Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 4 de maio de 2017

"COMPROMISSOS COM A CONSCIÊNCIA”

Você certamente já leu ou ouviu, algum dia, a notícia de roubo, incêndio, naufrágio ou explosão de algum bem móvel ou imóvel que pertencia a alguém, não é mesmo?
No entanto, ninguém jamais ouviu ou leu uma manchete com os dizeres:
Foi roubada a coragem dessa ou daquela pessoa. Foi extraviada grande porção de otimismo. Quem a encontrar favor devolver no endereço citado.
Ou então, Incêndio consumiu toda a fidelidade de Fulano ou Naufragou a honestidade de Beltrano.
Enfim, nunca se ouve falar que as virtudes de alguém tenham sofrido assaltos ou outro dano qualquer.
Todavia, isso acontece diariamente quando as negociatas indignas põe por terra a honestidade e a honradez deste ou daquele cidadão, que sucumbe ante grandes quantias em dinheiro ou favorecimentos de toda ordem.
No entanto, as virtudes que se deixam arrastar por interesses próprios, não são virtudes efetivas, são ensaios de virtudes.
Quem verdadeiramente conquista uma virtude, jamais a perde.
Contou-nos um amigo, jovem advogado que labora num órgão público que, em certa ocasião, estava com uma pilha de processos sobre a mesa, quando seu superior entrou na sala, tomou dois daqueles processos e pôs de lado, dizendo-lhe:
Quero que você arquive estes processos.
O advogado perguntou por que razão deveria arquivá-los e o diretor respondeu simplesmente: Porque os acusados são meus amigos e me pediram esse favor.
O moço, que tinha compromisso sério com a própria consciência, fez com que os processos seguissem seu curso, sem interferir.
Tempos depois, os acusados tiveram que arcar com as custas do processo e indenizar vários cidadãos, aos quais haviam prejudicado de alguma forma.
Quando questionado por seu superior sobre o ocorrido, o advogado argumentou que o fato de os acusados serem seus amigos não era suficiente para isentá-los da responsabilidade de seus atos.
Se o jovem advogado não tivesse firmeza de caráter poderia ter dado ocasião a que fosse registrada em sua ficha espiritual a seguinte anotação:
Este Espírito sofreu, em tal data, um assalto da corrupção e da prepotência e teve seus bens mais preciosos, que são a fidelidade e a honestidade, roubados.
Felizmente isso não aconteceu.
Toda vez que permitimos que nosso patrimônio ético-moral seja comprado ou roubado, ficamos mais pobres espiritualmente.
Quando aplaudimos a corrupção e a ganância dos outros, somos coniventes com essas misérias morais, e empobrecemos.
Pense nisso, e considere que vale a pena preservar esse bem tão valioso que é o seu patrimônio moral.
Redação do Momento Espírita, com base em fato.

Autor: Momento Espírita

“TODOS NÓS TEMOS DOIS LOBOS DENTRO DE NÓS”

