dia do acidente foi horrível, horrível. Quando eu cheguei do consultório em casa, larguei a bolsa no sofá e vi o rabo do avião na televisão. Naquela hora eu levei uma paulada na cabeça", recorda.
"Eu fiquei sentada num sofá por quase cinco anos".
Hoje Vinícius teria 34 anos de idade. E já teria realizado sonhos, como o de ser piloto, e isso conforta um pouco a mãe. "Ele nunca foi de brincar com carrinho, o brinquedo dele sempre foi avião", frisa.
O espiritismo, segundo ela, também ajudou a cicatrizar a ferida.
A doutrina a fez compreender um pouco melhor a perda.
"Eu sempre fui espírita. Meu filho foi criado na religião espírita, os dois. Isso me ajudou, sim. Mas eu briguei com Deus. Eu culpei ele. Por que ele tinha que levar o meu filho? Por que ele foi tão egoísta assim? Mas depois eu percebi que a egoísta era eu, que queria que o
Vinícius ficasse aqui", explica.
Através de cartas psicografadas, Elisabete diz ter tido notícias do filho. Ela as recebeu de 2007 a 2015. Ela afirma que as mensagens a fortaleceram para seguir adiante.
"Eu busquei ouvir muito o Vinícius. Eu tenho mais de 300 cartas psicografadas dele aqui. Ao longo desses anos todos, ele foi me mandando mensagens e eu fui guardando. E isso me confortou", afirma.
Carta:

"Queridos Elisabete e Carlos, podemos viver muitas e muitas vidas numa só, fazendo com que cada dia seja um recomeço, talvez agindo assim os humanos fossem mais felizes, se cada dia que começasse disséssemos: Minha vida esta começando agora e vai terminar no final do dia, viver-se-ia uma vida por vez e seria intensamente, mas não, quando estamos no corpo físico nos preocupamos com o amanhã, o maldito amanhã, e depois da amanhã, e na semana que vem, e no mês que vem, e o próximo ano, nosso pai criador, faz com que o sol nasça todos os dias e todos os dias se ponha, para que possamos viver todos os dias da eternidade, mas um dia por vez, somos eternos? Ah somos eternos, então não morremos e vamos viver sempre, mas quando perdemos o corpo, saímos fora do alcance dos sentidos do corpo, só do corpo, nosso sentimentos continuam, nossas relações continuam, nosso relacionamento continua, tudo continua, tudo como era antes, menos nossas percepções corporais, mas todas as percepções sentimentais e espirituais... então porque não voltou antes, principalmente os de menos idade? Eu respondo... E para os que ficam descubram a resposta dessa pergunta, não só descobrirem com a razão mas com o coração, nesta busca irão desvendar os mistérios da eternidade, nada é para sempre, muito menos a separação, inclusive neste caso, no nosso caso, não há separação, mãe um grande beijo, Carlos, um grande abraço bem apertado.


Vinícios

“OBSESSORES- UMA BATALHA ENTRE A LUZ E AS TREVAS. ”

