Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

quinta-feira, 4 de maio de 2017

“A MORTE: PARA UNS, UM FIM: PARA OUTROS, APENAS UMA PASSAGEM. ”

Ninguém quer morrer. Nem mesmo aquele que está sofrendo de uma doença qualquer e que se acha, por isso preso a um leito de dor. Ninguém aceita a morte. Nem mesmo o espírita e o espiritualista, ou pessoa de qualquer religião. Apenas as pessoas se conformam com ela, pois ela é a maior realidade deste mundo. Todos têm de morrer. É uma das leis naturais mais certas. Realmente a perda de um ente querido, seja parente ou amigo é dolorosa. Mas é o que a morte tem para oferecer: a dor do momento. Há uma grande diferença entre aceitar uma coisa e se conformar com ela. Mas isto não é assunto deste capítulo. Portanto, deixemo-lo de lado. O que vamos falar aqui é da morte em suas duas considerações, de acordo com a opinião ou a crença de cada um ou a maneira que cada um tem de encarar a chamada Parca Invulnerável.
Existe uma ciência que, por incrível e estranho que pareça, estuda a morte. Eu não conheço a fundo essa estranha ciência. Apenas ouço falar dela e já houve até (imaginem!) um congresso internacional dessa ciência! Mas, como o seu assunto é igualmente coisa da qual ninguém quer falar, é claro que dessa ciência realmente pouco se sabe. Ela chama-se Tanatologia, vocábulo que provém do grego, onde Tanatos era o deus da morte na mitologia grega. Mas, vamos à questão deste artigo.
Para muitos, ateus ou não, leigos ou estudiosos, a morte é o fim. Segundo eles, com a morte física e, portanto do corpo, tudo termina Se existe alma ou espírito, com a morte também isso termina. Somente fica (e é claro!) a memória e a lembrança do morto. Mais nada. Assim pensam também os materialistas deste mundo. Pois bem.
Mas, para muitos outros e, principalmente religiosos, espiritualistas e espíritas e muitos estudiosos, a morte não é o fim, mas uma passagem deste mundo físico, visível, tocável para um outro não-físico, invisível e intocável, mas que nos rodeia. Para muitos, esse “estranho” mas real mundo é o espaço infinito, ou o “céu” como outros muitos acreditam. De qualquer maneira, para esses muitos crentes e podemos dizer a maioria, quando morremos apenas nos transportamos deste mundo físico e terreno para esse outro mundo  não físico e portanto, espiritual.. É como uma viagem qualquer, seja esta de negócios, de trabalho ou de passeio. Para todos os crentes da espiritualidade, a morte simplesmente não existe no seu sentido correto da palavra. Patrick Drouot, um escritor espiritualista francês do século passado, escreveu um interessante livro sobre a espiritualidade, sob o título de “Somos todos imortais”. Em francês, “ Sommes toutes immortels”, editado em 1987.
A morte é apenas a transposição não do corpo, pois este sendo matéria se desfaz, mas da alma, do nosso espírito para uma outra dimensão inteiramente espiritual e eterna.
Velhos filósofos bem antes de Cristo e do mundo pagão, já acreditavam que a morte não era o fim, mas o começo de uma outra vida e que existia no homem uma alma eterna e espiritual que deixava o corpo após a morte deste. Entre esses grandes filósofos estavam Sócrates e Aristóteles. A morte é a maior justiça de DEUS. Para Deus, todos são iguais. Não há preferidos, nem escolhidos. Não há reis nem príncipes. Não há imperadores nem presidentes. Não há ricos nem pobres, nem bons e nem maus. Todos passam pela mesma porta. Todos  vão para o mesmo lugar. São reduzidos a cinzas, ou simplesmente apodrecem sob sete palmos de terra. E nada levam!
O número de pessoas que acreditam que a morte é o fim é muito pequeno e, a cada dia mais pessoas saem dessa crença materialista para a crença de que a morte não é o fim. A cada avanço da humanidade, a cada passagem do tempo, a cada etapa de desenvolvimento da nossa inteligência e compreensão e do progresso científico e tecnológico do mundo hoje tão globalizado, quando se desfazem ou morrem as esperanças materialistas diante das dificuldades e das lutas de cada um ser humano, mais se fortalece em cada espírito convertido a fé de que, de fato a morte é sim apenas uma passagem. Só isso.
Fonte: Correio Espírita

Dilson Nogueira, Escritor, filósofo espiritualista e estudioso de assuntos sociais....