Vinhas de Luz

Vinhas de Luz

sexta-feira, 26 de maio de 2017

"PORQUE REENCARNEI NESTA FAMÍLIA? PORQUE FUI CAIR NESTA...?"

Todas as famílias tem pessoas que pensam diferente e o nosso compromisso nesta encarnação é nos darmos bem, primeiramente, com essas pessoas. Você sabe qual é o seu papel dentro desta família? Como você acha que o está desempenhando? Confira o que disse Alexandre Caldini no Interpretando a Vida.

“A SEXUALIDADE DA ALMA”

Desde a sua criação, o Espírito eterno atravessou vários períodos em seu processo evolutivo, reencarnado em espécies inferiores no reino vegetal e animal, até atingir o grau evolutivo para reencarnar como o homem, a raça humana que conhecemos como o Homo sapiens. Durante as etapas iniciais deste processo evolutivo, nós vivemos as experiências reencarnatórias em espécies de animais irracionais dos sexos macho e fêmea e mesmo hermafroditas, adquirindo as experiências inerentes a cada um dos sexos. Na etapa mais avançada, reencarnando desde a idade das cavernas em corpos físicos masculinos ou femininos, até a atual, conseguimos então aprimorar os nossos sentimentos e a inteligência, entre outros atributos, todos necessários ao nosso processo evolutivo. Portanto, para todos os indivíduos existentes, trazemos em nossa alma os frutos das experiências em corpos masculinos e femininos, com as qualidades que cada uma delas pode apresentar. Por isto, na visão Espírita, a verdadeira sede de nossa sexualidade está em nossa alma, que nos acompanha em todas estas etapas evolutivas, e não no corpo físico, perecível, que nos serve apenas como uma vestimenta provisória durante uma existência aqui na Terra.
Na erraticidade, geralmente mantemos a forma perispiritual de nossa última encarnação, assim também como a nossa personalidade, predominantemente masculina se a experiência foi em corpo de homem ou predominantemente feminina, se o corpo escolhido foi de mulher. A desencarnação não nos torna assexuados. A nossa personalidade se mantém com todos os seus atributos.
Neste processo reencarnatório, o mais comum é o Espírito, por muitos séculos, reencarnar apenas como homem ou apenas como mulher até decidir que seja necessário para o seu processo evolutivo passar a reencarnar em outro tipo de corpo físico (inversão sexual), a fim de adquirir as qualidades específicas que o homem ou a mulher possibilitam para o nosso aprendizado. Para aqueles que possam ficar preocupados com a questão da inversão sexual, ou seja, reencarnar como homem e depois como mulher e vice versa, existe um consenso entre todos os estudiosos do assunto de que isto nenhum mal nos ocasiona. Ninguém se torna homossexual devido a esta inversão sexual, mas sim, quando ela ocorre, não foi devido à inversão sexual em si, mas ao processo de reeducação sexual para conter e disciplinar aqueles que fracassaram em sua sexualidade em existência anterior à presente, como o abuso de suas funções genésicas. Ou seja, o homem que nunca respeitou as mulheres e as explorou sexualmente, poderá em uma nova etapa reencarnatória, nascer em um corpo feminino como forma de aprender neste novo corpo a respeitar a mulher. De forma similar também a mulher, se destruidora de lares que explorou de forma irresponsável a sua sexualidade, poderá em uma nova existência, reencarnar em uma forma masculina para também aprender a respeitar o homem. Em ambos os casos, são experiências difíceis e devemos todos respeitar os irmãos e irmãs que vivenciam esta experiência tão dolorosa. Ser fraterno e solidário sempre, mas fazer entender que não existe um terceiro sexo. Só existem dois, de polaridades opostas. Recalcitrar no mal, nas práticas homossexuais, é retardar a ascensão espiritual.
Importante ressaltar que certos missionários preferem renascer em corpos físicos de polaridade opostas a sua característica sexual predominante, ou seja, uma alma feminina reencarnado em um corpo masculino ou vice-versa, como forma de suprimir a sua sexualidade e concentrar-se em tarefas que irão beneficiar toda uma sociedade. Mas estes são casos raros. Esclarecemos que em qualquer corpo físico recebemos uma dádiva de Deus, uma oportunidade de desenvolvermos a nossa espiritualidade e inteligência, o respeito ao próximo e as Leis que regem todo o universo. Aproveitemos, portanto, da melhor forma possível, esta existência!
Álvaro Augusto Vargas- União Espírita de Piracicaba.