Existe uma intensa atividade permeando o universo físico e o espiritual. Forças e energias espirituais influenciam a vida dos encarnados, muitas vezes de forma negativa, provocando comportamentos e atitudes negativas, criando uma atmosfera densa de ódio e desespero. Esses espíritos ligados aos vivos e distantes da grande Luz Divina, vivem só para isso. Estamos falando dos obsessores.
Obsessão: substantivo feminino. 1 – Diacronismo: antigo. 2 – Suposta apresentação repetida do demônio ao espírito. 3 – Apego exagerado a um sentimento ou a uma ideia desarrazoada. 4 – Ação de molestar com pedidos insistentes; impertinência, perseguição, vexação.
Se pudéssemos enxergar o mundo espiritual como vemos o universo físico, perceberíamos um grande número de espíritos passando por nós a todo instante: em nossas casas, no trabalho e nas mais diversas atividades,  tanto interagindo como atuando junto ao mundo dos encarnados.
Na Terra, existe um sem-número de forças espirituais, e nem todas com “boas intenções”. Na verdade – segundo a literatura espírita obtida até os dias atuais por meio de psicografias, mensagens e contatos mediúnicos – o plano de evolução espiritual em que se encontra nosso planeta o leva a ser um local de expiação, no qual se concentra um grande número de espíritos vibrando nas baixas frequências.
Esses espíritos vivem imersos em correntes energéticas e emocionais de ódio, raiva, egoísmo, amor não-correspondido, entre outras emoções, e estão de tal forma presos ao plano físico que muitos acreditam ainda estar em seus corpos carnais. Assim, vivem próximos das pessoas com as quais um dia conviveram,  afastando-se dos planos espirituais mais elevados e atrasando sua reencarnação.
Entre esses espíritos, ainda existem aqueles que têm a consciência de que estão mortos e que não habitam mais um corpo físico; mas como ainda estão presos às vibrações mais baixas do mundo espiritual, realizam ações que visam prejudicar os vivos e atrapalhar ao máximo a vida e a evolução espiritual de suas vítimas encarnadas. Esses espíritos são os que chamamos de obsessores.
A Obsessão Nasce
Eles nascem de diversas formas. Sua sensibilidade à Luz Divina foi embrutecida pelo tempo e por sua natureza moral. Eles ficam estagnados num círculo vicioso e numa obstinação tão intensa que não é raro se esquecerem quando e por  que tudo começou.
Na maioria das vezes, estão tão cansados e vivem há tanto tempo nessa condição que não sabem mais como caminhar em direção ao esclarecimento e à Luz de Deus, necessitando assim de toda ajuda que lhes possa ser fornecida.
É fácil para nós imaginarmos o surgimento de tais obsessões pelo caminho do ódio. Afinal, sabemos do que os homens são capazes quando tomados pela raiva descontrolada; mas também surgem obsessões, até mais graves, em virtude do amor. O amor gera correntes que, unidas a outros sentimentos (egoísmo, apego, carência afetiva intensa, falta de autoestima), podem produzir obsessões.
A revolta, a dor, a raiva, podem mudar a energia do amor; basta que exista um grande apego alimentado por um forte egoísmo, gerado num coração que viva uma grande carência, e teremos um espírito que sentirá uma grande dificuldade de se separar dos entes queridos.
Como o amor e o ódio estão separados por uma barreira quase imperceptível, em algumas oportunidades, imaginamos que um espírito está com ódio, quando, na verdade, ele pode estar escondendo a dor de um amor não correspondido; ou até mesmo pode ser uma entidade que ainda quer manter o apego que tinha em vida, agindo de forma a manter a outra pessoa presa ao círculo de sentimentos que demonstrava quando o espírito estava encarnado.
De todas as formas de obsessão, a gerada pelo amor é a pior de todas, pois aquele que ama sequer pode imaginar ou aceitar que, na verdade, está atrapalhando seus entes queridos. Ele acredita estar ajudando-os, supondo que não poderiam viver sem sua presença e auxílio.
A relação entre o obsessor e suas vítimas é variada e segue por caminhos tortuosos, mas que inevitavelmente levam à degradação física e moral do obsedado, o que, por fim, pode levar à “vitória” do espírito obsessor. Entre as formas conhecidas de obsessão, vamos a seguir analisar as maneiras de ataque.
O Ataque das Trevas
Partindo do que observamos até o momento, percebemos que as obsessões são as ações que influenciam os vivos, estimulando reações e semeando a discórdia e o ódio, nascido da força exercida pelos espíritos inferiores. Eles influenciam maleficamente, como os demônios das histórias bíblicas, e assim como ocorre nessas histórias, as formas do obsessor atuar também são sutis e intangíveis, e só após muito tempo é que se tornam evidentes. Mas podemos dividi-las da seguinte forma:
Obsessão Simples
O espírito obsesso por meio da sua vontade, motivado pelos mais diversos sentimentos, exerce uma persistência férrea, tenaz, influenciando em todas as áreas da vida de sua vítima, provocando a ira de pessoas próximas, atrapalhando seus relacionamentos, atuando por meio de sugestões de pensamento que vão contra a forma habitual da vítima agir.
Na maior parte das vezes, com o auxílio da autoanálise e do bom-senso, a vítima afasta esses pensamentos “ruins” e retoma o controle da sua vida. E quando esse tipo de ataque é detectado, cabe ao obsedado confiar no caminho espiritual e fazer sua vida um exemplo de luz e de dedicação pessoal, pois dessa forma afasta a chance de novos ataques. Procurando praticar o bem, ele estará pautando sua vida de acordo com os ditames dos grandes mestres e livrando-se da ação do obsessor.
Fascinação
Esse tipo de obsessão é das mais difíceis de quebrar, isso porque a vítima não acredita que está sob efeito de qualquer força negativa. Na verdade, algumas vezes, ela julga que é a única que não está obsedada, enquanto todos à sua volta estariam.