Um dia, um velho avô foi procurado por seu neto, que estava com raiva de um amigo que o havia ofendido.
O sábio velhinho acalmou o neto e disse com carinho:
Deixe-me contar-lhe uma história.
Eu mesmo, algumas vezes, senti muito ódio daqueles que me ofenderam tanto, sem arrependimento. Todavia, o ódio corrói a nossa intimidade, mas não fere nosso inimigo.
É o mesmo que tomar veneno desejando que o inimigo morra.
Lutei muitas vezes contra esses sentimentos.
O neto ouvia com atenção as considerações do avô. E ele continuou: É como se existissem dois lobos dentro de mim. Um deles é bom. Não magoa ninguém. Vive em harmonia com todos e não se ofende.
Ele só lutará quando for certo fazer isto, e da maneira correta. Mas, o outro lobo, ah!, esse é cheio de raiva. Mesmo as pequenas coisas desagradáveis o levam facilmente a um ataque de ira!
Ele briga com todos, o tempo todo, sem qualquer motivo. É tão irracional que nunca consegue mudar coisa alguma!
Algumas vezes é difícil de conviver com estes dois lobos dentro de mim, pois ambos tentam dominar meu Espírito.
O garoto olhou intensamente nos olhos de seu avô e perguntou:
E qual deles vence, vovô?
O avô sorriu e respondeu baixinho:
Aquele que eu alimento mais frequentemente.
E você, qual dos dois lobos tem alimentado com mais frequência?
A figura do lobo é significativa, uma vez que representa o grau de animalidade que ainda rege as nossas ações.
Enquanto o ser humano não desenvolver todas as virtudes que o elevarão à categoria de Espírito superior, sempre haverá em sua intimidade um pouco dos irracionais.
E essa luta interna é que irá definindo o nosso amanhã, de acordo com o lado que mais alimentamos.
Por vezes, um simples ato impensado, uma simples ação infeliz, pode nos trazer consequências amargas por longo tempo.
Paulo, o grande Apóstolo do Cristianismo, identificou muito bem essa luta íntima quando disse: O bem que eu quero, esse eu não faço, mas o mal que não quero, esse eu faço.
Indignado por algumas vezes ainda ser dominado pelo homem velho, em prejuízo do homem novo que desejava ser, Paulo desabafou e nos deixou esta grande lição: É preciso perseverar.
É preciso deixar que esse lobo sedento de vingança e obcecado pela ira, que ainda encontra vitalidade em nosso íntimo, não receba alimento e desapareça de vez por todas cedendo lugar ao homem moralmente renovado que desejamos ser.
Agindo dessa maneira poderemos um dia, não muito distante, dizer, como o próprio Apóstolo Paulo disse, depois de vencer a si mesmo: Já não sou eu quem vive, é o Cristo que vive em mim.
Mas, para que cheguemos a esse ponto, temos que travar muitas batalhas internas a fim de fazer com que os ensinamentos e os exemplos de Jesus, o Mestre por excelência, façam sentido para nós a ponto de se constituir em força motriz a impulsionar os nossos pensamentos e atos.
Paulo de Tarso renunciou a muitas coisas para seguir a Jesus.
Ele, que foi um dos primeiros perseguidores dos cristãos em nome da sua crença religiosa, depois que viu o Mestre às portas da cidade de Damasco, tornou-se Seu seguidor fiel até os últimos dias de sua vida.
Mas, para isso, foi preciso silenciar muitas vezes a fera interna que tentava falar mais alto.
Foi preciso renunciar a si mesmo, deixar o orgulho de lado, tomar da sua cruz e seguir os passos luminosos do Mestre de Nazaré.

Redação do Momento Espírita

“QUAIS SÃO OS PESADELOS MAIS COMUNS?

1. Estar nu em público.
Você se encontra em um lugar familiar, como, por exemplo, a universidade, o trabalho… definitivamente rodeado de gente. De repente, percebe que não está vestindo nenhuma roupa e as pessoas começam a olhar. Dada a situação, você começa a se sentir vulnerável e envergonhado. É possível que este medo pertença à necessidade de nos sentirmos bem integrados dentro de um grupo.
2. Alguém está perseguindo-o.
Você tenta correr e se move muito pouco, ou quase não sai do lugar, parece que você está num lugar que tem pouca gravidade. Geralmente, estes pesadelos ocorrem quando algo nos incomoda ou perturba, ou quando temos um certo remorso.
3. Sentir dor ou sofrer algum dano.
Estes danos podem estar sendo sofridos por você mesmo ou por uma pessoa pela qual você sente um carinho especial. Nestes sonhos alguém pode acabar ferido, ou até mesmo morto. Por exemplo, picadas de aranhas ou serpentes são muito recorrentes nestes casos. Indicam a vulnerabilidade da pessoa.
4. Cair.
Você pode cair de um lugar da altura de uma árvore ou de um prédio. Também é comum tropeçarmos ou cairmos num buraco quando começamos a caminhar. É possível que você se encontre nervoso, suportando situações de muito estresse ou que você esteja enfrentando momentos de problemas ou dificuldades.
5. Ficar preso.
Você se encontra num labirinto ou num lugar do qual desconhece a saída. Por mais voltas que dê, começa a se sentir impotente e com medo por não poder sair deste espaço. Costumamos nos levantar mais tarde com a sensação de inquietude ou com suores frios, pelos sentimentos negativos que vivemos durante momentos como estes.
Diversos autores indicam que sonhar que estamos presos significa que nos sentimos assim nesse momento de nossas vidas, em relação a diferentes âmbitos, sejam estes pessoais, profissionais, familiares, etc.
6. Gritar e a voz não sair.
Ocorre em situações de perigo, onde tentamos pedir socorro ou avisar alguém e não podemos emitir nenhum grito ou som. Costuma indicar situações de impotência.