“ESTAMOS PREPARADOS PARA DESENCARNAR? ”

Muitos de nossos companheiros ao desencarnarem têm decepções de não serem recebidos na espiritualidade como vencedores, mas como espíritos ainda com muito a aprender e principalmente a melhorar.
No Livro Atitude de Amor (Ermance Dufaux), vemos essa preocupação de líderes espíritas na entrevista com Eurípedes Barsanulfo. O Espírito mostra aos interessados e preocupados companheiros que o problema está na melhora íntima. Muitos reencarnam com um defeito e desencarnam novamente com ele. Não mudaram intimamente.
No livro Mereça ser Feliz (Ermance Dufaux), Eurípedes nos alerta de que Trabalhar e Estudar não é tudo. Eles são caminhos de descoberta e fortalecimento, todavia, diz, se o tarefeiro não se aplica ao serviço essencial da transformação de si próprio, buscando o autoconhecimento com pleno domínio do mundo interior, deixará de semear, no seu terreno pessoal, as sementes que vão conferir no futuro sua verdadeira liberdade.
E é isso que fez com que sentissem falta de melhora ao voltarem para o mundo espiritual. Trabalharam, estudaram muito, mas a melhora íntima ainda ficou a desejar. Isto nos faz lembrar um engenheiro no leito de morte que confidenciou a um amigo: - construí muito, mas esqueci de construir a minha vida. Veja-se aqui a vida íntima. A melhor forma de saber se estamos cumprindo esse dever de nos melhoramos é sempre nos avaliando.
E o modo de nos capacitarmos para isso é o estudo. O Espírito Verdade ao preparar a Codificação da Doutrina Espírita com Kardec deixou como base dois importantes ensinamentos: - Espíritas, Amai-vos e Espíritas, Instrui-vos.
O ensinamento da necessidade da melhora íntima já vem dos tempos mais remotos. E na época de Jesus temos dois grandes exemplos de transformações, o de Madalena e o de Paulo de Tarso. Kardec trata da melhora íntima na pergunta 919 do Livro dos Espíritos que deve ser lida muitas vezes por todos nós, até compreendermos o seu verdadeiro significado e o praticarmos. Cada um de nós tem responsabilidades a cumprir. Classificamos estas responsabilidades de dois tipos, a responsabilidade pessoal e a responsabilidade coletiva. A pessoal é a nossa melhora íntima, como espíritos imortais, para podermos prosseguir na evolução. A responsabilidade coletiva é a de que cada filho tem sua tarefa na obra do Pai. Jesus diz que o nosso maior testemunho diante de Deus, são as nossas obras.
Então, estudar, trabalhar, mas melhorar sempre. Este é o caminho. E como diz Eurípedes Barsanulfo, a receita de Jesus para isso, é o amor incondicional.
Toda a orientação de Eurípedes Barnanulfo, cujo resumo está no livro Atitude de Amor, foi trabalhada na frase de João, Cap. 3:30, - mostra-nos bem o sentir e o proceder de verdadeiros Cristãos:” – É NECESSÁRIO QUE EU DIMINUA, PARA QUE O CRISTO CRESÇA.”
Escrito por Jairo Capasso-União Espirita de Piracicaba


“VOCÊ SABIA QUE É NÓS QUE ATRAÍMOS OS ESPÍRITOS OBSESSORES?