Nesse caso, o espírito obsessor vai se inserindo discretamente e ganhando espaço na vida do obsedado; como uma planta daninha, vai se enraizando, plantando desconfianças e medos, manias e desejos, até o ponto em que se instala definitivamente. A pessoa estará de tal forma envolvida que quase se forma uma simbiose psíquica que, caso se concretize, tornará ainda mais complexa a situação.
Nesse caso, o bom senso e a autocrítica se esvaem e a pessoa precisa de uma intensa ajuda espiritual, do mais alto nível, para superar o assédio dessa força maligna. Às vezes, a obsessão leva a delírios nos quais o obsedado acredita ser uma pessoa com uma “missão divina”, e pode até perder a razão, tornando-se um esquizofrênico, afastando-se do convívio social e, com o tempo, precisando de ajuda psiquiátrica.
Subjugação
É uma forma de obsessão na qual a vítima encarnada está sob domínio completo de uma força desencarnada. Quando esse tipo de obsessão ocorre, vemos a pessoa apática como se estivesse sonâmbula, tendo vontades que estão em desacordo com sua personalidade, e até afastando pessoas próximas que a critiquem ou que questionem suas “novas” atitudes.
O espírito obsessor não toma o lugar do espírito encarnado no corpo do obsedado. O que ocorre é uma supressão da vontade da vítima, por meio da supremacia da vontade do obsessor. Embora seja facilmente detectável, a sua cura exige uma mudança vibracional no obsedado, o que envolve uma grande disciplina moral e a aproximação aos ensinamentos e dogmas da Doutrina Espírita, de forma que leve o espírito obsessor a compreender sua falta e buscar o caminho da Luz Divina.
Auto Obsessão
Mas ainda existem aqueles que, mesmo desencarnados, estão obsedados; e o pior, por eles mesmos. Tais espíritos acreditam serem pessoas sem valor e não se perdoam pelos “erros” que acreditam terem cometido em vida.
Eles acham que jamais poderão receber a Luz Divina e reingressar na via reencarnatória, pois estão presos a uma neurose espiritual tão intensa que os cega a tudo à sua volta. Em grande parte das vezes, infligem a si mesmos os mais diversos castigos e, mesmo quando recebem a ajuda de outros espíritos e das almas iluminadas, eles argumentam que seus crimes são imperdoáveis e anseiam por “castigos” que possam “purificá-los”. Vivem acreditando que são indignos de qualquer perdão.
Mas a Luz Cura
Não existe como tratar a obsessão sem o apoio e o interesse de todas as pessoas envolvidas no caso. É necessário o envolvimento espiritual e pessoal para que tanto o obsessor quanto o obsedado se vejam livres das amarras que os prendem, de forma a alcançarem a luz e a liberdade.
Como a obsessão é um processo com profundas raízes espirituais, é preciso tomar cuidado e não agir solitariamente para debelar o problema. É sempre necessária a presença de um grupo considerável de médiuns, e o tratamento deve ser feito de preferência em um centro espírita ou outro local especializado nas práticas de curas espirituais.
A reunião para tratar tais casos tem características específicas, pois todos os esforços devem ser coordenados e deve-se agir com um grande senso de solidariedade e compaixão. Antes de começar o trabalho, é necessário definir o foco que será seguido, e todos deverão exercitar sua força de vontade de forma a que formem um só feixe de energia e de Luz Divina. O obsedado deverá ser assistido com práticas espirituais diárias, que sejam instrutivas e que lhe deem um forte alicerce. Além disso, deverá praticar atos sadios e desenvolver novamente a sua força de vontade, quebrando as amarras e correntes que foram forjadas no universo espiritual.
A prece, mesmo que seja uma oração pessoal e singela, é de grande valor na prática da cura da obsessão. Ela deve ser acompanhada por meditações e pelo aprofundamento da vítima nos assuntos espirituais, pois isso lhe dará os recursos necessários para ir além e renascer para uma vida plena e livre das vontades obsessoras.
Deve ser dada igualmente uma especial atenção ao ambiente e ao lar do obsedado, o qual deve ser limpo das manifestações dos espíritos baixos, pois eles se manifestam com mais facilidade em ambientes sujos, malcuidados e com grande quantidade de energia negativa estagnada. Para melhorar esses ambientes é preciso  livrar-se de plantas velhas e doentes, de coisas quebradas, e deixar o ar ventilar em todos os cômodos, além de sempre fazer orações e preces em todos os locais da casa onde se sinta a presença de forças obsessoras.
A família é uma grande chave para a cura da obsessão. É ela que torna possível a recuperação do obsedado, que fortalece a vítima por meio da infinita energia do amor e lhe dá a chance de recuperar o controle sobre sua vida. Recomenda-se a todos seguirem a prática espiritual da prece e a leitura de material espiritual inspirador. Dessa forma, cria-se uma corrente fluídica positiva em torno de todos, gerando a elevação da frequência vibracional dos espíritos em volta das pessoas que estão imersas na situação; assim, elas recebem cada vez mais força e energia desses espíritos iluminados, gerando um círculo virtuoso e próspero de amor e luz.
O processo obsessivo possui sempre raízes profundas, e a melhora do estado obsessivo varia em cada caso. Algumas vezes, não notamos sinais de melhora, pois cremos que tudo deve ser instantâneo, como se fosse um remédio engolido às pressas para uma dor de cabeça. Depois, quando se vê que a cura demandará semanas, e não dias, abandonam-se as práticas e surge a descrença quanto à eficácia da cura, buscando outros recursos para se ver livre do obsessor. Mas, não raro, tais caminhos apenas levam a mais dor e problemas.
A perseverança é a ferramenta principal para a libertação do obsedado, e ela é necessária para seguir o tratamento e atingir os objetivos e metas da plenitude, da paz e da liberdade. A Bondade Divina atende a todos mediante o empenho de cada pessoa, que e ela comunica ao universo, por meio de suas ações e dedicação, os caminhos e “atalhos” que lhe surgem à frente.
Autor: Alex Alprim
Fonte: Apostila de estudos do Centro Espírita Leonardo Oliveira
Divulgado pelo grupo VidaspassadasBr