Autor desconhecido

“O QUE FAZ O ESPIRITO ESCOLHER FICAR PRÓXIMO AO PLANO MATERIAL APÓS A MORTE DO CORPO? ”

"As motivações para o espírito ficar próximo ao plano material logo após a morte do corpo são todas negativas, pois o caminho natural do espírito é se afastar, distanciar. Portanto, a escolha da proximidade corresponde a um uso intensivo dos recursos negativos que um espírito cultivou ao longo do tempo. Este uso maciço de negatividades geralmente gera confusão mental, percepção fantasiosa da realidade e um grande número de sentimentos negativos. É um mergulho no “fundo do poço” que cobrará um grande esforço para o espírito se reerguer. (Este raciocínio não vale para os espíritos mais evoluídos.)"
O fluir natural dos acontecimentos que se sucedem à morte do corpo é o desligamento do perispírito e do espírito deste corpo. Esta separação física é seguida de uma separação espacial. Ou seja, o espírito desloca-se para outros lugares.
O encarnar é um momento especial, o desencarnar também o é. Em condições normais, o espírito aceita o auxílio de outros espíritos, o que facilita sua adaptação à realidade de espírito desencarnado. Esta readaptação inclui a retomada de memórias que estavam isoladas e sem ação no período encarnado. Esta retomada de memórias afeta profundamente sua identidade, ou seja, (em condições ideais) o espírito deixa de se identificar com a última encarnação e passa a se identificar com sua única vida, a vida do espírito.
Um espírito pode ter tido centenas de encarnações, com qual delas irá se identificar no plano espiritual? Com nenhuma. Ele irá identificar-se com a vida do espírito, a menos que esteja patologicamente apegado à uma encarnação qualquer. O espírito não é pai, não é irmão, não é homem, nem mulher. Não é rico ou pobre, feio ou bonito. Com o desencarne (morte) e a retomada das memórias muito amplas do espírito, a vida encarnada passa a ser como um barco que aos poucos vai sumindo no horizonte.
Portanto, o fluir de um desencarne é o desapego e a desidentificação. A vida continua em outras condições e com outras necessidades evolutivas imediatas. A vida do espírito torna a experiência encarnada recente uma entre centenas de outras encarnações. (Para o espírito a vida encarnada atual é importante; mas, é importante como as outras centenas.)
Quanto menos evoluído é o espírito mais difícil é ele se desapegar e se desidentificar. Espíritos atormentados, dominados pelas emoções e pelos traumas, costumam se agarrar ao máximo à vida que existia antes do fim do corpo. Chegam a viver uma vida de delírio, mantendo-se próximos fisicamente ou energeticamente e, ao mesmo tempo, delirando uma realidade que não existe.
Um pai que falece pode ter a necessidade compulsiva de proteger seus filhos. Seu esforço será por manter o máximo de proximidade, procurando influenciar suas vidas. O apego pode torná-lo um obsessor de sua família. Irá prejudicar seus familiares e pouco ajudará. Com o tempo terá que aprender a necessidade do desapego e a importância de deixá-los seguir suas próprias vidas.
Espíritos de luz costumam ajudar estes espíritos. Tentam resgatá-los para um bom caminho. Quando aceitam ajuda tudo fica mais fácil. Por outro lado, quando se revoltam, não aceitam e não se adaptam à nova realidade, tudo fica mais difícil.
A morte é, portanto, acompanhada de descobertas e desafios. A nova vida do espírito deve se impor. Esta vida continua em outras condições e em outros locais. Todos nós já fizemos esta transição do desencarne centenas de vezes. Não há porque ter medo. Somente não lembramos, pois estas lembranças estão protegidas e só devem ser acessadas através da ampliação da consciência ou como terapia.
Na realidade, quando o espírito encarnado evolui as memórias de encarnações passadas ficam MENOS protegidas. Milhões de pessoas, que estão evoluindo espiritualmente, estão tomando consciência de várias encarnações e de vários desencarnes. Sabemos mais sobre nós mesmos à medida que a consciência é ampliada.
Devemos nos preparar psicologicamente para aceitar o falecimento, seja nosso, seja de um membro querido. O processo de vida encarnada finalizou e não aceitar o que é real somente aumenta o sofrimento e dificulta a retomada/evolução da vida.
Deve-se cultivar a gratidão à todos os antepassados desencarnados. Ser grato facilita a transmissão de energia entre encarnados e desencarnados. Isto torna mais agradável a vida de todos.