Não pensemos que só existem obsessores que nos procuram por vingança. Por outros motivos também. Um motivo que tem nos chamado à atenção, e dito pelos próprios obsessores, é que eles são chamados às nossas presenças por nós mesmos. Mas, como?
Vejamos os exemplos que nos esclarecem. Há alguns anos atrás dirigíamos uma reunião prática na cidade de Araçatuba, quando um médium ficou envolvido por um espírito muito agitado. E, entre outras coisas, dizia com muita convicção, que ele ia a muitos lares, incontáveis, pois “eles me chamam”. Querendo saber como, ele disse, pelos palavrões, pelos gritos, pelas brigas. Alimento-me destas vibrações, é como se uma força irresistível me puxasse para lá.
No final de outubro de 2006, orientávamos um espírito que fora trazido de um lar onde permanecia sem nenhuma razão, a não ser a de querer ficar no ambiente, por gostar simplesmente.
Perguntamos por que insistia em ficar lá e ele disse “porque ela me prende ali por seus pensamentos, seus sentimentos, suas ações e me sinto bem lá”.
É importante lembrar que os nossos pensamentos, sentimentos e atitudes geram energias. Se forem bons, energias boas; se forem ruins, energias negativas que compõem a nossa aura e impregnam o ambiente à nossa volta. No caso das vibrações negativas, elas formam um ambiente propício para os espíritos desequilibrados, doentes, perturbadores, desocupados, pois os semelhantes se atraem. Esta é a lei da afinidade e da sintonia.
No livro História do Espiritismo em Piracicaba e Região, de Eduardo Carvalho Monteiro, existe um relato que comprova tal fato (o fato de atrairmos os obsessores):
Numa das viagens de trem que fazia como palestrante espírita e representante do Jornal O Clarim e Revista RIE, de Matão, João Leão Pitta, alguém o interrompe em sua leitura e respeitosamente indaga se ele era o Sr. Pitta. Confirmado, o desconhecido pede-lhe que o ajude a conversar com um parente ali presente, “tomado“ por um espírito. Pitta, então inicia um diálogo com o espírito que envolvia o jovem. Perguntado por que estava assediando o moço, a Entidade dizia que “não queria aquilo, mas que o fulano era quem o atraia com seus vícios”. Pitta argumentou com o Espírito: mas se você corresponde ao chamado, é porque você está na mesma faixa mental que ele, porque semelhante atrai semelhante. Não o atenda quando ele o chamar, que você passará bem e ele também.
Bem, podemos ver, pelo exemplo, que nós encarnados também atraímos os espíritos infelizes, quando nosso comportamento se assemelha ao deles, e não somente eles nos procuram. Então a nossa responsabilidade é grande nas obsessões. Nunca algo ocorrerá nesse sentido se não estivermos com a nossa parte de responsabilidade.
Em O Evangelho Segundo O Espiritismo, Cap.XXVIII, diz: Os maus espíritos pululam ao redor da Terra, em conseqüência da inferioridade moral dos seus habitantes. Sua ação malfazeja faz parte dos flagelos dos quais a humanidade é alvo neste mundo...
Para se preservar das doenças, fortifica-se o corpo; para se garantir da obsessão, é preciso fortalecer a alma; daí, para o obsidiado, a necessidade de trabalhar pela sua própria melhoria, o que basta, o mais frequentemente, para livrá-lo do obsessor...

Escrito por Jairo Capasso-UNIÃO ESPIRITA DE PIRACICABA

“O CRIMINOSO SEMPRE VOLTA AO LOCAL DO CRIME “Se não mudamos por amor, mudaremos pela dor.