https://br.groups.yahoo.com/neo/groups/vidaspassadasbr/inf

segunda-feira, 17 de julho de 2017

“O QUE PODE E O QUE NÃO PODE SER MUDADO EM NOSSO DESTINO? ”


A origem da fatalidade.
O foco de nossa consciência é ainda muito limitado.
Não nos preocupamos em saber quem nós somos e o que fazemos aqui; daí, os horizontes da vida ainda são muito estreitos para nós.
Isso faz com que em certas circunstâncias e em certos momentos tenhamos a impressão de que o destino não pode ser mudado; que estamos condenados pela fatalidade. E estamos enganados.
É fato que algumas coisas não podem ser recicladas em determinados momentos, mas apenas em virtude da nossa falta de vontade e da pobreza de capacidades. Num momento, fatalidade. No momento seguinte; pode surgir a possibilidade de mudança. No entanto, a possibilidade de mudar é inútil quando os braços estão cruzados na inércia; nesse padrão de atitudes concretizamos efeitos de escolhas inadequadas: sofredores; nós somos eleitores de pessoas; pouco ou nada capacitadas; a gerir nosso destino, cível, fiscal, amoroso...
A força que faz com que as coisas do destino aconteçam sob aparente descontrole, é proporcional ao tempo gasto para produzir aquele fato, à sua repetição; e à intensidade dos efeitos que nossas decisões provocaram como influência na vida de outras pessoas ou no meio ambiente.
Para começar a mudar o que nos desagrada em nossa vida; basta como primeiro passo, saber que nosso destino foi planejado e decidido por nós mesmos, pelas nossas escolhas e seus efeitos. E também pelas escolhas que outros fizeram em nosso nome; e que nós permitimos ou avalizamos nas urnas do além (vai votar em quem?).
Os outros não podem ser culpados pelas circunstâncias complicadas na atual existência; pois, as pessoas só interferem na minha vida e no meu destino se dou permissão; isso é lei.
Fatalidade é circunstância que não quisemos mudar – na hora e no momento de votar em quem.
Foi uma escolha que pode servir de aprendizado, consciente ou não; Vale sempre lembrar que somos pouco conscientes das coisas porque assim o queremos. Não há desculpas verdadeiras para a fuga ao conhecimento e das notícias que rolam por aí.
Em tempo: instrução não é educação para a vida e não é capaz de transformar um mau destino num bom destino.
Para mudar o destino é preciso conhecer as leis que regem nossas vidas; e agir de forma simples e prática para conseguir eficiência.
Como mudar o destino?
Quando lançamos de nós um pensamento, uma ideia, seguida ou não de uma atitude interagimos com tudo o que nos rodeia e com o Universo.
E, se os resultados não foram dos melhores; o que fazer?
Mais simples é impossível; basta mudar a polaridade:
Se nós prejudicamos; basta ajudar.
Quando ferimos; basta cuidar e auxiliar na cura.
Se nós mentimos; basta cultivar a verdade.
Quando odiamos basta amar.
O perdão natural é um jogo de forças que se somam ou se anulam. Numa linguagem ética denominamos isso: reparação. Como exemplo: todo ódio que lançamos no túnel do tempo e que a nós retornará, pode ser anulado com emissões de amor.
Mas, o perdão não cobra vantagens financeiras, por algo que pensamos ser certo na ocasião: nada ver com falsários ideológicos que cobram da sociedade problemas que só lhes fizeram sobressair como heróis que não foram; e que tornam malditos parasitas seus herdeiros das finanças da poupança do coletivo.
Todo desequilíbrio nas escolhas e nas atitudes retorna como sofrer. As sensações geradas são desagradáveis; o que nos leva à vontade de mudar; mas, se o padrão de atitudes não for corrigido, essas sensações retornam sempre, até que optemos pela mudança; até na hora de votar e escolher nossos representantes.
Mudamos o nosso destino com conhecimento, boa vontade, trabalho; e com o concurso do tempo. EDUCAÇÃO.
Empecilhos a serem descartados: Pensamento mágico. Crença em sorte, azar, etc.
Justificativas para não mudar: Perdão Divino paranoico baseado em arrependimento; coisas do tipo: Desculpa que não faço mais; mas continuo fazendo...
Sistema de crenças e valores sociais que cobram propinas para o Divino.
Todas as escolhas devem ser refeitas?
As de conformidade com a lei, não; pois, se emitimos equilíbrio ou amor no retorno a sensação de paz, felicidade e alegria não precisam ser reformadas.
O que estamos esperando?
A ampulheta do tempo está quase vazia de horas.