Autor: Regis Mesquita

“A MORTE: PARA UNS, UM FIM: PARA OUTROS, APENAS UMA PASSAGEM. ”

Ninguém quer morrer. Nem mesmo aquele que está sofrendo de uma doença qualquer e que se acha, por isso preso a um leito de dor. Ninguém aceita a morte. Nem mesmo o espírita e o espiritualista, ou pessoa de qualquer religião. Apenas as pessoas se conformam com ela, pois ela é a maior realidade deste mundo. Todos têm de morrer. É uma das leis naturais mais certas. Realmente a perda de um ente querido, seja parente ou amigo é dolorosa. Mas é o que a morte tem para oferecer: a dor do momento. Há uma grande diferença entre aceitar uma coisa e se conformar com ela. Mas isto não é assunto deste capítulo. Portanto, deixemo-lo de lado. O que vamos falar aqui é da morte em suas duas considerações, de acordo com a opinião ou a crença de cada um ou a maneira que cada um tem de encarar a chamada Parca Invulnerável.
Existe uma ciência que, por incrível e estranho que pareça, estuda a morte. Eu não conheço a fundo essa estranha ciência. Apenas ouço falar dela e já houve até (imaginem!) um congresso internacional dessa ciência! Mas, como o seu assunto é igualmente coisa da qual ninguém quer falar, é claro que dessa ciência realmente pouco se sabe. Ela chama-se Tanatologia, vocábulo que provém do grego, onde Tanatos era o deus da morte na mitologia grega. Mas, vamos à questão deste artigo.
Para muitos, ateus ou não, leigos ou estudiosos, a morte é o fim. Segundo eles, com a morte física e, portanto do corpo, tudo termina Se existe alma ou espírito, com a morte também isso termina. Somente fica (e é claro!) a memória e a lembrança do morto. Mais nada. Assim pensam também os materialistas deste mundo. Pois bem.
Mas, para muitos outros e, principalmente religiosos, espiritualistas e espíritas e muitos estudiosos, a morte não é o fim, mas uma passagem deste mundo físico, visível, tocável para um outro não-físico, invisível e intocável, mas que nos rodeia. Para muitos, esse “estranho” mas real mundo é o espaço infinito, ou o “céu” como outros muitos acreditam. De qualquer maneira, para esses muitos crentes e podemos dizer a maioria, quando morremos apenas nos transportamos deste mundo físico e terreno para esse outro mundo  não físico e portanto, espiritual.. É como uma viagem qualquer, seja esta de negócios, de trabalho ou de passeio. Para todos os crentes da espiritualidade, a morte simplesmente não existe no seu sentido correto da palavra. Patrick Drouot, um escritor espiritualista francês do século passado, escreveu um interessante livro sobre a espiritualidade, sob o título de “Somos todos imortais”. Em francês, “ Sommes toutes immortels”, editado em 1987.
A morte é apenas a transposição não do corpo, pois este sendo matéria se desfaz, mas da alma, do nosso espírito para uma outra dimensão inteiramente espiritual e eterna.
Velhos filósofos bem antes de Cristo e do mundo pagão, já acreditavam que a morte não era o fim, mas o começo de uma outra vida e que existia no homem uma alma eterna e espiritual que deixava o corpo após a morte deste. Entre esses grandes filósofos estavam Sócrates e Aristóteles. A morte é a maior justiça de DEUS. Para Deus, todos são iguais. Não há preferidos, nem escolhidos. Não há reis nem príncipes. Não há imperadores nem presidentes. Não há ricos nem pobres, nem bons e nem maus. Todos passam pela mesma porta. Todos  vão para o mesmo lugar. São reduzidos a cinzas, ou simplesmente apodrecem sob sete palmos de terra. E nada levam!
O número de pessoas que acreditam que a morte é o fim é muito pequeno e, a cada dia mais pessoas saem dessa crença materialista para a crença de que a morte não é o fim. A cada avanço da humanidade, a cada passagem do tempo, a cada etapa de desenvolvimento da nossa inteligência e compreensão e do progresso científico e tecnológico do mundo hoje tão globalizado, quando se desfazem ou morrem as esperanças materialistas diante das dificuldades e das lutas de cada um ser humano, mais se fortalece em cada espírito convertido a fé de que, de fato a morte é sim apenas uma passagem. Só isso.
Fonte: Correio Espírita

Dilson Nogueira, Escritor, filósofo espiritualista e estudioso de assuntos sociais....