Este adágio popular, embora simples, reflete a mais pura verdade. Analisado apenas por uma visão materialista, não faria nenhum sentido. A própria história revela inúmeros casos de figuras que cometeram crimes terríveis, nunca foram punidos e nem regressaram a estes locais. Entretanto, na visão Espírita, as leis que regem o universo seguem a justiça Divina, que sempre coloca frente a frente o criminoso com o seu passado cruel.
Ao compreendermos um dos principais postulados espíritas, a reencarnação, passaremos a entender que voltamos ao teatro dos acontecimentos aqui na Terra, apenas revestidos de nova roupagem, o corpo humano perecível, mas revivendo situações onde muitas vezes apenas trocamos de papel. Por exemplo, o rico frio e cruel, pode reencarnar como um pobre operário, trabalhando de sol a sol para o seu sustento. Ele terá de aprender nas amargas lutas da vida, a respeitar melhor o ser humano, por saber-se muitas vezes, explorado e desrespeitado. Poderá, entretanto amenizar a sua experiência difícil, se souber sofrer com resignação, e procurar de forma digna e honesta mudar a própria situação em que se encontra. Ou então, optar pela revolta ou criminalidade, mantendo-se por muito tempo em um ciclo de reencarnações compulsórias (sem direito de escolha), repetindo as mesmas experiências amargas e dolorosas até que mude de comportamento. Temos o livre arbítrio, as escolhas são nossas. Embora o Espírito nunca retrograde, pode estacionar ou mesmo se endividar, contraindo débitos pesados perante a justiça Divina, que saberá encaminha-lo para as experiências dolorosas, mas educativas e reparadoras.
Nesta compreensão da justiça Divina, passamos a entender que na verdade toda a humanidade, em um grau variável conforme o nível evolutivo é criminoso no aspecto moral. Ao desrespeitarmos as Leis de Deus, passamos a fazer jus reencarnar em um planeta como a Terra, situado na escala de aferição moral como de “provas e expiação”. Qualquer dor ou sofrimento que possamos estar vivenciando nada mais é que um reencontro com o nosso passado culposo, onde o criminoso sempre regressa ao local onde cometeu o crime. Mesmo que hoje possamos ter uma vida pautada pela moral e pela ética, nas experiências pregressas, nem sempre soubemos nos comportar de forma digna. Uma reencarnação apenas na maioria das vezes não é suficiente para quitar todos os nossos débitos, conforme a natureza e grau de agressão que proporcionamos a sociedade. Em uma guerra, o criminoso não é apenas o soldado cruel que desrespeitou os códigos morais da vida e se excedeu nas suas ações. O jornalista e aqueles que apoiaram a ação bélica são igualmente culpados. Um político corrupto, não causa apenas prejuízo ao erário público, mas é igualmente culpado por ter lesado a educação de crianças, sem escolas, privando-as de um futuro promissor, e também de ter provocado à morte de inúmeras pessoas que não tiveram um tratamento médico adequado, pois os hospitais não tiveram os recursos financeiros disponíveis, já que estes foram desviados para fins escusos.
Assim, esta bagagem de iniquidades ainda nos acompanha como uma sombra maligna, que temos de compreender, e saber elimina-la. O apostolo Paulo nos fala em deixar morrer o homem o velho (Efésios, 4:20), ou seja, eliminar de nossa alma todas as tendências para o mal (ciúme, inveja, egoísmo, violência, etc.) e deixar nascer em nós o homem novo, repleto de virtudes cristãs. Não é uma tarefa fácil, pois ainda trazemos em nosso subconsciente profundo todo este lixo moral, mas é possível de eliminá-lo, desde que tenhamos perseverança, estudo e disciplina. A fórmula sugerida pelo apóstolo Pedro, é de termos a sabedoria suficiente para procurar sofrer menos na Terra. O pescador de Cafarnaum nos ensina que o amor lava uma multidão de pecados (1 Pedro 4:8). Em outras palavras, ao modificarmos o nosso comportamento, eliminamos da nossa alma os estigmas dos erros que provocam lições dolorosas ocasionadas pela Lei de Ação e Reação que rege o universo. Nosso carma então se torna mais brando, devido às ações cristãs agora praticadas, não havendo então a necessidade de um processo de reeducação doloroso.
Neste adágio simples então, devemos refletir de forma a despertar em nos a humildade, a compreensão de que temos muito a fazer em termos de reforma íntima. Se quisermos viver uma sociedade mais justa e cristã, importante que nós mesmos mudemos o nosso comportamento, passando a nos conduzir na vida dentro da mais perfeita moral conforme ensinada por Jesus.

Álvaro Augusto Vargas- União Espírita de Piracicaba.

"DEPOIS DO DESENCARNE" PALAVRAS DE ANDRÉ LUIZ QUE VALEM A PENA OUVIR"