Américo Canhoto

“MORAL E CONHECIMENTO: DUA ASAS QUE NOS LEVAM A PERFEIÇÃO”

São duas as asas que nos levarão à perfeição
A tese de que a experiência na carne é indispensável ao progresso das almas, ou Espíritos, está bem definida em duas conhecidas questões d´O Livro dos Espíritos.
Na questão 132, tratando do objetivo da encarnação dos Espíritos, os imortais foram diretos: “Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê-los chegar à perfeição. Para uns, é expiação; para outros, missão. Mas, para alcançarem essa perfeição, têm que sofrer todas as vicissitudes da existência corporal: nisso é que está a expiação. Visa ainda outro fim a encarnação: o de pôr o Espírito em condições de suportar a parte que lhe toca na obra da criação. Para executá-la é que, em cada mundo, toma o Espírito um instrumento, de harmonia com a matéria essencial desse mundo, a fim de aí cumprir, daquele ponto de vista, as ordens de Deus. É assim que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta.”
Na questão 133, Kardec refere-se aos Espíritos que desde o princípio sempre seguiram o caminho do bem. Teriam eles também necessidade da encarnação? Eis a resposta, igualmente direta e objetiva: “Todos são criados simples e ignorantes e se instruem nas lutas e tribulações da vida corporal. Deus, que é justo, não podia fazer felizes a uns, sem fadigas e trabalhos, conseguintemente sem mérito.”
Uma questão que se impõe, em face dos ensinamentos ora transcritos, diz respeito ao modo, à forma, às condições em que a caminhada para a perfeição se realiza.
Devemos dar ênfase, nesse processo, somente às questões morais, em detrimento da busca do conhecimento? E quanto àqueles que buscam o conhecimento, mas negligenciam tudo o que diz respeito à vida moral?
A resposta a semelhantes questões vamos encontrar na obra “O Consolador”, que Emmanuel redigiu em 1940, por intermédio de Chico Xavier. Perguntaram-lhe: “A alma humana poder-se-á elevar para Deus, tão-somente com o progresso moral, sem os valores intelectivos?”.
O então mentor espiritual do saudoso médium respondeu: “O sentimento e a sabedoria são as duas asas com que a alma se elevará para a perfeição infinita. No círculo acanhado do orbe terrestre, ambos são classificados como adiantamento moral e adiantamento intelectual, mas, como estamos examinando os valores propriamente do mundo, em particular, devemos reconhecer que ambos são imprescindíveis ao progresso, sendo justo, porém, considerar a superioridade do primeiro sobre o segundo, porquanto a parte intelectual sem a moral pode oferecer numerosas perspectivas de queda, na repetição das experiências, enquanto que o avanço moral jamais será excessivo, representando o núcleo mais importante das energias evolutivas.” (O Consolador, questão 204.)
Anos depois - em 1954 - no prefácio que escreveu para o livro “Nos Domínios da Mediunidade”, de André Luiz, psicografado também por Chico Xavier, Emmanuel retomou o assunto para lembrar que o túmulo é uma porta à renovação, assim como o berço é acesso à experiência, e que nosso estágio na Terra é uma viagem com destino às estações do Progresso Maior. E advertiu: "Sem noção de responsabili­dade, sem devoção à prática do bem, sem amor ao estudo e sem esforço perseverante em nosso próprio burilamento moral, é impraticável a pe­regrinação libertadora para os Cimos da Vida." 
Eis providências que não poderiam faltar nas metas que traçamos relativamente à nossa própria existência, nem deveriam ser ignoradas por pais e mães com referência ao processo educacional de seus filhos.
Espiritismo e Conhecimento.



"REMÉDIOS PARA DORMIR E PARA ANSIEDADE: UM ATALHO PARA O ALÉM? SERÁ QUE VOCÊ PRECISA MESMO DELES?"

O estilo de vida atual nos levou a detonar com automatismos que levamos milhões de anos desenvolvendo. As pessoas desaprenderam: dormir, respirar, comer e até evacuar. Vivemos na Era dos sem tempo. Falta de aviso não foi – exemplo: “Não vos canseis pelo ouro” disse Jesus.
A sociedade da atualidade está voltada para os valores exteriores que instigam à competição a qualquer preço e, a qualquer custo; daí mede-se a criatura pelo que tem e não pelo que é; em razão do quanto pode e, não do que faz. A desordenada preocupação em adquirir a qualquer preço equipamentos, veículos e objetos de propaganda desarticula a nossa intimidade. Elevamos a ansiedade a níveis extremados apenas para sermos bem vistos e aceitos no meio social; nós nos angustiamos para vestirmos de acordo com a moda vigente; nós nos inquietamos para estarmos bem informados sobre temas sem importância. O sistema cria um conjunto de situações que abalam o equilíbrio emocional levando à perda da identidade, à desordem psicológica e à confusão de valores.
Não demora e tudo isso, se reflete no corpo ou conduz a distúrbios de conduta. A tendência é que esse estilo de vida produza cada vez mais vítimas entre aqueles distraídos pela conquista de valores transitórios sem a contrapartida da auto - realização e do aprimoramento pessoal.
Sob esse tipo de pressão constante é lógico que aumentem as tensões, frustrações, vícios, ansiedade, fobias que ajudam a reforçar as doenças psíquicas que podem materializar-se no corpo; uma vez que isso ocorra os problemas orgânicos desencadeiam novas dificuldades psicológicas, num círculo vicioso.
Quando não sabemos bem qual é a nossa tarefa de vida, transformamos o cotidiano numa mesmice diária; quase um inferno.
No mesmo trabalho repetimos a ação de ontem, com raiva ou desgosto. Fazemos sempre o mesmo trajeto no retorno ao lar. Buscamos as repetitivas formas de lazer: bar, bebida, clube, televisão, jornal e, sexo: relações para descarregar as tensões ou escapadas em motéis, onde insatisfeitos traem seus iguais. Saímos de férias programadas compradas a prestação, para visitarmos lugares tediosos com pessoas que nos desagradam. Quando conseguimos chegar à aposentadoria, nos desesperamos com as doenças e com as limitações naturais da idade. Sem contar que somos espoliados nos proventos; devido ás crises econômicas geradas por governantes corruptos ou despreparados. Vitimados, morremos, na maioria das vezes, na condição de descontentes e insatisfeitos; cujo destino é previsível: um dos umbrais do mundo espiritual, espoliados, agredidos; até que, por esforço próprio consigamos lugar numa colônia de regeneração.
Não contentes com isso: os modernos entretenimentos são baseados em emoções “fortes” que angustiam como terror, pânico e suspense, que amplificam a ansiedade o que interfere imediatamente nas secreções glandulares produzindo descargas de hormônios ligados ao instinto de sobrevivência sem que haja perigo real algum, o que desequilibra e faz adoecer, e pode levar á morte, aos poucos – até com a ajuda dos remédios, para que a vida desatinada termine mais cedo.
Inúmeros são os motivos que levaram a ansiedade a sair do controle. Quando o Mestre nos receitou viver com simplicidade, parcimônia e sensatez; estava nos alertando para os perigos da aceleração dos desejos e do egoísmo; da ânsia, ansiedade: angústia, aflição, grande inquietude, impaciência, sofreguidão, avidez de consumo, marca registrada da sociedade atual.
Aproveitei a notícia oferecida no site do Yahoo – para voltar ao assunto: Ansiedade – Distúrbios do sono.
Medicamentos para insônia e ansiedade aumentam risco de morte, diz pesquisa
Tomar remédios para tratar a insônia e a ansiedade aumenta o risco de mortalidade em 36%, de acordo com estudo publicado no Canadian Journal of Psychiatry. Isso porque, entre outros problemas, as pílulas para dormir e os ansiolíticos afetam o tempo de reação, atenção e coordenação das pessoas, podendo causar quedas e outros acidentes.
A pesquisa foi realizada pela professora Geneviève Belleville, da faculdade de psicologia da Universidade Laval, no Quebec, Canadá. Ela utilizou informações sobre 14 mil canadenses, com idades entre 18 e 102 anos, reunidas entre 1994 e 2007 pelo instituto de estatística nacional.
Durante esse período, 15,7% das pessoas que alegaram ter tomado ao menos uma vez medicamento contra a insônia ou a ansiedade no mês anterior à entrevista faleceram. Entre aqueles que relataram não ter usado esses medicamentos, a taxa de mortalidade foi menor, de 10,5%.
Após analisar fatores pessoais que podem interferir no risco de mortalidade - como o consumo de álcool e tabaco, a prática de atividade física e a presença de sintomas depressivos entre os participantes - Geneviève concluiu que o consumo de soníferos e ansiolíticos aumenta o risco de mortalidade em 36%.
Segundo a pesquisadora, esses medicamentos, além dos problemas já citados, podem gerar um efeito inibidor sobre o sistema respiratório, o que agravaria problemas de respiração durante o sono. Ambos também são inibidores do sistema nervoso central o que pode afetar o julgamento e, como consequência, aumenta o risco de suicídio.
Resolver o problema da ansiedade mórbida e da insônia é simples – mas, jamais será drogando-se.
Quantos medicamentos o amigo toma ao dia? – O que pode ocorrer da sua interação? – Quais poderiam ser deixados de lado? – Será que o uso continuado de medicamentos sem a contrapartida da tentativa de mudanças na forma de viver será considerado suicídio?

AMÉRICO CANHOTO-Xepa Côsmica.

domingo, 16 de julho de 2017

“OS TEMPOS SÃO CHEGADOS, QUANDO VIRES “FOMES”, “PESTES”, “TEMPESTADES”, “GUERRAS”, “TERREMOTOS”, NÃO VOS ASSUSTEIS, É O COMEÇO DAS DORES”

"Quem tem olhos de ver, que veja! "Quem tem ouvidos de ouvir, que ouça"! A Humanidade realizou, até este dia. Incontestáveis progressos; os homens, por sua inteligência, chegaram a resultados que jamais tinham atingido com relação às ciências, às artes e ao bem-estar material; resta-lhes, ainda, um imenso progresso a realizar: é o de fazer reinar entre eles a caridade, a fraternidade e a solidariedade, para assegurar o seu bem-estar moral.
Não o podiam nem com suas crenças, nem com suas instituições antiquadas, restos de uma outra época, boas em uma certa época, suficientes para um estado transitório, mas que, tendo dado o que elas comportam, seriam um atraso hoje.
Tal uma criança é estimulada por móveis, impotentes quando vem a idade madura. Não é mais somente o desenvolvimento da inteligência que é necessário aos homens, é a elevação do sentimento, e para isto é preciso destruir tudo o que poderia superexcitar neles o egoísmo e o orgulho.
Tal é o período onde vão entrar doravante, e que marcará as fases principais da Humanidade. Esta fase que se elabora neste momento, é o complemento necessário do estado precedente, como a idade viril é o complemento da juventude; ela podia, pois, ser prevista e predita antecipadamente, e é por isto que se diz que os tempos marcados por Deus são chegados.
Neste tempo, não se trata de uma mudança parcial, de uma renovação limitada a uma região, a um povo, a uma raça; é um movimento universal que se opera no sentido do progresso moral.
Uma nova ordem de coisas tende a se estabelecer, e os homens que lhe são os mais opostos nela trabalham com o seu desconhecimento; a geração futura, desembaraçada das escórias do velho mundo e formada de elementos mais depurados, achar-se-á animada de ideias e de sentimentos diferentes da geração presente que se vai a passos de gigante.
O velho mundo estará morto, e viverá na história, como hoje os tempos da Idade Média, com seus costumes bárbaros e suas crenças supersticiosas.
De resto, cada um sabe que a ordem das coisas atuais deixa a desejar; depois de ver, de alguma sorte, esgotar o bem-estar material, que é o produto da inteligência, chega-se a compreender que o complemento desse bem-estar não pode estar senão no desenvolvimento moral.
Quanto mais se avança, mais se sente o que falta, sem, no entanto, poder ainda defini-lo claramente: é o efeito do trabalho intimo que se opera para a regeneração; têm-se desejos, aspirações que são como o pressentimento de um estado melhor.
Mas uma mudança tão radical, quanto a que se elabora, não pode se realizar sem comoção; a luta inevitável entre as ideias, e quem diz luta, diz alternativa de sucesso e de revés; no entanto, como as ideias novas são as do progresso, e que o progresso está nas leis da Natureza, elas não podem deixar de se impor sobre as ideias retrógradas.
Forçosamente, desse conflito, surgirão as perturbações temporárias, até que o terreno seja desobstruído dos obstáculos que se opõem ao estabelecimento de um novo edifício social.
Da luta das ideias é que surgirão os graves acontecimentos anunciados, e não cataclismos, ou catástrofes puramente materiais. Os cataclismos gerais eram a consequência do estado de formação da Terra; hoje, não são mais as entranhas do globo que se agitam, são as da Humanidade.
A Humanidade é um ser coletivo em que se operam as mesmas revoluções morais que em cada ser individual, com esta diferença de que umas se cumprem de ano em ano, e as outras de século em século.
Que sejam acompanhadas, em suas evoluções através do tempo, e ver-se-á a vida das diversas raças marcadas por períodos que dão a cada época uma fisionomia particular.
Ao lado dos movimentos parciais, há um movimento geral que dá o impulso à Humanidade inteira; mas o progresso de cada parte do conjunto é relativo ao seu grau de adiantamento.
Tal será uma família composta de vários filhos dos quais o mais jovem está no berço e o primogênito com a idade de dez anos, por exemplo. Em dez anos, o primogênito terá vinte anos e será um homem; o mais jovem terá dez anos e, embora mais avançado, será ainda uma criança; mas, a seu turno, tornar-se-á um homem.
Assim é com as diferentes frações da Humanidade; os mais atrasados avançam, mas não saberão, de um pulo, alcançar o nível dos mais avançados.
A Humanidade, tornada adulta, tem novas necessidades, aspirações mais largas, mais elevadas; compreende o vazio das ideias das quais foi embalada, a insuficiência de suas instituições para a sua felicidade; ela não encontra mais, no estado das coisas, as satisfações legitimas para as quais se sente chamada; por isso ela sacode coeiros, e se lança impelida por uma força irresistível, para as margens desconhecidas, para descoberta de novos horizontes menos limitados.
E é no momento em que ela se encontra muito pobremente em sua esfera material, onde a vida intelectual transborda, onde o sentimento da espiritualidade desabrocha, quantos homens, pretensos filósofos, esperam encher o vazio por doutrinas do niilismo e do materialismo!
Estranha aberração! Esses mesmos homens que pretendem impeli-la para a frente, se esforçam por circunscrevê-la no circulo estreito da matéria; de onde ela aspira sair; e lhe fecham o aspecto da vida infinita, e lhe dizem, em lhe mostrando o túmulo: Nec plus ultra!
A fraternidade deve ser a pedra angular da nova ordem social; mas não há fraternidade real, sólida e efetiva se não estiver apoiada sobre uma base inabalável; essa base é a fé; não a fé de tais ou tais dogmas particulares que mudam com o tempo e os povos e se lançam pedras, porque, anatematizando-se, entretêm o antagonismo; mas a fé nos princípios fundamentais que todo o mundo pode aceitar Deus, a a/ma, o futuro, O PROGRESSO INDIVIDUAL, INDEFINIDO, A PERPETUIDADE DAS RELAÇÕES ENTRE OS SERES.
Quando todos os homens estiverem convencidos de que Deus é o mesmo para todos, que esse Deus, soberanamente justo e bom, nada pode querer de injusto, que o mal vem dos homens e não dele, se olharão como filhos de um mesmo pai e se estenderão a mão.
É esta fé que o Espiritismo dá, e que será doravante o pivô sobre o qual se moverá o gênero humano, quaisquer que sejam suas maneiras de adorá-lo e suas crenças particulares, que o Espiritismo respeita, mas da qual não tem que se ocupar. Só dessa fé pode sair o verdadeiro progresso moral, porque só ela dá uma sanção lógica aos direitos legítimos e aos deveres; sem ela, o direito é aquele que dá a força; o dever, um código humano imposto pelo constrangimento.
Sem ela, o que é o homem? um pouco de matéria que se desfaz, um ser efêmero que não faz senso passar; o próprio gênio o uma centelha que brilha um instante para se apagar para sempre; certamente, não há ali de que se isentar muito aos seus próprios olhos.
Com um tal pensamento, onde estão realmente os direitos e os deveres? Qual é o objetivo do progresso? Sozinha, esta fé faz sentir ao homem sua dignidade pela perpetuidade e o progresso do seu ser.
Não num futuro mesquinho e circunscrito à personalidade, mas grandioso e esplêndido; seu pensamento se eleva acima da Terra; sente-se crescer pensando que tem seu papel no Universo e que esse Universo é seu domínio que poderá um dia percorrer, e que a morte dele não fará uma nulidade, ou um ser inútil a si mesmo e aos outros.
O progresso intelectual realizado até este dia. nas mas vastas proporções, é um grande passo, e marca a primeira fase da Humanidade, mas sozinho é impotente para regenerá-la; enquanto o homem for dominado pelo orgulho e pelo egoísmo, utilizará sua inteligência e seus conhecimentos em proveito de suas paixões e de seus interesses pessoais; é por isso que os aplica ao aperfeiçoamento dos meios de prejudicar aos outros e de se entre destruírem.
Só o progresso moral pode assegurar a felicidade dos homens sobre a Terra, colocando um freio às más paixões; só ele pode fazer reinar entre eles a concórdia, a paz, a fraternidade. Será ele que abaixará as barreiras dos povos, que fará tombar os preconceitos de casta, e calar os antagonismos de seitas, ensinando aos homens a se olharem como irmãos, chamados para se entre ajudarem e não viverem às expensas uns dos outros.
Será ainda o progresso moral, secundado aqui pelo progresso da
inteligência, que confundirá os homens numa mesma crença, estabelecida sobre as verdades eternas, não sujeitas à discussão e, por isto mesmo, aceitas por todos.
A unidade de crença será o laço mais poderoso, o mais sólido fundamento da fraternidade universal, quebrado em todos os tempos pelos antagonismos religiosos que dividem os povos e as famílias, que fazem ver no próximo inimigos que é preciso fugir, combater, exterminar, em lugar de irmãos que é preciso amar.
Um sinal não menos característico do período em que entramos, é a reação evidente que se opera no sentido das ideias espiritualistas, uma repulsa instintiva se manifesta contra as ideias materialistas, cujos representantes se tornam menos numerosos ou menos absolutos.
O espirito de incredulidade que tinha se apoderado das massas, ignorantes ou esclarecidas, e lhe tinha feito rejeitar, com a forma, o próprio fundo de toda crença, parece Ter tido um sono ao sair do qual experimenta a necessidade de respirar um ar mais vivificante.
Involuntariamente, onde o vazio se fez, procura-se alguma coisa, um ponto de apoio, uma esperança.
Neste grande movimento regenerador, o Espiritismo tem um papel considerável, não o Espiritismo ridículo inventado por uma critica zombeteira, mas o Espiritismo filosófico, tal como o compreende quem se dá ao trabalho de procurar a amêndoa sob a casca.
Já dissemos em outro lugar: "Quanto mais uma ideia é grande, mais encontra ela adversários, e pode se medir sua importância pela violência dos ataques dos quais é objeto."
O número dos retardatários é ainda grande, sem dúvida, mas o que podem contra a onda que cresce, senão nela lançar algumas pedras? Esta onda é a regeneração que se ergue, ao passo que eles desaparecem com a geração que se vai cada dia a grandes passos. Até lá defenderão o terreno palmo a palmo; há, pois, uma luta inevitável, mas uma luta desigual, porque é a do passado decrépito que cai em farrapos, contra o futuro juvenil; da estagnação contra o progresso; da criatura contra a vontade de Deus, porque os tempos marcados para ele estão chegados.

Allan Kardec. Revista Espírita, outubro de 1866.

“ A VIDA PROSSEGUE: MORRER NÃO É O FIM.”

Quem de nós já não experimentou a súbita ausência de um ente querido?
Quem de nós já não sentiu profunda saudade de um afeto que, não estando mais no mundo corpóreo, deixa uma aparente lacuna em nossa vida?
Mesmo expressando fé em palavras ou em muitas de nossas atitudes, a tristeza da falta do contato, da ausência do sorriso, da impossibilidade de um abraço acaba por nos fazer agir com imensa tristeza diante da morte.
Não é fácil se despedir de um ente querido, mesmo idoso ou longamente doente, quando já nos era sabido que a ausência física ocorreria em breve.
Com certeza, a ausência aparentemente definitiva daquele a quem demos apenas um até logo é muito mais difícil de entender ou aceitar.
A mãe que recebe a notícia da morte de um filho que deveria, em algumas horas, estar de retorno ao lar deverá encontrar forças imensas para ir adiante.
O esposo que descobre que a amada esposa não chegará daquela viagem, possivelmente tem a sensação de que o chão lhe treme.
Mas, por que será que a morte não é por nós vista como um adeus temporário? Por que a certeza da sobrevivência da alma ou Espírito, tão comum entre diversas religiões, não nos dá consolo imediato?
Sabemos que o que chamamos de morte é apenas a morte do corpo físico, pois o Espírito ou alma é eterno, e esta crença é verdade para grande parte da Humanidade.
Acostumados a valorizar a vida material acabamos por dar um grande valor à morte física, nos esquecendo frequentemente de que ela é só do corpo, jamais do Espírito.
Se realmente temos fé, se realmente nossa crença está alicerçada no coração e na mente, o consolo virá e será mais facilmente aceito.
Deus, em sua infinita bondade e justiça, não interromperia a vida física de um jovem sem um motivo; não afastaria, de modo aparentemente irremediável, um ente da família sem uma razão.
O que ocorre é que, vivendo em um corpo físico, nosso Espírito não lembra dos momentos em que, com alegria e determinação, participou de sua programação de vida, incluindo o tempo que esta duraria.
Lembramos, então, da necessidade de uma fé sólida e inabalável, que pode e deve ser questionada, para que possa ser vivenciada de maneira consciente, mas jamais esquecida.
Francisco Cândido Xavier, o grande médium reconhecido e respeitado mundo afora, nos trouxe, através da sua mediunidade psicográfica, inúmeras notícias do outro lado, nos dando provas de que a vida prossegue, e que os sentimentos continuam.
Muitas famílias tiveram a felicidade de saber que seus amores continuavam vivos, em outro plano, e que o sentimento de amor sobrevivera à separação física.
Não foram poucas as mensagens pedindo que não houvesse tristeza, pois esta podia ser sentida por quem morrera e, frequentemente, lhe dificultava o caminhar.
Os sentimentos, sejam alegres ou tristes, são percebidos por nossos amores em outro plano e eles sentir-se-ão tristes ou felizes, tal qual nós, deste lado, sentimos.
A tristeza é normal no primeiro momento, a saudade perfeitamente aceitável mas, jamais o desespero, a revolta, a procura infindável de um responsável.
A oração, instrumento acessível a qualquer pessoa, independentemente de sua crença, é valioso meio de buscarmos forças e de enviarmos nossos sentimentos de amor a quem já partiu deste plano físico.
Redação do Momento Espírita.


sábado, 15 de julho de 2017

“A MORTE INCOMPREENDIDA”

O escritor inglês Somerset Maugham escrevendo, à oriental, narra uma história muito peculiar, que tentarei sintetizar.
Vivia numa casa de campo em Bagdá, um homem rico, possuidor de um hábito especial. Diariamente, usava uma era perfumada que mandava comprar no mercado. Um servo jovem era incumbido da tarefa, havendo lhe sucedido um dia, ter um encontro com a morte, em plena praça. Ante a surpresa de ambos, a mesma introduziu a mão na capa negra e retirou uma pequena caderneta.
Aproveitando-se da ocorrência, o moço disparou numa correria à herdade e disse ao amo que a havia encontrado e tinha certeza que ela viera arrebatar-lhe a vida.
Como existia uma propalada informação de que a morte, não encontrando a sua vítima, concedia-lhe mais dez anos de vida, ele solicitava o auxílio do senhor.
Comovido, o amo ofereceu-lhe o melhor cavalo, a fim de que ele fugisse da cidade para Samarra.
Ao cair da tarde daquele mesmo dia, o patrão foi realizar a compra, quando encontrou a terrível megera. Enfrentou-a e perguntou-lhe por que, pela segunda vez, o perturbava. Ignorando de que se tratava, a detestável pareceu surpresa e, ao tomar conhecimento, explicou-lhe que também ela estava assustada, porque tinha, sim, um encontro com aquele jovem, mas não pela manhã, e sim, à tarde, quando seguiria a Samarra.
O escritor reporta-se à inevitabilidade do fenômeno da morte.
Quando se está preparado, aguardando-a, ela não vem, mas, ao contrário, quando menos se espera, ei-la presente.
Num lar ditoso, é capaz de abandonar o idoso enfermo e optar por consumir o jovem ou a criança sonhadora, deixando sombras e dores indefiníveis.
A morte orgânica é uma fatalidade imprevisível.
Tudo que nasce, morre.
Indispensável que todos pensemos, com certa frequência, na consumpção orgânica através da morte do corpo e interroguemos o que lhe sucederá.
Filósofos, poetas, escritores, artistas, sábios de todos os tempos têm-se voltado para o estudo desse fenômeno, e a maioria concluiu que a vida não se acaba quando o corpo se extingue.
A experiência carnal é bênção que permite ao ser humano desdobrar a Presença Divina que nele reina e alcançar a plenitude através das sucessivas reencarnações.
Em cada etapa, o indivíduo escreve o futuro, construindo a alegria de uma existência saudável ou o sofrimento, com o caráter redentor dos lamentáveis comportamentos a que se haja entregado no passado.
É indispensável, pois, que todos pensemos naquilo que acontecerá ao Espírito que somos, após a libertação carnal.
Sócrates, quando condenado, no instante da desencarnação asseverou que iria comprovar o que ensinara, tal a certeza da sobrevivência que o animava a sofismar e acreditar na Imortalidade.

Divaldo Pereira Franco-  Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 15.6.2017.


sexta-feira, 14 de julho de 2017

“INFLUÊNCIA DOS ESPÍRITOS DESENCARNADOS”

Quando você perde um ente querido o desespero é grande. A pessoa querida vai parar num túmulo íngreme e sem vida. O mundo fica vazio. E, por vezes, chega a duvidar da existência de Deus. Se você é um pai ou mãe fica desesperado. Como é que pode? Você tem sessenta anos e está vivo. E, o grande Pai Criador, levou seu filho de 19 anos num acidente de carro? Tudo acabou em questão de minutos.
Passada a revolta, a não aceitação, o desespero vem uma esperança: mensagem psicografada. A necessidade pungente de uma notícia do seu parente falecido. Corre todos os lugares. Pega telefones de centros espíritas, médiuns, clarividentes. E, por vezes, até você começa a ter coceira nas mãos e tenta uma psicografia.
Calma para não atropelar sua vida e a do seu ente querido que luta para se adaptar no outro plano. Imprescindível à oração! Deus e os bons espíritos estão em todos os lugares. Ouvem suas preces! Não se atropele para não criar expectativas! Peça aos bons espíritos para orientação, resignação e paciência.
Não dê tanto poder aos médiuns! Aliás, você também é um canalizador da conexão do astral superior. É uma condição de todos os seres humanos, mas eles estão muito preocupados com a parte material que a intuição se enfraquece.
Médiuns ostensivos estão no mundo para ajudar as pessoas, mas você mesmo pode se ajudar e até conseguir notícias dos seus entes queridos de forma espontânea. Sem a procura febril que poderá leva-lo a lugares frustrantes. E, nas garras de charlatães que fingem psicografar. Acho que é raro quem faz isso, mas no mundo, tem gente boa e ruim.
Atendo consulentes que passam horas em lugares sufocantes, estressantes e voltam para casa sem uma notícia. Vamos trabalhar no caminho do meio! Sabia que você tem um anjo de guarda? Um espírito evoluído? Sim, ele foi instruído para lhe acompanhar do nascimento até à morte.
Aumente sua conexão com o astral superior para obter forças para enfrentar os desafios da vida. Aumente sua fé em dias melhores. Creia que, na hora certa, virá sim um recado, um alento para a saudade pungente. Cuide-se! Se for necessário, procure um sacerdote, alguém que possa fortalecer sua fé. Ou mesmo um terapeuta! O luto passa por várias fases. Se o seu luto estiver muito prolongado procure um tratamento. Tristeza é um processo natural, mas a depressão é uma doença. Se você estiver fortalecido seu ente querido ficará em paz na outra dimensão. E, aí, poderão estabelecer uma linda conexão espiritual de energias positivas. Poderá sentir a presença dele, o cheiro, a energia linda que ele emitirá para lhe fortalecer!
Esteja certo que não está sozinho. Não é só você que sofre! Tantos perdem a família inteira e se fortalecem e ainda acreditam na felicidade.
Se a esperança da Vida Maior está num recado psicografado persista! No entanto, esteja equilibrado para ouvir a intuição do seu protetor.
Os bons espíritos estão por aí prontos para ajudar!

Sandra Cecília

quinta-feira, 13 de julho de 2017

"O QUE ALIMENTA NOSSA ALMA"

 Hoje, nos sentimos famintos! 
Parece que tudo o que tentamos fazer para saciar essa fome, não basta. Observando o que está ao nosso redor, percebemos as pessoas comprando mais, trabalhando mais, bebendo mais, comendo mais... tudo o que está ao nosso redor, está sendo utilizado para matar essa fome que nós não temos noção da onde vem. 
A todo momento, vemos na televisão, na rádio, na internet, no nosso cotidiano, que seremos felizes se consumirmos isso ou aquilo, se formos donos disso ou daquilo, mas, por mais que tentemos alcançar isso tudo, quando atingimos o nosso intento, a fome ainda está lá, nos perseguindo, nos avisando que ela ainda não foi saciada.
Em razão dessa realidade, já começamos a compreender que, apesar de não sabermos a origem de nossa insatisfação, essa busca não pode ser externa. Algo nos remete para dentro de nós, porque não há mais aonde procurar fora. Estamos vivendo um momento em que tudo parece sem sentido, porque tudo o que buscamos não preenche o nosso vazio e, se assim é, temos de nos aventurar a buscar em nós o sentido que desejamos para a nossa vida. 
Por isso, têm tantas pessoas no mundo buscando na religião a resposta para a sua insatisfação e, na maioria das vezes, nela conseguem dar os primeiros passos para se suprirem! Mas daí, vem um problema: em razão da sua procura ter trazido a paz que almejavam, acreditam que esse “achado” servirá para todos e isso não é real. Se acreditamos que Deus tudo sabe e somente permite aquilo que nos trará aprendizado, precisamos entender que, em razão da nossa heterogeneidade, necessária é a diversidade dos cultos religiosos para o nosso consolo e crescimento, e que para outras pessoas não será na religião que elas se encontrarão. Não adentrando na suposição de que uma ou outra religião são engodos e que elas existirão somente pelo tempo certo do aprendizado necessário para alguns, cada um tem a resposta para as suas necessidades e o respeito deveria fazer parte de nossa postura. 
Continuando no tema religião, se sou uma pessoa que necessita de freios morais para que eu não descumpra as leis divinas que nos regem, necessário na minha vida que eu siga um caminho que me freará. Neste momento, eu procurarei uma religião que me dará o suporte que necessito para isso. Assim, seja ela possuir dogmas mais fechados, seja ela trazer uma visão de que o pecado resultará em uma punição ainda nesta vida ou após a morte, no inferno, esta religião me ajudará no meu processo de aprimoramento. Mas, se sou uma pessoa que já posso me ver tendo experiências mais livres, posso me aproximar de doutrinas que me informarão sobre a minha responsabilidade direta face às minhas ações boas ou não tão boas e que a ninguém poderei culpar pelas minhas escolhas a não ser a mim mesma. 
Assim, como um rebanho que não sabe onde está, pois se perdeu de seu pastor, nós estamos buscando onde nos enquadrarmos, através das nossas experiências, sentimentos, sensações, raciocínio, que nos levarão a tentativas e erros, e a tentativas e acertos. Mas, não podemos nos esquecer que até a religião está no nosso mundo exterior. Ela deve ser encarada como um caminho para a nossa busca do alimento de nossa alma, mas não como o alimento em si. Ela serve de instrumento onde aprenderemos como utilizar as ferramentas que já possuímos, aprimorando-as ou compreendendo qual a sua verdadeira utilidade. Assim, seja o passe, seja a oração, seja a fé que já possuímos, tudo isso poderá alimentar a nossa alma, mas voltaremos a sentir aquela insatisfação anterior se não compreendermos que será pelas nossas ações que não mais a sentiremos. 
Poderemos rezar, poderemos receber tantos passes quantos pudermos, poderemos acreditar que temos fé suficiente para ficarmos bem, mas se não modificarmos as nossas ações, as nossas atitudes, voltaremos aos vícios de outrora, nos levando a sentir a fome em nossa alma novamente, porque o vazio que sentimos não está somente relacionado às crenças que portamos, mas também a falta da prática e de dar utilidade a cada uma dessas crenças na nossa vida e na vida do nosso próximo. 
Ajamos, portanto, para o nosso aprimoramento e que, com os instrumentos que já portamos, nos façamos úteis para compreendermos o nosso verdadeiro papel nesta existência divina. 
Assim, nossa alma se sentirá saciada.


Adriana Machado